Todos os posts de Nina Gagli

Festa Caiçara #É Góis! será neste domingo

Por Márcio Barreto
.
Celebrando a antiga prática do mutirão, A Futuráfrica Afrobraziliangrooves e o Percutindo Mundos convidam para a Festa Caiçara #ÉGóis! Com música, dança, intervenções, boi bumbá, Sarau Caiçara e Mostra Marginal de Cinema a festa propõe o encontro de pessoas e ideias em contato com a Mata Atlântica, com o mar, com a terra, com a ancestralidade e a contemporaneidade.
.
A dez minutos de Santos, a Praia do Góes, no Guarujá, é um desses lugares que formam o imaginário coletivo sobre a cultura caiçara. A atual ocupação remonta ao início do século XX e traz consigo a cultura trazida pelos caiçaras vindos principalmente do litoral norte paulista. Devido sua localização que dá abrigo contra os ventos e a fúria do mar, desde o século XVI a praia passou por diversas ocupações humanas. Atualmente seus moradores vivem principalmente do turismo.
.
Atividades
.
>> 9h – Saída Ponte Edgard Perdigão (Ponta da Praia, Santos)
>> 10h – Chegada no Sítio Caiçara
>> 11h – Mutirão
>> 15h – Almoço Colaborativo
>> 16h – Semeadura
>> 17h – Festa #ÉGóis! – Com Rádio Futuráfrica, Percutindo Mundos, Sarau Caiçara, Mostra Marginal de Cinema Santista e convidados

Inscrições abertas para oficinas do 6º CulturalMente Santista

Por Secult Santos
.
O 6º CulturalMente Santista – Fórum Cultural e Criativo de Santos está com inscrições gratuitas abertas para as oficinas formativas ‘A Câmera que Dança’, com Eduardo Ferreira, nos próximos dias 9 e 10, das 11h às 13h, e ‘Fios da Narrativa’, com Camila Genaro, no próximo dia 9, às 16h30. Ambas ocorrem no Centro de Cultura Patrícia Galvão (Av. Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias).
.
Combinando estratégias da dança com movimentos de câmera e exercícios, ‘A Câmera que Dança’ tem a proposta de tratar o equipamento como extensão do corpo em movimento. Oferece 30 vagas, com inscrições no link https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfLrXvyFfUdR6dOQvhpZuOAJoYHNhHn_ronmwwbuj4YE_h9MA/viewform?usp=sf_link.
.
Já ‘Os Fios da Narrativa’ tem com objetivo abordar a preparação para a contação de histórias. Com 20 vagas, o workshop tem duração de duas horas. Inscrições pelo email culturalmentesantista@gmail.com.
.
A 6ª edição do CulturalMente Santista ocorre entre os dias 8 e 10 de dezembro, no Centro de Cultura Patrícia Galvão, e tem como tema a Agenda 2030 da ONU. Mais informações no site www.culturalmentesantista.com.br e na página www.facebook.com/culturalmentesantista.

A ‘cara’ do Revelando SP: Conheça participantes do evento

Por Secretaria de Cultura de São Paulo
.
Dona Lúcia, de Cruzeiro: “Não tem como mudar a história, porque a história não muda”
.
Foi por causa do Revelando São Paulo que a dona Lúcia, de 64 anos, se “especializou” na produção do arroz vermelho com suã, comida típica de Cruzeiro. Em uma das primeiras edições do festival, há 20 anos, foi quando a culinarista ouviu falar do prato e começou a sua pesquisa para aprender a iguaria.
.
“O suã é a coluna do porco. Eu e minha amiga fomos atrás dos mais velhos, perguntamos como que fazia. Aí um contava uma versão, outro contava outra e foi enriquecendo”, explica.
.
Diz a história que o prato é uma herança dos tropeiros, que no Brasil colonial faziam o comércio entre o sul e sudeste. “Quando eles passavam na região, eles iam em uma fazendinha que tinha na época que plantava esse arroz e iam comer essa comida, porque ela dá sustância. E é verdade, se você almoçar o arroz vermelho, você não janta”.
.
Produção local
.
Todos os ingredientes que dona Lúcia utiliza no preparo do arroz vermelho com suã são adquiridos de produtores locais. “O produto tem mais qualidade, dura mais e não tem veneno”, diz.
.
A primeira vez que dona Lúcia preparou o prato foi para a família. “Fizemos do jeitinho que a história conta, acompanhado de mandioca, couve e torresmo”. O próximo passo foi levar o arroz com suã para o Revelando. E o sucesso foi tanto que, quem for a Cruzeiro hoje, pode provar a iguaria aos domingos, no Bosque Municipal.

Dona Irene – Paraíbuna: “Eu amo fazer bolinho de chuva. E eu acho que uma pitadinha de amor acrescenta sabor”
.
A família de Irene Fernandes Neves veio de Minas Gerais para São Paulo, em Paraíbuna, onde ela nasceu, há 62 anos. Original da roça, dona Irene é muito ligada às tradições passadas da avó para a mãe e, por fim, para ela. E, a principal delas, a arte de fazer bolinho de chuva.
.
“As pessoas que trabalhavam na roça, quando voltavam cansadas para casa no final do dia, o que elas podiam fazer para comer? Tinha que ser uma coisa prática, rápida. E, principalmente, quando chegava na época da chuva, parecia que pedia o bolinho de chuva”, conta.
.
Dona Irene cresceu, casou e, quando tinha 32 anos, se mudou para a cidade. A tradição permaneceu e ela continuou fazendo o doce para a família, amigos, vizinhos. E, apesar de afirmar que sua receita não leva nenhum ingrediente secreto, seus bolinhos fizeram tanto sucesso que logo ela foi convidada para participar de feiras regionais do Vale do Paraíba. “Eu amo fazer bolinho de chuva e eu acho que uma pitadinha de amor acrescenta sabor”.
.
Foi por causa de seu bolinho, servido com café torrado, socado no pilão, coado no coador de pano e servido na canequinha de ágata que ela foi convidada para participar da primeira edição do Revelando São Paulo, representando a região, em 1997. “Mesmo morando na cidade, eu não perdi o jeito da roça. Eu uso todas as minhas panelas de ferro, minha chaleira de ágata. Você vai ver quando a gente estiver em São Paulo! Eu e meu marido conservamos tudo porque sempre soubemos que um dia nós iríamos usar. E nós usamos. Eu levo para todas as edições do Revelando”, diz.
.
Kambuquira, de Guararema: “Se você for ao Revelando e não comer a minha galinhada, é como se você não tivesse ido”
.
Há 30 anos quando conheceu Emília, hoje sua esposa, Denílson José Ferreira, 49, se mudou de Lagoinha, no Vale do Paraíba, para Guararema. A cidade, que fica aos pés da Serra da Bocaína, possui o único centro de peregrinação brasileiro de São Longuinho, santo popular “achador” das coisas e causas perdidas. Realizado uma vez por ano, devotos de todo o Brasil vão até a cidade pagar suas promessas e graças dando pulinhos e comendo a tradicional galinhada de São Longuinho.
.
A relação de Denílson com a galinhada teve início há quase 13 anos. Ele, que foi dono de bar e de uma confecção de sapatos, teve um problema de saúde que o obrigou a ficar em casa. Foi aí que Kambuquira, como é conhecido, se interessou pelo prato típico. “Quando eu tive esse problema de saúde tive que ficar em casa de repouso. Para não ficar parado, eu fui até o restaurante de um amigo para aprender a fazer o prato. Falei com a minha esposa e começamos a fazer em casa”, conta Kambuquira.
.
Aprovada pela família e amigos, a galinhada fez tanto sucesso que o casal abriu um restaurante. Além do carro chefe, eles fazem também a paella caipira.
.
“A galinhada é uma só, mas cada um faz do seu jeito. Na minha receita eu uso só a sobrecoxa, sem pele para não ficar com muita gordura. A primeira parte é cozinhar o frango e tudo é feito no carvão, para ficar com aquele gostinho de feito no fogão à lenha. A gente usa a paellera aí vai azeite, cebola, tomate, pimentão e alho. Colocamos um tempero nosso caseiro que vai salsinha e cebolinha. Coloco a sobrecoxa sem pele e vai mais açafrão e coloral para dar aquela corzinha bonita. Aí já acrescenta o arroz e parmesão ralado. Por último faço a decoração”, explica.
.
O sucesso foi tanto que Denílson foi convidado a representar Guararema e levar sua galinhada para o Revelando São Paulo. “Todo mundo que fala em galinhada em Guararema fala que a minha é a melhor que tem. Se você for ao Revelando e não comer a minha galinhada, é como se você não tivesse ido”, se orgulha.

Choro de Bolso se apresenta no Museu de Arte Sacra

Por Prefeitura de Santos
.
O Choro de Bolso realiza o pré-lançamento do CD ‘Entidade’ neste sábado (2), às 15h, no Museu de Arte Sacra de Santos – Mass (Rua Joana D’Arc, 795, Morro São Bento), com entrada franca. O disco foi contemplado pelo 5º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes do Município de Santos, da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), com verba do Fundo Municipal de Assistência à Cultura (Facult). Informações pelo tel. 3219-1111.
.
Formado pela flautista Débora Gozzoli e pelo violonista Marcos Canduta, o Choro de Bolso tem mais de 13 anos de existência. É conhecido por interpretar choros, valsas, polcas, maxixes e demais ritmos brasileiros. Além do refinado repertório, o duo se caracteriza pela excelência na execução, pela expressão e pelo entrosamento impecável.
.
O disco ‘Entidade’ traz composições de Canduta, muitas delas evocando amores e amizades. Tem participações dos cantores Kleber Serrado e Mateus Sartori, do bandolinista Aleh Ferreira, do pianista André Mehmari e o duo Siqueira Lima.

Inscrições para workshops no I Encontro Afro em SV já estão abertas

Por Prefeitura de São Vicente
 .
As inscrições para os workshops do I Encontro Afro em São Vicente já estão abertas. São 25 vagas para os seis workshops, que estarão disponíveis até o preenchimento de todas. O evento será realizado nos dias 18, 19 e 20 de novembro. A entrada é gratuita.
 .
Para participar, basta preencher os formulários, que constam no link abaixo, e doar um pacote de fralda descartável no local. A arrecadação será destinada ao Fundo Social de Solidariedade.
 .
O objetivo do evento é divulgar a cultura afro-brasileira na Cidade, especialmente pelo título de Primeira Cidade do Brasil, além de comemorar a Semana da Consciência Negra.
 .
Confira os links para inscrição:
>> Workshop Amarração de Turbantes – Jacira Rosa https://goo.gl/forms/NndF8nyoV2XaR8qb2
>> Workshop Amarração de Turbantes – Michelle Fernandes https://goo.gl/forms/lUPp1f6dDi9wcyo32
>> Workshop Trança Ghanna – Lucas Braids https://goo.gl/forms/nGhX6bGD6jL4hzRw1
>> Workshop Trança Enraizada – Juliana Máximo https://goo.gl/forms/EegDWRFR0n1yYwGh1
>> Workshop Barbearia – BJ https://goo.gl/forms/CpVi0gsngmxY5R9G3
>> Workshop Maquiagem – Katia Neco https://goo.gl/forms/qhy9JhyMBhoQEGGn2

Documentário “Do Rap ao Rock, do Rock ao Rap” tem pré-estreia em Santos

Curta-metragem retrata carreira solo de ex-integrante de tradicionais bandas punk’s paulistanas, que abandonou a cena underground da capital, para viver na Baixada Santista e entrar de cabeça no Rap.
.
Quinta feira, 09, de novembro, o Studio Rock Café (Santos), recebe a pré-estreia do documentário ‘Rica Silveira do Rap ao Rock, do Rock ao Rap’, em sessão única e exclusiva, com a presença do diretor Rodrigo d’Sales Monteiro (Agregador de conteúdo Vevo, curador artístico Universal Music Brasil e proprietário da produtora Hey Jude Filmes).
Após a exibição acontecerá uma festa com shows das bandas Controlamente (SP) e Detoni (Santos).
.
O filme aborda a trajetória da então carreira solo do rapper, compositor e instrumentista Rica Silveira, paulistano, radicado em Santos, que teve início em 2015 na Baixada Santista, após sua longa passagem por bandas da cena rock, hardcore, punk paulistana dos anos 2000.
.
O curta reúne depoimentos de artistas, amigos, inserções de conteúdos jornalísticos e midiáticos, entre os depoentes, se destacam: Clemente Tadeu Nascimento (Inocentes, Plebe Rude, Showlivre), Cannibal (Devotos do ódio, Café Preto), Marcelo Mancini (banda Strike), Janaína Lima (Kaleidoscópio), W-Yo (Verbo Pesado, RPW) e Thiago Dj (Locutor da 89FM A Rádio Rock).
.
Rica Silveira, 38 anos, é paulistano, radicado em Santos, vem transitando entre o rap e o rock desde os anos 90, foi integrante de grandes e importantes bandas da cena punk de São Paulo, como as tradicionais Gritando HC e Calibre 12, em sua bagagem, constam turnês internacionais pela Europa (2008) e Argentina (2005), à frente da extinta banda DeCore. Em 2015 mudou-se de São Paulo para Santos, quando decidiu fazer carreira solo no Hip Hop, sendo hoje um dos principais nomes do segmento na região da Baixada Santista.
.
Hey Jude Filmes, Ancine, Blog N’Roll – AT, Musikorama e Los Santos apresentam:
Pré-estreia do documentário Do Rap ao Rock, do Rock ao Rap
Quando? Quinta feira 09 de novembro, 20H!
Local: Studio Rock Cafe Endereço: Av. Mal Deodoro, 110 – Gonzaga – Santos (SP)
Entrada: Gratuita das 20H as 21H, após R$15
Shows: Rica Silveira, Controlamente e Detoni
Informações: (13) 3877 0110

 

7º Forró Pé na Areia agita multidão neste domingo

Por Carcará Produções e Forró da Terra
.
Uma nova edição do projeto Forró Pé na Areia acontece neste domingo (22/out), às 16h, na Praia do Embaré, realizado pela Carcará Produções. Em frente ao CPE, acontecem os shows do Forró da Terra, Leonardo Cabelinho, Cigano Thiago, Coletivo Pisa na Chita e demais convidados.
.
O Forró da Terra é liderado por Paulinho de Santos que é primo de terceiro grau de Dominguinhos um dos nossos grandes ídolos do Brasil. Nascido em Alagoas, Paulinho de Santos toca sanfona desde os 12 anos de idade, além de musico é compositor, tem muitas musicas suas gravadas por artistas consagrados no forró pé de serra.
.
Tocou nas maiores casas de forró pé de serra desde os anos 70, dentre as de mais destaques: Forró de Pedro Sertanejo, Asa Branca (Tatuapé e Pinheiros), Viola de Ouro, Diamante Cor de Rosa, Forró do Zé Pernambuco, Forró do Zé Beto, Recanto do nordeste, Restaurante Luiz Gonzaga, KVA e Canto da Ema, Rootstock, Remelexo, Cooperativa Brasil, Gigante do Catete (RJ), Malagueta (RJ), Casa Rosa (RJ).
.
Dividiu palco com Dominguinhos, Luiz Gonzaga e Genival Lacerda diversas vezes, já tocou com Sebastião do Rojão, João do Pife, Zé do Rojão, Joci Batista, Jacinto Silva, Azulão De Caruaru, Azulão da Bahia, Mestre Zinho além de ter feito parte do Trio Xamego, Trio Bahia e Trio Cristalino.