Arquivo da tag: axe

Parque Anilinas contará com a nova edição da Domingueira

Informações do Galpão Cultural

Situado no Parque Anilinas, o Galpão Cultural por meio de seus coletivos artísticos promovem a nova edição gratuita da ‘Domingueira’ neste 13/jan, das 13h às 21h. O evento contará com bambuchada (interessados tragam suas próprias bexigas), torneio de futebol, banho de mangueira e de baldinho, aula de axé e de lamba aeróbica.

Ainda haverá espaço para escorrega de sabão, acústico de verão como os da MTV e até um espaço moderno para o ‘bronzeamento vai malandra’. A proposta do evento de lazer é justamente reviver situações praianas e da cultura pop, dos anos 90 até os dias atuais, em pleno parque como momento de entrosamento entre jovens.

A setlist contará com os DJs Alisse, Lípari, May & Raflitxx, Transeunte e Perrengues. “Tragam o cooler, o guarda-sol e as cangas”, anotam os produtores do evento. “Só não esquece o protetor solar, as boias infláveis e as toalhas para se secar, além de muita água para se hidratar”.

 

Coletivos de dança celebram o Natal na Zona Noroeste

Por Secult Santos

Dez grupos de dança da região participam do Espetáculo de Natal nesta sexta-feira (21), a partir das 19h30, na Av. Afonso Schmidt, no bairro Areia Branca, na Zona Noroeste de Santos. A performance, gratuita, ocorre em frente ao Centro Cultural da Zona Noroeste e reúne modalidades como dança de rua, zumba e axé.

A atividade, que tem apoio da Secretaria Municipal de Cultura (Secult) e da Administração Regional da Zona Noroeste, também marca a chegada do Papai Noel e realiza distribuição de presentes. A coordenação é do professor de dança da Secult, Ricardo Andrade.

 

Filhos da Tradição abrem a agenda do ‘Santos Arte e Cultura’; confira programação

Por Secult Santos

Começa nesta quinta-feira (5), na Concha Acústica Vicente de Carvalho (orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3), a programação artística do projeto ‘Santos Arte e Cultura’, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult). A atração, a partir das 19h, é a performance do grupo de música portuguesa Filhos da Tradição.

Fundada em 2003, em Santos, a banda tem como principal característica a diversidade de sons, misturando, por exemplo, o fado lusitano e o maracatu brasileiro em uma única canção. O repertório também inclui sucessos da nova geração de fadistas e clássicos do estilo.

Além da música, a agenda do ‘Santos Arte e Cultura’, que segue até o dia 28 de fevereiro, também traz performances, em vários pontos da Cidade, de dança, teatro, arte circense, literatura e contação de histórias, sempre privilegiando o trabalho de artistas locais. Toda a programação é gratuita. Em caso de chuva, os eventos são cancelados. Mais informações pelo tel. 3226-8000.

Confira as atrações das primeiras semanas

Concha Acústica Vicente de Carvalho (orla do Gonzaga) 
Dia 5 – 19h às 21h – grupo musical Filhos da Tradição
Dia 6 – 19h às 21h – espetáculo circense ‘Fontainebleau’, do Bella Cia.
Dia 7 – 19h às 21h – show musical de Anne Marie e Reles Relíquias
Dia 8 – 10h às 12h – espetáculo infantil ‘Branca de Neve’, da Cia. Arueiras
Dia 8 – 19h às 21h – show musical de Janaína Andrade
Dia 12 – 19h às 21h – espetáculo Cantoras do Rádio
Dia 13 – 19h às 21h – espetáculo ‘Aurora’, da Cia. Arueiras
Dia 14 – 19h às 21h – música com Bruno Thadeu
Dia 15 – 10h às 12h – espetáculo infantil ‘Om co tô? Quem co sô? Prom co vô?’, de Luciano Draetta
Dia 15 – 19h às 21h – música com Kin Stuque

Praça do Surfista (orla da Pompeia)
Dia 7 – 19h às 21h – música com Giovanna Razuk
Dia 14 – 19h às 21h – música com Débora Paiva

Pérgula do Boqueirão (Orla, em frente à Av. Cons. Nébias)
Dia 8 – 18h às 20h – música com Boy
Dia 15 – 18h às 20h – música com DJ Mamuth

Lagoa da Saudade (Morro Nova Cintra)
Dia 7 – 15h às 17h – música com o grupo Coisa de Pele
Dia 14 – 15h às 17h – música com o Grupo Família

Jardim Botânico (Rua João Fracarolli, s/nº)
Dia 7 – 16h às 18h – performance ‘Bombeiros em Risco’
Dia 8 – 19h às 22h – Baile com Athrios Band
Dia 14 – 16h às 18h – Contação de Histórias em Bonecos
Dia 15 – 19h às 22h – Baile com Banda Survive

Fonte do Sapo (orla da Aparecida)
Dia 7 – 19h às 21h – música de Kaká Basrkerville
Dia 8 – 19h às 22h – Baile com Oscar Guzella
Dia 14 – 19h às 21h – música com Carla Mariani
Dia 15 – 19h às 22h – Baile com Adriano Neves e Banda

Chorinho no Aquário (Praça Luiz La Scala)
Dia 7 – 19h às 21h – música com Jorge Maciel
Dia 14 – 19h às 21h – música com Osvaldinho do Cavaco

Parque Municipal Roberto Mário Santini (Emissário Submarino)
Sábados e domingos – 19h às 21h – aulas de zumba, axé e dança de salão com os professores Ricardo Andrade, Éric Ratto e Jimmy.

Festa ‘Riscado – Enxame de DJs’ na próxima quinta no Torto MPBar

Na próxima quinta-feira (dia 25), a partir das 22 horas, acontece a festa Riscado no Torto MPBar (Av. Siqueira Campos, 800/Santos). O evento tem entradas a R$ 10 na portaria e R$ 5 para quem enviar nome na lista do evento ‘Riscado – Enxame de DJs’.

Dessa vez, a receita pra uma noite fervida e frenética é um verdadeiro ENXAME de DJ’s que fazem algumas das festas mais saborosas das noites caiçaras: Betinho Neto, da Andança, Nanne Bonny e Mascate da Garrafada e Piratas do Maxixe e estreiando com a gente, num set lindo de vinil, Alex Maria, da Selectah – 10 anos de Reggay420!

Com essa matilha, beats e batuques estão garantidos e ampliados!! E tome forró, samba, soul, axé, reggae, ska, funk, coco, rock, afrobeat, rap e mais um tanto bom de som!

*Riscado

 

Arena Cibratel promove show especial de Carnaval

Quem estiver visitando as praias do Município neste final de semana, além de desfrutar a beleza dos pontos turísticos que a Cidade oferece, também pode curtir neste domingo (7), às 14 horas, o show do cantor de axé Gasparzinho, no palco da Arena Cibratel.

Dando continuidade às atividades de lazer realizadas durante os finais de semana da estação mais quente do ano, o verão, neste sábado (6) e domingo (7) acontecerão aulas e apresentações de oficina de beach tênis e zumba, das 9 às 17 horas. A programação é desenvolvida na Arena Cibratel, próximo ao Pocinho de Anchieta.

*Prefeitura de Itanhaém

 

São Vicente é tema de concerto em Naha, no Japão

O município de São Vicente foi o tema do concerto musical no último domingo em Naha, no Japão. As cores e bandeiras da cidade e do Brasil ornaram o evento, que contou com apresentações de diferentes ritmos nacionais.

Junto de dançarinos e alunos, as irmãs Kaioko e Yayoi Miyagi interpretaram diferentes ritmos, como boi bumbá, sertanejo, axé, frevo e samba. Kaioko, que participou da Encenação de São Vicente este ano, também coreografou o grupo para dançar ‘Uiara’, uma das coreografias da montagem vicentina criadas por Lailton Reis.

O encerramento do evento foi com a apresentação da Bateria Show, coletivo ensaiado pelo diretor da Secult, Wagner Galdino. Ele participou de um estágio de intercâmbio em 2014. “Nossa eterna gratidão as irmãs Miyagi e a todos os amigos e irmãos de Okinawa que com amor de amizade nos ajudam a divulgar nossa querida e amada São Vicente”, agradece o secretário municipal da Cultura, Amauri Alves.

Cidades-irmãs

A irmanação dos dois municípios acontece em acordo desde 1978. Ambas as cidades estão situadas no litoral, além das semelhanças do clima tropical e da quantidade populacional. Já na época – e ao longo das mais de três décadas – seguiram-se comemorações para celebrar o convênio, que trata ainda de intercâmbio envolvendo profissionais em diferentes áreas, como educação, engenharia e turismo.

*Lincoln Spada

 

Opinião: ‘No Brasil, quem gosta de música é minoria’, diz Ed Motta

‘Cantor e compositor de MPB do Rio de Janeiro’. A auto-descrição de Ed Motta em seu site pessoal é incompleta. Conhecido pelo grande público por ser sobrinho de Tim Maia, alcançou seu auge no final dos anos 80 e manteve seu nome na mídia por sua verve artística em 1999. O hit era a música ‘No meu coração você vai sempre estar’, famosa por acompanhar a animação ‘Tarzan’. Desde então, coleciona uma geração de polêmicas fora dos palcos.

Talvez criticar outros ritmos e o país seja o seu desabafo por não formar públicos no Brasil. Talvez seja sua assessoria o incentivando a conseguir manter seu nome na mídia. A última cutucada veio por Facebook, numa postagem no último dia 9: “agradeço e fico honrado em ser prestigiado pela comunidade brasileira, mas é importante frisar, não tem músicas em português no repertório, eu não falo português no show (…) não venha com um grupo de brasuca berrando ‘Manuel’ porque não tem”. Ok, é sua turnê europeia.

02O problema é quando continua o post. “Verdade seja dita, que meu público brasileiro de verdade na Europa, é um pessoal mais culto, informado, essas pessoas nunca gritaram nada, o negócio é que vai uma turma mais simplória que nunca me acompanhou no Brasil, público de sertanejo, axé, pagode, que vem beber cerveja barata com camiseta apertada tipo jogador de futebol, com aquele relógio branco, e começa gritar nome de time”. O problema é sua clara arrogância de destratar o público e querer conceituar o que é música.

Ed mais uma vez perde a oportunidade de transitar entre o MPB que o alçou a hit e o jazz norte-americano que tanto devota. No contato com os fãs, com o outro, poderia sim convidá-los a apreciar o ritmo que ele leva em seus palcos. Opta por ofender, ironizar e contrariar. Nos comentários do post, ofendeu quem passasse lá: nordestinos, gente do interior, sertanejo, axé e, principalmente, brasileiros. Chamou de carma a sua nacionalidade, xingou o Brasil como ‘país de merda’, ‘terra ignorante’, até xingou ‘indígenas’ e ‘pedreiros’.

Além do intelectual disseminar preconceitos, a frase que guardo ao final é esta: “No Brasil, quem gosta de música é uma minoria, o resto sai pulando igual bicho atrás de um trio elétrico”. Afinal, se a arte é a expressão de alguém ou povo para transcender emoções, instantes, o que não seria um bloco de carnaval, um show de sertanejo universitário ou o Festival de Parintins? É tão música quanto o som do saxofone, só que em vez de erudito é popular. Em pleno século 21, conceituar arte como aquela voltada às elites é mais do que desrespeito ao gosto dos outros. É comprovar que não entende nada de arte.

*Lincoln Spada