Arquivo da tag: kauê nunes

MISS realiza sessões com filmes contemplados pelo Facult

Por Prefeitura de Santos

Localizado no Centro de Cultura Patrícia Galvão (Av. Sen. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias), o Museu da Imagem e do Som de Santos – Miss é um dos equipamentos culturais da Cidade que recebe trabalhos de produtores audiovisuais da região.

Nos próximos dias, a Sala de Projeção Chico Botelho, no Miss, recebe as projeções de três produções contempladas pelo 6º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes do Munícipio de Santos, o Facult.

A agenda tem início nesta sexta-feira (8/fev), às 19h, com a obra ‘Ofício: Estudo 9/1’, de Juliana França. O trabalho une as linguagens de dança e vídeo, registrando as reações e opiniões de nove profissionais de diferentes áreas enquanto assistem uma coreografia.

Já na próxima quinta-feira (14/fev), a partir das 18h30, é a vez de duas grandes histórias santistas ganharem projeção nas estreias dos documentários ‘The Pink Panther Boite’, dirigido por Kauê Nunes Melo, e ‘Dudu do Gonzaga’, com direção de Nildo Ferreira.

O primeiro filme traz depoimentos de personagens que frequentaram a singular boate dos anos 1980, localizada em frente à Praia do José Menino. Considerado por muitos a joia do entretenimento adulto na Cidade, o ambiente era visitado por casais, famílias que iam jantar e assistir espetáculos musicais, stripteases e shows eróticos. Além disso, o palco da boate abriu espaço para várias estrelas transexuais da época, como Gretta Star e Roberta Close.

A segunda produção fala sobre a vida de Luiz Eduardo D’Agrella Teixeira, o Dudu do Gonzaga. Um dos personagens mais famosos da Cidade nas décadas de 70 e 80. Homossexual assumido, ele enfrentou preconceito e fez história pelo seu comportamento extravagante e inusitado. Pessoas que conviveram com Dudu revelam suas histórias e fotos. O documentário ainda lança um questionamento sobre a sua morte.

 

Antiga Casa Anchieta sedia exibição de ‘Era o Hotel Cambridge’

Informações do Curta Santos

O novo longa metragem de Eliane Caffé, ‘Era o Hotel Cambridge’, será exibido nesta segunda-feira (20/nov), a partir das 19 horas, na antiga Casa de Saúde Anchieta, local conhecido como epicentro da luta antimanicomial. Atualmente, o espaço é ocupado por famílias em situação de vulnerabilidade, na Rua São Paulo, 95, Vila Belmiro.

No filme, refugiados recém-chegados ao Brasil dividem com um grupo de sem-tetos um velho edifício abandonado no centro de São Paulo. Além da tensão diária que a ameaça de despejo causa, os novos moradores do prédio terão que lidar com seus dramas pessoais e aprender a conviver com pessoas que, apesar de diferentes, enfrentam juntos a vida nas ruas.

Ainda, também serão apresentados os curtas metragens ‘O Pequeno Monstro’, de Nildo Ferreira e Kauê Nunes, ‘Bola de Trapos’, de Carlos Avalone, ‘O Menino que sabia voar’, de Douglas Alves Ferreira, e ‘O Coração do Príncipe’, de Caya Ryuchi.

Mostra das Minas e Curta Santos fazem edição especial no domingo

Informações de Mostra das Minas e Curta Santos

A Mostra das Minas realiza uma edição especial em parceria com o Curta Santos – Festival de Cinema de Santos. Juntos, apresentam curtas e longa-metragem de modo gratuito na Praça Nagasaki (ao lado do Mercado Municipal) neste domingo, a partir das 20 horas. A sessão conjunta tem 2h20 de duração.

A princípio, acontece a exibição da matinê com ‘O Pequeno Monstro’, ficção santista de Nildo Ferreira e Kauê Nunes. Em seguida, ‘Bola de Trapo’, animação santista de Carlos Avalone, ‘O Menino que sabia voar’, animação paulistana de Douglas Alves Ferreira, e ‘O Coração do Príncipe’, outra animação paulistana, assinada por Caya Ryuchi.

Na Mostra das Minas, há o documentário de Nana Della Gatta e Julia Bergmann, ‘De vez em quando sou marrom’. Na obra, um morador inusitado do centro de São Paulo que se torna o elo de ligação entre pessoas de origens diversas, dá exemplo de amor e amizade.

Também será apresentada ‘Próxima’, ficção de Luiza Campos. Na telona, aos doze anos, Carol percebe que o mundo ao seu redor está muito parecido: suas tias e primas, as amigas da escola, as mulheres nas lojas, as cantoras da internet, todas estão com o cabelo liso. Menos ela.

Precisamos falar do assédio

Por fim, ocorre a sessão de ‘Precisamos falar do assédio’, longa de Paula Sacchetta. No documentário, durante a semana da mulher, uma van-estúdio parou em nove locais em São Paulo e no Rio de Janeiro. O objetivo era coletar depoimentos de mulheres vítimas de qualquer tipo de assédio. Ao todo, 140 decidiram falar.

São relatos de mulheres de 14 a 85 anos, de zonas nobres ou periferias das duas cidades, com diferenças e semelhanças na violência que acontece todos os dias e pode se dar dentro de casa, em um beco escuro ou no meio da rua, à luz do dia. No filme, temos uma amostra signicativa, 26 deles.

Nos depoimentos puros, sem qualquer tipo de interlocução ou entrevista, acompanhamos um desabafo, um momento íntimo ou a oportunidade de falarem daquilo pela primeira vez. Após os filmes, o encerramento será com o Coletivo Futuráfrica.

 

Conheça os 30 projetos selecionados para o 6º Facult de Santos; acesse a lista

Por Lincoln Spada | Foto: Garrafada

A lista de contemplados do 6º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes do Município de Santos, popularmente chamado de 6º Facult, foi publicada nesta última quarta-feira (dia 1º). Ao contrário do último concurso que contou com 166 inscrições, a atual edição voltou a ter a média de 80 projetos. Foram 79 inscritos, 30 selecionados no valor de R$ 12 mil e três inabilitados seguindo as regras do edital.

> Acesse aqui a listagem completa

Com nove projetos contemplados, o audiovisual corresponde a quase um terço dos selecionados: ‘Você só dá aula?’ (Caroline Fernandes de Abreu), ‘Cavendish – Invasão à Vila de Santos’ (André Luiz Alonso de Assis), ‘Pink’ (Kauê Nunes), ‘Pescadores de Palavras’ (Marcelo Rayel), ‘Dudu do Gonzaga’ (Nildo Ferreira), ‘O caos no céu cinza’ (Eugênio Martins Jr.), ‘Oficina olhar documental: criação prática de documentários’ (Douglas Casari), ‘Por dentro da curva’ (Nathalia Rodrigues dos Santos Melo) e ‘História oral da gente de Santos’ (Camila Genaro).

Na área literária, foram contemplados seis projetos ‘Nas Pistas de uma construtora de sonhos – A vida e obra de Rosinha Mastrângelo’ (Karime Moussalli), ‘Poleiro de pato é terreiro’ (Renê Rivaldo Ruas), ‘Adeus velho partidão’ (José Luiz Tahan), ‘Territórios invisíveis’ (Goldschmidt Freire de Carvalho), ‘Alguém disse cultura’ (Adilson Félix, enquanto livro fotográfico), ‘Joris: o pirata holandês em busca do tesouro perdido’ (Carolina Cruz Gonzalez).

Outras seis obras também foram selecionadas no setor musical ‘Canções de Terra Mar’ (Júlio Bittencourt), ‘1º Álbum Musical’ (Conrado Pouza), ‘Hip Hop resiste na escola’ (Talita Fernandes), ‘Komboio Cultural’ (Alan Plocki), ‘Chorando por aí’ (Nadja Soares) e ‘Canções de Amor Caiçara B – Enquanto Morro e Cais’ (Manoel Herzog). Já nos segmentos de teatro e circo, ‘Uma Temporada na Zona’ (Priscila Ribeiro) e ‘Uma Bella Companhia’ (Plínio Augusto). Na área da dança, ‘Ofício’ (Juliana França) e ‘TraMar’ (Célia Faustino).

Ainda, em artes visuais, ‘O Instituto São Vladimir e a presença russa em Santos pela voz dos imigrantes’ (Maria Paula Guerra Ferreira), a intervenção urbana ‘Urbotopia e os mobiliários afetivos’ (Marília Jordão) e, destacam três mostras contempladas nesse edital: ‘Festival de Artistas de Rua de Santos – Orquestra na Rua’ (Vitor Gomes de Andrade Silva), ‘7º CulturalMente Santista’ (André Azenha) e ‘2º Mini Festival de Garrafada’ (André Rigotto).

 

Jovens do Querô realizam estreia de seus curtas dia 15 no Roxy

Chegou a hora de assistir os curtas-metragens produzidos pelos jovens das Oficinas Querô, em 2015. Este ano, foram três filmes produzidos, todos por jovens de 14 a 18 anos, de baixa renda familiar das cidades de Santos, São Vicente, Cubatão e Praia Grande. O resultado poderá ser visto na terça-feira (15/12), em sessão especial no Cine Roxy 5 (Gonzaga), às 20 horas. Entre as produções estão as ficções Ao Redor e Dente por Dente, e o documentário Abra Esta Porta.

Durante nove meses de trabalho e aprendizado, os jovens passaram por aulas de produção audiovisual com profissionais do cinema brasileiro, aprendendo a criar seus roteiros, dar vida às suas histórias, além de atividades de empreendedorismo e cidadania, mostrando que o cinema é uma forte ferramenta de transformação social.

02A noite de gala será apresentada pelos jovens Saymon Souza e Thainá Rodrigues, da turma Básica, e os jovens da Turma Avançada serão os responsáveis por registrar todo o evento que reunirá apoiadores, elenco, amigos, familiares e convidados especiais. “Mal posso esperar para ver tudo aquilo que nos dedicamos durante o ano sendo exibido no cinema. Foi um ano mágico, que sem dúvida, não irei esquecer”, comenta a diretora do curta Ao Redor, Isabella Rosa.

As Oficinas Querô acontecem desde 2006, após as filmagens do longa-metragem Querô, com direção de Carlos Cortez. Em 9 anos de história, o projeto já realizou 95 filmes e conquistou 46 prêmios em festivais, capacitando cerca de 350 jovens. Mais informações no site http://www.institutoquero.org e na fanpage http://www.fb.com/institutoquero.

Curtas metragens 2015

“Ao Redor” é uma ficção que conta a história de Luana, uma menina apaixonada por arte que se vê desconectada do mundo Ao Redor, onde as pessoas estão viciadas em seus celulares, restando a ela usar a imaginação. Os jovens Isabella Rosa e Levi Elionai, ambos de 17 anos, assinam a direção e juntos, deram vida ao roteiro da jovem Victoria Neiva. Uma crítica ao excesso do uso dos smartphones contada por jovens que vivenciam deste cenário diariamente.

04O documentário “Abra Esta Porta” nasceu do projeto Geladeiras Literárias, inspirado em uma ação realizada por artistas em Brasília. No projeto, mais de 300 livros foram doados por moradores da região, além de 4 geladeiras e tintas, por empresas da Baixada Santista. Os eletrodomésticos foram customizados pelos jovens com a orientação do artista Leandro Shesko, transformados em bibliotecas, e entregues em comunidades de Santos e São Vicente. A ação foi registrada em vídeo, com direção dos jovens Lucas Camargo, 18 anos, e Danielle Gonçalves, 19 anos. “O filme discute o acesso à cultura nas regiões mais periféricas e fala da literatura como importante alternativa para transformar realidades”, comenta Lucas.

A ficção “Dente por Dente” é um terror infanto-juvenil que conta a história de Clara, uma menina de 5 anos, que vive uma das noites mais assustadoras de sua vida: a perda do primeiro dente de leite! O curta tem direção de Kauê Nunes e Nildo Ferreira, do Coletivo Dose de Inspiração, profissionais capacitados nas Oficinas Querô. A produção é dos jovens da Turma Avançada, que tem como objetivo dar vida ao roteiro de profissionais da área, ampliando as experiências no mercado de trabalho.

Oficinas Querô

Com patrocínio do Banco Votorantim, anualmente, 40 jovens de baixa renda da Baixada Santista são selecionados para as Oficinas Querô. Durante um ano, recebem aulas de formação audiovisual e produzem seus filmes, atuando como roteiristas, diretores, cinegrafistas e outras funções do cinema. No segundo ano, com patrocínio da ThyssenKrupp, os 15 jovens que mais se destacaram no primeiro módulo ganham mais um ano de capacitação e passam para as Oficinas Querô Avançadas, com atividades voltadas à inserção no mercado de trabalho e à produção de mais um curta-metragem. O projeto é uma realização do Instituto Querô e Ministério da Cultura, com apoio da Prefeitura de Santos. As aulas são realizadas na Unimonte e Sesc Santos, com transporte gratuito da Viação Piracicabana, entrada livre às terças no Cine Roxy e tratamento dentário pelo projeto Dentistas do Bem.

*Ivan De Stefano

 

Oficinas Querô realizam testes de elenco no próximo dia 4

Quer fazer parte dos novos filmes produzidos pelas Oficinas Querô? Os jovens realizam neste sábado (04/07), das 11 às 15 horas, dois testes de elenco: um deles para o terror ‘Dente por Dente’, com produção da Turma Avançada (direção de Nildo Ferreira e Kauê Nunes) e o outro para o romance ‘Ao Redor’, produzido pela Turma Básica (direção dos jovens Levi Souza e Isabela Rosa).

Para o curta-metragem ‘Dente por Dente’, serão selecionadas meninas de 6 a 7 anos, brancas ou pardas, que estejam com o dente da frente, superior, mole (dente incisivo). Já para a ficção ‘Ao Redor’, serão selecionados três perfis: jovens entre 18 e 25 anos, mulheres entre 40 e 45 anos e homens entre 30 e 40 anos.

01O teste é gratuito e será realizado no MISS – Museu da Imagem e do Som de Santos (Av. Pinheiro Machado, 48 – Vila Mathias – Piso térreo do Teatro Municipal). Interessados devem levar o RG e enviar foto de perfil e corpo inteiro para imprensa@institutoquero.org. Para as crianças, enviar também foto do sorriso.

As filmagens estão programadas para agosto. Mais informações pelo telefone (13) 3233-7084 ou com as produtoras Thaianne Spinassi (13) 98183-0837 e Ana Cláudia Rodrigues (13) 98833-1629. Siga também a fanpage http://www.fb.com/institutoquero e o instagram @institutoquero.

Ao Redor

Com patrocínio do Banco Votorantim, essa é a primeira produção dos jovens da Turma Básica 2015, que entraram para as Oficinas Querô em abril. O romance “Ao Redor” foi escrito pela jovem Victória Neiva de 16 anos, e abordará o dia a dia de Luana, uma menina apaixonada pela vida que tem que lidar com a falta de atenção das pessoas ao redor, viciadas pelos seus celulares. Os jovens Levi Souza e Isabela Rosa, também de 16 anos, dividem a direção do filme.

Dente Por Dente

Com patrocínio da Thyssenkrupp Elevadores, a ficção é do gênero terror e contará a história de Clara na noite em que está prestes a perder o seu primeiro dente de leite. O roteiro e direção são de Nildo Ferreira e Kauê Nunes, capacitados na primeira turma das Oficinas Querô (2006), que produzirão o filme em parceria com os jovens da Turma Avançada.

*Ivan De Stefano

 

Cineclube Maurice Legeard marca presença sábado em SV

Do medo de um menino curioso em se tornar monstro até as lembranças de três irmãs idosas num asilo. Enfim, o cinema regional produz os mais variados temas e linguagens nestes últimos anos. Com isso, o Cineclube Maurice Legeard exibe uma mostra gratuita aos sábados (dias 20 e 27, às 16 horas) de curtas e com apoio da Secretaria de Cultura de São Vicente nas Oficinas Culturais (R. Ten. Durval do Amaral, 72, Catiapoã).

A sessão do dia 20 contemplará os curtas-metragens: ‘O Pequeno Monstro’, ‘A Pedra que Canta Também Chora’, ‘Cronos’ e ‘Malu e Fred’. Já no sábado seguinte, ‘Anamnese’, ‘Super’, ‘Pique-Esconde’ e ‘Puxa a Rede, Camará!’.

03Com acervo de produções independentes da região, o Cineclube Maurice Legeard surge para criar um espaço cujo ofício é discutir e celebrar o cinema. Também tem como objetivo fomentando por meio de exibições o olhar critico e cultural do espectador, promovendo debates e trocas de ideias.

Por sua vez, as Oficinas Culturais Professor Oswaldo Névola Filho são um programa da Secretaria da Cultura de São Vicente com apoio da Associação dos Artistas.

SINOPSES DO DIA

04O Pequeno Monstro. Direção: Kauê Nunes e Nildo Ferreira. Miguel é um menino de 8 anos com uma maneira própria de ver o mundo. Incentivado por uma redação da escola e pela imaginação, ele revela os mistérios sombrios de sua família que acredita ser formada por monstros.

A Pedra que Canta Também Chora. Direção: Louiz Baptista. Um retrato de um movimento de arte de rua que sofre repressão em 2012.

Cronos. Direção: Victor Allencar. Duas pontas de uma mesma vida, o que pode ocorrer quando elas se encontram?

Malu e Fred. Direção: Rodrigo Bernardo. A ciumenta Malu em uma discussão põe seu relacionamento com Fred por um fio. Ele então propõe a ela um jogo e a conduz a uma viagem dentro de si em que ela pode descobrir os limites do desconhecido e os pequenos valores que constituem uma relação a dois.