Arquivo da tag: gilberto mendes

Selo Sesc lança disco ‘Festival Música Nova’, concebido por Gilberto Mendes

Por Corina de Assis e Felipe Veiga

Idealizado pelo maestro e compositor Gilberto Mendes, morto em janeiro de 2016, o CD “Festival Música Nova” é o primeiro e único registro oficial do mais importante evento da música experimental da América Latina. O festival é realizado desde 1962 sob a concepção de Mendes, um dos pioneiros da música concreta brasileira e do Manifesto Música Nova. O concerto de lançamento acontece dia 20 de janeiro, às 21h, no Sesc Santos (R. Cons. Ribas, 136). Ingressos de R$ 10 a R$ 20.

O CD duplo traz repertório com peças apresentadas pelo ensemble Música Nova na edição de 2014 do Festival, em Ribeirão Preto, gravadas posteriormente sob a regência do maestro norte-americano Jack Fortner. Duas delas são de autoria de Gilberto Mendes (“Longhom Trio” e “Ulisses em Copacabana, Surfando com James Joyce e Doroty Lamour”). Há outras quatro composições de nomes ligados ao Festival: “Divertimento Água Mineral”, de Paulo Costa Lima; “Prenascença”, de Gil Nuno Vaz; “L’Attente”, de Tatiana Cantazaro; e “Granite Blocks/Quiet Water”, de Jack Fortner.

No CD do encarte, o jornalista Gil Nuno Vaz descreve o disco: “é um significativo ensemble de 13 peças, escritas por 12 autores, formando um painel que, se não chega a dar conta de toda a diversidade criativa que o Festival vem mostrando há décadas, cumpre satisfatoriamente a função de representar esse ‘espírito’ do evento idealizado por Gilberto Mendes”.

Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo, conta que Gilberto Mendes procurou o Sesc São Paulo em 2015 com a proposta de gravar o disco. “As gravações foram avançando e o primeiro registro do Festival estava caminhando. Porém, no primeiro dia de 2016, Gilberto Mendes partiu, deixando-nos saudosos de sua presença, mas gratos por toda sua obra. Dessa forma, esse trabalho tornou-se mais que uma homenagem ao Festival Música Nova. É também uma homenagem do Sesc ao mestre Gilberto Mendes”. O CD “Festival Música Nova” custa R$ 20,00 e está à venda nas unidades do Sesc e no link http://www.sescsp.org.br/livraria.

Festival Música Nova

O Festival Música Nova, idealizado por Gilberto Mendes, é um evento internacional e anual de música contemporânea realizado desde 1962, que teve seu nascimento em São Paulo. Nos últimos anos, já trouxe ao Sesc nomes de destaque da cena internacional como os compositores Pierre Henry e Alvin Luci, além do Arditti Quartet e integrantes da IRCAM (Institut de Recherche et Coordination Acoustique/Musique), criado por Pierre Boulez.

Um dos objetivos do Festival é instigar o movimento por uma música revolucionária, nova, em oposição ao academismo dominante. Sua realização proporciona o desenvolvimento de uma história do segmento da vida musical brasileira, voltado para a criação de vanguarda, para o experimentalismo e a criação de novas linguagens e técnicas musicais.

Já foi produzido simultaneamente nas cidades de Santos e São Paulo, além de realização de concertos em Ribeirão Preto e Campinas. Desde 2012, sob direção artística de Rubens Russomanno Ricciardi, o Festival vem sendo realizado pelo Departamento de Música USP de Ribeirão Preto, em parceria com o Sesc São Paulo, com concertos e cursos no campus e na unidade Sesc da mesma cidade.

Selo Sesc

O Selo Sesc tem como objetivo registrar o que de melhor é produzido na área cultural. Constrói um acervo artístico pontuado por obras de variados estilos, da música ao teatro e cinema. Por exemplo, lançou em 2016 os CDs “MPB4 – 50 anos – O Sonho, a Vida, a Roda Viva!”, “Donato Elétrico” (de João Donato), “Rei Vadio” (Romulo Fróes) e “Portrait” (Maury Buchala), “Lambendo a Colher” (Rolando Boldrin), “Ascensão” (Serena Assumpção), “A Saga da Travessia”, de Letieres Leite e Orkestra Rumpilezz, “Novos Mares”, de Fortuna, “Curado”, do sexteto Hurtmold e do músico Paulo Santos – além dos DVDs ”O Fim do Mundo, Enfim” e “O Sal da Terra – Uma Viagem com Sebastião Salgado”.

Coral Zanzalá canta e homenageia Gilberto Mendes nesta sexta-feira

Por Morgana Monteiro

O Coral Zanzalá um dos grandes mestres da música no Brasil na próxima sexta-feira, dia 11/10. O Grupo Artístico participa do 1º Encontro Coral Gilberto Mendes e sobe ao palco do Centro de Atividades Integradas de Santos, o CAIS, a partir das 20h30. Zanzalá se apresenta com os Corais Municipais de Santos e Guarujá, e Madrigal Ars Viva.

Para este encontro, o Zanzalá preparou um repertório recheado de MPB: Paisagem na janela, de Beto Guedes; Sabiá, de Tom Jobim; Louva a Deus, de Gilberto Gil, entre outras canções. Do mestre Gilberto Mendes vai interpretar Inspiração. No fim do encontro, todos os coros se juntam para cantar 24 de Dezembro, composição de Mendes.

Para a regente do Zanzalá, Nailse Machado, “é uma grande alegria celebrar a obra de Gilberto Mendes que deixou um legado espetacular para todos nós, músicos”.

 

Flávio Viegas Amoreira lança ‘Desaforismos & Tramas de Metrô’ nesta sexta

‘Desaforismos & Tramas de Metrô’. Este é o novo livro do autor santista Flávio Viegas Amoreira, que será lançado na próxima sexta-feira (dia 15), às 19h, no Sesc Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136). A obra reúne contos e poemas tranZmodernos antecedidos da oficina literária: ‘O que é literatura hoje?’, no mesmo espaço e local. Nela o escritor aborda os caminhos e descaminhos da criação literária em tempos de Internet, as novas mídias e a possibilidade de novas narrativas num mundo em transe ideológico e cognitivo.

Quais são os meios de edição digital e de disseminação de textos em novos suportes comunicacionais? O que é a literatura do estilhaço? E a transmoderna? Quais possibilidades dum jovem escritor na miríade de novas publicações? Como apresentar e formatar obras de alta riqueza criativa para editoras independentes? E, principalmente, qual o papel do escritor no século 21?

Entre Rimbaud e Deleuze, o xamã-beat Flávio Viegas Amoreira dá dicas de criação, edição e comunicação literária! O escritor apresenta “oficina piloto” ou makingofpoético para autores iniciantes e pensadores da literatura. O encontro também contará com a leitura de sua nova obra e comentários sobre rumos da literatura contemporânea.

Sinopse

2O livro de poesia experimental Desaforismos & Tramas de Metrô assinado por Flávio Viegas Amoreira manifesta uma construção silogística fincada em um alicerce multifatorial, problematizando desta maneira os desdobramentos da cosmovisão na criação literária ao enaltecer a poesia dentro os gêneros do discurso, centralizando-a na reflexão duma poiesis de envergadura e que contemple conjuntamente o quotidiano, dessarte discernindo-a para além da teleologia e da crítica genética, como possíveis balizas interpretativas da obra, que se faz pujante entre a tradição secular e a vanguarda.

Com uma estética majoritariamente discursiva, preconizando a transcendência da contemplação meramente estética ou técnica ao desvelar a exponencial reflexão existencialista e fenomenológica, fixando neste processo uma rigorosa metafísica prismática do eu-poemático. Intermediado por tipologias funcionais, rememorações intertextuais, alegorias e emulações, num exercício de desconstrução estética e transcriação, transição entre vertigens pelo canal do instantâneo com efeito lancinante como método para desbravar em relatos e solilóquios as precariedades das vicissitudes do quotidiano, de feitio peculiar ao tranZmodernismo.

Flávio Viegas Amoreiras

0Toda a obra de Flávio Viegas Amoreira é seminal, inspira outros artistas. Do livro ‘Escorbuto – Cantos da Costa’, por exemplo, o trecho “chuva no mar é desejo” se tornou música assinada pelo saudoso Gilberto Mendes, lambe-lambe na Bienal Internacional de Gravura de Santos e detalhes em coleção de vestidos de noiva.

“Os textos de Flávio são como rios muitos densos que desembocam nos leitores. A dinâmica de sua obra desperta uma força criativa”, diz o escritor e jornalista Alessandro Atanes. “Como uma lanterna política”, o iconoclasta Flávio é definido como um catalisador e uma voz para a militância artística e homossexual.

Segundo o também autor Marcelo Ariel, “A trajetória de Flávio Viegas Amoreira tem se caracterizado por uma desmedida caminhada pela floresta do barroco. Paradoxalmente por um barroco carregado de um estranho corte e de uma rigorosa concisão. Estes cantos dialogam com a tradição literária dos chamados ‘Poetas do Mar’, no sentido cosmogeográfico. Leitor de Deleuze, o que este poeta faz é uma mixagem do barroco com elementos do discurso fragmentário que é tensionado até o limite nestes textos”.

Escritor em sentido pleno, assim Flávio é definido pelo psicanalista e autor Renato Tardivo. “Seus textos transgridem a categorização por gêneros, ao mesmo tempo em que as narrativas, no trânsito entre o mar e Sampa, transfiguram o mundo. Nestes versos de: O vazio refletido na luz do nada, a palavra é pele – e Flávio faz da pele, música”.

*Flávio Viegas Amoreira/Editora Kazuá

 

Confira agenda cultural do Sesc Santos de 13 a 17 de abril

Confira a programação do Sesc Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136) entre os dias 13 e 17 de abril.

GÊNESIS: SEBASTIÃO SALGADO – SELEÇÃO DE OBRAS
Percorrendo oceanos, desertos de gelo e areia, montanhas e selvas ao redor do globo, o fotógrafo mineiro Sebastião Salgado apresenta o que existe de mais intocado no planeta. Em 32 viagens descobre com sua câmera espaços, animais e pessoas que vivem completamente isoladas das civilizações modernas. Com curadoria de Lélia Wanick Salgado, a mostra traz 100 fotografias que retratam os locais visitados por ele e sua equipe, divididas em cinco seções geográficas: Planeta Sul, Santuários, África, Terras do Norte e Amazônia e Pantanal.
Convivência. Agendamento de visitas em grupo: agendamento@santos.sescsp.org.br
20/01 a 24/04. Terça a sexta, das 10h às 21h30/ Sábados e domingos, das 10h às 18h30

CRIANÇA, CRIANTE!
Residência artística que pretende oferecer vivências performáticas às crianças do Programa Curumim, abraçando o corpo e a presença ao longo de quatro dias por meio de propostas variadas. Um convite à produção da criança – como espaço para investigação onde ela experimenta e compartilha com o outro. Com o artista performático-propositor Fernando Hermógenes. (Foto: Raphael Couto).
12 a 15/04. Terça a sexta, das 8h às 11h30

RESISTIR: RESIDÊNCIA ARTÍSTICA PARA EDUCADORES, ARTISTAS, PERFORMERS
É um lugar de re-existência, compartilhamento, conversa, colaboração, afetação, acontecimento, atravessamento, autonomia, estimulação, produção e vivências propositivas para que os participantes construam um corpo de possibilidades sobre performance com/de/para/por crianças em processos de ensino-aprendizagem e contextos variados. Propõe pensar a rua como espaço potencializador, a criança como emanadora de expressividades, a desconstrução de ideias já sedimentadas como princípio e estudos de caso como disparadores de novidades a serem investigadas a partir de seu cruzamento com aquilo que um carrega enquanto memória. Aos que desejarem, abre-se como possibilidade a construção de dispositivos performáticos a serem estudados com crianças e seus familiares na vivência Re-ativações do corpo do “É hora de fazer arte” nos dias 16 e 17 de abril, logo após a residência. Com o artista performático-propositor Fernando Hermógenes.
12 a 15/04. Terça a sexta, das 19h às 22h

MORAR – ESPAÇOS DE AFETO
Tem como objetivo o aprendizado de técnicas básicas para a criação de mini-documentários. O tema que será utilizado para o desenvolvimento da atividade, é habitação e envelhecimento. Onde os idosos moram? Que possibilidades de moradia existem para os mais velhos? Essas são questões de conteúdo que serão utilizadas pelos participantes para construir seu documentário. Entre os objetivos técnicos estão a introdução ao processo produtivo audiovisual, desde a ideia até a exibição do produto audiovisual final para o grupo de participantes e para o público amplo, assim como a disponibilização dos resultados da atividade em meio digital online (Youtube ou similares). Desenvolvida para o público intergeracional: jovens, adultos e idosos. Com Instituto Querô . Auditório e Sala 02
12 a 19/04. Terça e quinta, às 19h30
Sala 2. Há outra data a ser combinada para gravação.

CINEMA E VÍDEO – CARDÁPIO CINEFILIA: Videoclipe – técnica e estética
O videoclipe e sua influência. Um referencial no modo de se comunicar com a sociedade contemporânea. Sua origem e seu aspecto enquanto produto da chamada “indústria cultural” e ainda, a sua relação com o público. Como qualquer empreitada artística, no processo de gravar um vídeo musical o conhecimento da técnica, a imaginação e o orçamento disponíveis são os limites. Com a profª Raquel Pellegrini e prof. Edison Delmiro, esse curso aborda as questões da técnica para um filme curto (com suporte eletrônico, analógico ou digital) e da estética, capazes de influenciar, de certa forma, o padrão cultural da sociedade pós-moderna.

RAQUEL PELLEGRINI
Jornalista, documentarista, diretora e montadora; diretora da produtora Frame Wave; curadora da mostra Ohar Brasilis do Festival Curta Santos. Coordenadora de Cinemas da Secretaria de Cultura de Santos, responsável pelo Cine Arte Posto 4, pelo MISS – Museu da Imagem e do Som de Santos, pós-graduada em Cinema Documentário, pela FGV, SP. Trabalhou na rádio 95 FM , foi a primeira repórter da história da TV regional da Baixada Santista. Passou pela TV Brasil, afiliada do SBT; TV Mar, antiga Manchete. Dirigiu vários programas de TV, documentários, curtas, longa, programas eleitorais. É professora na Unimonte, curso de Cinema e Audiovisual e na pós-graduação de Cinema Digital da Unisanta.

EDISON DELMIRO
Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, publicitário graduado em Comunicação Social pela Universidade Católica de Santos e mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. Professor titular nas Faculdades de Comunicação da Unisanta – na graduação de Publicidade e Propaganda – e da UNIMONTE – na graduação de Cinema e Audiovisual. Profissional com experiência em criação de conteúdo audiovisual, e ênfase em redação publicitária e roteiro audiovisual (rádio e televisão). É roteirista, dramaturgo e pesquisador nas seguintes áreas: cinema brasileiro, produção audiovisual, trilhas sonoras, indústria fonográfica e conteúdo audiovisual para mídias sociais.

É membro da Socine – Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, e foi integrante do Núcleo de Dramaturgia SESI-British Council 2010-2011. Professor de História do Cinema e Roteiro Audiovisual nas Oficinas Querô, professor de Estratégias de Comunicação em Redes Sociais na pós-graduação de Gestão em Comunicação Estratégica e Marketing e de Roteiro e Trilha Sonora na pós-graduação de Cinema Digital (ambos na UNISANTA); também é curador da mostra nacional (Olhar Brasilis) de filmes do festivalCurta Santos desde 2003.
Grátis
14 a 28/04. Quintas, das 16h às 18h30

ARTES VISUAIS

REVELANDO SEBASTIÃO SALGADO
Direção Betse de Paula. Brasil: 2013, 75 min. Este documentário pretende retratar a trajetória de Sebastião Salgado, um dos mais respeitados fotógrafos brasileiros. Em uma entrevista concedida à diretora Betse de Paula em 2012, o artista fala sobre a sua infância, quando ainda morava em uma pequena cidade de Minas Gerais, sua formação como economista e a posterior ascensão na França como fotógrafo especializado em fotojornalismo. Salgado explica as suas escolhas temáticas e estéticas, além de citar os seus trabalhos mais importantes e as histórias que marcaram o seu percurso profissional.
Livre/Grátis
14/04. Quinta, às 19h

DE IMPROVISO
Ações que objetivam refletir, discutir, experimentar e dilatar processos de improvisação em dança, música e no encontro das linguagens.
Livre/Grátis
14/04. Quinta, das 20h às 21h

CATIA DE FRANÇA
A compositora e instrumentista paraibana realiza um apanhado de sua obra que possui forte diálogo com mestres da literatura brasileira como Graciliano Ramos, Guimarães Rosa e João Cabral de Melo Neto. Não recomendado para menores de 10.
Auditório
R$ 20,00. R$ 10,00 (uuu). R$ 6,00 (ttt)
14/04. Quinta, às 21h

DESAFORISMOS & TRAMAS DE METRÔ
Lançamento do novo livro do escritor, poeta e jornalista Flávio Viegas Amoreira. O novo livro mescla poesia e prosa foi publicado pela Editora Kazuá de São Paulo. Nascido em Santos no ano de 1965, Flávio Viegas Amoreira exerce uma ininterrupta atividade de militância e difusão cultural, tanto no litoral quanto na capital paulista. Notório por sua literatura de vanguarda, que evidencia a predominância de experimentãções linguísticas e literárias, é considerado um dos criadores da TranZmodernidade nas letras nacionais e da ́Literatura do Estilhaço ́, tendo ampla parceria com artistas de outras áreas, principalmente com o inesquecível maestro e compositor Gilberto Mendes.
Auditório
Livre/Grátis
15/04. Sexta, das 19h às 22h

O SONHO DE FELIPE
Apresenta histórias como O Sonho de Felipe, que retrata um garoto que aprendeu a usar a imaginação a todo instante e, sem se dar conta disso, vive situações divertidas, de uma maneira alegre e lúdica. Já o conto Menina Bonita do Laço de Fita narra a história do coelho que queria ser negro – a temática pretende provocar uma reflexão sobre a importância da valorização racial e o combate ao preconceito. Tudo acaba com uma grande brincadeira em Como Nascem os Monstros, onde os pais serão estimulados a ler para os mais novos, de modo que essa prática se torne um hábito na vida de seus filhos. Com João Acaiabe.
Foyer do Teatro
Livre/Grátis
16/04. Sábado, das 17h30 às 18h30

ELBA RAMALHO
O show apresenta uma síntese da versatilidade, alegria e romantismo da cantora paraibana que comemora 36 anos de carreira. Acompanhada pelos músicos Marcos Arcanjo no violão e guitarra, Rafael Meninão na sanfona, Ney Conceição no baixo, Anjo Caldas na percussão, Durval Pereira na zabumba e Alessandro Rocha no vocal, Elba traz no repertóriosucessos como De volta pro Aconchego, Anunciação, Banquete dos Signos, Morena de Angola, Gostoso demais, Bate Coração, Chorando e Cantando, Chão de Giz, Bate Coração, Banho de Cheiro e Frevo Mulher.
Ginásio
R$ 40,00. R$ 20,00 (uuu). R$ 12,00 (ttt).
16/04. Sábado, às 21h

CAMERATA UNISANTOS
Recital erudito que dá início a uma série de atividades desenvolvidas por meio de uma parceria entre o Sesc e a UniSantos. Com: Edmur Vianna – Violino; Fernanda Barbosa – Flauta; Pablo Peres – Violoncelo; Beto Lopes – Piano. Programa: Johann G. Albrechtsberger (1736 – 1809) – Duo no. IV para violino e cello; Joseph Haydn (1732 – 1808) – London Trio (violino, cello e flauta); Frank Bridge (1879-1941) – Meditation (Piano e Cello); Edward MacDowell (1860 -1908) – Woodland sketches Op. 51 no. 3 : At an old trysting-place (Quarteto); Antonio VIvaldi (1678 -1741) – Sonata em Sol minor para Flauta, violino, Cello e contínuo.
Teatro
Livre/Grátis
17/04. Domingo, das 11h às 12h30

CINEMA EM TODO LUGAR: Lunchbox
O Mumbai Dabbawallahs é um serviço de entrega de comida muito conhecido na Índia. Um dia, um erro nas entregas faz com que Saajan, um solitário viúvo, conheça Ila, uma dona de casa infeliz no casamento. Os dois começam a se corresponder e, juntos, criam um mundo de fantasias, trocando mensagens que são levadas nas embalagens do Mumbai Dabbawallahs. Direção Ritesh Batra. Produção India, França, Alemanha, EUA. 2013, 104 min.
Sala 1
Grátis
17/04. Domingo, às 11h e às 16h

TEATRO INFANTIL – CIA MEVITEVENDO: ‘Zero’
Um lugar estranho onde manivelas fazem a lua e o sol aparecerem, e um único botão acende um céu de estrelas. Ali tudo “quase” existe e nada é verdadeiro. Seu morador mais ilustre, o ranzinza e mal humorado Senhor Z para afastar o tédio, passa os dias lendo memórias alheias – há muito ele perdeu suas lembranças, e nem desconfia que um dia já foi criança. Fulano, o dedicado criado, faz de tudo para agradar seu patrão, mas neste mundo esquisito tudo é chato e sem graça… Até aparecer uma pequena criatura que, com seu canto, poderá mudar isso tudo. (Foto:Márcia Fernandes ).
Teatro
R$ 17,00. R$ 8,50 (uuu). R$ 5,00 (ttt).
17/04. Domingo, das 17h30 às 18h30

MORAR – ESPAÇOS DE AFETO: ‘Cidade Submersa’
Reflexão sobre a memória oral, simbólica, cultural e social. Tem como ponto de partida a especulação imobiliária, o esvaziamento e privatização do espaço público e a busca desenfreada pelo progresso. Dois personagens idosos e seus amigos de infância se reencontram depois de muito tempo, relembram e refletem sobre o lugar onde cresceram e que vem sofrendo grandes transformações. Com depoimentos colhidos na Vila Itororó, vila histórica da década de 20 localizada no Bairro da Bela Vista em São Paulo. Direção: Jorge Peloso. Com Impulso Coletivo. (Foto: Camila Nicoletti).
Auditório
17/04. Domingo, às 19h

*Sesc Santos

 

3ª Semana da Cultura Caiçara homenageia vida e obra de Gilberto Mendes

A larga contribuição do maestro santista Gilberto Mendes à música de vanguarda e às outras áreas, como a literatura e a dança contemporânea, serão celebradas nesta terça-feira, às 20 horas, no Sesc Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida). A homenagem póstuma será realizada na cerimônia de abertura da 3ª Semana da Cultura Caiçara de Santos, que segue até o dia 21 de março. Toda a programação é gratuita.

Nomeado de ‘Ivy Marã ey’ (‘A Terra sem Males’, em tupi-guarani), o evento contará com apresentações do músico erudito Lívio Tragtenberg, os coletivos de pesquisa artística Percutindo Mundos e Coletivo Caiçara, o autor e músico Danilo Nunes, o Boi de Conchas e o Coral Zanzalá de Cubatão. A entrada é franca e os convites podem ser retirados na terça-feira, na bilheteria do Sesc.

Gilberto Mendes, o compositor do mar

Nascido em Santos em 1922, sob o signo da genialidade, Gilberto Ambrosio Garcia Mendes ganhou o mundo com sua música e seu espírito vanguardista. Filho de Ana Garcia Mendes e Odorico Mendes, definia-se como um homem de beira-mar que compunha nas horas vagas.

Sua obra já foi tocada nos cinco continetnes, principalmente na Europa e EUA. Destacam-se ‘Santos Football Music’, ‘Alegres Trópicos’, ‘Um baile na Mata Atlântica’, ‘Saudades do Parque Balneário Hotel’, ‘Ulysses em Copacabana Surfando com James Joyce e Dorothy Lamour’, ‘Urubuqueçaba’, ‘Beba Coca-Cola’, ‘Ashmatour’, ‘Vila Socó Meu Amor’, entre tantas outras obras que assinalam seu amor pelo mar e pela cidade abrigou seu olhar.

Mendes é considerado um dos grandes renovadores da música brasileira no século 20, militando pelas vanguardas artísticas. Em 1963, foi um dos signatários do Manifesto da Música Nova, ao lado de nomes como Willy Correia de Oliveira, Damiano Cozzela, Rogério Duprat e Júlio Medaglia. Gilberto foi o idealizador e realizador do Festival Música Nova por cinquenta anos. Faleceu em janeiro de 2016.

A Semana

Aprovado como Lei Municipal 2.920/13, o evento é uma realização da Prefeitura de Santos e conta com parceria da Fundação Arquivo e Memória de Santos, Sesc Santos, Oficina Cultural Pagu e restaurantes da Cidade.

*Lincoln Spada

 

20º Sarau Caiçara é em homenagem a Gilberto Mendes

Artistas e pesquisadores se encontram na Pinacoteca Benedicto Calixto (Av. Bartolomeu de Gusmão, 15) para celebrar no 20º Sarau Caiçara a obra e a vida do grande amigo e compositor Gilberto Mendes, falecido no último dia 1º. O evento será no próximo dia 17, domingo, às 16h30, com entrada franca.

Com a participação do coletivo Percutindo Mundos, Livio Tragtenberg, Rita Tragtenberg, Flávio Viegas Amoreira, Sergio Villafranca, Antonio Eduardo, Maria Teresa, Célia Faustino, Tatiana Justel, Adriana Barbieri, Danilo Santos, Paulo Cesar Luz, Fernando Ramos, Denyse Di Favero, Erik Morais, Natalia Brescancini, Guilherme Barros, Maria José Goldschimdt, Marcelo Ignacio, Heloisa A. Duarte, Tarso Ramos e muito mais.

O Sarau Caiçara faz parte das comemorações da “Semana da Cultura Caiçara de Santos” e do “Mapa Literário do Estado de São Paulo”. Organização e apresentação de Márcio Barreto.

20° Sarau Caiçara – Gilberto Mendes
Pinacoteca Benedicto Calixto
Avenida Bartolomeu de Gusmão, 15
Santos/SP
Entrada Gratuita

Agenda cultural: Santos tem festival de juventude e muito mais

Coprodução entre Uruguai, Espanha e Alemanha, o filme ‘Sr. Kaplan’ narra a aventura de Jacobo Kaplan, que está cansado da velhice e de sua rotina. Ansioso em fazer algo pelo qual será lembrado para sempre, ele fica com a pulga atrás da orelha após sua neta lhe contar que conhece um alemão que vive em uma praia distante, que tem o apelido de ‘nazista’. Direção: Alvaro Brechner. Museu da Imagem e do Som de Santos (Miss) – piso térreo do Centro de Cultura Patrícia Galvão. Av. Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias. Sessões diárias às 16h, 18h e 20h. Ingressos: R$ 3,00. Classificação: 12 anos. Em cartaz entre os dias 9 e 15 de julho.

Cinemateca

Filme ‘O Processo’, que integra a Mostra em Homenagem ao Centenário de Orson Welles. No enredo, Joseph K. é um homem reservado, que vive na pensão da senhora Grubach e se dá bem com todos os moradores do local. Um dia ele é acordado por um inspetor de polícia, que lhe informa que está preso, mas não o leva em custódia. Durante o processo, Joseph segue com suas atividades normais, tendo apenas que ficar à disposição das autoridades a qualquer hora do dia. Incomodado por não saber do que está sendo acusado, ele decide investigar. Cinemateca de Santos. Rua Ministro Xavier de Toledo, 42, Campo Grande. Sábado (11). 20h. Gratuito. Classificação: 14 anos. Informações: tel. 3251-1613. Apoio: Video Paradiso.

Cinderela

02‘Cinderela – o filme’. Após a trágica e inesperada morte do seu pai, Ella (Lily James) fica à mercê da sua terrível madrasta, Lady Tremaine (Cate Blanchett), e suas filhas Anastasia e Drisella. Passeando na floresta, ela se encanta por um corajoso estranho (Richard Madden), sem desconfiar que ele é o príncipe do castelo. Cinderela recebe um convite para o grande baile e acredita que pode voltar a encontrar sua alma gêmea, mas seus planos vão por água abaixo quando a madrasta má rasga seu vestido. Agora será preciso uma fada madrinha (Helena Bonham Carter) para mudar o seu destino. Direção: Kenneth Branagh. Cine ZN – Sala Toninho Dantas – 2º piso do Centro Cultural da Zona Noroeste. Av. Afonso Schmidt, s/nº, Areia Branca. Sábado (11) e domingo (12). Sessões às 15h, 17h e 19h. Grátis. Classificação: Livre.

Concha Acústica

O cantor e violonista Clovis Vieira, acompanhado do baixista Glécio Nascimento, apresenta música popular brasileira, interpretando canções de autores consagrados. Seu estilo e repertório são influenciados por compositores e intérpretes mineiros como Milton Nascimento, Fernando Brant, Beto Guedes, Mario Gil e Toninho Horta. Em seu repertório, também inclui canções de Oswaldo Montenegro, Renato Teixeira, Renato Braz, Fátima Guedes, Boca Livre, Claudio Nucci e Zé Renato. Concha Acústica Vicente de Carvalho. Orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3. Sábado (11). 19h. Entrada franca. Classificação: Livre.

Espetáculo ‘Santos de frente para o mundo’, da Aplauso Companhia. A montagem faz uso de diversas linguagens, como música, dança, teatro, artes plásticas e multimídia, para retratar a história santista, suas belezas naturais, a rotina do povo e sua vanguarda nos movimentos artísticos e culturais. Direção artística: Sueli Cherbino e Luciana Raccini. Música original de Tarso Ramos. Concha Acústica Vicente de Carvalho. Orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3. Domingo (12). 18h30. Entrada franca. Classificação: Livre.

Projeto Conchinha

Espetáculo infantil ‘João e Maria’, da Cia. Arueiras do Brasil. Com participação da plateia, narra a história de duas crianças muito pobres que viviam numa casinha perto da floresta. Adaptação: Edivaldo Costa e músicas de Arlete Ramello. Concha Acústica Vicente de Carvalho. Orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3. Domingo (12). 10h30. Gratuito. Classificação: Livre.

‘Improvável’

03Totalmente baseado no improviso, o espetáculo ‘Improvável’ foi criado pela Cia. Barbixas de Humor. Durante a apresentação, os atores são desafiados pela plateia, que dá os temas para que as cenas aconteçam no palco. Com Anderson Bizzocchi, Daniel Nascimento e Elidio Sanna, que recebem dois convidados especiais. Teatro Coliseu. Rua Amador Bueno, 237, Centro. Sexta-feira (10), às 21h30; sábado (11), às 19h e 21h; e domingo (12), às 18h. Ingressos inteiros custam R$ 60,00 a R$ 30,00 (meia-entrada). Desconto de 30% para assinante A Tribuna e acompanhante e de 50% para pessoa com mais de 60 anos, estudantes e professores. Informações e vendas no site http://www.compreingressos.com.br. Classificação: 12 anos.

‘A Lenda dos Jovens Detentos’

Reapresentação da montagem ‘A Lenda dos Jovens Detentos’, que narra o encontro de Xilí, interno da Febem, e Daniela, uma garota de classe média alta. No elenco: Letícia Tavares e Bruno Galdino, atores formados na Escola de Artes Cênicas Wilson Geraldo, da Secult. Direção de Diego Andrade. Trabalho contemplado pelo 4º Programa de Apoio à Cultura – Facult 2014, da Prefeitura de Santos. Pinacoteca Benedicto Calixto. Av. Bartolomeu de Gusmão, 15, Boqueirão. Sábado (11). 18h. Gratuito (retirada dos ingressos uma hora antes do espetáculo. Se chover, é cancelado). 60 lugares. Classificação: 15 anos.

‘Caminhos até Santiago’

01O Centro Espanhol apresenta o espetáculo de dança e teatro ‘Caminhos até Santiago’, em comemoração aos 30 anos do grupo Caminos de España. No palco é narrada a história do Caminho de Santiago: como começou a peregrinação, suas diferentes rotas e onde termina. Coreografias de Luis Miramontes, Giovana Miranda e Iria Garcia. Teatro Guarany. Praça dos Andradas, 100, Centro. Domingo (12). 20h. Ingressos: R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia-entrada). Classificação: Livre

Festa Inverno

>> Shows das bandas Qu4tro, Helena, Os Trovandistas e Setor Central, no 1º Festival da Juventude, e de Maxsoul. Evento tem a participação de 29 entidades cadastradas pelo Fundo Social de Solidariedade de Santos (FSS), que administram lanchonetes, restaurantes e área de lazer montados no local, e 65 artesãos. Festa Inverno 2015. Av. Rangel Pestana, 184, Vila Mathias. Quinta-feira (9). Das 19h à 0h. Entrada franca. Classificação: Livre.

>> Show com o Musical 2 + 1. Evento tem a participação de 29 entidades cadastradas pelo Fundo Social de Solidariedade de Santos (FSS), que administram lanchonetes, restaurantes e área de lazer montados no local, e 65 artesãos. Festa Inverno 2015. Av. Rangel Pestana, 184, Vila Mathias. Sexta-feira (10). Das 18h à 0h. Entrada franca. Classificação: Livre.

>> Show com Mix Brazil Band e 1º Festival de Quadrilhas Juninas. Evento tem a participação de 29 entidades cadastradas pelo Fundo Social de Solidariedade de Santos (FSS), que administram lanchonetes, restaurantes e área de lazer montados no local, e 65 artesãos. Festa Inverno 2015. Av. Rangel Pestana, 184, Vila Mathias. Sábado (11). Das 18h à 0h. Entrada franca. Classificação: Livre.

>> Shows das bandas Atemporal, Black &White e Harpia, no 1º Festival da Juventude, e Sidarta/The Classics. Evento tem a participação de 29 entidades cadastradas pelo Fundo Social de Solidariedade de Santos (FSS), que administram lanchonetes, restaurantes e área de lazer montados no local, e 65 artesãos. Festa Inverno 2015. Av. Rangel Pestana, 184, Vila Mathias. Terça-feira (14). Das 19h à 0h. Entrada franca. Classificação: Livre.

Baile na Praia

Oliver Band é o conjunto musical que anima o Baile na Praia neste feriado prolongado. A banda apresenta repertório variado e eclético, com hits nacionais e internacionais. Realização: Prefeitura de Santos, por meio da Secretaria de Cultura (Secult). Fonte do Sapo. Orla da Aparecida. Domingo (12). 18h às 22h. Se chover, é adiado. Classificação: Livre.

Chorinho

O projeto ‘Chorinho no Aquário’ tem como convidados os músicos Antônio Eduardo e José Simonian, que apresentam canções do CD ‘Amor Antigo’, em homenagem ao compositor santista Gilberto Mendes. O disco traz as músicas ‘Saudades da minha voz’ (José Simonian e Julinho Bittecourt), ‘Trois Croquis’ (Michel Lysight), ‘Pastel’ (Michel Lysight), ‘Fusain ‘(Michel Lysight), ‘Sanguine’ (Michel Lysight), ‘A Mulher e o Dragão’ (Gilberto Mendes), ‘Saudades do Miami Motel’ (R. Ricciardi), ‘Gilberto Porto Perto da Santos que Navego’ (José Simonian), ‘Entrelinhas’ (Glorinha Velloso e José Simonian), ‘Noites de Coliseu’ (José Simonian) e ‘Choro dos Meninos’ (José Simonian). Realização da Prefeitura, em parceria com as empresas Transbrasa e Fundamar. Praça Luiz La Scala, em frente ao Aquário Municipal, Ponta da Praia. Sábado (11). 18h. Gratuito. Classificação: Livre.

 

*Prefeitura de Santos