Arquivo da tag: coletivo sanatório geral

‘É doce ou salgado?’ entra em cartaz no Gonzaga

Por Betinho Neto | Foto: Adilson Felix
.
A peça ‘É doce ou salgado?’ do Coletivo Sanatório Geral entra em temporada nos dias 27 e 28 de dezembro, às 17 horas, na Casa Velha (Bulevar Othon Feliciano, 10/Santos). A entrada é franca.
.
A peça, tem direção de Betinho Neto e Miriam Vieira e conta com as atrizes Liliane São Paulo, Amanda Franco e Sandy Andrade. Figurinos de Waldir Correia, maquiagem Kadu Veríssimo, trilha original Bruno De La Rosa, cenário de Marcia Alves e coreografia de Paula D’Albuquerque.
.
No espetáculo, a Rainha Açúcar e a Rainha Sal entram em guerra no reino da comida para que todos os alimentos e temperos decidam se são salgados ou doces, porém a Pimenta luta para que cada um possa ser o que quiser, doce ou salgado. O espetáculo “É Doce ou Salgado?” trata de uma forma lúdica o tema de igualdade de gêneros, fundamental para as sociedades democráticas e igualitárias.
.
A personagem Pimenta, que se denomina hora do sexo masculino e outra do feminino, trava uma luta importante para que todos possam ser o que quiserem, para uma igualdade de oportunidades de participação, reconhecimento e valorização.

‘Cultura em Crise’ é o tema do 4º Motim Teatral; acesse a programação na íntegra

Por Movimento Teatral

Com o tema ‘Cultura em Crise’, o 4º Motim Teatral reúne 14 coletivos cênicos para apresentações gratuitas no Centro de Santos. Mostra regional do FESTA 58 – Festival Santista de Teatro, a maratona de apresentações acontece inteiramente nesta sexta-feira (dia 23) com 13 horas ininterruptas de grupos artísticos.

Neste ano, trata-se de um ato pela liberdade de expressão dos artistas de rua em Santos; contra o corte orçamentário das Oficinas Culturais do Estado no interior e litoral paulista; e pró-Centro Cultural Cadeia Velha.

O termo ‘motim’ é uma insurreição de grupos contra o autoritarismo, caracterizado por atos de desobediência artística e civil que se opõem a autoridades ou o capitalismo, sendo frequentemente acompanhado de tumulto artístico, vandalismo estético e intervenções de violência poética.

O 4º Motim Teatral é uma realização do Movimento Teatral da Baixada Santista com apoio da Prefeitura Municipal de Santos por meio da emenda parlamentar do vereador Professor Igor Melo. Confira a programação:

>> 13h30 | Praça dos Andradas | ‘Festa das Flores’
Cia Incomodados de Teatro e Música | Roteiro e direção musical: Elias Tomais | Elenco: Ariadne Moreno, Elias Tomais, Juliana Lima, Juliana Sanz.
>> 14h | Praça dos Andradas | ‘É Doce ou Salgado?’
Coletivo Sanatório Geral | Texto: Betinho Neto | Direção: Miriam Vieira e Betinho Neto | Elenco: Sandy Andrade ,Liliane São Paulo, Amanda Franco e Betinho Neto.
>> 15h | Praça dos Andradas | ‘Furdunço no Casamento de Marieta’
Cia Animalenda | Direção: Danilo Cavalcanti | Elenco: Kely de Castro e Vinícius Camargo.
>> 16h | Praça dos Andradas | ‘Blitz – O Império que nunca dorme’
Trupe Olho da Rua | Texto e Direção: Caio Martinez Pacheco | Elenco: Bruna Telly, Caio Martinez Pacheco, Fabio Piovan, João Paulo Pires, João Luiz Pereira Junior, Raquel Rollo, Sander Newton, Wendell Medeiros.
>> 17h30 | Praça dos Andradas | ‘De Repente Thiago’
Esquadrilha Marginalia de Teatro de Rua | Dramaturgia coletiva | Direção: Sander Newton. | Elenco: Luiz Guilherme, Lucas Pereira e Michel do Carmo.
>> 18h | Vila do Teatro | ‘Nó Cego’
Teatro Genoma | Direção: Rodrigo Marcondes | Com Juliana Vicma.
>> 19h | Praça dos Andradas | ‘Tentativa Zucco’
Usina Utópica | Texto: Paulo de Tarso | Encenação: Douglas Lima | Elenco: Lucas Pereira, Julia Alves, Letícia Cascardi, Luana Albeniz, Mayara Andrade | Convidados: Natanael Gomes, Myller Oliveira, Vanessa Souza, Juliana Souza, Rafael Almeida, Rodrigo Alves, Patrick Gois, Udson Santos, Vinicius Ziani.
>> 20h | Vila do Teatro | ‘A Lenda dos Jovens Detentos’
Cia Muninja | Texto: Leo Lama | Direção: Diego Andrade | Elenco: Bruno Galdino e Letícia Tavares.
>> 21h | Praça dos Andradas | ‘Liberdade Prisioneira’
Cia Carcarah Voador | Texto: Cícero Gilmar Lopes | Direção: Vidah Santos | Elenco: Juan Pablo Garcia e Cícera Carmo.
>> 21h | Vila do Teatro | ‘Elogio ao maluco, Beleza?’
Cia Teatral Art e Manha | Texto: Natan de Alencar e Ricardo Oliveira | Direção: Lúcia Oliver | Elenco: Ricardo Oliveira, Natan de Alencar, Katia Lira, Mariana Nunes, Alisson Araújo.
>> 22h | Vila do Teatro | ‘Já que sou, o jeito é ser’
Cia 5 | Texto: Eduardo Ferreira | Direção: Eduardo Ferreira e Angélica Evangelista | Atores-bailarinos: Angélica Evangelista, Eduardo Ferreira, Gisele Prudêncio, Lucas Onofre e Rodrigo Santana.
>> 22h | Praça dos Andradas | ‘Terror e Miséria no Terceiro Reich’
Cia Amoriódio | Texto: Bertolt Brecht | Direção e adaptação: Diego Andrade | Elenco: Beatriz Gonçalves, Caroline Salles, Fellipe Tavares, Luccas Afonso, Nevily Alves e Teco Cheganças.
>> 22h30 | Praça dos Andradas | ‘De Volta ao Luto’
Cia Lorena | Texto e Direção: Diego Saraiva | Elenco: Natalia Marcelo, Vanderlei Abrelli, Paola Borges, Eliana Tavares, Arthur Cordeiro, Wilson Gois.
>> 0h | Catraias da Praça Iguatemi Martins | ‘Zona!’
O Coletivo | Direção: Kadu Veríssimo | Elenco: Caio Martinez Pacheco, Junior Brassalotti, Kadu Veríssimo, Léo Bacarini, Malvina Costa, Mario Arcenjo, Priscila Ribeiro, Raquel Rollo, Renata Carvalho e Thays Bratz. Após o espetáculo, festa com DJ Cigano.

OC Pagu abre inscrições para oficinas gratuitas a partir de novembro

Por Ricardo Vasconcellos

A partir da próxima quinta-feira (dia 3/nov), a Oficina Cultural Pagu abre inscrições para as novas atividades formativas, entre elas, design gráfico, criação de textos para novas mídias, gestão cultural, escrita criativa, televisão, teatro, cinema e hip hop. A OC Pagu está localizada na Cadeia Velha (Praça dos Andradas) e toda a sua programação é gratuita. Os interessados podem ser inscrever no próprio site ou na sede, de terças a sextas-feiras, das 14h às 20h, e aos sábados, das 10h às 16h. Informações; 3219-2036 e 3219-1741.

PALESTRA | ‘A Dramaturgia em Cena’, com Lauro César Muniz
3/dez | Sábado | 15h30 | 30 vagas

a9Encontro com o dramaturgo Lauro César Muniz, que falará sobre o seu processo de criação para teatro e televisão. Um dos principais autores da história da teledramaturgia brasileira, Lauro César Muniz tem uma carreira repleta de peças teatrais e novelas de grande sucesso.

Dentre suas principais obras destacam-se: no teatro, “O Santo Milagroso”, “Este Ovo é um Galo” e “Luar em Preto e Branco”; na televisão, a minissérie “Chiquinha Gonzaga” e as novelas “O Casarão” e “O Salvador da Pátria”, da TV Globo. Recentemente, escreveu as novelas “Poder Paralelo” e “Máscaras” para a TV Record. Seus textos teatrais foram lançados pela Editora Giostri em uma edição de luxo com quatro volumes, intitulada “Obras Completas de Lauro César Muniz”.

CINECLUBE PAGU | Vencedores da Mostra Olhar Caiçara do Curta Santos
25/nov | Sexta-feira | 20h | 50 vagas | Retirada de senha às 19h45

a1Exibição dos vencedores da Mostra Olhar Caiçara, da última edição do Curta Santos. Após a exibição, haverá uma conversa entre os realizadores dos filmes e o público, mediada pelos coordenadores do Cineclube Pagu Carlos Cirna e Marcelo Pestana. Programa: ‘Angmínia’ (de L.M. Morone), ‘Convívio’ (de Bruno Arrivabene), ‘Feliz Ano Novo’ (de Mônica Donatelli), ‘Por trás do Cartão Postal’ (de Júnior Castro), ‘Sangria’ (de Iasmin Alvarez). A projeção acontecerá no pátio central da Oficina Cultural Pagu, com o apoio da Rizzieri Telões e Eventos.
COMUNICAÇÃO | O meio digital é a mensagem – Workshop de criação de textos
18/nov a 25/nov | Sextas-feiras | 14h30 às 15h30 | Com Ivani Cardoso | 20 vagas

a7O jornalismo na comunicação digital e o uso das redes sociais com conteúdo alinhado aos objetivos profissionais ou pessoais. Ivani é formada em Jornalismo e Direito. Trabalhou nos jornais Cidade de Santos, O Estado de S. Paulo, A Tribuna e por 11 anos na Agência Lu Fernandes Comunicação e Imprensa. Coordenou a divulgação de eventos como Flip, Bienal Internacional do Livro de SP, Viradas Culturais, entre outros. É editora do Publishing Perspectives Educação, newsletter da Feira do Livro de Frankfurt no Brasil, tem a coluna Livros & Mídia no site PublishNews e tem o blog SanSão, Criou e atualiza o site, o blog e o facebook do Ideac e o facebook dos cartunistas Chico e Paulo Caruso.

COMUNICAÇÃO | O meio digital é a mensagem – Workshop de design gráfico
18/nov a 25/nov | Sextas-feiras | 16h às 17h30 | Com Monica Mathias | 20 vagas

a4O design gráfico na comunicação digital e o uso das redes sociais com conteúdo alinhado aos objetivos profissionais ou pessoais. Mônica atua desde 1989 à frente do 3D Design Estúdio & Comunicação. Coordena e produz, desde então, diversos projetos, trabalhos gráficos e eventos para empresas e entidades da região e capital. É também editora do blog SanSão.

OFICINA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CULTURAL
26/nov a 27/nov | Sábado e domingo | 10h às 13h e 14h às 17h | Com Maurício Inafre | 10 vagas

a8Abordagem das leis de incentivo cultural, dos editais que contemplam projetos de produção e circulação de espetáculos, bem como os festivais de teatro e as novas ferramentas de financiamento que possibilitam a concretização de um projeto em um espetáculo de teatro. Maurício é formado em economia pela Universidade Brás Cubas e em artes cênicas pela Faculdade Paulista de Artes, ele já administrou teatros e organizou eventos relacionados ao mundo das artes.

Já trabalhou com nomes como Roberto Lage, Kiko Marques, Marat Descartes, João Fonseca e Kleber Montanheiro, Mateus Solano e Marcelo Soler, entre outros. No momento, está à frente da produção Os Dois e Aquele Muro, de Ed Anderson e direção de Francisco Medeiros, em cartaz no Espaço dos Fofos, em São Paulo.

PALESTRA INFINITY CLASS | Redefinindo a história sob a ótica do Hip Hop
18/nov | Sexta-feira | 20h | Com Marcello Gugu | 50 vagas

a5A palestra aborda a cultura oral, as raízes folclóricas nacionais e traz exercícios práticos de construções textuais, sejam elas, relatos , poesias ou música, explorando a capacidade de composição do participante. O nome, Infinity Class, é uma homenagem as aulas que eram ministradas dentro Zulu Nation para a comunidade negra americana.

Gugu conquistou destaque nas batalhas de ruas com sua rimas, vencendo em 2007 a principal delas que a Batalha do Santa Cruz em São Paulo. O músico que também é publicitário com o disco “Até quem enfim Gugu” lançado em 2013, foi eleito um dos melhores no cenário do rap nacional. Esta atividade tem a parceria do projeto Muito Prazer! Meu nome é Hip Hop.

OFICINA | Escrita Criativa nos Tempos Tranzmodernos
22/nov a 1º/dez | Terças e quintas-feiras | 19h às 21h | Com Flávio Viegas Amoreira | 20 vagas

a6Com elementos básicos de poética, semiologia literária e a Literatura linkada ao teatro, cinema, artes plásticas, dança, cibernética. Flavio, nesta atividade, conduzirá o participante ao reencontro com seu potencial e possibilidades da escrita. Flávio é escritor, poeta, contista, romancista, dramaturgo e jornalista. Nascido em Santos em 1965, atua como agitador cultural em São Paulo, Rio de Janeiro e Litoral Paulista, em projetos de discussão de temas ligados a artes de vanguarda, saraus poéticos e oficinas de criação literária.

WORKSHOP | Processo de produção de uma biografia
5/nov | Sábado | 15h30 | Com Gonçalo Júnior | 15 vagas

Processo de produção desse gênero de escrita: como desenvolver pesquisas, localizar pessoas, organizar entrevistas, pesquisar em arquivos de jornais e o lento e intenso processo de elaboração do texto, até chegar à sua finalização. Gonçalo Junior é jornalista com passagem pelos jornais Gazeta Mercantil e Diário de S. Paulo como repórter especial e editor de cultura, respectivamente. É autor de 30 livros, publicados por editoras como Companhia das Letras, Civilização Brasileira, Ediouro, Manole, Conrad etc. Foi vencedor do Prêmio Jabuti de Literatura em 2011, na categoria Melhor Biografia.

WORKSHOP | Escrita criativa
26/nov | Sábado | 15h30 | Com Reynaldo Damazio | 15 vagas

Workshop sobre o processo de escrita e a importância da criatividade na construção do texto literário, a partir da leitura e discussão de autores renomados, de prosa e poesia. Também será abordado o papel da leitura na formação de escritores e educadores, com exercícios breves de criação e interpretação de textos, além de uma bibliografia básica indicada aos participantes.

Reynaldo Damazio é um poeta, ensaísta e crítico literário brasileiro. Graduou-se em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Foi revisor da Editora Brasiliense e redator da Folha de S.Paulo. Publicou em 2001 seu primeiro livro de poesia, Nu entre nuvens, em que buscou uma síntese entre a sonoridade das palavras e as imagens evocadas por elas.

ESPETÁCULO INFANTIL | É Doce ou Salgado?
12/nov e 19/nov | 16h | Com Coletivo Sanatório Geral | 40 vagas | Retirada de senha às 15h30

a3No reino da comida, a Rainha Açúcar e a Rainha Sal estão prestas a entrar em guerra, Pimenta que ainda não se decidiu se é doce ou salgado começa a sentir a pressão de ter que escolher um dos lados, como será que ela vai sair dessa? Direção de Miriam Vieira e Betinho Neto. No elenco, Sandy Andrade, Liliane São Paulo, Amanda Franco e Betinho Neto.

 

BoqNews garante que Cadeia Velha de Santos será museu após fevereiro

“E quem ainda tinha esperança de que o prédio da Cadeia Velha voltasse a abrigar as oficinas culturais após a reforma (…), pode tirar o cavalinho da chuva. Está quase certo que o local passará a abrigar um museu com acervo contando a história da cidade desde sua fundação em 1545”. A nota publicada na coluna de Jairo Sérgio, do  BoqNews, nesta semana foi refutada pelo governo estadual, mas é uma versão afirmada por outros como verá a seguir.

Prazo

Fechada desde dezembro de 2011, a Cadeia Velha de Santos terá sua obra civil concluída daqui a dois meses, no entanto, não será aberta de prontidão. Em nota, a atual gestora, a Secretaria de Estado da Cultura (SEC), afirma que: “Lembramos apenas que fevereiro, segundo informamos oficialmente em ocasiões anteriores, é o prazo para finalização da obra civil. Depois disso, é necessário ainda equipar e instalar o equipamento cultural”.

No projeto de restauro, apenas foram especificados os espaços do auditório e da cafeteria. O órgão coordenado pelo museólogo Marcelo Araújo estima que a data da reinauguração será anunciada na segunda quinzena de janeiro. Bem verdade que a SEC anunciou há quatro meses que fevereiro era o prazo final da reforma.

Entretanto, a entrega do edifício restaurado foi adiada e divulgada pela imprensa desde 2013: nesta época, seria reaberta em 2015. Ao longo de 2014, as datas passaram para o último trimestre do ano atual. Neste primeiro semestre, divulgou-se que o prédio poderia ser reinaugurado durante as festividades de aniversário de Santos (janeiro de 2016). Desta vez, a extensão do prazo.

Museu da Cidade

O detalhamento da administração do espaço será anunciado provavelmente em janeiro, no entanto, a SEC refuta duas versões que foram ventiladas por representante da Prefeitura de Santos à classe artística recentemente. A primeira é de que o governo teria recuado a proposta de tornar a Cadeia Velha num ‘Centro Cultural’, e voltaria a estudar a viabilidade de implantar o ‘Museu da Cidade’, ideia já recusada nos últimos anos por movimentos artísticos.

Na audiência de maio em Santos entre o governo e artistas, houve um consenso para o edifício ser um centro de oficinas culturais e ocupação artística em vez de priorizá-la como local para acervo, mesmo não esquecendo de se tratar de um patrimônio e espaço museológico.

O consenso pautou o encontro, e tinha sido aprovado pro representantes do Movimento Teatral da Baixada Santista (que articula mais de 20 grupos da região em suas atividades), Agrega Cultura (que reúne dezenas de artistas em várias linguagens), Coletivo Sanatório Geral (artes visuais e cênicas) e Orla Cultural (rede de cerca de 30 museus e espaços museológicos da região).

A própria SEC afirma manter que: “A diretriz central do espaço será a ativação e mobilização da cena cultural da Baixada Santista. Para isso, a proposta é de que o Centro Cultural promova a integração de múltiplas linguagens artísticas por meio de oficinas, cursos de formação e laboratórios, seminários, intercâmbios técnicos, ações de fomento, pesquisa, apoio à criação e à difusão cultural, em um modelo renovado e convidativo”.

Conselho gestor

Por telefone no último dia 18, Gisele Turteltaub, a assessora da SEC garantiu, “a Secretaria não recuou e, aliás, está feliz com o interesse constante dos artistas e da comunidade com a Cadeia Velha, o que mostra a importância do espaço”. Ao mesmo tempo, ela também afirmou se tratar de um “boato qualquer grupo que se defina como conselho gestor da Cadeia Velha”.

Em nota, “as providências para composição do conselho estão em andamento e novidades serão anunciadas em breve”. É que de acordo com outra versão, um grupo de pessoas ligadas a partidos políticos e classe artística estaria se reunindo às manhãs de sábado em um shopping no Gonzaga com aval do governo para se habilitar como conselho oficial da Cadeia Velha para administrar o equipamento.

Noutros momentos, a única definição do conselho gestor é de que teria a colaboração da sociedade civil e as tratativas seriam lideradas pela Prefeitura por meio da Secretaria da Cultura, indicando uma gestão compartilhada. Por sua vez, em nota no último dia 10, a Prefeitura informou apenas que: “sobre a Cadeia Velha, você deve entrar em contato com a Secretaria de Estado, porta voz sobre o assunto”. Enquanto nem o Governo Estadual, nem a Prefeitura detalham sobre o conselho e gestão do espaço centenário, surgem gradativamente diferentes versões sobre o prédio que nas últimas duas décadas era referência na formação e difusão cultural da Baixada Santista.

*Lincoln Spada

 

‘É Doce ou Salgado?’ discute identidade de gênero para crianças

O respeito pelas escolhas de cada um para que haja igualdade de oportunidades de participação, reconhecimento e valorização na sociedade é o mote de “É Doce ou Salgado – Um Espetáculo Para Temperar Sua Infância”, infantil do Coletivo Sanatório Geral que faz única apresentação neste fim de semana em Santos.

A sessão acontece no domingo, dia 27 de setembro, às 15h30 e 17h, no Casarão Santa Cruz (R. Almeida de Moraes, 45 – Vila Mathias) com entrada franca e duas sessões terão Acessibilidade de Comunicação para pessoas surdas e com deficiência visual por meio da tradução em LIBRAS e da audiodescrição

Com direção de Betinho Neto e Miriam Vieira, o espetáculo reúne em seu elenco as atrizes Liliane São Paulo, Sarah Antunes e Amanda Franco. A trilha sonora original é de Bruno de La Rosa, com figurinos de Waldir Correia, adereços de Marcia Alves, coreografia de Paula d’ Albuquerque e maquiagem de Kadu Veríssimo e Renata Carvalho.

‘É Doce Ou Salgado’ propõe uma reflexão sobre nossos papeis na sociedade, com o objetivo de conscientizar as crianças sobre o direito às escolhas, para que todos vejam uns aos outros como iguais, sem discriminação e preconceito, sem distinção de cor ou gênero. “É uma premissa para que pais e filhos possam entender a importância de um mundo mais igualitário e tolerante”, afirma Betinho Neto.

Tais questões são abordadas em cena de forma suave e, ao mesmo tempo, profunda, utilizando o teatro e a música como ferramentas. Ao valorizar as escolhas espontâneas das crianças e suas verdadeiras essências, o texto questiona alguns conceitos historicamente tratados como “certos”, que acabam refletindo diretamente em seu desenvolvimento até a vida adulta, tais como: “azul é cor de menino”, “meninas não brincam com carrinhos” e “trabalhos domésticos são para mulheres”, etc.

Os criadores do espetáculo ressaltam que estes temas não são discutidos na maioria das escolas, o que priva os alunos de uma formação adequada para uma boa compreensão da vida social e criação de um ambiente escolar que não promova exclusões baseadas no preconceito e na violência contra mulheres e comunidade LGBT.

*Lúcio Nunes

 

Fábula teatral sobre diversidade sexual tem ensaio aberto em SV

Em uma fábula, o respeito à diversidade sexual. Este é o espetáculo infanto-juvenil ‘É Doce ou Salgado?’, que terá ensaio aberto gratuito no próximo dia 22 (sábado), às 16 horas, nas Oficinas Culturais Professor Oswaldo Névola Filho (Rua Tenente Durval do Amaral, 72, Catiapoã). Com apoio da Secult de São Vicente, a sessão é realizada pelo Coletivo Sanatório Geral.

Na trama, a Rainha Açúcar e a Rainha Sal entram em guerra no Reino da Comida para que todos os alimentos e temperos decidam se são salgados ou doces porém a Pimenta luta para que cada um possa ser o que quiser, doce ou salgado.

A peça trata de uma forma lúdica o tema de igualdade de gêneros, onde a personagem Pimenta, que se denomina hora do sexo masculino e outra do feminino, trava uma luta importante para que todos possam ser o que quiserem, para uma igualdade de oportunidades de participação, reconhecimento e valorização.

O teatro tem a direção de Miriam Vieira e Betinho Neto e conta com as atrizes Liliane São Paulo, Sarah Antunes e Amanda Franco. O coletivo ainda convidou os profissionais: o cantor e compositor Bruno de La Rosa, o figurinista Waldir Correia, a maquiadora Rose Magalhães e a coreógrafa Paula d’Albuquerque.

*Lincoln Spada