Arquivo da tag: histórico

Em SV, vernissage de pintura, tapeçaria e objetos decorativos neste sábado

Por Prefeitura de São Vicente

Neste sábado (9/fev), às 16h, o Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente (IHGSV, Rua Frei Gaspar, 280/Centro) oferece o Vernissage do artista plástico Paulo Bernardes. A exposição conta com quadros, tapetes e objetos de decoração, feitos sob a ótica artística do profissional. As obras estarão disponíveis, para visitação, até 28/fev, das 8h30 às 17h30, de segunda á sábado.

Os quadros, que enfeitarão a Galeria de Arte Cellula Mater, fazem parte de um lado da vida de Paulo Bernardes, professor aposentado, que viu na arte uma forma de expressão. O artista, que pinta há 20 anos desde criança, possuía inclinação para arte. Os desenhos e as cores sempre fizeram parte de sua vivência. Hoje, já sem espaço para armazenar tantas telas, enxergou na tapeçaria uma forma de continuar fazendo arte.

 

Exposição fotográfica ‘Relicário’ segue em última semana no IHGSV

Prefeitura de São Vicente

Da fotógrafa Sibylla Ventura, a exposição ‘Relicário’ segue até esta semana no Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente (R. Frei Gaspar, 280, Centro). A mostra gratuita continua aberta a visitação das 8h às 17h até 17/jan (quinta-feira). A ação tem o apoio da Prefeitura via Secult.

A origem da exposição começou em 2016, quando a artista visitava o Orquidário de Santos com os avós que completavam 60 anos de casados. Com uma câmera em mãos, decidiu registrar o afeto do par: o resultado foi um ensaio virtual despertando o interesse e a admiração de muitos.

Após o falecimento do avô, Sibylla decidiu perpetuar por meio de cliques a essência e beleza dos idosos do Lar Vicentino. Ali, as imagens elevam a autoestima dos idosos, com caracterização, maquiagem e cenografia, além de possuir fotos documentais, que esboçam a realidade e o dia-a-dia dos idosos no Lar.

A fotógrafa divide os ensaios em dois dias para se adequar aos horários de lanche dos moradores. Muitos dos modelos possuem mal de Alzheimer ou limitações físicas, por isso o cenário é cuidadosamente planejado para pessoas em cadeiras de rodas e usuários de andador, para que todos sejam incluídos.

Nos dias de fotografar existe toda uma ambientação para deixá-los confortáveis, playlists com músicas são elaboradas, que remetem ao tema das fotos e a época dos idosos. Eles se surpreendem com as fotos impressas e mostram comoção com o resultado: “Durante os dois anos de projeto tive que aprender a lidar com a perda de alguns deles, a cada ensaio já não temos a presença de alguns dos anteriores. Enfim, é um aprendizado constante”.

Livros e roupas podem ser encontrados em bazar da Casa da Esperança

Por Danielle Passos

Entre os dias 23 e 27 a Casa da Esperança de Santos realizará o último Bazar da Pechincha do ano. Com entrada gratuita, preços acessíveis e uma grande diversidade de produtos, o evento beneficente acontecerá das 8h às 17h no Salão de Eventos da Instituição (R. Imperatriz Leopoldina, 15, Ponta da Praia).

O bazar é um dos grandes eventos realizados pela instituição, e você encontra produtos como roupas, calçados, utensílios domésticos, livros e artigos populares com preços acessíveis a partir de R$2,00. A entidade tem como objetivo arrecadar fundos para custear os serviços gratuitos oferecidos a cerca de 275 crianças e adolescentes com deficiência física, intelectual ou sensorial, e manter mais de cinco mil procedimentos mensais.

Histórico

A Casa da Esperança de Santos é um centro de habilitação e reabilitação que oferece tratamento médico e terapêutico multidisciplinar em Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Psicologia, Pedagogia, Fonoaudiologia, Odontologia e Integração Sensorial. A instituição recebe ajuda governamental, mantém uma oficina e uma loja ortopédica para incrementar a sua arrecadação e tem como principal receita (superior a 50%) doações feitas pela própria comunidade.

 

Escola Simonian de Música reúne vários estilos musicais em show no Guarany

Por Secult Santos

Com apresentações de diversos gêneros musicais, como samba, MPB, música erudita, bossa nova, rock e chorinho, a 23ª Audição dos Alunos e Professores da Escola Simonian de Música tem sessão nesta terça-feira (13), às 19h, no Teatro Guarany (Praça dos Andradas, 100, Centro Histórico).

O concerto apresenta músicas executadas com as técnicas ministradas nas aulas de canto, piano, bateria, percussão, gaita, contrabaixo, saxofone, guitarra, flauta e violino. Os alunos terão acompanhamento de uma banda formada por professores da escola, como Caio e Daniel Simonian e o docente Roger de Marchi. A direção geral de José Simonian. Os ingressos custam R$ 20,00 e estão disponíveis na bilheteria do teatro.

 

Inscrições para atores e voluntários da Encenação da Fundação da Vila de SV 2017

Por Lincoln Spada

A partir desta segunda-feira (dia 7), estarão abertas as inscrições para os interessados em participar da Encenação da Fundação da Vila de São Vicente, considerada o maior espetáculo em areia de praia do mundo. Com o tema ‘Reconstrução de uma cidade’, o evento compõe a programação de aniversário municipal, que completará 485 anos. A temporada será entre os dias 21 a 25 de janeiro, às 20 horas, na Praia do Gonzaguinha. A entrada será 1 Kg de alimento não-perecível, sendo toda a arrecadação destinada às entidades Apae, Centro Semente de Luz e Lar Vicentino.

As inscrições podem ser feitas até dia 12 de novembro no Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente (Rua Frei Gaspar, 280), das 8h30 às 17 horas. Além de vagas no elenco, há também vagas específicas para colaborar em: lavanderia, chapelaria, arquibancada, entrega de lanches, controladores de acesso aos camarotes, maquiadores e camareiras, entre outras funções.

Para se inscrever, os voluntários devem levar documento de identidade e uma foto 3×4. Este ano, crianças a partir dos 4 anos podem participar. Para a inscrição de menores, será necessária a presença de um responsável com documento de identidade, que vai assinar no local uma autorização. Neste ano, o espetáculo deve contar com a presença de ‘Calixtos’, que farão intervenção artística em paineis no cenário, além de uma caravela dourada em escultura de arame.

Conheça história: Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente

O Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente, constituído em 5 de fevereiro de 1959, no Litoral do Estado de São Paulo, e designado abreviadamente por IHGSV, é uma pessoa jurídica de direito privado, de fins não econômicos, de caráter científico, educativo e cultural, reconhecido de utilidade pública, inscrito no CNPJ com o n°. 60.016.706/0001-73.

Casa do Barão

Chácara residencial tombada como patrimônio histórico pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico), em 1988, possui reserva ecológica de 6.500m2. O casarão, construído em 1925, serviu de residência ao Barão Kurt Von Pritzelwitz, gerente da firma exportadora de café Theodor Wille.

Em 1946, o imóvel passou a sediar o Instituto São Vicente e, em 1972, o Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente, que expõe seu acervo aos visitantes. No seu interior, abriga também a Biblioteca Municipal. A construção é de tijolos, com cobertura em telhas francesas, térrea, possui porão e uma grande varanda, apoiada em colunas duplas.

Pelas quatorze salas da Casa da Barão, estão representados todos os Estados brasileiros, com mapas artísticos, objetos de artesanato, exemplares da fauna, costumes indígenas, belezas paisagísticas, curiosidades, arqueologia, economia, geografia, riquezas minerais e potencial turístico.

Ao acervo do Museu pertencem, aproximadamente, 1380 peças, algumas raríssimas de incalculável valor histórico, como o crucifixo do século XVI, inúmeras amostras de pedras brasileiras, fósseis e peças do Mestre Vitalino, além de valiosa coleção numismática. Além do Museu Histórico e Geral da Cidade, o Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente abriga atividades teatrais e aulas de pintura, música, fotografia, desenho e yoga.

*Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente

 

Análise: Relatório mapeia de espaços culturais da Baixada Santista

O relatório virtual Cultura ao Encontro – Mapeamento de espaços culturais da Baixada Santista é uma iniciativa sem fins lucrativos realizada em maio de 2016 pelo jornalista, ator e pós-graduando em Gestão Cultural, Lincoln Spada. O objetivo do relatório é uma tentativa de mapear a maioria dos espaços culturais e espaços em potencial para tal vocação na Região Metropolitana da Baixada Santista. Acesse ao relatório completo aqui.

>> Acesse: Mapa / Análise por: Bertioga / Cubatão / Guarujá / Itanhaém / Mongaguá / Peruíbe / Praia Grande / Santos / São Vicente / Análise por: Literatura / Audiovisual / Artes plásticas e visuais / Praças / Artesanato / Patrimônio / Música / Festejos / Artes cênicas

A escolha de se debruçar no diagnóstico de espaços culturais é porque se trata de um modo mais conciso e mais próximo da exatidão de perceber a disseminação das artes na Baixada Santista. Seria inevitável encontrar grandes erros em indicadores que tentassem recorrer a todos os artistas ou iniciativas dos mais diversos segmentos num primeiro passo. No entanto, ao registrar os locais, entende-se que cada um flui com produtores e artistas de sua linguagem, e público específico, abarcando várias obras e montagens de obras num único endereço.

Ao todo, foram listados mais de 450 espaços que apresentam uma ou mais linguagem artística na região, além de outra centena de locais em potencial, como auditórios de escolas e associações. “Apesar de ser um número farto à primeira vista, com o mapeamento é possível diagnosticar que até 570 mil moradores da Região, quase um terço da população, não encontra em seu bairro sequer uma livraria, um restaurante com música ao vivo ou um cineclube”, comenta Lincoln Spada. “Em todo bairro há um comércio, escola, unidade médica e templo, mas nem sempre tem um simples local de reflexão e produção do fazer cultural, que é por vezes traços da própria identidade da comunidade e região”.

Entre outras conclusões com este mapeamento, o relatório estimula também percepções sobre as diferenças etárias e geográficas nos espaços culturais. Por exemplo, quase metade dos espaços listados se referem a redutos de formação artística, geralmente atendendo crianças e jovens. Até mesmo, os sistemas de bibliotecas, o que significa que enquanto a população regional mais envelhece, o incentivo à cultura é mais voltada aos mais novos, não atendendo a demanda de outras idades, nem estimulando o hábito de todos terem acesso às artes. Geograficamente, é possível notar que a maioria dos endereços registrados estão concentrados na orla ou no centro das cidades, demonstrando que a cultura regional está visando mais o turismo do que a própria comunidade como um todo.

Método de pesquisa

A pesquisa foi baseada em cima de informações entre 2013 e 2016 em sites de prefeituras, universidades e veículos de comunicação da Região, além de checagem da existência ou atualização de informações sobre estes locais em sites de pesquisa e redes sociais das próprias instituições entre 2015 e 2016. Dessa forma, não significa um trabalho conclusivo destes indicadores, mas de reconhecimento da maioria dos espaços registrados na Internet, como também é passível de que certas entidades possam ter se transferido ou já estejam inexistentes na região.

Compreendendo assim este relatório, é possível que gestores públicos, produtores culturais, artistas e demais interessados observem a distribuição dos espaços na região, com intuito de: diagnosticar novas construções de equipamentos públicos; efetivar parcerias com iniciativas privadas de espaços em potencial; conhecer agendas das instituições listadas; buscar locais para apresentar suas produções artísticas ou realização de ensaios; etc.

Linguagens artísticas

O relatório virtual identificou além de endereços das instituições, as datas de criação das entidades, os órgãos responsáveis pelos espaços, status (se o local está passando por obras, reformas ou aberto) e possíveis detalhamentos. Cada local podia abranger mais de uma modalidade em sua vocação cultural, sendo classificado nas seguintes modalidades: artesanato (bibliotecas, livrarias e afins); audiovisual (salas de cinemas, auditórios, cineclubes e afins); artes visuais e plásticas (galerias, escolas do setor, ateliês abertos ao público e afins); artesanato (locais onde há feiras de artesanato); música (auditórios, casas de shows, escolas do segmento e afins); artes cênicas e circenses (palcos, auditórios e cursos referentes à dança, teatro e circo, e afins); festejos (sedes e locais de ensaio de carnaval e quadrilhas juninas); patrimônio (museus e locais de acervo histórico); praças públicas de eventos (onde já há freqüência de ações culturais); e auditórios (potenciais espaços culturais, geralmente de associações e entidades com capacidade acima de 100 lugares).

*Lincoln Spada