Arquivo da tag: andre Abujamra

André Abujamra levará as águas de ‘Omindá’ para o Sesc Santos

Sesc Santos

A ousadia sempre fez parte dos mais de quarenta anos de carreira de André Abujamra. ‘Omindá – A União das Almas do Mundo Pelas Águas’ lançado em março de 2018 – não foge a isso. Em tempos tecnológicos onde as fronteiras se tornam inexistentes, mas as barreiras mentais ainda nos impedem de viver em união, André Abujamra busca inspiração nas águas – que também não conhecem fronteiras.

Em 16/fev, às 20h, com ingressos de R$ 7,50 a R$ 25, ‘Omindá’ chega, em versão reduzida, mas não menos impactante, ao Sesc Santos (R. Cons. Ribas, 136/Santos). André (guitarra, percussão e voz) será acompanhado por Mano Bap (baixo), Maurício Badé e Ari Colares (percussão) e Eron Guarnieri (piano). Assim como na estreia da turnê, o show traz imagens captadas durante as viagens de Abujamra pelo mundo – o documentário produzido nas gravações das faixas que compõem sua trilha, em coautoria com os músicos com quem trabalhou em sua viagem, estreou na 42ª Mostra de Cinema Internacional de SP.

O repertório do show traz as 15 faixas do disco, como a que dá nome ao disco, “Omindá”, e outras como “O Mar”, “Real Grandeza”, “Barulhinho” e “Povo Bonito” – compostas por André – além de parcerias dele com Xis, Theo Werneck e Oki Dub (“Leviatan”) e Mauricio Pereira, Mintcho Garramone, Anelis Assumpção e Martim Buscaglia (“Xangô”), e outras.

O trabalho pode ser encontrado em CD, vinil e nas plataformas digitais e reúne artistas convidados de diversos lugares do globo, dos Estados Unidos ao Japão, passando por Rússia, Índia, Bulgária, Jordânia, entre muitos outros, que acrescentam à música de André sons de seus próprios territórios. Resultado de 11 anos de trabalho e de muitas viagens, o álbum foi lançado em 22/mar (Dia Mundial da Água), seguido pelos shows com artistas, como o percussionista Marcos Suzano e a Trupe Chá de Boldo.

Além dos artistas internacionais, como a The City of Praga Philharmonic Orchestra (República Checa), o tradicional coro The Mystery of the Bulgarian Voices (Bulgária), Zaza Fournier (França), Ballaké Sissoko (Mali), Maria de Medeiros (Portugal), Sasha Vista (Rússia), Oki Kano (Japão), Perota Chingó – Julia Ortiz e Dolores Aguirre (Argentina), Rishab Prasanna e Sharat Srivastava (India), participam do disco artistas brasileiros como o percussionista Marcos Suzano, o violeiro Ricardo Vignini, a Trupe Chá de Boldo, o companheiro de André n’Os Mulheres Negras, Maurício Pereira, Ritchie, Paulinho Moska, entre muitos outros.

Lavando a alma

‘Omindá’ em Yoruba é a junção das palavras Omin (água) e Da (alma). O significado reflete o objetivo do projeto: ser uma grande celebração da diversidade e da comunhão pela arte. O encontro artístico de André Abujamra com estes artistas de várias partes do mundo, convivendo com culturas, tradições, musicalidades e traçando conexões com o Brasil e o exterior como parte fundamental da trajetória do artista. Que a arte sirva de elo e laço para construção deste encontro de almas. Seguindo sempre uma linguagem original e ousada, Abujamra seguirá pelo mesmo caminho inovador de seus trabalhos anteriores (Infinito de Pé, Retransformafrikando, Mafaro e Homem Bruxa), onde mistura cinema, música, teatro e tecnologia.

 

Monólogo ‘O Senhor das Chaves’ está em cartaz no Guarany

A Oficina Cultural Pagu, unidade do programa das Oficinas Culturais do Governo do Estado de São Paulo, gerenciado pela Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e a Literatura leva a Santos nesta terça-feira (dia 9), às 20h30, no Teatro Guarany com entrada franca o espetáculo ‘O Senhor das Chaves’.

Na trama, um velho marinheiro aparece em cena, bastante atrapalhado, e mostra dúvidas a respeito do que faz ali: entendemos que ele está sem memória. Aos poucos, e com a ajuda do público, ele vai se localizando, e acaba por abrir baús e encontrar objetos que o fazem recordar várias histórias fantásticas. Seriam aquelas histórias verdadeiras ou frutos da sua imaginação?

Alexandre Roit (um dos fundadores do grupo Parlapatões) interpreta o marinheiro, sob direção de Pedro Pires. O texto é de Rodrigo Matheus e a música, de André Abujamra. Circulando com o apoio do ProAC, este espetáculo infantojuvenil tem duas indicações para o Prêmio Femsa de Teatro: melhor ator e melhor texto original.

*Ricardo Vasconcellos

 

Entrevista: Danilo Miranda lança Circuito Sesc de Artes em SP

“Leia Giulio Argan. É um teórico da arte que trata desde aquelas manifestações nas cavernas, da arte rupestre, até a arte moderna. Leia ele, outros. Leia muito”, recomendava Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo. Por um descuido, seu braço acalorou outro ombro. Em segundos, já bailava em quatro, cinco, seis cumprimentos sorridentes no Sesc Pompeia, onde foi lançado o Circuito Sesc de Artes 2015.

07O programa criado na última década possibilita um dia de oásis cultural pelo interior paulista. Municípios sem teatros, redondezas com raros cinemas, locais sem secretarias da cultura firmadas. A agenda da entidade abrange 108 cidades em 12 roteiros com 392 artistas, em linguagens como teatro, circo, dança, música, cinema, artemídia e cultura digital. Ao todo, 547 horas de atividades gratuitas e descentralizadas para um público de 280 mil espectadores. Confira aqui a programação completa.

Repensar num projeto de tal amplitude precisa mesmo de uma sensibilidade do gestor. O circuito abrange índices tão invejáveis quanto o seu similar criado pelo Governo Estadual. Em um único fim de semana, a Virada Cultural Paulista ocorre em 28 cidades, mas mantém cerca mais de 1500 horas de programação gratuita e milhares de artistas.

A principal diferença é que a iniciativa do Sesc percorre mais locais por ser realizada de 24 de abril a 10 de maio deste ano. Mas se os governos são obrigados a rever os gastos orçamentários, reduzindo expedientes de museus e fechando unidades de formação, a instituição privada goza da sorte de inaugurar neste sábado (dia 18) a sua 36ª unidade, o Sesc Jundiaí (Av. Antonio Frederico Ozanan, 6.600/Jundiaí). Segue abaixo a entrevista com Danilo Miranda.

Como você conceitua a arte?

06A arte e a cultura são permanentes em nossas vidas, desde o abrir dos olhos e o primeiro chorinho até nosso último suspiro. Vou dar um exemplo, um vídeo muito visto pela Internet. A história da Marina (Abramovic) está aí, para todos. A artista, sentada olhando as pessoas que a visitavam (na performance ‘The Artist is Present’). E então ela reencontra o ex-marido. Sentado na frente dela por um minuto.

Isto é pura arte. Um vídeo fantástico, um fato corriqueiro, mas que as pessoas ao redor e nós ficamos alterados, porque você se emociona, se toca com a cena. Não é que a arte é necessária. Ela é fundamental para a elevação do espírito. É com a arte que você se realiza plenamente enquanto sociedade.

Qual é a inspiração para o Circuito Sesc de Artes?

O Sesc tem uma tradição histórica em que nos espelhamos que é a das Unidades Móveis de Orientação Social que percorriam o interior paulista nos anos 50, 60. Somos remanescentes desse período, portanto, temos em nossa bagagem toda a história de desenvolvimento que o Sesc contribui por meio dessas unidades como escolas para lideranças comunitárias atendendo com saúde, lazer e cidadania. Era um projeto de caráter profundamente intenso por ser itinerante. E a partir dele nos inspiramos neste circuito.

Quais são os critérios para a escolha dos artistas? É pensado em levar produções que toquem temas específicos para os municípios selecionados?

09Olha, a gente não tem a intenção, por exemplo, de levar um rapper que trate da violência para uma cidade específica por ter altos índices. Nossos critérios são a qualidade das produções, fantásticas, algumas de custo altíssimo e, por isso, também pensamos na democratização para que essa qualidade chegue ao maior número de pessoas. Mas a arte contemporânea já traz consigo a problemática dos dias de hoje. O rapper de Brasília e de Goiânia geralmente fala dos mesmos problemas conhecidos pelos músicos do Rio e de São Paulo.

Penso que é importante levar para o interior essa discussão do contemporâneo e não vejo mais que haja mais ou menos conservadorismo em relação a quem more nos grandes centros urbanos. É importante que haja a vivência de diferenças e dos diferentes em qualquer parte, e até que o circuito passe e provoque estas discussões. Mas a nossa intenção é de levar a qualidade artística para estas cidades.

Muitos projetos do Sesc têm caráter educacional. Isso também se aplica no Circuito?

08O Circuito não tem o objetivo de resolver ou educar, mas de provocar, contribuir com a discussão das artes em São Paulo. Ele não tem um componente formativo específico como se fosse uma aula, mas informalmente podemos dizer que faz parte desta formação a provocação de manifestações culturais, de impactar o público. Porque se o público gosta do cantor, do maestro, do grupo que se apresenta, ele vai querer buscar o repertório dele por outras fontes.

Quais os resultados do Circuito Sesc de Artes? Algum comentário de um artista mais lhe marcou?

A quem inicia na carreira, o programa é válido pois dá repercussão, faz com que ele conheça mais públicos. Também lembro dos comentários do Emicida, do (André) Abujamra no nosso vídeo institucional. O que eles e outros com carreira consolidada comentam é que o programa possibilita que eles se apresentem em locais que geralmente nunca vão, porque a produção, o custo é muito caro de levar shows em cidades de pequeno, médio porte.

*Lincoln Spada