Arquivo da tag: galeria de arte braz cubas

Artistas podem inscrever obras em mostra aos 472 anos de Santos

Por Secult Santos
.
Com a proposta homenagear os 472 anos de Santos, a Coordenadoria de Museus e Galerias (Comug), da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), organiza uma exposição coletiva e busca obras para compor parte da mostra, que ocupará a Galeria de Arte Braz Cubas de 25 de janeiro ao dia 9 de fevereiro.
.
Os artistas interessados podem participar com duas obras que tenham tema relacionado à Cidade, em qualquer modalidade das artes plásticas, pintura, gravura, fotografia, desenho e esculura.
.
Os trabalhos devem ser entregues na Comug (5º andar da Secult – Av. Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias) até o próximo dia 12 de janeiro. Ao término da exibição, cada artista deverá retirar suas obras no mesmo local de entrega, entre os dias 15 e 16 de fevereiro. Mais informações pelo telefone 3226-8010.

.

Foto: @clicksdosan

Exposição ‘Sol da Meia-Noite’ reproduz efeito hollywoodiano

A exposição fotográfica ‘Sol da Meia-Noite’, do médico e fotógrafo Sidney Gaspar, tem abertura nesta quinta-feira (7), a partir das 19h, no Espaço Vip da Galeria de Arte Brás Cubas, localizada no segundo piso do Centro de Cultura Patrícia Galvão (Av. Sen. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias). As obras estão disponíveis para visitação até o próximo dia 23, de segunda-feira a sábado, das 13h às 19h, com entrada franca.

Especialista em psiquiatria, Sidney acredita que o belo, em seu sentido mais amplo, está nos detalhes mais simples, que precisam ser percebidos e aproveitados. A mostra reproduz, por meio de fotografias diurnas com paisagens das Américas, a chamada noite americana, quando Hollywood filmava durante o dia cenas que eram noturnas.

De acordo com o artista, o preto e branco dá um destaque maior para os contrastes das imagens. Mais informações sobre a exposição podem ser obtidas pelo telefone 3226-8000, com a Coordenadoria de Museus e Galerias da Secretaria Municipal de Cultura (Secult).

Perfil

Sidney Gaspar nasceu em Itapetininga, no interior de São Paulo, no dia 3 de novembro de 1955, mas atualmente mora em santos. É admirador de alguns fotógrafos como os santistas Ernesto Papa, Tadeu Nascimento e Araquém Alcântara, do argentino Alejandro Chaskielberg, e do norte-americano Bryan Peterson, entre outros.

*Prefeitura de Santos

 

Na reabertura do Braz Cubas, Katinsky relembra início do teatro

O Centro Cultural Patrícia Galvão observado pelo arquiteto e urbanista Júlio Roberto Katinsky é muito diferente da visão inicial do primeiro equipamento público para o segmento artístico da Cidade. Um dos responsáveis pelo projeto nos anos 70, o profissional assumiu a reforma do Teatro Braz Cubas, que reabriu as portas na noite desta quinta-feira (dia 12).

02Durante a cerimônia, o paulistano concedeu uma aula sobre a história do edifício. A construção de um teatro municipal era um dos últimos sonhos de Patrícia Galvão. Falecida em 1962, a repórter e editora de artes atuava no jornal A Tribuna de Santos e, desde 1958, criava um festival para o teatro amador da região, que culminaria na União do Teatro Amador de Santos em 1960.

A projeção da classe artística local fez com que o então prefeito Sílvio Fernandes Lopes, no mesmo ano, convidasse o arquiteto santista Osvaldo Correa Gonçalves para estudar sobre a criação de um espaço ideal. Osvaldo chamou seu conterrâneo Abrahão Sanoviks e Katinsky. “Assim foram os primeiros estudos. Na época, a ideia era construí-lo na Praça dos Expedicionários, no Gonzaga”, onde hoje funciona a Prodesan.

Um dos mais entusiastas era Luiz La Scala Júnior, que viria a suceder Sílvio em frente à Prefeitura em 1961. “Para nós, foi uma tragédia quando ele morreu antes de assumir o cargo”, lamenta Katinsky. “Em 1967, o [Sílvio] Fernandes voltou [como prefeito] e nos chamou. O que segurou o processo nestes anos foram os grupos amadores de teatro de Santos”.

01Nesta época, a união já se transformara na Federação Santista de Teatro, que viria a desempenhar o comando do festival herdado por Pagu. “O projeto morreu na praia. Mas os grupos continuavam fazendo uma nova postura na conduta das políticas culturais santistas”, destaca o arquiteto. A vontade de um primeiro teatro público ocasionou “na desapropriação do terreno na Vila Mathias.

Katinsky complementa, “Uma construção deste tamanho que levou uns dois anos. Era muito perigoso em certos períodos, porque as vigas superiores de todo o centro precisavam estar firmes para continuidade das obras”. Eram mais de 60 acadêmicos, técnicos e um batalhão de trabalhadores para erguer o equipamento que seria batizado com o nome de sua idealizadora, Patrícia Galvão.

O centro cultural seria aberto parcialmente em 1972, inaugurando junto da Escola de Bailado Municipal, na gestão do prefeito seguinte, o interventor federal Clóvis Bandeira Brasil. Seria na administração de Antônio Manoel de Carvalho que o local se completaria com a abertura do Teatro Braz Cubas, em 1979.

Novos espaços

03Quando o Centro Cultural Patrícia Galvão foi entregue à sociedade, muitos espaços ainda não tinham sido criados, nem estavam previstos. Por exemplo, parte da atual sede administrativa da Secretaria da Cultura no centro seriam camarins e outros espaços de multiuso para os artistas.

Embora previsto enquanto possibilidade, o teatro de arena Rosinha Mastrângelo foi reaberto somente em 1992. “Também tínhamos previsto um refeitório para os artistas”, onde atualmente funciona o Museu da Imagem e do Som de Santos, inaugurado em 1996.

O equipamento também sedia a Hemeroteca Municipal Roldão Mendes Rosa e as galerias de arte ‘Braz Cubas’ e ‘Patrícia Galvão’, e o Espaço Sócio-Cultural Rolidei, da Associação TamTam.

Teatro Braz Cubas

Fechado em reforma desde julho de 2014 até a última quinta-feira, o Municipal é conhecido por possuir uma estrutura arrojada, elaborada com modernas técnicas em arte cênica, com acústica e visualização adequadas, pois independentemente do local do assento a visão do palco é apropriada.

Neste período, o equipamento recebeu novo sistema de refrigeração, tubulação em PVC e torres de resfriamento. Além de revisão geral das varas cênicas e da iluminação e cabine de som e luz, nova iluminação na fachada, reforma das cortinas do palco e da plateia e manutenção dos 589 assentos destinados ao público.

*Lincoln Spada

 

Exposição ‘Descombros’ é inaugurada na Galeria Braz Cubas

Está aberta na Galeria de Arte Braz Cubas de Santos a exposição ‘Descombros’, das artistas plásticas Janaína Nagata Otoch e Mariana Nunes D’Aiuto. A mostra apresenta uma seleção dos trabalhos mais relevantes produzidos pelo “Coletivo Quatro Patas”, feito a quatro mãos pelas duas artistas. São 25 obras de quatro séries: “Outubro”, “Alfabeto I e II”, “Destroços” e “Noturnos”, com pinturas, desenhos e impressões que unem grafismo, cor e imagem fotográfica.

Aos 21 anos, Janaína Nagata Otoch é considerada uma artista prodígio. Já participou de três exposições coletivas, duas na Argentina e uma em Curitiba, e ministra um curso de desenho e história da arte direcionado ao vestibular de artes visuais. Também já foi educadora da exposição “Nós Deste Nordeste”, realizada no The Square Open Mall, na Granja Vianna, em São Paulo. Cursa Artes Plásticas com habilitação em gravura na USP (Universidade de São Paulo) e, recentemente, fez um intercâmbio em História da Arte na Universidade Autónoma de Madrid

Mariana Nunes D’Aiuto, 25 anos, é formada pela USP em Artes Plásticas com habilitação em gravura. Fez intercâmbio na Université Paris 8 Vincennes, em Saint-Denis, na França. Ela ilustrou o livro infantil “A Árvore”, de Yacy Saboya, lançado pela editora Record. Participou de várias exposições coletivas na França, São Paulo e Minas Gerais.

Numa realização da Prefeitura de Santos, a exposição segue até o dia 27 de junho com visitação gratuita, de segunda a sexta-feira, das 10h às 20h, e aos sábados, das 13h às 18h. A Galeria de Arte Braz Cubas fica no segundo piso do Centro de Cultura Patrícia Galvão, à Av. Pinheiro Machado nº 48.

*Gustavo Klein

 

Virada em Santos ganha atrações em galerias, Casa da Frontaria e Concha

A Galeria de Arte Braz Cubas e a Casa do Trem Bélico, da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), e a Casa da Frontaria Azulejada participam da programação da Virada Cultural Paulista 2015, que ocorre neste sábado (30) e domingo (30), com exposições e música ao vivo. Além disso, o Projeto Conchinha, realizado na manhã de domingo (31), na Concha Acústica Vicente de Carvalho, ganha atrações extras.

A Galeria de Arte Braz Cubas, no segundo piso do Centro de Cultura Patrícia Galvão (Av. Sen. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias), abre no sábado, das 10h às 18h, e no domingo, das 13h às 18h, com a exposição ‘ISSOVALE’, da artista plástica Erika Malzoni. Reúne 16 obras que têm em comum a utilização de materiais destituídos da função original, como roupas, calçados, cintos, gravatas, elásticos e cordões. A intenção é promover questionamentos sobre a urgência, dúvida, tempo e as relações humanas.

Já a Casa do Trem Bélico (Rua Tiro Onze, 11, Centro) funciona das 11h às 17h, nos dois dias, com a exposição ‘Casos, Causos e Sonhos’, que apresenta pinturas produzidas pelo Padre Valfran dos Santos. No local estão obras carregadas de cores e formas inspiradas no jeito autêntico de viver em diversos lugares da região. O prédio histórico, construído na era colonial, também abriga exposição permanente de armamentos antigos.

Frontaria Azulejada

A Casa da Frontaria Azulejada (Rua do Comércio, 96, Centro) também recebe a programação da Virada Cultural, que ocorre neste fim de semana em Santos. Sábado, às 19h30, se apresentam os professores de música da Secretaria Municipal de Cultura, Jaime Augusto (teclado) e Claudio (trompete), com participação especial de José Simonian (19h30). Na sequência, às 21h, o público confere o Conjunto Sênior de Violões da Secult, coordenado pelo professor Pupo.

Encerrando a noite, o grupo santista Garagem Erudita, formado por Matteus de Souza (violino), Matheus Silva (violoncello), Jeff Eugênio (violoncello), Pablo Ramirez (contrabaixo) e Douglas Vicente (percussão), chega com participação especial da cantora Arely Moreno. O repertório instrumental reúne música pop brasileira e mundial.

Concha Acústica

A Concha Acústica Vicente de Carvalho (orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3) recebe na manhã deste domingo, a partir das 10h, a programação Conchinha na Virada, que traz apresentação do Grupo Tescom, com a peça ‘O Meu Navio Também Flutua’, e do Marionetes Guarujá. À noite, sempre a partir das 19h, os shows são do Maestro Manzione e sua orquestra de violões (sábado) e Boy e banda (domingo).

*Prefeitura de Santos

 

Agenda cultural: Moacyr Franco, Fernanda Souza e mais atrações em Santos

O cantor Moacyr Franco volta a Santos nesta sexta-feira (1º), no Teatro Coliseu, às 21h30, relembrando clássicos que emocionaram gerações como ‘Seu amor ainda é Tudo’, ‘Ainda chorei de saudade’ e ‘Nunca mais vou te esquecer’, entre outros sucessos de mais de 50 anos de carreira. As entradas custam de R$ 60,00 a R$ 90,00. Venda pelo site http://www.compreingressos.com, no telefone 4062-0016 ou na bilheteria do teatro, das 12h às 17h. O endereço é Rua Amador Bueno, 237, Centro.

Laboratório do Movimento

O grupo de pesquisa em dança Laboratório do Movimento, da Secretaria de Cultura de Santos (Secult), realiza nesta quinta-feira (30), das 19h30 às 22h, no Centro de Atividades Integradas (Cais) Vila Mathias, em comemoração ao Dia Internacional da Dança, a Jornada de Portas Abertas. Trata-se de experimento coreográfico aberto ao público, com coordenação da bailarina Maristela Sild, que tem como base a improvisação e o contato. O Cais fica na Avenida Rangel Pestana, 150, ao lado do ginásio Arena Santos. Mais informações pelo telefone 3202-3566.

Cine Arte no Miss
Fechando o mês, a biografia ‘Walesa’ pode ser conferida desta quinta-feira (30) até o dia 6 de maio, no Museu da Imagem e do Som de Santos (Miss – Av. Sen. Pinheiro Machado, 48). O filme conta a história de Lech Walesa, que luta pela revolução do povo Polonês frente à invasão comunista no país. Uma história baseada em fatos reais, em que a voz e a garra de um homem alcançaram repercussões mundiais.

O filme retrata a vida e a luta do ganhador do Prêmio Nobel da Paz e fundador do Movimento Solidário Polonês, Lech Walesa. Direção de Andrzej Wajda, com Robert Wieckiewicz, Agnieszka Grochowska e Iwona Bielska no elenco. Classificação: 12 anos. O Miss fica no piso térreo do Centro de Cultura Patrícia Galvão Ingressos: R$ 3,00. Sessões às 16h, 18h e 20h.

Cinema político
03A Cinemateca de Santos (Rua Ministro Xavier de Toledo, 42, Campo Grande) dá continuidade à ‘Mostra de Cinema Político’ neste sábado (2), às 20h, com a exibição do filme ‘Reds’. O drama biográfico, dirigido por Warren Beatty, é baseado na vida de John Reed, um jornalista e escritor socialista norte-americano que retratou a Revolução Russa em seu livro ‘Dez Dias que Abalaram o Mundo’. Entrada franca.

Concha Acústica
A Concha Acústica Vicente de Carvalho, na orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3, recebe neste sábado (2), a partir das 19h, a apresentação da Orquestra na Rua Quinteto. O grupo integra um projeto sócio-cultural independente formado por Talita Vidal (violino), Leonardo Mallet (violino), Caio Forster (viola), Matheus Bellini (violoncelo) e Fabio Ferreira (contrabaixo). No repertório, obras de grandes nomes da música erudita como Bach, Vivaldi, Mozart e da música popular brasileira, como Tom Jobim, Pixinguinha e Luiz Gonzaga.

Além disso, o quinteto também executa arranjos de temas de filmes e músicas da banda The Beatles, por ser uma paixão dos integrantes. Domingo (3), das 10h30 às 11h30, a atração é o espetáculo infantil ‘A Princesa Higiene e o Príncipe Meio Ambiente, da Cia. Arueiras do Brasil. À noite, também a partir das 19h, o destaque é o show com Ederson dos Santos (samba e pagode). Em caso de chuva, os shows são cancelados. Entrada franca.

‘Bonecomédia’
04Sexta-feira, 1º de maio, o Teatro Guarany (Praça dos Andradas, 100, Centro) recebe o espetáculo ‘Bonecomédia’, com Warley Santana, em duas sessões: 19h30 e 21h30. A montagem, em formato de stand-up comedy, traz ao público adulto todo o humor e descontração de bonecos de ventríloquo em hilariantes personagens, como Seu Antenor e a terapeuta Martha. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e podem ser obtidos no Bar Casa Velha (Othon Feliciano, 10, Gonzaga), no Espaço Cassino (Av. Francisco Glicério, 405, Pompeia), até quinta-feira. No dia do espetáculo, a compra deve ser feita na bilheteria do Guarany, a partir das 14h.

Fernanda Souza no Coliseu
01O espetáculo ‘Meu passado não me condena’, interpretado pela atriz Fernanda Souza, tem apresentação única neste sábado (2), às 21h, no Teatro Coliseu. Numa espécie de stand-up moderno, Fernanda relembra seus personagens de sucesso (Mili de ‘Chiquititas’, Mirna de ‘Alma Gêmea’, Carola de ‘O Profeta’ e a Isadora de ‘Toma lá da cá’, entre outros) ao longo de 25 anos de carreira e usa a plateia como se estivesse num confessionário. Direção: Michel Bercovitch. Ingressos de R$ 60,00 a R$ 80,00. Venda pelo site http://www.compreingressos.com, no telefone 4062-0016 ou na bilheteria do teatro, das 12h às 17h. O endereço é Rua Amador Bueno, 237, Centro.

Exercícios Estruturais
O artista João César de Melo apresenta seus trabalhos na exposição ‘Exercícios Estruturais’, em cartaz na Galeria de Arte Braz Cubas (2º piso do Teatro Municipal – Av. Sen. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias) até este domingo (2). Com formação em Arquitetura e Urbanismo, as pinturas de João podem ser vistas como exercícios tridimensionais e intuitivos, que buscam dramatizar as relações entre corpo e espaço. Visitação gratuita de segunda à sexta-feira, das 10h às 20h, e nos sábados, das 10h às 19h.

Amores Urbanos
05Pode ser vista até o dia 9 de maio, no Espaço Vip da Galeria de Arte Braz Cubas (2º piso do Centro de Cultura Galvão), a exposição ‘Amores Urbanos’, de Renato De Lone. Ao todo, 17 pinturas mostram a retomada do pintor com as artes visuais, que refletem imagens cheias de simplicidade, romance e pureza, revelando a afetividade com o ambiente das cidades. A visitação ocorre de segunda a sexta-feira, das 10h às 20h, e aos sábados, até as 19h. Entrada franca. O endereço é Av. Sen. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias.

Artes integradas
Domingo (3), às 19h, no Teatro Guarany, tem sessão do espetáculo ‘Consonantes Verbais’, que é composto por pesquisas e linguagens artísticas diferentes. A produção também pode ser uma oportunidade pra quem quiser conhecer os aspectos experimentais explorados pelos artistas que se exibirão no palco. Os interessados em saber como funciona o processo de construção criativa da peça podem participar de oficinas gratuitas de música e dança, das 13h às 16h, cujo resultado será mostrado ao público durante a apresentação. Inscrições nos telefones 3219-3878 e (11) 98741-8235. Entrada franca. O Guarany fica na Praça dos Andradas, 100, Centro.

Dança livre
A ‘Swan Lake da Cia. Dancers South America’ é atração neste sábado (2), às 19h, no Teatro Guarany. A produção reúne diversos estilos de dança, como a do ventre, tribal, flamenca, indiana e balé clássico, que juntos inspiraram as coreografias que serão apresentadas à plateia. Os ingressos custam R$ 20,00 e serão vendidos no dia do apresentação, na bilheteria do teatro, a partir das 14h. Fica na Praça dos Andradas, 100, Centro Histórico.

*Prefeitura de Santos

Renato de Lone expõe ‘Amores Urbanos’ na Galeria Braz Cubas

O artista Renato de Lone expõe nesta quinta-feira (dia 23), às 19h a mostra ‘Amores Urbanos’, no Espaço Vip da Galeria de Arte Braz Cubas (Av. Pinheiro Machado, 48/Santos). A mostra que apresenta 17 pinturas sobre tela, fica aberta ao publico até 9 de maio. Ela será aberta de segunda à sexta-feira das 10 às 20h e aos sábados até às 19h.

A exposição significa para o artista um marco em sua carreira, pois representa a retomada de seu trabalho como artista visual depois de trabalhar catorze anos como publicitário dedicando-se a projetos gráficos de grande porte realizados em edições, revistas, festivais de arte e segmento corporativo com seu toque especial em ilustrações e criações diferenciadas.
Portanto, ‘Amores Urbanos’ resgata essa relação entre De Lone e a pintura.

A liberdade do uso das tintas em uma tela umedecida, base da técnica da aquarela. O grafismo do traço irregular na cor preta, de forma limpa e definida junto com as manchas irregulares que formam expressões, fez com que suas obras rapidamente fossem absorvidas pelo mercado de arte. Cada obra surge de uma inspiração, uma lembrança ou uma mensagem que faz o observador refletir sobre a simplicidade, a pureza, o romance, a crítica poética e subliminar das imagens retratadas.

01O artista se expressa de forma direta, com cores em harmonia com o tema, onde a sua arte mostra caminhos de nostalgia, romance, sentimento, numa concepção própria que traz unidade e exclusividade ao seu estilo de hoje. Os fios de eletricidade, simbologia urbana retratada sempre com pombos, pássaros ou animais de cidade grande viraram um ícone, uma identidade para o seu mundo particular, uma espécie de assinatura da obra pelo seu criador.

Numa realização da Prefeitura de Santos, a exposição conta com o patrocínio da Universidade Santa Cecília, o apoio cultural da DC Realizações, do Atelier Nova Arte, Xis Design Comunicação Visual, JF Sun Polarizados, André Monteiro Fotografia e Eikones Escritório de Arte.

*Gustavo Klein