Arquivo da tag: europa

Vila inglesa preserva história no Centro de São Vicente

Por Prefeitura de São Vicente

Um lugar europeu no Centro de São Vicente chama atenção de quem passa pela Rua João Ramalho. Construído há mais de 80 anos, o Jardim Aralinda, condomínio com ares ingleses, e o Castelinho, prédio com mesma característica, reúnem tradição e histórias. Em 1930, o proprietário Umberto Gagliasso apresentou para a Prefeitura projeto para construção de 36 casas. O estilo das edificações foi desenhado pelo inglês Ernesto Behrendt, que se inspirou nas residências de seu país. O nome da vila é uma homenagem à sogra do dono daquela área, Aralinda Forshire.

Com tijolinhos aparentes na fachada, lampiões nas portas, sem muros ou garagens, as casas contam com dois a três pavimentos. Os imóveis foram adquiridos inicialmente por famílias paulistas que desciam à Serra do Mar para aproveitar as férias no litoral. Entretanto, os moradores contam que o condomínio foi construído com o propósito de abrigar os ingleses que vieram morar na região para trabalhar na construção da ferrovia.

“Compramos a casa de duas inglesas, elas eram as únicas moradoras estrangeiras que ainda moravam aqui. Elas nos contaram que antigamente na vila viviam os ingleses que vieram para a região trabalhar na construção da ferrovia”, conta a corretora imobiliária, Maria Rosa Gomes Pacheco, de 69 anos. A tranquilidade e o estilo europeu das casas atraíram a portuguesa que se mudou em 1993. “Morávamos no Parque Bitaru, e sempre que eu passava na rua ficava admirada pelas casas. Aqui era um lugar muito tranquilo e seguro para as crianças crescerem”.

Portas fechadas e lendas

Em 1994, os moradores se reuniram e optaram por fechar a vila por motivos de segurança. “Os portões viviam sempre abertos aqui na rua e as pessoas passavam na frente das casas, mas por causa dos assaltos a gente resolveu fechar a vila”, explica a moradora Josefa de Almeida Amânsio, de 84 anos. Ela se mudou para o Jardim Aralinda há mais de 50 anos acompanhada dos seis filhos, devido à saúde do esposo que sofria com bronquite e precisava se mudar para o Litoral.

As mudanças não se deram apenas no quesito segurança, Rosa afirma que o relacionamento entre vizinhos mudou ao longo do tempo. “Sinto falta de como era o Jardim antes. Nos últimos 25 anos muita coisa mudou. Os vizinhos se reuniam para comemorar datas como festa junina e natal, onde cada um levava seu prato. Hoje em dia todos são mais reservados”. Apesar disso, ela afirma que o local é refúgio de sossego no meio do Centro. “Ainda acordo com os passarinhos cantando”.

O natal também traz boas recordações para Tânia Simões, de 56 anos, 22 desses no Aralinda. “A dona Maria era uma das fundadoras da vila e na época de natal adorava enfeitar a casa. Os vizinhos ficavam sentados na calçada testando os pisca piscas. Ela envolvia até as crianças, mesmo brigando com elas durante o ano”. Ali, as brincadeiras entre as crianças na rua e entre os jardins do condomínio também marcaram a história da vila. “A criançada brincava com buggys e ficava dirigindo em círculos por aqui. Outra coisa que faziam era vir todos brincar aqui em casa e quando escurecia as mães passavam recolhendo as crianças”.

A sazonalidade deu à vila lendas e mitos sobre a presença de espíritos mal-assombrados. A crença era motivada entre os moradores da Cidade porque as casas ficavam sob cuidados de caseiros que conservavam e limpavam as residências. “A lenda do Jardim Aralinda” conta que um grupo de crianças entrou no sótão de uma das casas do condomínio e acabou ficando preso já que a porta só possuía maçaneta no lado de fora. Após algumas horas, a porta foi destrancada sozinha, assustando-os.

Castelinho

Ao lado do condomínio, outra edificação também chama atenção de quem passa pelo cruzamento da Rua João Ramalho com a Cândido Rodrigues. Na esquina, o Edifício Castelinho se mantém conservado mesmo depois de 72 anos. Na fachada, as únicas modificações feitas foram a pintura e a construção de muros para segurança dos moradores. O síndico do prédio, Sérgio Pereira, conta a ligação do edifício com a vila vizinha.

“Contam que o prédio também foi feito para abrigar os ingleses que vieram trabalhar nas ferrovias da região. Além disso, o projeto do prédio foi elaborado por Umberto Gagliasso”. A edificação conta com uma chaminé feita para aquecer todas as dependências do prédio. Uma das curiosidades do local são os boatos de moradores ilustres que moraram lá e a presença de galerias subterrâneas que passariam debaixo da construção. “O ex-prefeito de São Paulo Miguel Colasuonno viveu no Edifício na década de 60. Outra lenda do Castelinho é que a família do ex-presidente Campos Salles residiu no prédio durante um período”.

 

Galerias municipais de Santos têm novo horário de funcionamento

Por Secult Santos

As três galerias de arte do Centro de Cultura Patrícia Galvão – Braz Cubas, Espaço Vip e Patrícia Galvão – têm novo horário de funcionamento. Os espaços, administrados pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult), não abrirão nos fins de semana. De segunda a sexta-feira, operam das 10h às 18h. Entrada gratuita.

O Espaço Vip, no segundo piso, abriga até este sábado (14), a mostra ‘Monumentos Europeus’, que retrata alguns dos ilustres pontos da Europa por meio da pintura da artista plástica pernambucana Josefa Maria (Jô Santos), formada em Arte e Pintura pelo Ateliê Escola de Desenho em SP.

Já as galerias Braz Cubas e Patrícia Galvão estão em recesso e voltam a receber atividades a partir do próximo dia 25. Mais informações pelo telefone 3226-8000. O Centro de Cultura Patrícia Galvão fica na Av. Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias.

 

Oficinas Querô comemoram 10 anos no Valongo Festival Internacional da Imagem

Por Ivan De Stefano

Há 10 anos, após a gravação do longa-metragem Querô, do cineasta Carlos Cortez e da produtora Gullane Filmes, 40 jovens das áreas mais carentes da região portuária de Santos deram início à primeira turma das Oficinas Querô. Desde então, anualmente, 40 jovens residentes na Baixada Santista ingressam no projeto, gratuitamente, tendo a oportunidade de estudar cinema e transformar suas realidades.

Nesses 10 anos de história, 340 jovens já se capacitaram e 40% deles seguem no mundo do trabalho audiovisual da Baixada Santista, São Paulo e até Europa. Além de ingressarem no tradicional primeiro ano das Oficinas Querô, atualmente os jovens também tem a oportunidade de cursarem um segundo ano, quando passam por uma experimentação no mundo do trabalho.

Em 2016, a Instituição ultrapassa a marca de 100 filmes produzidos, entre eles, o desafio de filmar o primeiro longa-metragem da Instituição, “Sócrates”, além de uma websérie produzida pelos jovens do Segundo Ano, totalmente filmada com o celular. O projeto é realizado pelo Instituto Querô, com a ajuda de parceiros como Banco Votorantim, MSC, thyssenkrupp e Viação Piracicabana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para comemorar essas conquistas, a Instituição realiza em parceria com o Valongo Festival Internacional da Imagem uma programação especial de debates, oficinas, sessões de filmes e outras atividades para os apaixonados pela sétima arte, em diferentes espaços culturais de Santos. Toda a programação do Querô é gratuita! Confiram a programação completa:

>> 13 e 14/out | 9h às 12h e 14h às 17h | Cadeia Velha (vagas esgotadas) | Oficinas de Produção Audiovisual | Duas turmas de vinte participantes cada terão a oportunidade de produzir dois minimetragens com a equipe do Instituto Querô. No primeiro dia (13), terão uma inicialização no universo audiovisual, passando por toda a etapa do surgimento da ideia até a elaboração da história a ser filmada, para no segundo dia (14), filmarem o roteiro escolhido.
>> 14/out (sexta) | 17h30 às 20h | Cadeia Velha (Praça dos Andradas) | Sessões de Curtas Querô | Exibição de curtas-metragens realizados pelos jovens das Oficinas Querô, seguida de debate com os realizadores dos filmes.
>> 15/out (sábado) | 14h às 16h | Sala do Empreendedor Santista (Rua General Câmara, 30) | Debate longa-metragem ‘Sócrates’ e o processo audiovisual e sua inclusão sócio-cultural | Contando com a presença da equipe de filmagens e os jovens do Instituto Querô, será exibido o diário fotográfico dos bastidores do primeiro longa-metragem do Instituto Querô, produzido em julho, compartilhando as experiências vividas ao longo de 30 dias de filmagem.
>> 16/out | 14h às 17h | Museu Pelé (Largo Marquês de Monte Alegre) | Sessão do longa ‘Querô | Exibição dos minimetragens realizados pelas duas turmas participantes das Oficinas de Produção Audiovisual, dias 13 e 14 de outubro, seguida de exibição do longa-metragem ‘Querô’, com a presença do diretor Carlos Cortez, equipe e elenco do filme, encerrando as comemorações de 10 anos das Oficinas Querô.

 

‘Crise Humanitária: Refugiados’ é tema de café filosófico no Engenho dos Erasmos

Por Rafaela Vieira

Neste sábado (dia 8), às 15h, acontece no Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos mais uma edição, o Garapa Filosófica, com o tema ‘Crise Humanitária: Refugiados’. O evento será ministrado por Gilberto M. A. Rodrigues, coordenador da Cátegra Sérgio Vieira de Mello (UFABC-Acnur), pesquisador e acadêmico da UFABC. O monumento fica na Rua Alan Ciber Pinto, 96, Santos. Inscrições: (13) 3229-2703 e resjesantos@gmail.com.

Desta vez o tema abordado é a crise humanitária, um dos temas mais importantes da atualidade. Relatório Tendências (2016) do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) indica que o deslocamento forçado de pessoas ultrapassou o cenário da Segunda Guerra Mundial. São mais de 65.3 milhões de migrantes forçados (entre refugiados e deslocados internos).

A tentativa desesperada de muitos refugiados do Oriente Médio e África de alcançar a Europa tem gerado tragédias no Mar Mediterrâneo e pressionado governos europeus a receber mais pessoas, ao mesmo tempo em que aumenta a xenofobia e a discriminação contra estrangeiros. Quem são os refugiados? Quais são seus direitos? Como o Brasil se posiciona sobre o tema? Que podemos fazer, como cidadãos, para contribuir com essa causa?

 

John Neschling comanda Sinfônica Municipal de São Paulo no Sesc Santos

A 22ª edição do Projeto Tocando Santos, que este ano homenageia os 30 anos da Pinacoteca Benedicto Calixto, tem o terceiro concerto da temporada realizado neste domingo (22), a partir das 18h, no Teatro do Sesc-Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida), com performance da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, que tem a regência do maestro John Neschling, à frente do trabalho desde 2013. Ingressos custam de R$ 5,00 a R$ 17,00.

Até o começo do século 20, as companhias líricas internacionais que se apresentavam no Theatro Municipal de São Paulo traziam da Europa seus instrumentistas e coros completos, pela falta de um grupo orquestral em São Paulo especializado em ópera.

Somente a partir da década de 1920 uma orquestra profissional foi criada e passou a realizar apresentações esporádicas, tornando-se regular em 1939, sob o nome de Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal. Uma década mais tarde, o conjunto passou a se chamar Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo e foi oficializado em lei de 28 de dezembro de 1949, que vigora ainda hoje.

Estiveram à frente do gruopo os maestros Arturo de Angelis, Zacharias Autuori, Edoardo Guarnieri, Lion Kasniefski, Souza Lima, Eleazar de Carvalho e Armando Belardi.

O maestro

Diretor Artístico do Theatro Municipal de São Paulo desde 2013, o carioca John Neschling voltou ao Brasil após alguns anos se dedicando à carreira na Europa, e depois de ter, durante 12 anos, reestruturado a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), transformando-a em um ícone da música sinfônica na América Latina.

Durante a longa carreira de regente lírico, dirigiu, musical e artisticamente, os Teatros de São Carlos (Lisboa), St. Gallen (Suíça), Bordeaux (França) e Massimo de Palermo (Itália). Foi residente da Ópera de Viena (Áustria) e se apresentou em muitas das maiores casas de ópera da Europa e dos EUA, em mais de 70 produções diferentes. Dirigiu ainda, nos anos de 1990, os teatros municipais do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Como regente sinfônico, tem uma longa experiência frente a grandes orquestras dos continentes americano, europeu e asiático. Suas gravações têm sido frequentemente premiadas e o registro de Neschling para a ‘Sinfonia N. 1 de Beethoven’ foi escolhido pela revista inglesa Gramophone como um dos melhores da história.

No momento, o maestro grava pela produtora sueca BIS toda a obra sinfônica de Ottorino Respighi, com a Orquestra Filarmônica Real de Liège. O terceiro volume da integral está em fase de lançamento e o quarto em processo de gravação.

*Prefeitura de Santos

 

Historiador lança livro sobre único brasileiro sobrevivente ao Holocausto

Andor Stern é um senhor de 87 anos. A aparência frágil se deve em parte à idade avançada, em parte às consequências físicas do tempo que passou em Auschwitz, o mais famoso campo de concentração da Segunda Guerra Mundial. Andor nasceu no Brasil, mas era um adolescente que vivia na Hungria quando foi preso pelos nazistas.

A vida dele em campos de concentração é contada no livro Uma Estrela na Escuridão (Ateliê de Palavras), do historiador e professor santista Gabriel Davi Pierin. O lançamento da obra acontece no próximo sábado, às 17 horas, na Estação da Cidadania (Av. Ana Costa, 340), em Santos. Além do lançamento, haverá bate-papo com o próprio Andor Stern, no mini-auditório da Estação.

Gabriel levou quase dois anos para concluir o livro, que também celebra os 70 anos do final da Segunda Guerra Mundial. Ele e Andor viajaram por seis países da Europa para pesquisas e entrevistas, no ano passado, trajeto que incluiu uma visita à Hungria e ao campo de concentração de Auschwitz, na Polônia.

O livro mistura duas formas narrativas. Em terceira pessoa, Gabriel detalha o contexto histórico da Segunda Guerra Mundial. Em primeira pessoa, acontece o testemunho de Andor, que envolve a fome no campo, a morte de amigos, a perda de familiares, a violência diária, o medo nos vagões antes da liberdade, a busca por parentes na Hungria depois da Guerra e a viagem de volta ao Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Num trecho do livro, Andor fala de seus sonhos enquanto estava confinado em 1944, em Auschwitz. “Daqui há cinco, dez anos o que eu quero? Eu queria ter um sapato que não machucasse o meu pé; se tivesse meia então seria um luxo. Desejava uma roupa limpa que não tivesse piolho e que me cobrisse para não sentir frio. E também um bolso enorme que pudesse guardar um pão para comer a hora que quisesse. Além disso, ter liberdade para determinar onde e quando quisesse ir.”

Atualmente, Andor Stern reside em São Paulo, onde ainda trabalha, e realiza palestras pelo país para compartilhar suas experiências e falar sobre respeito e tolerância ao outro.

Gabriel Davi Pierin tem 41 anos e se formou em História pela Universidade Católica de Santos (Unisantos), além de Administração de Empresas pela Universidade Metropolitana de Santos (Unimes). É autor de outros dois livros: “Santos Foot-ball Club: o Nascimento de um Gigante” e “Uma Escola para a Vida”. Informações: https://www.facebook.com/umaestrelanaescuridao

*Marcus Vinicius Batista

 

‘O Lado Bom Da Solidão’ traz Zélia Duncan ao Coliseu

A violonista, compositora e cantora Zélia Duncan apresenta o show ‘O Lado Bom Da Solidão’ nesta quinta-feira (16), às 21h30, no Teatro Coliseu (Rua Amador Bueno, 237, Centro). Sozinha no palco com seu violão, ela mostra músicas conhecidas do público, além de surpresas.

Zélia Duncan começou a cantar profissionalmente nos anos 80. Mas atingiu sucesso em 1994, com o CD que leva seu nome. A partir daí, hits como ‘Catedral’ (versão do sucesso da cantora alemã Tanita Tikaram) e ‘Não Vá Ainda’ entraram para o repertório da música pop brasileira. A artista passou a lançar álbuns regularmente e a fazer turnês de sucesso por todo o Brasil e em temporadas no Japão, Europa e Estados Unidos.

A ideia de ‘O Lado Bom Da Solidão’ é realizar um trabalho mais intimista e estar bem perto de seu público. Os ingressos custam de R$ 70,00 a R$ 120,00. Desconto de 50% para pessoas acima de 60 anos, professores e estudantes. Venda pelo telefone 4062-0016 ou no site http://www.compreingressos.com.

*Prefeitura de Santos