Arquivo da tag: jr

Confira a programação da 1ª Semana da Cultura Caiçara de São Vicente

Por Márcio Barreto

A 1ª Semana da Cultura Caiçara de São Vicente, amparada pela Lei Municipal n° 3312/2015, e pela Lei Estadual n° 16.290/2016, promove programação em torno da cultura caiçara. Desde suas origens e tradições às experimentações da arte contemporânea, artistas e pesquisadores da região expõem seus trabalhos através da música, literatura, cinema, dança, contação de histórias e teatro.

Em sua primeira edição, a Semana homenageará o músico, compositor e escritor vicentino José Miguel Wisnik e as famílias caiçaras representadas por Antonio Lancha e Dona Nenê (Maria Aparecida Nobre), presidente da Colônia de Pescadores Z-4 e bisneta de Firmino Gonçalves do Santos – mais antigo pescador registrado de São Vicente (1912).

José Miguel Soares Wisnik nasceu em 27 de outubro de 1948. Estudou piano clássico e estreou aos 17 anos como solista na Orquestra Municipal de São Paulo. Ingressou no curso de Letras na USP, onde, depois, concluiu o doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada. Como músico e compositor tem quatro discos gravados e parcerias que vão desde Caetano Veloso e Arthur Nestrowsk, à Elza Soares e Tom Zé.

Compôs para cinema (‘Terra Estrangeira’), teatro (Teatro Oficina) e dança (Grupo Corpo). Escreveu diversos ensaios sobre música e literatura, cuja obra máxima é Veneno Remédio. Ganhou o Prêmio Jabuti de Literatura em 1978. Apresenta-se no Brasil e no exterior regularmente, onde sempre fala de sua cidade natal: São Vicente.

A 1ª Semana da Cultura Caiçara de São Vicente é uma realização do Coletivo Caiçara, Imaginário Coletivo de Arte, Prefeitura de São Vicente, Secult, IHGSV, Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios e Conselho Municipal de Políticas Culturais. Curadoria de Márcio Barreto. Produção e organização de Márcio Barreto, Gigi Fernandes e Rogerio Baraquet.

Confira a programação:
>> 14/mai | 17h | Instituto Histórico e Geográfico de SV (R. Frei Gaspar, 280) | Abertura oficial com homenagem a José Miguel Wisnik e às familias de pescadores tradicionais;
>> 14/mai | 17h30 | IHGSV | Abertura da exposição fotográfica ‘Café com Peixe’, de Christina Amorim, visitação até dia 20;
>> 14/mai | 18h | IHGSV | Lançamento do livro ‘Mar Selvagem – Vicente de Carvalho Revisitado’;
>> 14/mai | 19h | IHGSV | Sarau Caiçara, com Flávio Viegas Amoreira, Marcelo Ignacio, Marcelo Ariel, Maria José Goldschimidt, Madô Matins, a intérprete-criadora Célia Faustino, os fotógrafos Anak Albuquerque, Gilberto Grecco, os músicos Laert Sarrumor, Anderson Vilaverde, Rogerio Baraquet, Danilo Nunes, as atrizes Gigi Fernandes e Claudynha Torres, os artistas visuais Gil de Brito, Anna Fecker e a participação especial dos escritores Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios.
>> 17/mai | 9h e 10h | E.E. Esmeraldo Tarquínio | Ciranda ‘Caiçara’, com músicas de Rogério Baraquet, contação de histórias com Gigi Fernandes e oficinas de cultura caiçara;
>> 17/mai | 14h | E.M.E.F. Francisco Martins | Ciranda ‘Caiçara’, com músicas de Rogério Baraquet, contação de histórias com Gigi Fernandes e oficinas de cultura caiçara.
>> 19/mai | 14h | IHGSV | Feira de Artesanato;
>> 19/mai | 19h | IHGSV | CineCaiçarama, com exibição de ‘Expedição Caiçara – Praia de Castelhanos/SP’, de Danilo Tavares, e ‘Mar Selvagem’, de Márcio Barreto;
>> 19/mai | 21h | IHGSV | Cozinha Caiçara, com organização da Confraria Guaiaó e chef Fabio Perassoli, a adesão no valor de R$ 50;
>> 20/mai | 10h às 14h | Praça Principal do Samaritá | ‘Subprefeitura em Ação – Ocupação Caiçara’, ação social com prestações de serviços e apresentações artísticas;
>> 20/mai | 10h | Praça Tom Jobim | Visita à Aldeia Guarani Mbyá;
>> 20/mai | 16h | Da Ilha Porchat à Praia do Gonzaguinha | Remada Caiçara;
>> 20/mai | 16h | Praia do Gonzaguinha | Batalha da Conselheiro, com apresentação de JR e Ofstreet;
>> 20/mai | 17h | Praia do Gonzaguinha | Art Radical Hip Hop Caiçara, com Carlos Tatu;
>> 20/mai | 18h | Praia do Gonzaguinha | Show de Brunão Mente Sagaz;
>> 20/mai | 19h | Praia do Gonzaguinha | Show ‘Pindorama’, com Percutindo Mundos, Danilo Nunes, Anderson Vilaverde, Célia Demézio e convidados.

 

Dia Estadual do Choro celebra a história de Garoto

O Dia Estadual do Choro é comemorado em 28 de junho, aniversário de Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto, que nasceu nesta data, em São Paulo, em 1915. No centenário do influente compositor, o Clube do Choro de Santos e a Prefeitura de Santos apresentam ampla programação para homenageá-­lo.

A agenda festiva, toda gratuita, tem início nesta sexta­feira (26), a partir das 11h, no Bulevar da Rua XV de Novembro, no Centro Histórico, em frente à sede do Clube do Choro de Santos, que fica no número 68. No local ocorre a cerimônia de lançamento de selo e carimbo comemorativos ao centenário de Garoto pelos Correios. Também será realizado sarau literomusical com os alunos da Escola de Choro e Cidadania Luizinho 7 Cordas e os escritores Mario Albanese, Thais Matarazzo, José de Almeida Amaral Jr., Paulo Della Rosa Junior, Rene Rivaldo Ruas e J. Muniz Jr., entre outros.

Na sequência ocorre assinatura e entrega de retrato em branco e preto (tela a óleo) de Garoto feito pelo artista plástico Jotarelli, além de inauguração, na sede do clube, do Espaço de Leitura ‘Sergio Cabral’ ­ Módulo Garoto, com presença de Antônio Augusto de Castro Sardinha, filho de Garoto.

Guarany e Concha

No sábado (27), às 20h30, a atração, no Teatro Guarany (Praça dos Andradas, 100, Centro Histórico), é o show ‘Viva Garoto’, com Luizinho 7 Cordas e conjunto regional. A noite, que integra a programação do Festival de Cenas Teatrais – Fescete, terá a participação do jornalista e bandolinista Luís Nassif.

Já no domingo (28), às 19h, a Concha Acústica Vicente de Carvalho, na orla do bairro Gonzaga, ao lado do Canal 3, abriga o show de encerramento da programação. As atrações são os alunos da Escola de Choro e Cidadania Luizinho 7 Cordas e o conjunto regional Amigos do Clube do Choro de Santos.

*Prefeitura de Santos

 

Documentário ‘Na Rua’ registra panorama artístico

Todo ser humano busca ser valorizado em sua profissão. Com os artistas de rua não é diferente. O documentário ‘Na Rua’ mostra como a sociedade desvaloriza essas pessoas, que se arriscam diariamente para levar entretenimento a quem não tem tempo ou dinheiro para apreciar qualquer tipo de arte.

De acordo com os diretores, Guilherme Alves e Raphaella Salles, “Encontramos resultados que desmistificam a desvalorização. Que comprovam a credibilidade, o profissionalismo, as técnicas e as influências da arte feita na rua, que apesar de ser uma das mais reconhecidas do mundo, ainda é ignorada no Brasil”. As imagens são de Ayla Fazioli.

O documentário é o Trabalho de Conclusão de Curso dos dois estudantes de Jornalismo da Universidade Católica de Santos. Na sua pesquisa, entrevistam o secretário da Cultura de Santos, Raul Christiano, os artistas plásticos Leandro Szyszko (Shesko) e Daniel Disaró (Vela), os produtores Ricardo Vasconcellos e Junior Brassalotti, os diretores teatrais Caio Martinez Pacheco e Kadu Veríssimo, o professor de história da arte, Carlos Finocchio e o pichador JR. E até eu, Lincoln Spada. Confira o vídeo.