Arquivo da tag: juliana sucila

Após festival mineiro, ‘Projeto Bispo’ realiza temporadas em Santos

Em junho, o Coletivo participa com o espetáculo ‘Projeto Bispo’ no 1º Festival Nacional de Teatro de Barbacena de Minas Gerais. A apresentação na cidade mineira é muito especial para o grupo, que trabalha com teatro performático e com a ressignificação de espaços, pois lá ficava o antigo Hospital Colônia de Barbacena, hoje Museu da Loucura, cujas histórias de abuso e torturas já relatadas em livros como “Holocausto Brasileiro” da jornalista Daniela Arbex e em documentários como “Em nome da razão” do cineasta Helvécio Ratton que inspiraram a criação do espetáculo.

01O grupo santista também embala a partir deste mês em novas temporadas de apresentações do teatro de rua que percorre as vias do Centro da Cidade. As temporadas gratuitas tem parceria da Fundação Arquivo e Memória de Santos e da Prefeitura Municipal de Santos, através da Secretaria Municipal de Cultura em prol da Fundo Social de Solidariedade de Santos, pois a entrada será um lata de leite em pó ou um quilo de alimento não perecível revertido ao Fundo. As sessões serão todas às segundas-feiras a partir de 8 de junho e até o fim de julho, às 20h, com início na Praça Mauá.

O espetáculo

“Tratados como bicho, comportam-se como um”, espetáculo que traça um panorama que conduz a uma imersão na perspectiva do excluído e um mergulho no labirinto do artista. Onde o passado e o presente se fundem, assim como elementos da religião, do simbólico e questões sociais que se apresentam como um pano de fundo onde a realidade e a ficção se misturam. O enredo utiliza a dicotomia loucura/liberdade, num sentido metafórico. A impermanência das coisas se estabelece como a própria estrutura dramatúrgica, em que os atores continuamente desconstroem uma realidade cênica para construir outra, criando uma atmosfera dual entre loucura e prisão, arte e liberdade de expressão.

02O ponto de partida é a Praça Mauá, dali o público será encaminhado e convidado a percorrer um percurso onde os personagens em novas e diferentes situações irão ressignificar vários trechos e ruas do Centro santista até entrar na Casa de Frontaria Azulejada, onde acontece o 2º ato da peça. Em cada rua, cada esquina, o espectador pode se deparar com personagens que estão todos os dias nas ruas e que muitas vezes passam desapercebidos por nossos olhares treinados a ignorar tudo o que não nos convém.

A direção é de Kadu Veríssimo e o elenco desta temporada é formado por Junior Brassalotti, Juliana Sucila, Renata Carvalho, Rafael de Souza, Wendell Medeiros, Malvina Costa, Sérgio Bratz, Zécarlos Gomes e Thalita Nascimento.

*Junior Brassalotti

 

A estética da arte e loucura no ‘Projeto Bispo’

01

São quase nove da noite quando um ator sussurra para o público “Qual a diferença entre vocês e eles?”, apontando com a lanterna a um bando de nus surtando na Casa da Frontaria Azulejada. E é lá, após duas horas com tantos personagens alienados e anônimos da peça ‘Projeto Bispo’, que se percebe que eles são tão humanos quanto eu, você e o artista plástico Arthur Bispo do Rosário.

As situações encenadas por cada um dos dez artistas de O Coletivo retratam partes da genialidade e loucura do falecido Arthur. Genial, pois ele concebeu mais de 900 objetos de arte contemporânea. Louco, porque o acervo foi criado com retalhos e peças descartáveis que achava no antigo Hospital Nacional dos Alienados, no Rio, onde viveu por 50 anos.

O ex-marinheiro e ex-pugilista sergipano perambulava pelas ruas antes de ser internado. É o mesmo caso da personagem conterrânea no teatro, interpretada por Malvina Costa. Hoje e na próxima segunda-feira, na Praça Mauá, às 20 horas, lá estará ela com um alto-falante chamando a todos para o início da sessão.

Dramas de quem vive na rua

Na primeira parte da obra, o público anda lado a lado com ela e outros moradores em situação de rua que surgem em cena. Palavrões e insultos são constantes e improvisados entre eles, mas justamente essa marginalidade faz os papéis serem críveis, humanos.

Destaque para o encontro dos personagens de Rony Magno e Junior Brassalotti na escadaria da Prefeitura. Enquanto o primeiro veste um similar do Manto da Apresentação (principal peça bordada por Bispo) se nomeando Filho do Pai, o outro faz o papel de um Deus irônico, criticando as exclusões sociais geradas por cor, classe econômica e orientação sexual.

Por vezes, algumas situações até geram risos na plateia. Como quando Wendell Medeiros protagoniza o caso de um indigente que dorme na marquise de uma agência bancária, responsabilizando-a pelo seu fracasso financeiro. E não é que essa cena surgiu quando uma mulher em situação de rua contou esse fato para o elenco?

Aliás, os momentos mais fortes estão nos dramas femininos. Seja com a cena de estupro de Juliana Sucila e Rafael de Souza, ou a revolta de uma prostituta, rejeitada pelos clientes por ser travesti, interpretada por Renata Carvalho.

02

Cresce a insanidade

No entanto, a insanidade dos personagens cresce dentro do hospital psiquiátrico ambientado na Casa da Frontaria Azulejada. Lá, as falas realmente perdem força para as ações representadas pelo elenco.

A iluminação apenas por lanternas e a trilha sonora de rock até músicas românticas colaboram nas esquetes, apresentando as técnicas de internação, medicação e choques elétricos nos pacientes, tão comum em antigos hospícios do Brasil.

Todos os espaços da casa se tornam em cenário para a loucura, que também corresponde as vontades de Bispo. Por exemplo, quando os personagens de Cícero Santos e Lucas Oliveira brigam sobre cores e Vanúzia Moreira sonha ter uma faixa e uma coroa. É que a cor predileta de Arthur era o azul, e seu maior desejo era casar com Ieda Maria Vargas, a Miss Universo de 1963.

Enfim, sob a direção de Kadu Veríssimo, é nítido o entrosamento de O Coletivo em mostrar o universo marginalizado de um artista plástico ainda não tão conhecido pelo grande público. O que torna o ‘Projeto Bispo’ em um teatro de forte estética e crítica social, e, nós, espectadores, mais humanos.

*Texto publicado originalmente no jornal A Tribuna em 3/dez/13
Fotos de Patrícia Garoni e Rodrigo MMorales