Arquivo da tag: lei rouanet

Curso promove laboratório de desenvolvimento de projetos para 8º Facult

Por Madeleine Alves

Muitos têm ideias para trabalhos culturais. Contudo, ao se deparar com um edital em suas letras frias, desanimam de tentar concorrer a um incentivo público. Foi para desmistificar essa sensação e trazer mais bons projetos à vida que surgiu o Curso ‘Facult: do Edital ao Envio’. Ministrado pela realizadora audiovisual e produtora cultural Madeleine Alves, com produção da Amanda Marx Produções, este laboratório visa ensinar ao participante como transformar uma ideia em um Projeto Cultural, com o intuito especifico de participar da seleção do 8º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes no Município de Santos que serão premiados pelo Fundo de Assistência à Cultura – FACULT.

Serão 4 (quatro) dias, cada um com 3 horas/aula por dia, em um total de 12 horas/aula, todas realizadas de forma prática e presencial. Nas aulas, os participantes vão estudar o regulamento do 8º FACULT, a fim de que entendam todas as etapas de desenvolvimento do projeto, desde a organização dos documentos necessários até a formatação, aprendendo a elaborar textos que demonstrem os objetivos do projeto, contrapartida, cronograma, planilha orçamentária, entre outros elementos que possam fornecer condições de realizar sua elaboração completa, finalizando com a inscrição.

Durante o curso, teremos também a palestra ‘Experiências na realização de projetos culturais’, com o diretor teatral Platão Capurro Filho, que irá relatar suas experiências na elaboração de projetos, realizados com as mais diversas formas de incentivos. O 8º FACULT é uma ótima oportunidade para profissionais de qualquer segmento artístico que tenham alguma ideia que gostariam de executar e estejam iniciando sua participação em projetos culturais, pois exige uma elaboração mais simples do que as existentes em outros projetos, tais como ProAC e Lei Rouanet.

Vale lembrar que a próxima edição do Facult selecionará 30 projetos e cada projeto selecionado receberá o valor de R$ 15 mil, conforme regulamento. O curso em si será ministrado de 18 a 21/mar, das 19h30 às 22h30, no Espaço Naradeva (R. Siqueira Campos, 618/Santos). O investimento até 22/fev será R$ 100 à vista ou R$ 60 em 2x no cheque ou em até 18x no cartão de crédito, sem incluir juros da operadora. A partir do dia 23/fev, o curso terá o valor de R$ 120 à vista, R$ 70 em 2x no cheque ou ema té 18x no cartão de crédito, sem incluir juros de operadora. Informações: (13) 98151-4979 ou projetofacult2019@gmail.com.

 

Comemorando 22 anos, Teatro do Kaos abre curso gratuito de artes cênicas

Informações do Teatro do Kaos

Completando a trajetória de 22 anos, o Teatro do Kaos comemora com a população cubatense ao abrir inscrições já a partir do dia 14/jan para 100 vagas gratuitas de seu tradicional curso de teatro. Divididos em turmas, os alunos até o final do ano desenvolverão cinco obras cênicas em uma mostra cultural para toda a comunidade.

De acordo com o diretor teatral, Lourimar Vieira, “É uma maneira também de colaborar com a produção artística na cidade. As apresentações se multiplicam e, no total teremos 30 apresentações gratuitas em escolas e para a comunidade em geral”. O projeto também visa proporcionar aos jovens o pensamento crítico acerca do meio ao qual estão inseridos, tornando-os cidadãos mais conscientes de seus direitos e deveres, além de desenvolver habilidades inerentes ao fazer teatral, como desinibição, criatividade e o gosto pela leitura.

Essas ações formativas fazem parte do projeto Superação III, iniciativa do Teatro do Kaos, patrocinado pela Petrocoque por meio da Lei Rouanet. Interessados devem ser maiores de 12 anos e comparecer entre segunda a sexta-feira, das 16h às 19h, na sede do teatro (Praça Joaquim Montenegro, 34, Sítio Cafezal). É preciso levar original e cópia do RG, CPF e comprovante de residência. Menores de 18 anos devem estar acompanhados por um responsável. Informações: (13) 3372-7211.

 

CEU das Artes de Cubatão terá apresentações das Oficinas Criativas

Com informações do Portal Terra

O CEU das Artes de Cubatão recebe nesta sexta-feira (21/dez) o Encontrão de Natal das Oficinas Criativas. O evento gratuito contará com apresentações de capoeira, teatro e minicantata de natal com coral e grupo de dança. Trata-se dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos do projeto.

O projeto Oficinas Criativas – Arte e Sustentabilidade busca através das artes desenvolver o saber sensível e a expressão individual e artística para trabalhar a prática coletiva dos participantes dentro da sociedade em que vivem. A experiência permite que os alunos tenham contato com o universo cultural, mostrando a importância de valorizar novas experiências e reflexão do mundo ao redor.

A ação conta com o incentivo do Ministério da Cultura, através da Lei Rouanet, patrocínio da Petrocoque – empresa líder na América do Sul na comercialização e produção de coque calcinado de petróleo e apoio da Prefeitura e da Favorita Cultura e Esporte. A produção é assinada pela Renovarte Produções e Alpha Produções.

 

Em temporada gratuita, Teatro do Kaos encena ‘Vocifera’

Por Lincoln Spada

Livremente inspirado em obra de Ibsen, ‘Vocifera’ entra em cartaz até o próximo dia 16/dez, com sessões gratuitas de quinta-feira a domingo, às 20h, no Teatro do Kaos (Largo do Sapo, Sítio Cafezal/Cubatão). A peça da companhia teatral comemora os 20 anos do coletivo e tem classificação indicativa de 16 anos.

A montagem trata dos (des)caminhos da conjuntura política atual e das razões que exigem a decisão entre direitos básicos da comunidade, como cultura e saúde. Na sinopse, a alusão do antigo teatro da Cidade que se tornará em um centro oncológico. Assim, a peça lança mão de questões aparentemente locais e corriqueiras para uma análise crítica sobre o pensamento conservador pautado no discurso do medo e na violência sistêmica.

Com base em ‘O Inimigo do Povo’, a peça tem dramaturgia de Victor Nóvoa, direção de Marcos Felipe e Lucas Beda, direção musical de Gustavo Sarzi e elenco formado por Fabiano Di Melo, Levi Tavares e Lourimar Vieira. A temporada é uma realização do Ministério da Cultura por meio da Lei Rouanet com patrocínio do Grupo EcoRodovias e apoio cultural da Prefeitura.

 

Coral Porto dos Anjos se apresenta no Teatro Coliseu

Por André Azenha

Contribuir para o formação educacional, social e cultural da futura geração, utilizando a arte como ferramenta. No caso, especificamente a música. Esse tem sido o objetivo do projeto Coral Porto dos Anjos, que desde o início do ano tem preparado crianças da região para o espetáculo “Cantar, Brincar e Amar”, que será realizado terça-feira, 21 de novembro, 20h, no Teatro Coliseu. A entrada é gratuita, com retirada dos ingressos uma hora antes.

O espetáculo aborda de maneira lúdica e bem-humorada o fenômeno das crianças da nova geração que não sabem mais brincar. Os professores, Maestros Regina Kinjo e Marcos Lucatelli, conduzem 40 dos maiores talentos artísticos mirins da região. Um espetáculo para toda a família, cujo repertório mistura músicas dos universos folclórico, erudito, percussão corporal e muito mais.

Durante o ano foram desenvolvidas atividades formativas em canto com alguns dos melhores profissionais do país, além de apresentações de caráter social em instituições assistenciais.

“Nós criamos no projeto um ambiente saudável, criativo e que proporcione a oportunidade de desenvolvimento de aptidões artísticas e musicais das crianças. Fugindo do lugar comum, o Coral Porto dos Anjos busca inovações capazes de manter as crianças e a plateia verdadeiramente encantados com o universo musical”, comenta Adrianne Okazaki, diretora artística do Coral.

Antes, o coral faz uma apresentação prévia neste domingo, 19, 17h, na Pinacoteca Benedicto Calixto (Av. Bartolomeu de Gusmão, 15, Boqueirão). Também gratuita. O Coral Porto dos Anjos tem patrocínio máster de BTP – Brasil Terminal Portuário, patrocínio de ADM do Brasil e CODESP – Companhia Docas do Estado de São Paulo. Realização: Lei de Incentivo à Cultura – Ministério da Cultura, Governo Federal – Ordem e Progresso.

 

Opinião: Com 463 anos, Sampa é um muro grisalho para grafiteiros

Por Lincoln Spada

Quatrocentona, São Paulo se acomoda cada dia mais grisalha com a nova administração municipal. Comemora 463 anos com pichações no Pacaembu, e em outros cantos, após uma semana de cinquenta tons de cinza cobrir o então turístico e querido maior mural de artes urbanas a céu aberto da América Latina: os 15 mil metros quadrados da Avenida 23 de Maio.

A intervenção compõe o programa Cidade Linda, que além de holofotes, garantiria a tão propagada zeladoria na limpeza urbana e manutenção das calçadas. Amparada na Lei de Crimes Ambientais (9.605/98) de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a gestão do correligionário declarou guerra aos pichadores, mas inclui grafiteiros e muralistas no ninho a apagar da cidade. Assim, como um Midas às avessas, o prefeito Doria descolore tudo o que toca.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cores anunciadas

Doria se vestiu de combatente às pichações há um mês, época em que os anúncios ainda eram cinzentos, como o congelamento de tarifas de ônibus e a Virada Cultural em Interlagos. Na época, ressaltou que o muralista Eduardo Kobra coordenaria um programa sobre esta área. O artista negou publicamente intenção ou vontade. Em seguida, o gestor o enfatizou como curador. Mais uma vez, negativa.

Para piorar, o novo secretário de Cultura, André Sturm, iniciou de modo desastrado as falas públicas sobre as bibliotecas e os primeiros encontros com classe artística. Dessa vez, até se preveniu e a Secult fotografou os mais de 70 murais da Avenida 23 de Maio, mas recomendou manter só as imagens de artistas célebres, em detrimento dos grafiteiros locais.

Portanto, a gestão apagou com dinheiro público muitos murais investidos antes com apoio público, e, hoje, com o discurso da avenida estar muito cinza, anuncia que gastará mais verba pública para convidar artistas renomados internacionalmente para oito espaços regularizados da via. O itinerário de uma futura Gotham City seguirá para os Arcos do Jânio.

Pixo é grafite?

A grosso modo, a pichação é uma expressão gráfica publicada sem autorização em qualquer espaço: as marcas do prédio vazio, o “superfaturado” VLT da Baixada Santista, os xingamentos anotados nos sanitários masculinos ou os pedidos de casamento feitos nas ruas – esta até foi recomendada por um jornal. Ou seja, expressão espontânea, apesar de inconstitucional. Só que vou me ater ao outro segmento.

Já o grafite é unânime como arte urbana, uma tela a céu aberto com mesmo tom crítico, vindo da origem do hip hop, mas que hoje já remodela de museus franceses a escolas estaduais. Nesse sentido, o muralismo são as fachadas completas, principalmente em espaços autorizados. Após uma geração,  já são mais bem aceitos socialmente, com ou sem autorização, tendo em vista os efeitos a curto e médio prazo.

Num mundo condicionado às selfies em redes sociais, as artes urbanas garantem olhares curiosos e público fiel ao entorno comercial. De efeito cultural, registra uma faceta da identidade local. No âmbito terapêutico, o colorido em espaços ociosos acolhe os transeuntes. Em políticas públicas, o maior fluxo exige manutenção das calçadas e devida iluminação e segurança pública.

Grey is the new orange

Já visto como ícone da elite empresarial, Doria acena gourmetizando o mercado de sua esposa. A primeira-dama é a artista plástica visada em CPI pela exposição milionária da Lei Rouanet somente para estadunidenses, a partir de benefícios fiscais de empresas. O problema nem é declarar as preferências artísticas, mas de que sua gestão não compreendeu que o grafite ou mural de um artista local tem sua relevância tão igual ou maior de quem já rodou a Europa ou os Estados Unidos.

Pior é a mensagem que o gestor transmite à classe política que agora ele pertence. Se o prefeito da maior capital da América Latina confunde o direito às artes urbanas e à consequente liberdade de expressão, como os outros 5,5 mil municípios brasileiros reagirão ao seu exemplo em suas avenidas principais? Enquanto o Trump ainda se cerca, a gestão Doria escoa verbas públicas com um muro de estranhamento aos grafiteiros e artistas de rua.

 

Teatro do Kaos abre inscrições para curso de teatro até dia 13

Por Alessandro Atanes

Até 13 de janeiro, o Teatro do Kaos recebe inscrições para o Curso de Teatro. Elas devem ser feitas na sede do grupo, na Praça Coronel Joaquim Montenegro, 34, no Largo do Sapo, em Cubatão, de segunda a sexta-feira, das 17h às 20h. Os interessados devem comparecer munidos de RG, CPF e comprovante de residência (originais e cópias).

São 140 vagas, divididas entre os níveis iniciante, intermediário e avançado. As aulas ocorrerão de uma a quatro vezes por semana, de acordo com o módulo. São 20 vagas no Avançado – Qualificação Profissional (16 a 29 anos), 100 vagas no módulo Iniciação (12 a 17 anos) e 20 vagas no Intermediário (acima de 60 anos). “Todas as turmas apresentarão um espetáculo na conclusão do curso. Ao todo, serão encenadas oito peças gratuitas. Com isso, estaremos trabalhando a formação da plateia e incentivando a criação de novos grupos de teatro”, afirma o idealizador e gestor do projeto, Lourimar Vieira.

O Projeto Evolução é patrocinado pela Copebrás através da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet) do Ministério da Cultura. Tendo início agora em 2017, o novo projeto dá continuidade às ações de formação realizadas nos últimos anos por meio dos projetos Superação (2011 a 2015) e Ação Cênica (2016) que, juntos, atenderam cerca de 1.660 alunos.

“O objetivo do Projeto Evolução é que ele continue a trazer benefícios para a nossa sociedade através da arte. Oferecer aos jovens a oportunidade do contato com atividades lúdicas e culturais, além de despertar o gosto pela arte cênica. Dessa vez incluindo idosos, que pela primeira vez participarão do projeto, tendo a chance de estudar e compartilhar experiências. A inclusão desse público foi pensada em parceria com a Copebrás. O teatro ajuda no autoconhecimento e desperta a criatividade”, diz Vieira.

Para participar do projeto, é necessário estar dentro da faixa etária requisitada para cada módulo e ser morador na cidade de Cubatão. É obrigatório também que o candidato esteja estudando ou tenha concluído o Ensino Médio. As aulas serão ministradas no próprio Teatro do Kaos. Mais informações em http://www.teatrodokaos.com.br ou pelos telefones (13) 99124-7470 e 3372-7211.