Arquivo da tag: livros

‘A Avenida é Nossa!’ reúne programação versátil em Cubatão

Por Prefeitura de Cubatão
.
Neste sábado (28), as secretarias de Cultura e Saúde de Cubatão, com apoio da Associação Comercial e Industrial de Cubatão (ACIC), realizam o “Avenida é Nossa!” com vasta programação de lazer, cultura e cidadania. O evento terá início às 9 horas, mas a Avenida 9 de Abril permanecerá interditada das 6h até as 15h no trecho que vai do Novo Anilinas até a Igreja Matriz (sentido indústrias).
.
A Secretaria de Saúde disponibilizará equipamentos para medição de pressão arterial, exames de glicemia, distribuição de preservativos e orientação sobre prevenção a doenças sexualmente transmissíveis, infecto-contagiosas e dengue.
.
O “Avenida é Nossa!” também contará com brinquedos e jogos como cama elástica, ping-pong, pembolim, amarelinha e brincadeiras de corda. A criançada e os jovens terão ainda a oportunidade de participar de aulas teóricas e práticas com os buggys da Escolinha de Trânsito da CMT.
.
Programação
.
>> 9h – Apresentação do Coral Raizes da Serra;
>> 10h às 13h – Mesa de Troca de Livros;
>> 10h às 13h – Cinema na Biblioteca – Filmes: O Gigante, Realejo, Destimação, A Garota das Telas e A Ilha – Programa Ponto Mis;
>> 10h – Espetáculo Teatral – Os Músicos Saltimbancos, com o Grupo Coletivo 302 (Direção: Douglas Lima);
>> 11h – Espetáculo Teatral – O Castelo de Mulumi com os alunos da Oficina de Teatro (Direção: Vanessa Souza);
>> 12h às 13h – Oficina de Desenho com a artista plástica Daniela Da Guarda;
>> 12h às 14h – A CMT realizará a Escolinha de Trânsito com Buggys;
>> 13h – Performance “Diz…Tensão” com a Cia. de Dança de Cubatão;
>> 13h30 – Pocket Show da Escola de Samba Independência.

Sexta Com Arte tem nova edição nesta sexta-feira

Por Secult Santos
.
Realizada pelo Departamento de Formação e Pesquisa Cultural (Deforpec), da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), a mostra Sexta Com Arte traz as apresentações do Conjunto Sênior de Violões e do violonista Iury Cardoso, além de bate-papo com o luthier Victor Gomes.
.
Também haverá a participação do projeto ‘Leia Santos – Um Incentivo à Leitura’, com distribuição gratuita de livros, revistas e gibis. A noite ainda terá projeções de vídeos. O evento será nesta sexta-feira (27), às 19h, no Centro de Atividades Integradas Milton Teixeira (Av. Rangel Pestana, 150, Vila Mathias). A entrada é franca.

‘Leia Santos’ comemora 11 anos de atividades na Cidade

Por Secult Santos
 .
Com o propósito de despertar o interesse pela leitura, o projeto Leia Santos – Um Incentivo à Leitura, da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), comemora 11 anos de atividade neste mês de outubro. Até o último mês de agosto, a iniciativa contabilizou 355 eventos, nos quais foram distribuídos gratuitamente à população 34.467 livros e 23.358 gibis, com 19.296 leitores atendidos.
.
Apenas neste ano ocorreram 31 edições, nas quais foram entregues 3.636 livros e 2.262 gibis ao público, contemplando 3.257 leitores em ações itinerantes, realizadas com o auxílio da biblioteca móvel do projeto, levando a diversos bairros da Cidade os programas ‘Adote um Livro’, ‘Adote um Gibi’ e o infantil ‘Baú de Letrinhas’, que consistem na distribuição gratuita de exemplares literários.
Outra ação do projeto, contemplado em 2012 com o prêmio Proler – Programa Nacional de Incentivo à Leitura na categoria Comunidade, é o ‘Espaço Leitura’, com cadeiras e mesas para a leitura de jornais, revistas e dos títulos adotados. O Leia Santos engloba ainda o ‘Espaço Pintura’, com atividades recreativas para as crianças, além do ‘Varal de Poesias’ e das ‘Exposições Literárias’, que destacam poemas dos principais atores nacionais e regionais.
Agenda de outubro
.
Neste mês de outubro, a programação itinerante do Leia Santos ocorre no próximo dia 6, das 10h às 14h, comemorando o Dia da Praça Mauá, no Centro Histórico. No dia 19, marca presença em mais uma edição do projeto ‘Cine Letras’, que exibe filmes com temática literária, às 14h, no Cine ZN – Sala Toninho Dantas (Av. Afonso Schmidt, s/nº, no Areia Branca). Já no dia 22, das 9h às 13h, estará no Domingo de Lazer, na orla do Gonzaga, próximo ao Canal 3. A Praça Bruno Barbosa, no Castelo, recebe a celebração do aniversário do Leia Santos no dia 26, das 10h às 14h.
 .
As atividades continuam no dia 27, das 18h às 22h, em mais uma edição do projeto Sexta com Arte, realizada pela Secult no Centro de Atividades Integradas (Cais) Milton Teixeira (Av. Rangel Pestana, 150, Vila Mathias). No dia 29, quando é comemorado o ‘Dia da Doação de Livros e do Incentivo à Leitura, ocorre na Praça da Independência, no Gonzaga.
 .
Leve, Leia, Doe
 .
Desde 2015 o projeto Leia Santos realiza o programa ‘Leve, Leia, Doe’, que consiste na distribuição gratuita de livros em estandes montados em vários pontos da Cidade. A ideia é que a pessoa retire o livro gratuitamente, leia e depois devolva a obra no local em que a retirou ou em outro estande do projeto, possibilitando que outra pessoa leia o mesmo exemplar. Ou então faça a doação de novos exemplares.
 .
Por meio do projeto, que conquistou em 2016 o prêmio Proler na categoria Secretaria de Cultura, já foram recebidas mais de 45.800 publicações. Dessas, 3 mil foram encaminhadas às bibliotecas municipais e mais de 20 mil disponibilizadas nos vários estandes do projeto espalhados pela Cidade.
 .
Os postos de distribuição gratuita do ‘Leve, Leia e Doe’ funcionam no Ambulatório de Especialidades (Av. Conselheiro Nébias, 199, Paquetá), Ambulatório de Especialidades da Zona Noroeste (Rua Luiz Gomes Cruz, s/nº, Castelo), Aquário Municipal de Santos (Av. Bartolomeu de Gusmão, s/nº, na Ponta da Praia), Paço Municipal (Praça Mauá, s/nº, no Centro Histórico), Policlínica da Ponta da Praia (Praça Primeiro de Maio, s/nº) e Policlínica da Caneleira (Rua Francisco Ferreira Canto, 351, Vila São Jorge).
 .
Também está presente nas policlínicas do Morro Nova Cintra (José Ozéas Barbosa, s/nº), Morro São Bento (Rua das Pedras, s/nº), Rádio Clube (Av. Hugo Maia, s/nº), São Manoel e Piratininga (Praça Nicolau Geraigire, s/nº), Campo Grande (Rua Carvalho de Mendonça, 607), Sesc-Santos (Rua Conselheiro Ribas, 236, no Aparecida), Unidade de Saúde da Família do Caruara (Rua Andrade Soares, 422).
 .
Mais pontos são a Hemeroteca Municipal Roldão Mendes Rosa (Av. Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias – piso térreo), Biblioteca de Artes Cândido Portinari (Av. Rangel Pestana, 150, na Vila Mathias) e no Orquidário Municipal de Santos (Praça Washington, s/nº, no José Menino).

Novo romance de Manoel Herzog é lançado na Realejo

Informações da Companhia das Letras

Do selo Alfaguara da Companhia das Letras, o romance ‘A Jaca do Cemitério é Mais Doce’ será lançado nesta sexta-feira (dia 6), às 19h, na Livraria Realejo (Av. Marechal Deodoro, 2/Santos). O livro é uma publicação de Manoel Hezog, escritor desde 1987, já tendo lançado ‘Companhia Brasileira de Alquimia’ e ‘A Comédia de Alissia Bloom’, respectivamente semifinalista do Prêmio Portugal Telecom 2014 e 3º lugar do Jabuti de Poesia.

> Acesse a trechos de ‘A Jaca do Cemitério é mais doce’

Santiago, filho único, cresceu na periferia do mundo. Sofreu na adolescência, nunca conseguiu se encaixar. Odiava a discoteca, a música dos Bee Gees. Finalmente, aos 21, entendeu que as mulheres não consideram um homem que não dance. Matriculou-se no curso de dança de salão e aprendeu que o homem, uma vez na pista, se move apenas da cintura para baixo.

Entre suas saídas e seu trabalho massacrante na indústria, ele se apaixona por Natércia, que estudara com ele no colégio. Ela nunca lhe dera atenção, mas agora, vendo-o conhecedor dos segredos do samba de gafieira, deixa que Santiago se aproxime. A relação dos dois, apaixonada no início, doentia no final, é o fio condutor deste romance brilhante, cômico e incomum.

A voz de Manoel Herzog remete a clássicos da literatura brasileira, e parte em busca de transformação na forma de contar uma história. Nasceu em Santos, São Paulo, em 1964. Criado na cidade de Cubatão, trabalhou na indústria química e formou-se em Direito. Estreou na literatura em 1987 com os poemas de Brincadeira Surrealista.

 

Pagu será revisitada em sarau Um Autor na Ciranda Poética

Por Clara Sznifer

No próximo sábado (dia 10), às 15h30, acontece mais uma edição do sarau ‘Um Autor na Ciranda Poética’. O evento gratuito terá como tema a vida e obra de Patrícia Galvão.

O encontro tem coordenação literária de Clara Sznifer e musical de Roberto Soares. O evento também terá exibição de documentários. A sessão será na Aliança Francesa de Santos (Rua Rio Grande do Norte, 98, Santos).

 

Ciclo ‘Literatura e Mulheres’ às quintas-feiras na Realejo Livros

Com informações de BoqNews e Realejo Livros

Um passeio por romances históricos, contos, poesia e autobiografias escrita por mulheres que apresentam uma perspectiva feminina e feminista de interpretar o mundo. Este é convite do encontro Literatura e Mulheres que acontecerá nas próximas quatro quintas-feiras. Mediado por Lia Rangel, jornalista multimídia, feminista, gestora cultural e articuladora de grupos de mulheres. Na Livraria Realejo (R. Marechal Deodoro, 2/Santos), às quintas-feiras, às 19 horas, nos dias 17 e 24 de novembro; e 1º e 8 de dezembro. Gratuito. Levar um livro para trocar.

17/nov | Não foi bem assim…

Romances históricos dão vida a protagonistas femininas e feministas que atravessam episódios reais da história universal trazendo um visão diferente daquela contada pelas fontes oficiais. Leituras sugeridas: “A Tenda Vermelha” (de Anita Diamont), “Defeito de Cor” (de Ana Maria Gonçalves), “A Mulher Habitata” (de Gioconda Belli).

24/nov | Contos de fadas que não são da carochinha

Um passeio pelos contos reunidos por Clarisse Pinkola Estés, em Mulheres que Correm com Lobos. A escritora e terapeuta junguiana estadunidense traz à tona o arquétipo da Mulher Selvagem presente nos contos de fada para provocar nas mulheres contemporânea uma reflexão sobre a necessidade de (re)conexão com nossa essência feminina para o enfrentamento do “desmatamento psíquico” e a solidão social das mulheres dos tempos atuais.

1/dez | Autobiografias: amores, dores e o legado das escritoras ao libertarem suas próprias histórias

Anais Nin, Simone de Bovoaire, Carolina Maria de Jesus. Diários proibidos e a coragem de expor suas vidas para enfrentar o machismo na literatura e no dia-a-dia.

8/dez | Narrativas de mulheres negras

Uma conversa com a escritora e jornalista Bianca Santana (Quando me descobri Negra) e a professora e rapper Preta Rara (Audácia, Eu empregada Doméstica) sobre os desafio de se assumir mulher negra.

Entrevista: ‘A Tarrafa Literária está bem inserida no circuito de festivais’, afirma Tahan

Por Lincoln Spada | Foto: Marcus Cabaleiro (capa) e José Luiz Tahan (demais imagens)

Com objetivo de evidenciar a literatura e conquistar novos leitores, aproximando-os de escritores de renome nacional e internacional, a Tarrafa Literária completou a sua oitava edição em setembro de 2016. Entre os dias 21 e 25, o Teatro Guarany e o Sesc Santos receberam a programação gratuita do evento realizado pela Editora Realejo.

a4Ao todo, foram dez mesas de debates, além de atrações infantis e um espetáculo de abertura, protagonizado pelo escritor Ignácio de Loyola Brandão e sua filha, a cantora Rita Gullo. A autora Maria Valéria Rezende, a cartunista Laerte, o editor Mino Carta, o apresentador Paulo Henrique Amorim, o cronista Gregório Duviviver foram alguns dos convidados deste ano.

Em entrevista virtual à Revista Relevo, o idealizador e diretor do festival, José Luiz Tahan, aborda sobre o panorama do evento que compõe o calendário Setembro Criativo em Santos.

Com oito edições, a Tarrafa Literária praticamente consolidou seu formato e público em Santos. Como ela é analisada dentro do panorama estadual ou nacional dos festivais literários?

a8Bom, acredito que essa resposta vem de outros, de fora, mas vamos lá: estamos avaliados e aprovados em veículos do Brasil inteiro, além de termos uma parceria institucional de longa data junto ao Governo do Estado de SP. Estamos bem inseridos no circuito brasileiro de festivais de literatura.

Praticamente se convencionou que o festival perdure cinco dias, iniciando com show, seguindo em torno de 10 mesas no Guarany e com programação infantil, voltada à contação e teatro. Existe vontade de estender a Tarrafa para outros palcos ou com outras linguagens artísticas?

A nossa linguagem é por e pela literatura, apesar de abordarmos muitos segmentos dentro da ficção e da não-ficção tendo um evento múltiplo e de assuntos amplos. A literatura e o livro é um suporte rico e consagrado, podendo sim dar margem desde à música associada e por que não ao teatro? Quando nascido de uma obra literária, essas fusões podem acontecer no futuro.

Este ano, foi inegável que a partir de questões do público ou os próprios autores convidados, parte das mesas abordassem o impeachment e consequências. Até que ponto você vê que a crise político-econômica afeta no processo criativo e na produção de livros no País?

a6O mundo que nos cerca claramente nos atinge, se estamos falando de escritores e pensadores, é claro que vão repercutir e abordar conflitos, seja na sua arte, seja na sua rotina. Alguns devolvem de uma forma mais crítica, outros mais bem humorada, isso é importante, é a história que vivemos.

Noutras vezes, muito se comentava sobre o orçamento do festival, proporcionado em grande parte via incentivo fiscal. Em 2015, o evento contou com metade do patrocínio de 2014. Este ano, houve um orçamento ainda mais reduzido? E como você observa a demonização cada vez mais crescente da Lei Rouanet?

Festivais ou projetos que buscam incentivos de leis sempre tem seus desafios renovados ano a ano, nunca se tem vida fácil. Mas o que você comenta é parte do total, nós não temos a renúncia fiscal como a grande parte que viabiliza o evento, temos mais da metade dos recursos do total vindos de outros apoios, via verba direta mesmo, decidida pelas empresas, instituições ou pessoas que acreditam no evento.

Esse ano, apesar do clima adverso, tivemos bons resultados e discordo de você quanto a demonização da Rouanet, o que houve foram investigações e buscas em cima de produtores desonestos, aliás, que existem em todos os campos da sociedade, os desonestos tem que ser combatidos. A lei Rouanet é bem interessante, e séria, feita também por gente comprometida, de valor.