Em Guarujá, Casa3 abre as portas para sessão de curtas-metragens

Por Marcelo Wallez

No dia 23/abr, às 20h, serão exibidos três curtas metragens em sessão gratuita na Casa3 (Av. Francisco Arnaldo Gimenez, Vl. Santo Antônio/Guarujá). O tema da exibição é ‘A cidade é mar’ relacionado à nova produção da companhia teatral com estreia prevista para o fim do ano.

Serão exibidos os filmes ‘Estamos Todos Aqui’ (Chico Santos e Rafael Mellim, 2018), ‘Recife Frio’ (Kleber Mendonça Filho, 2009) e ‘Guaxuma’ (Nara Normande, 2018). Após a sessão, haverá um debate com o público, mediado pelo ator e professor Eduardo Bordinhon, que é responsável pela curadoria dos curtas. Seguem as sinopses:

> Estamos todos aqui | Rosa, expulsa de casa, precisa construir seu próprio barraco. Enquanto isso, um projeto de expansão do maior porto da América Latina avança, não só sobre Rosa, mas sobre toda a Favela da Prainha.

> Recife frio | Nos trópicos do país, a cidade sofre com a queda da temperatura devido a uma mudança climátrica, fazendo com que os habitantes tenham que se adaptar a um ambiente triste e chuvoso.

> Guaxuma | Eu e a Tayra crescemos juntas na praia de Guaxuma. A gente era inseparável. O sopro do mar me traz boas lembranças.

Conheça os filmes em cartaz nos cinemas públicos de Santos neste feriado

Por Secult Santos

Cine Arte exibe Meu Querido Filho

O longa-metragem tunisiano ‘Meu Querido Filho’ aborda questões familiares e o conflito na Síria. Com direção de Mohamed Ben Attia, o drama foca no núcleo formado por Riadh (Mohamed Dhrif), sua esposa Nazli (Mouna Mejri), e o filho único e superprotegido do casal de classe média, Sami (Zakaria Ben Ayyed).

O garoto se prepara para prestar o vestibular, mas não consegue se dedicar aos estudos graças a enxaquecas. No momento em que Riadh acha que seu filho está melhor, o jovem de 19 anos de idade desaparece, deixando os pais em completo desespero. Em cartaz de quinta-feira (18) até o dia 24 de abril. Sessões às 16h, 18h30 e 21h. Cine Arte Posto 4 (Orla do Gonzaga, próximo ao Canal 3). Entradas de R$ 1,50 a R$ 3.Classificação: 14 anos.

Mostra de Cinema Indiano

A Cinemateca de Santos (R. Min. Xavier de Toledo, 42/Santos) segue com a mostra e exibe ‘Salaam Bombay’. Dirigido por Mira Nair, o longa conta a história de um grupo de crianças que tenta sobreviver nas ruas de Mumbai, em meio a bicos e problemas com a polícia. O principal deles é o garoto Krishna, que foi abandonado por sua mãe no circo Apollo, só podendo voltar para casa quando conseguir juntar 500 rúpias, para pagar a bicicleta quebrada do irmão. Ao lado de traficantes e prostitutas, ele tenta de tudo para conseguir o dinheiro e poder voltar para casa. Sábado (20) às 20h. Entrada gratuita.

Oscar no Miss exibe Hitchcock

Com curadoria dos críticos de cinema Marcelo Pestana e Carlos Cirne, será exibido o suspense ‘Um Corpo que Cai’. Considerada uma das obras clássicas do diretor inglês, o longa-metragem tem atuações de James Stewart e Kim Novak. Situada em São Francisco (EUA), o filme acompanha um detetive, com o medo de altura, que é contratado por um amigo para seguir sua esposa com tendências suicidas.

Ao resgatá-la de uma queda na baía, ele se torna obcecado pela bela e atormentada mulher. ‘Um Corpo que Cai’ teve duas indicações ao Oscar, em 1959, nas categorias de Som e Direção de Arte. Terça-feira (23). 18h30. Museu da Imagem e do Som de Santos – Miss (Av. Pinheiro Machado, 48/Santos). Entrada gratuita.

2º Movimento Leia São Vicente incentiva a leitura a partir de abril

Por Prefeitura de São Vicente

Estimular a cultura, com atividades como leitura em grupo, teatro e dança. Este é o objetivo do 2º Movimento Leia São Vicente, que será realizado em todas as unidades de ensino da Cidade. A abertura será no dia 22, às 9h, no auditório do 2º Batalhão de Infantaria Leve (Av. Antonio Emmerich, 975, Vl. Cascatinha).

A cerimônia para iniciar o projeto contará com a presença de professores, diretores e coordenadores de creches, escolas de ensino infantil e fundamental e estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os profissionais da educação participarão de uma palestra, abordando o desenvolvimento de habilidades socioemocionais em colégios.

Depois da abertura, já no dia 26, todas as unidades vão começar com suas atividades em torno de um tema, que, neste ano, será trabalho e projeto de vida, seguindo a Base Nacional Comum Curricular (BNCC)”, explicou Denise Barbosa, diretora da Educação Básica. Idealizado pela Seduc, o movimento é um incentivo à leitura não só para crianças e adolescentes, mas para a família que também se envolve no projeto.

Três tradicionais Encenações da Paixão de Cristo acontecem em São Vicente

Por Prefeitura de São Vicente

A ‘Encenação da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo’ chega a sua 27ª edição. O maior espetáculo teatral da Área Continental iniciou em 1991 e reúne vicentinos e turistas para contemplarem a peça. Neste ano, o evento será realizado entre os dias 19 a 21/abr (1º ato, missa e 2º ato), às 19h, na Praça 128, s/nº, ao lado da Paróquia São José de Anchieta.

A apresentação conta com direção dos irmãos Eric e Michel Torres. Ela mobiliza 200 pessoas entre atores, músicos, dançarinos, equipe de apoio e, claro, a participação da comunidade. Segundo Eric, “o diferencial deste ano é contar de forma fácil e acessível essa importante história, buscando atrair pessoas que não são da igreja”. Com entrada franca, evento arrecada 1 Kg alimento não-perecível.

Inspiração do circo

‘Via Dolorosa – A Paixão de Cristo’ acontecerá de 18 a 21/abr, às 20h, na Praça Tom Jobim. O espetáculo de rua, que ocorre desde 2007, abordará do nascimento à ressurreição de Jesus Cristo. Muitas cores, vida e harmonia estão previstas para entreter os vicentinos que prestigiarem a peça no formato lúdico circense.

Está previsto ainda um coro com músicas do cancioneiro popular. Além disso, atores vão cantar e contar a história do Filho de Deus. A direção é de Rodrigo Caesar e Lucas Magalhães, que diz: “Teremos muitas novidades no roteiro, como um bilheteiro em um espetáculo de rua, um domador de circo sem animais, mulher barbada e algumas pitadas de humor para contar essa linda história, que teve final feliz: Jesus ressuscitou”.

De acordo com a direção, a mostra não é religiosa. É uma exibição que conta a história de um importante ícone religioso de grande relevância. “Esperamos, contudo, levar muita cor, luz, alegria e muita arte a todos”, ressalta Lucas. A entrada para conferir a história, que será contada nos moldes do circo clássico, é gratuita.

Área Insular

A comunidade da Igreja Nossa Senhora do Amparo (Avenida Capitão Mor Aguiar, 773, Centro) realiza 19/abr, às 18h30, e 20/abr, às 19h30, a ‘Encenação da Paixão e Ressurreição de Cristo’. O espetáculo é gratuito e conta como foi o último dia de Jesus na terra, seu sofrimento e morte. Ele é resultado do trabalho de uma equipe de 96 pessoas, composta por atores e pessoas que trabalham nos bastidores. De acordo com a organização, a expectativa é receber cerca de 1,3 mil pessoas.

Em São Vicente, teatro de rua ‘Via Dolorosa’ entra em cartaz nesta semana

Por Lincoln Spada

O Coletivo de Artes de São Vicente realiza a partir desta semana uma temporada de sessões gratuitas do espetáculo ‘Via Dolorosa’, o tradicional teatro de rua que faz uma releitura da Paixão de Cristo.

Entre os dias 18 e 21/abr (quinta a domingo), as sessões às 20h serão na Praça Tom Jobim (Gonzaguinha). Por sua vez, no fim de semana seguinte (27 e 28/abr), às 20h, as apresentações serão no Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente (Rua Frei Gaspar, 280).

Sinônimo de resistência e reinvenção, Elza Soares é tema de musical no Sesc Santos

Por Sesc Santos

A trajetória de Elza Soares é sinônimo de resistência e reinvenção. As múltiplas facetas apresentadas ao longo de sua majestosa carreira estão em cena no musical ‘Elza’, que se apresenta 20/abr (sábado, às 20h) e 21/abr (domingo, às 18h), no Sesc Santos (R. Cons. Ribas, 136). Ingressos de R$ 9 a R$ 30. Classificação: 14 anos. Duração: 140min.

Larissa Luz, Janamô, Júlia Tizumba, Késia Estácio, Khrystal, Laís Lacorte e Verônica Bonfim dividem a missão de evocar a intérprete, através do texto de Vinícius Calderoni e da direção de Duda Maia. Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet assinam a direção musical e o maestro Letieres Leite foi o responsável pelos novos arranjos para clássicos do repertório da cantora. O projeto foi idealizado por Andrea Alves, da Sarau Agência.

O espetáculo foi desenvolvido ao longo dos últimos meses, no momento em que Elza se encontra no auge de uma carreira marcada por reviravoltas e renascimentos. Ao lançar seus últimos dois discos, ‘A Mulher do Fim do Mundo’ (2015) e ‘Deus é Mulher’ (2018), a cantora não somente ampliou ainda mais seu repertório e o imenso leque de fãs, como conquistou, mais uma vez, a crítica internacional, e se consolidou como uma das principais vozes da mulher negra brasileira.

“São sete atrizes negras e múltiplas, como a Elza é. Diante da responsabilidade enorme, eu estabeleci limites de fala para mim, por exemplo, em relação a alguns temas. Limitei a minha voz e disse que não escreveria nada, queria os relatos delas e as opiniões. Pedi a colaboração delas, das experiências vividas por uma mulher negra”, conta o dramaturgo.

Tal processo colaborativo se estendeu para a música. O processo gerou ainda duas canções inéditas que estão na peça: ‘Ogum’, de Pedro Luís, e ‘Rap da Vila Vintém’, de Larissa Luz. Se a escolha de Pedro para a função foi referendada pela própria Elza – que gravou e escolheu um verso do compositor para nomear seu último disco –, Larissa já estava envolvida com o projeto desde o seu embrião.

As atrizes que dividem o palco com Larissa passaram por uma série de audições, em um processo que privilegiou intérpretes multifacetadas. Em cena, elas se dividem ao viver Elza em suas mais diversas fases e interpretam outros personagens, como os familiares e amigos da cantora, além de personalidades marcantes, como Ary Barroso (1903-1964), apresentador do programa onde se apresentou pela primeira vez, e Garrincha (1933-1983), que protagonizou com ela um dos mais famosos e tórridos casos de amor da recente história brasileira.

Marcada por uma série de tragédias pessoais – a morte dos filhos e de Garrincha, a violência doméstica e a intolerância –, a jornada de Elza é contada com alegria. Foi este o único pedido da própria cantora. “Apesar de uma força arrebatadora, Elza tem muita leveza. É divertida. Mais do que nos pedir qualquer coisa, deixou claro que sua história é marcada por uma força absurda de viver. Que, apesar de tudo, tem garra, tem amor, tem opinião”, completa a diretora do espetáculo.

O musical ‘Elza’ ganhou os prêmios Reverência (espetáculo, direção, dramaturgia e arranjo), Cesgranrio (direção e elenco) e APCA (dramaturgia), além das 38 indicações a outros prêmios, como o Shell (música) e APTR (direção, iluminação, música, elenco coadjuvante, atriz em papel protagonista).

Projeto experimental de fit ballet ‘Mova-se’ tem vagas gratuitas em Cubatão

Informações da Prefeitura de Cubatão

O tempo passou. Aquele desejo despertado na infância, de um dia arriscar alguns passos de balé clássico, ficou para trás. Foi engolido pela rotina cronometrada da vida adulta, pautada em uma agenda de compromissos encavalados que demandam um dia de mais de 24h. Mas essa história pode ter um caminho diferente para quem decidir aceitar o convite da coordenadora artística Solange Maria Bueno de Carvalho.

À frente de um projeto experimental, ‘Mova-se’, ela abriu as portas da ETMD Ivanildo Rebouças da Silva (Av. Nações Unidas, 168, Vl. Nova) para quem quiser não apenas se iniciar no balé clássico, mas também aliar a dança à ginástica. Por prazer. E, principalmente, para conquistar uma vida mais saudável. Detalhe: as inscrições, gratuitas, não são restritas às mulheres.

“A intenção era atrair as mães das meninas que têm aulas de balé no Conservatório Municipal. Geralmente elas comentam que matricularam as filhas pequenas no curso porque na infância não puderam dançar balé. Mas assim que abrimos as inscrições fomos surpreendidos. Há pais e até avós que também querem participar. Além de rapazes que já fazem cursos de música!”, comentou Solange Carvalho, frisando que a participação está aberta à comunidade, sem restrição de gênero ou idade. Basta ter mais de 12 anos.

As aulas gratuitas de fit ballet são ministradas todas as terças e sextas-feiras das 12h30 às 13h30 e das 17 às 18 horas. “Há a iniciação aos passos do balé clássico com a fusão do fitness. Essa mesclagem deu certo! Realmente melhora o condicionamento físico”, avalia Solange. Informações na secretaria escolar. Basta apresentar um documento de identidade.

Plataforma virtual sobre o fazer cultural no Estado de São Paulo.