Arquivo da tag: aprovados

Confira a lista de bolsistas aprovados no 3º Bravo! Festival de Música Orquestral

Prefeitura de Santos

Foram divulgados os 62 nomes dos jovens músicos que integrarão o corpo estudantil do 3º Bravo! Festival de Música Orquestral. Inspirada nos grandes eventos de música clássica, a iniciativa, realizada pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult), por meio de seu Departamento de Formação e Pesquisa Cultural (Deforpec), oferece masterclasses com grandes nomes da música erudita aos participantes. Palestra de abertura ocorre no dia 9 de fevereiro, no Teatro Guarany (Praça dos Andradas, 100, Centro), com a condução do violonista Bruno Robalo e dos quartetos Caiçara e Ybirá.

Entre os dias 11 e 16 de fevereiro estão programadas aulas com Wellington Rebouças (violino), Renato Bandel (viola), Joel de Souza Filho (violoncelo), Thiago Araújo (trompete) e com o maestro Marcelo Maganha. O Bravo! tem encerramento no dia 17 de fevereiro, no Teatro Municipal Braz Cubas (Av. Senador Pinheiro Machado, 48, na Vila Mathias), com concerto de gala com a orquestra formada pelos alunos, ao lado do Clube do Choro de Santos e da Escola de Choro e Cidadania Luizinho 7 Cordas. As aulas também ocorrem no Municipal. Confira a lista de aprovados:

Abner Souza, violino
Aline Oliveira, violoncelo
Ana Elise, violino
André Serrano, trombone
André dos Santos, aluno ouvinte
Anthony Richard Ribeiro, violino
Bruno Robalo, violino
Daniel Mingoranse, violino
Danilo Silva, violino
Davi Buczynski , violino
Gilvan Calsolari, viola
Giovana Lima, violino
Guilherme Jonas, viola
Guilherme Ramos, flauta
Helcio Walfal, violino
Ilana Rocha, violino
Izadora Moro, violino
Joabe Silva, violino
Joelson França, trompete
Jonas Azevedo, violino
Jonny Moura, violino
José Roberto Sobral, violino
João Marcos Nobre, viola
João Marcos Oliveira, violino
João Victor Muniz, percussão
Juan Sotomayor, violino
Julia Wong, violino
Juliana Menezes, violino
Laís Ferreira, viola
Lana de Castro, violino
Letícia Moraes, clarinete
Luan Pablo, clarinete,
Lucas Gabriel, violino
Lucas Matheus, violino
Lucas Pascoali, violino
Lucas Paulino, violino
Lucas Renan, fagote
Lucas Rodrigues, violino
Lucas Espírito Santo, trompete
Luís Felipe, violino
Manoela Santos, fagote
Maria Eduarda Moro, violoncelo
Maria Fernanda Camargo, violoncelo
Maria Fernanda Gracia, violino
Marcos Paulo Oliveira, clarinete
Matheus Eduardo, violino
Murilo Cesar, violoncelo
Nathalia Oliveira, trombone
Otavio Monteiro, viola
Otavio Silva, trompete
Pedro Pascoali, violino
Quezia Sousa, viola
Samuel Lourenço, flauta
Silas Neto, flauta
Sofia Albrecht , violoncelo
Thais Casemiro, violino
Thalia Izidoro, flauta
Thiago Alvares, clarinete
Vinicius Mendes, violino
Vitor Mastre, clarinete
Wellington Oliveira, trompete
Yasmim Silva, viola

Facult: As desventuras do edital santista ao longo dos anos

Se a lei do Fundo de Assistência à Cultura (Facult) de Santos atrasou dois anos para sua regulamentação (entre 2008 e 2010), quando regulamentado, levou-se mais um ano para efetivamente cumprir a legislação. A razão é que a lei prevê anualmente a realização de um edital de R$ 300 mil para contemplar 30 projetos artísticos independentes com R$ 10 mil. No entanto, o primeiro edital do fundo só tinha verba para premiar 17 produções.

01Desde seu início, o edital do Facult podia contemplar as áreas de artes plásticas, artes gráficas, artesanato, cultura integrada e popular, circo, artes de rua, dança, música, teatro, cinema, videografia, fotografia, literatura, patrimônio cultural e natural, infraestrutura cultural ou outros segmentos. Em contrapartida, os autores selecionados devem apresentar seus trabalhos, gratuitamente, na Zona Noroeste, Morros e Área Continental.

> Facult: A mobilização dos artistas em 2010
> Facult: A repercussão das artes pela Cidade
> Facult: Entrevista com secretário de Cultura

Lançado em 2010, o 1º Facult contemplou das 65 propostas as seguintes ações: ‘Santos – Natureza e Arquitetura em Fotos e Poemas’ (Regina Alonso), ‘Jacinto, Sansão do Cais Santista’ (Sergio Willians), ‘Vaisse’ (Luiz Claudio dos Santos), ‘Mario Gruber – A Arte Acontece’ (Dilceu do Amaral Júnior), ‘Resgate da Memória Franciscana’ (Movimento Valongo Minha Casa), ‘Porto e Outros Trópicos – A música que saiu de Santos’ (Antonio Eduardo Santos), ‘Salão Dino de Humor do Litoral Paulista’ (Alexandre Valença Alves Barbosa), ‘Passos Passatempo’ (Ivanilde Lourenço), ‘Prólogo para o Diletante’ (Renata Carvalho), ‘Uma Dança para Gilberto Mendes’ (Miriam Carbonaro), ‘Ciclocênico’ (Márcia Marques), ‘Arte e Educação: Projeto Cooperar’ (Noa Marchese), ‘Prisma CD’ (Bruno Conde), ‘Uma Palhaçada Federal’ (Júnior Brassalotti), ‘Casa da Frontaria Azulejada: Um edifício para um arquivo’ (Nelson Santos Dias), ‘Espelhos Incessantes’ (Ademir Demarchi) e ‘Fortalecendo a Cultura Tradicional’ (Felipe Romano).

Logo de início, o edital financiou a partir de fevereiro de 2011 a publicação de livros, espetáculos circenses e de rua, gravação de disco, temporadas de dança, oficinas cênicas e até um salão de artes gráficas. Mesmo assim, certamente que os demais proponentes e a classe artística se sentiu desrespeitada pelo secretário da Cultura, Carlos Pinto, ter lançado um concurso sem toda a verba de R$ 300 mil. E se enganou quem pensava que a Secult pudesse publicar dois concursos – o anual e o complementar – para 2011. Neste período, ela teve fôlego somente para o complementar, de R$ 130 mil.

01

2º Facult sem o montante total

Em dezembro, o 2º Facult financiaria 13 dos 33 projetos habilitados. A diferença era a clareza da aprovação dos projetos por uma comissão composta por quatro pessoas indicadas pelo Conselho Municipal de Cultura e três representantes da Secult (Secretaria de Cultura). A comissão avaliará cada proposta em escala de 0 a 100 pontos a partir de critérios como criatividade e valor cultural (35 pontos), relevância histórica e qualificação profissional dos envolvidos (40 pontos), além da metodologia do trabalho (25 pontos).

03Na lista, a programação do ‘Circular: Histórias’, o livro ‘Esquinas do Mundo – Ensaios de História e Literatura a Partir do Porto de Santos’, ‘Jabuca! O grito que ecoou e silenciou, mas não aquietou o som do mar, uma homenagem a Plínio Marcos, o poeta maldito!’, o teatro ‘Reclame – Uma História de Amor’, a HQ ‘Abaité: Bandeirantes’, o filme ‘Nau Insensata’, o festival ‘Sansex – Mostra de Cinema e de Cultura da Diversidade Sexual de Santos’, o teatro de rua ‘Negrinha’, a publicação ‘Colégio Canadá nos Arquivos do DEOPS-SP’, o documentário ‘Projeto 6:30’, ‘Na rima e Mixagem do Hip Hop’, o ‘1º Varal do Design’ e ‘A Santos Cultural dos Anos 50’.

3º Facult e pagamentos pendentes

Ainda na gestão de Carlos Pinto em frente à pasta, o ano de 2012 teve a promulgação do 3º Facult. Enfim, exatamente como estava reservado por lei: R$ 300 mil. Com a transição de prefeitos – e consecutivamente de secretários -, foi em março de 2013 que o então secretário Raul Christiano assinou a lista de 30 dos 40 projetos habilitados do concurso.

02No teatro, foram contemplados ‘Uma Palhaçada Federal’ (Sidney Herzog), ‘Em Vila Isabel, Hoje é Noite de Natal’ (Fernando Pompeu), ‘Um Bonde chamado Saudade’ (Kátia Balliano), ‘Criança no Espaço Teatro Aberto’ (Talita Berthi), ‘Ciclocênico – Oficina de Farrandantes’ (Platão Capurro Filho), ‘Algumas Histórias’ (Bruno Fracchia), ‘Tempo’ (Laura Lavorato), ‘Projeto Bispo’ (Douglas Zanovelli), ‘Patacho’ (Carlos Bellini), ‘Reciclawndio’ (Daniel Meirelis) e o espetáculo ‘Sereias de Salto’ (Zecarlos Gomes).

A música também dominou a maioria das ações, como a gravação de CDs de Danilo Nunes e Quatro Quartos (de Tarso Ramos), ‘Os Choros, sambas e canção que a gente mesmo faz’ (Marcos Canduta), o show São Sons (Trio Massignan Ruiz), ‘Exalta Santos: Duo Horizonte e Israel Diniz’ (de Regina Schlohauer), ‘Divina Mutante’ (Milton Medusa) e ‘Broadway Voices’ (Roberta Veloso). Por sua vez, as estantes de livros ganharam as publicações ‘Silvio Fernandes Lopes – Engenharia de uma vida’ (Sérgio Teles), ‘Universidade e Ditadura Militar em Santos (José Esteves Evagelidis), ‘Companhia Brasileira de Alquimia’ (Manoel Herzog), ‘Ciência da Música da Teoria à Regência’ e ‘Memórias do Carnaval Santista’ (Jadir Muniz).

04Graças ao mesmo concurso, chegaram às telas os filmes ‘Saudade’ (Verônica Ramalho) e ‘Prelado’ (Camila Cassiano Damazio). No segmento de dança, foi a vez do ‘Encontro com o Outono’ (Miriam Carbonaro) e ‘Meu Jardim Secreto’ (Ariadne Fernandes). Ainda foram financiados ‘Avesso do Avesso’ (Richard Dantas), ‘Raízes Santistas, a ramificação da cultura étnica brasileira’ (João Paulo Rivera) e ‘Santos Sinestésicos’ (Angélica Kelci Kubo).

Entretanto, um novo problema: a Secult não efetuaria a tempo a parcela final de 13 produções artísticas (cerca de R$ 40 mil), acumulando esta situação por mais de dois anos até os tempos atuais, atravessando mais um transição de secretários – atualmente, o responsável pela pasta é Fábio Nunes. Recentemente, a Secult afirmou que recomendaria a abertura de um processo novo para o pagamento dos artistas.

4º Facult adiado por um ano

O ano de 2013 ainda seria marcado com o fechamento do Teatro Coliseu por questão de infraestrutura. Sendo o teatro público com maior capacidade de bilheteria (em valores de ingressos e assentos), o valor do Facult ficou comprometido a ponto de não sair qualquer concurso do papel, o que causou mais atritos entre o então secretário Raul Christiano e o Movimento Teatral. Somente em 2014, o 4º Facult seria aberto no valor integral.

06Dos 73 projetos inscritos, ocorrem desde outubro do ano passado a produção de 30 obras. A maioria foram de eventos musicais e publicação de livros. Na área musical, ‘Diásporas Urbanas’ (Dayane Rodrigues), ‘CD da Preta Rara’ (Joyce da Silva Fernandez), ‘Zigzaguiá’ (Caroline Antunes), ‘CD de Percutindo Mundos’ (Célia Faustino), ‘Aos Meus Ancestrais’ (Simone Ancelmo), ’10 Anos de Banda Jazzileira’ (Maurício Fernandes da Silva) e ‘Canções de Paulo Mayone’.

Na literatura, ‘Contos Caiçaras’ (Victor Freudnt), ‘Santos Ligue 2014’ (Alexandre Rosa de Freitas), ‘Santos em Prosa e Verso’ (Academia Santista de Letras), ‘Cavendish: Invasão à Vila de Santos’ (André Luiz Alonso de Assis), ‘Siri na Lata’ (Ademir Demarchi), ‘O Berro da Ovelha Negra’ (Oswaldo DaCosta) e ‘Santos Time dos Céus’ (André Bernardino). Nos palcos, ‘O Mambembinho’ (Márcia Marques), ‘A Lenda dos Jovens Detentos’ (Bruno Henrique dos Santos), ‘Projeto Zona’ (Renata Carvalho), ‘Quarto de Despejo’ (Paula D’Albuquerque), ‘Ispinho e Fulô de Patativa’ (Cícera Carmo) e ‘Dentro’ (André de Barros Nunes).

05Também foram premiados os filmes ‘Raul Soares, histórias que não se apagam’ (Eduardo Ferreira), ‘Cisco Araña, long board bossa nova’ (Robinson Patrício dos Santos), ‘Guia de Fontes para a História da Escravidão’ (Bruno Garcia Costa), ‘Da Proa a Popa’ (Ludmilla Rossi) e ‘Visões de Santos (Maurício Bragança Rodrigues). A dança está representada com ‘Dark Room’ (Juliana Cerqueira Leite), ‘Tempos Modernos’ (Janice Ferreira) e ‘Navios’ (Marina Souza Lobo Guzzo). Em artes visuais, as obras que fecham à lista são: ‘Corrida ao ouro’ (Fabiano Ignácio) e ‘Releitura do Patrimônio Cultural de Santos’ (Laercio Alves da Silva).

*Lincoln Spada