Arquivo da tag: Marcelo ariel

Cinedebate de ‘Pássaro Transparente’ ocorre no Galpão Cultural

Por Lincoln Spada

Um poeta e sua caminhada por um futuro do presente distópico é o mote do filme ‘Pássaro Transparente’, que terá exibição inédita em Cubatão em cinedebate gratuito neste sábado (8/dez), às 19h, no Galpão Cultural (Parque Anilinas, s/nº, Centro). Com apoio do Coletivo 302, o bate-papo será com o protagonista do longa, o escritor cubatense Marcelo Ariel.

Sob o gênero de ‘Filme Manifesto’, a obra usa da linguagem de documentário para criar uma narrativa de ensaio e poesia. Assim, o cineasta Dellani Lima se insere na categoria dos cineastas pesquisadores do hibridismo de linguagens dentro da cinematografia atual. Como uma obra que reflete sobre o visionarismo, a performance, o transe e o poema.

Ariel detalha que: “Nas filmagens me entreguei ao que podemos chamar de fluxograma da interioridade, tentei dizer sem estabelecer uma autocensura ou projeção de formatações psíquicas, tentei me entregar a uma naturalidade surtológica, na medida em que o surto é uma forma de conhecimento expansivo e mergulho em estados radicais de alteridade”.

Ficha técnica

Direção, roteiro, montagem, direção de arte, cenografia e figurino: Dellani Lima; direção executiva e de produção: Eduardo Consonni, Dellani Lima e Rodrigo T. Marques; fotografia: Marques; Trilha sonora: Daniel Nunes; Mixagem: Ricardo Zollner; Som direto: Consonni; Edição de som: Consonni e Marques; Colorista: Daniel Mendes; Empresa produtora: Colégio Invisível; Coprodução: Complô e O2; Elenco: Marcelo Ariel.

Curso de Formação de Escritores conquista Troféu ProLer

Por Secult Santos

O Curso Livre de Formação de Escritores, realizado pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult) no Centro de Atividades Integradas (Cais) Milton Teixeira (Av. Rangel Pestana, 150, na Vila Mathias), conquistou na última quinta-feira (26), o Troféu ProLer na categoria Secretaria de Cultura. A premiação ocorreu no evento ProLer/Baixada Santista – Unisanta.

“Ganhar essa categoria reforça o papel que a Cultura tem na promoção e incentivo à escrita literária, leitura e ao livro. Santos tem um papel estratégico no cenário regional. Receber esse prêmio indica que o desenvolvimento artístico e humano da nossa comunidade ganha motivação com reconhecimentos dessa natureza”, afirma a servidora pública Milena Graziela, uma das idealizadoras do curso ao lado da escritora Carolina Zuppo Abed.

Coordenado pelo Núcleo Incentivo à Palavra, do Departamento de Formação e Pesquisa Cultural (Deforpec), da Secult, o curso realizou sua primeira edição este ano e ofereceu aulas gratuitas para 20 alunos, com corpo docente formado por escritores como André Argolo, Mauricio Salles Vasconcelos e Roberto Taddei, além de convidados como Alessandro Atanes e Marcelo Ariel.

Separadas em módulos, as aulas buscam instigar os participantes a escrever e refletir sobre textos de ficção, não ficção e poesia. O curso ainda oferece workshops voltados para possibilidades concretas de publicação das obras.

ProLer

Criado em 1994 em parceria com a Universidade Santa Cecília, por iniciativa da Reitora Profª. Drª. Sílvia Ângela Teixeira Penteado, e atualmente coordenado pela Profª. Conceição Dante, o comitê do ProLer promove cursos de aperfeiçoamento profissional para professores das redes municipal, estadual e particular de ensino, estudantes e demais interessados pela leitura. Também promove oficinas relacionadas ao incentivo à leitura e práticas leitoras. Outras informações na página http://www.unisanta.br/Estrutura/Proler

 

Confira a programação da 1ª Semana da Cultura Caiçara de São Vicente

Por Márcio Barreto

A 1ª Semana da Cultura Caiçara de São Vicente, amparada pela Lei Municipal n° 3312/2015, e pela Lei Estadual n° 16.290/2016, promove programação em torno da cultura caiçara. Desde suas origens e tradições às experimentações da arte contemporânea, artistas e pesquisadores da região expõem seus trabalhos através da música, literatura, cinema, dança, contação de histórias e teatro.

Em sua primeira edição, a Semana homenageará o músico, compositor e escritor vicentino José Miguel Wisnik e as famílias caiçaras representadas por Antonio Lancha e Dona Nenê (Maria Aparecida Nobre), presidente da Colônia de Pescadores Z-4 e bisneta de Firmino Gonçalves do Santos – mais antigo pescador registrado de São Vicente (1912).

José Miguel Soares Wisnik nasceu em 27 de outubro de 1948. Estudou piano clássico e estreou aos 17 anos como solista na Orquestra Municipal de São Paulo. Ingressou no curso de Letras na USP, onde, depois, concluiu o doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada. Como músico e compositor tem quatro discos gravados e parcerias que vão desde Caetano Veloso e Arthur Nestrowsk, à Elza Soares e Tom Zé.

Compôs para cinema (‘Terra Estrangeira’), teatro (Teatro Oficina) e dança (Grupo Corpo). Escreveu diversos ensaios sobre música e literatura, cuja obra máxima é Veneno Remédio. Ganhou o Prêmio Jabuti de Literatura em 1978. Apresenta-se no Brasil e no exterior regularmente, onde sempre fala de sua cidade natal: São Vicente.

A 1ª Semana da Cultura Caiçara de São Vicente é uma realização do Coletivo Caiçara, Imaginário Coletivo de Arte, Prefeitura de São Vicente, Secult, IHGSV, Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios e Conselho Municipal de Políticas Culturais. Curadoria de Márcio Barreto. Produção e organização de Márcio Barreto, Gigi Fernandes e Rogerio Baraquet.

Confira a programação:
>> 14/mai | 17h | Instituto Histórico e Geográfico de SV (R. Frei Gaspar, 280) | Abertura oficial com homenagem a José Miguel Wisnik e às familias de pescadores tradicionais;
>> 14/mai | 17h30 | IHGSV | Abertura da exposição fotográfica ‘Café com Peixe’, de Christina Amorim, visitação até dia 20;
>> 14/mai | 18h | IHGSV | Lançamento do livro ‘Mar Selvagem – Vicente de Carvalho Revisitado’;
>> 14/mai | 19h | IHGSV | Sarau Caiçara, com Flávio Viegas Amoreira, Marcelo Ignacio, Marcelo Ariel, Maria José Goldschimidt, Madô Matins, a intérprete-criadora Célia Faustino, os fotógrafos Anak Albuquerque, Gilberto Grecco, os músicos Laert Sarrumor, Anderson Vilaverde, Rogerio Baraquet, Danilo Nunes, as atrizes Gigi Fernandes e Claudynha Torres, os artistas visuais Gil de Brito, Anna Fecker e a participação especial dos escritores Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios.
>> 17/mai | 9h e 10h | E.E. Esmeraldo Tarquínio | Ciranda ‘Caiçara’, com músicas de Rogério Baraquet, contação de histórias com Gigi Fernandes e oficinas de cultura caiçara;
>> 17/mai | 14h | E.M.E.F. Francisco Martins | Ciranda ‘Caiçara’, com músicas de Rogério Baraquet, contação de histórias com Gigi Fernandes e oficinas de cultura caiçara.
>> 19/mai | 14h | IHGSV | Feira de Artesanato;
>> 19/mai | 19h | IHGSV | CineCaiçarama, com exibição de ‘Expedição Caiçara – Praia de Castelhanos/SP’, de Danilo Tavares, e ‘Mar Selvagem’, de Márcio Barreto;
>> 19/mai | 21h | IHGSV | Cozinha Caiçara, com organização da Confraria Guaiaó e chef Fabio Perassoli, a adesão no valor de R$ 50;
>> 20/mai | 10h às 14h | Praça Principal do Samaritá | ‘Subprefeitura em Ação – Ocupação Caiçara’, ação social com prestações de serviços e apresentações artísticas;
>> 20/mai | 10h | Praça Tom Jobim | Visita à Aldeia Guarani Mbyá;
>> 20/mai | 16h | Da Ilha Porchat à Praia do Gonzaguinha | Remada Caiçara;
>> 20/mai | 16h | Praia do Gonzaguinha | Batalha da Conselheiro, com apresentação de JR e Ofstreet;
>> 20/mai | 17h | Praia do Gonzaguinha | Art Radical Hip Hop Caiçara, com Carlos Tatu;
>> 20/mai | 18h | Praia do Gonzaguinha | Show de Brunão Mente Sagaz;
>> 20/mai | 19h | Praia do Gonzaguinha | Show ‘Pindorama’, com Percutindo Mundos, Danilo Nunes, Anderson Vilaverde, Célia Demézio e convidados.

 

Tributo a Vicente de Carvalho, antologia ‘Mar Selvagem’ é lançada dia 6

Por Márcio Barreto

‘Mar Selvagem’ é uma antologia em homenagem ao poeta Vicente de Carvalho. Reconhecido por nomes como Euclides da Cunha, Fernando Pessoa e José Lino Grunewald, seus sonetos permanecem entre os mais perfeitos da lírica em língua portuguesa. O lançamento será neste sábado, a partir das 19h, na Estação da Cidadania (Av. Ana Costa, 340/Santos). Publicado pela Imaginário Coletivo e Secult de Santos via Facult 2016, o livro tem o valor de R$ 30.

O livro reúne escritores, editores, músicos, compositores, bailarinos, atores e artistas visuais inspirados na obra do Poeta do Mar. Desde poemas inéditos de Walter Smetak(1913 – 1984), compositor suíço-baiano, à poesia de atores consagrados como Anselmo Vasconcelos (Globo) e à poética de escritores como Flávio Viegas Amoreira, Marcelo Ariel, entre outros que participam pela primeira vez de uma antologia nacional, Mar Selvagem traça um panorama da poesia de todos os tempos, uma ligação importante entre nosso passado, o presente e o imaginário caiçara alimentado pelo mar.

Segundo comenta Regina Carvalho (bisneta de Vicente) no prefácio, “Mar Selvagem oferece ao leitor a oportunidade de viajar pelos poemas de Vicente de Carvalho e de embarcar em várias canoas por mares poéticos e nos deslumbrar com a modernidade, contemporaneidade de estilos e por amantes das palavras. Os poemas revelam a nós mesmos, não nos matam a fome, mas alimentam nossa alma! Este livro é instigante e reacende a chama da versificação, abre caminhos para a valorização da nossa história e da poesia”.

Vicente Augusto de Carvalho nasceu e morreu em Santos (5/04/1866 – 22/04/1922). Publicou diversos livros, entre eles Ardentias (1885), Rosa, Rosa de Amor (1902) e Poemas e Canções (1908). Além de escritor, foi jornalista, político, jurista e abolicionista, tendo ajudado escravos fugitivos a se esconderem no Quilombo do Jabaquara, em Santos. A presente obra, organizada por Márcio Barreto, une poetas de diferentes regiões do Brasil em torno do principal tema de sua obra: o mar! Assim, poetas de Santos, São Vicente, Cubatão, Jundiaí, Itararé, São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Fortaleza (CE), Recife (PE), Brasília (DF) e Maringá (PR) navegam em sua poética. Todos marujos e argonautas resistindo pelo encanto da linguagem solta, úmida, verbo de brisa, bruma e maresia!

São eles: Ademir Demarchi, Alessio Forté, Anselmo Vasconcelos, Antonio Eduardo Santos, Barbara Muglia-Rodrigues, Barney Days, Caio Cardoso Tardelli, Carlos Emilio C. Lima, Carlos Pessoa Rosa, Christina Amorim, Clara Sznifer, Claudia Brino, Claudia Marczak, Ernani Fraga, Flavio Meyer, Flávio Viegas Amoreira, Joceani Stein, José Geraldo Neres, Laert Falci, Luís Sansevero, Luis Serguilha, Madeleine Alves, Madô Martins, Marcelo Ariel, Marcelo Ignacio, Márcio Barreto, Maria José F. Goldschimidt, Mauricio Adinolfi, Natalia Barros, Orleyd Faya, Plinio Augusto Soares, Raul Christiano, Regina Alonso, Reynaldo Damazio, Rodrigo Savazoni, Roberta Tostes Daniel, Silas Correa Leite, Tamara Castro, Valerio Oliveira, Vieira Vivo, Walter Smetak (1913 – 1984), Vinicius Faria Zinn e Yuri Pospichil.

O prefácio é assinado por Regina Carvalho, bisneta de Vicente. Desde Homero, imemorial, o Mar é o elemento literário por natureza: todo homem que nasce a beira mar tem tendência a ser um sábio. Esse telurismo diante do infindo contamina virtuosisticamente nossa linguagem, fortalece mirada ampla ao horizonte e aprofunda por contiguidade nosso sentimento atlântico do mundo! Walt Whitman, Fernando Pessoa, Kaváfis! Ao lado desses mestres oceânicos o Brasil tem em Vicente de Carvalho o seu avatar literário marítimo maior!

O mar vai além do cais, localidade, baía, golfo. É atmosfera do espírito: poetas, somos faróis da humanidade ao longo e ao largo do mistério… É sabido que 90% da população humana vive até 100km dos mares: mar é útero, espelho, aconchego com o divino estelar que reflete. A Editora Imaginário Coletivo, com este livro, ergue uma ponte entre o passado e o presente, ponte que precisa ser mantida, pois sem ela, jamais alcançaremos o rio que desemboca no grande mar do Poema.

 

Escritor Marcelo Ariel é convidado do Leia Santos Especial

‘Literatura e Abolição’ é o tema da edição especial do ‘Leia Santos – Um Incentivo à Leitura’, que ocorre nesta sexta-feira (13), das 10h às 14h, na Praça Mauá, no Centro Histórico. O projeto da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), antes marcado para a Praça dos Andradas, aproveita as celebrações da Semana Quintino de Lacerda e realiza rodas de conversa entre o escritor Marcelo Ariel e o público.

A ação literária também disponibiliza o ‘Varal de Poesias’, que traz obras de autores como Luiz Gama, Adão Ventura, Castro Alves e Cruz e Souza, entre outros, que tiveram papel relevante no combate à escravidão. No local também ocorrem os tradicionais programas ‘Adote um livro’ e ‘Adote um Gibi’, que oferecem, gratuitamente, exemplares de cada tipo de publicação à população. Mais informações pelo tel. 3226-8000.

Serviço
‘Leia Santos – Literatura e Abolição’
Sexta-feira (14), das 10h às 14h
Praça Mauá, no Centro Histórico
Gratuito

*Prefeitura de Sanrtos

 

Flávio Viegas Amoreira lança ‘Desaforismos & Tramas de Metrô’ nesta sexta

‘Desaforismos & Tramas de Metrô’. Este é o novo livro do autor santista Flávio Viegas Amoreira, que será lançado na próxima sexta-feira (dia 15), às 19h, no Sesc Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136). A obra reúne contos e poemas tranZmodernos antecedidos da oficina literária: ‘O que é literatura hoje?’, no mesmo espaço e local. Nela o escritor aborda os caminhos e descaminhos da criação literária em tempos de Internet, as novas mídias e a possibilidade de novas narrativas num mundo em transe ideológico e cognitivo.

Quais são os meios de edição digital e de disseminação de textos em novos suportes comunicacionais? O que é a literatura do estilhaço? E a transmoderna? Quais possibilidades dum jovem escritor na miríade de novas publicações? Como apresentar e formatar obras de alta riqueza criativa para editoras independentes? E, principalmente, qual o papel do escritor no século 21?

Entre Rimbaud e Deleuze, o xamã-beat Flávio Viegas Amoreira dá dicas de criação, edição e comunicação literária! O escritor apresenta “oficina piloto” ou makingofpoético para autores iniciantes e pensadores da literatura. O encontro também contará com a leitura de sua nova obra e comentários sobre rumos da literatura contemporânea.

Sinopse

2O livro de poesia experimental Desaforismos & Tramas de Metrô assinado por Flávio Viegas Amoreira manifesta uma construção silogística fincada em um alicerce multifatorial, problematizando desta maneira os desdobramentos da cosmovisão na criação literária ao enaltecer a poesia dentro os gêneros do discurso, centralizando-a na reflexão duma poiesis de envergadura e que contemple conjuntamente o quotidiano, dessarte discernindo-a para além da teleologia e da crítica genética, como possíveis balizas interpretativas da obra, que se faz pujante entre a tradição secular e a vanguarda.

Com uma estética majoritariamente discursiva, preconizando a transcendência da contemplação meramente estética ou técnica ao desvelar a exponencial reflexão existencialista e fenomenológica, fixando neste processo uma rigorosa metafísica prismática do eu-poemático. Intermediado por tipologias funcionais, rememorações intertextuais, alegorias e emulações, num exercício de desconstrução estética e transcriação, transição entre vertigens pelo canal do instantâneo com efeito lancinante como método para desbravar em relatos e solilóquios as precariedades das vicissitudes do quotidiano, de feitio peculiar ao tranZmodernismo.

Flávio Viegas Amoreiras

0Toda a obra de Flávio Viegas Amoreira é seminal, inspira outros artistas. Do livro ‘Escorbuto – Cantos da Costa’, por exemplo, o trecho “chuva no mar é desejo” se tornou música assinada pelo saudoso Gilberto Mendes, lambe-lambe na Bienal Internacional de Gravura de Santos e detalhes em coleção de vestidos de noiva.

“Os textos de Flávio são como rios muitos densos que desembocam nos leitores. A dinâmica de sua obra desperta uma força criativa”, diz o escritor e jornalista Alessandro Atanes. “Como uma lanterna política”, o iconoclasta Flávio é definido como um catalisador e uma voz para a militância artística e homossexual.

Segundo o também autor Marcelo Ariel, “A trajetória de Flávio Viegas Amoreira tem se caracterizado por uma desmedida caminhada pela floresta do barroco. Paradoxalmente por um barroco carregado de um estranho corte e de uma rigorosa concisão. Estes cantos dialogam com a tradição literária dos chamados ‘Poetas do Mar’, no sentido cosmogeográfico. Leitor de Deleuze, o que este poeta faz é uma mixagem do barroco com elementos do discurso fragmentário que é tensionado até o limite nestes textos”.

Escritor em sentido pleno, assim Flávio é definido pelo psicanalista e autor Renato Tardivo. “Seus textos transgridem a categorização por gêneros, ao mesmo tempo em que as narrativas, no trânsito entre o mar e Sampa, transfiguram o mundo. Nestes versos de: O vazio refletido na luz do nada, a palavra é pele – e Flávio faz da pele, música”.

*Flávio Viegas Amoreira/Editora Kazuá

 

Oficina Pagu abre 1 mil vagas gratuitas para cursos a partir do dia 19

A Oficina Cultural Pagu, a partir do dia 19 (terça feira) abrirá inscrições para os seus novos cursos, são mais de 1 mil vagas disponíveis para Santos e cidades da baixada santista, são eles: fotografia, teatro para adolescentes e adultos, escrita criativa, criação de flyer virtual, figurino, artes visuais, patrimônio e literatura. Os destaques ficam por conta da apresentação do espetáculo de dança Okinosmóv – Um Balet Nada Russo do Núcleo Luz do Projeto Fábricas de Cultura de São Paulo e da Palestra com o escritor Ignácio de Loyola Brandão.

Toda a programação é gratuita e está disponível no site: http://www.oficinasculturais.org.br. Os interessados poderão inscrever-se pelo próprio site ou pelo email: pagu@oficinasculturais.org.br, nos locais indicados nas cidades ou pessoalmente no endereço da sede: Rua Espírito Santo, 17/Santos; de terça à sexta-feira das 14 às 20 horas. Maiores informações pelos telefones: 3219-2036 / 3219-1741. Em breve, encaminhamos a programação completa.

ARTES CÊNICAS

OFICINA: TRAJE DE CENA | Coordenação: Bruna Pereira
24/5 a 28/6 – terça(s)-feira(s) | 18h45 às 21h45 | 25 vagas
Seleção: Solicitar ficha de inscrição pelo: pagu@oficinasculturais.org.br
Local: Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
O projeto visa ampliar o interesse sobre trajes de cena e o número de profissionais capacitados para criação de figurinos. Graduada em Gestão Empresarial de Moda e Design de Moda. Possui cursos complementares em Traje de Cena para figurino e teatro,pesquisa de Moda, Desenho digital de Moda,Mercado do Vestuário,Modelagem,Corte e Costura Industrial e Desenho de Moda.

OFICINA DE FIGURINO PARA TEATRO | Coordenação: Karen Cruz
30/4 a 25/6– sábado(s) | 15h às 17h | 30 vagas
Seleção: Por ordem de Inscrição
Local: Palácio da Artes – Av. Presidente Costa e Silva , 1.600 – Boqueirão – Praia Grande/SP
Estimular o interesse por novas áreas de atuação de pessoas que tenham afinidades com as artes cênicas, mais precisamente pelo profissional que atua através de pesquisa, elaboração, criação, estudos de cores e harmonia que possam contribuir, melhorar a apresentação ou a performance cênica desenvolvimento de figurinos para o teatro.

Estilista, professora, fotógrafa, figurinista e produtora de moda. Possui Graduação em Moda pela Faculdade Santa Marcelina (1998), Pós-graduação em Criação Visual e Multimídia pela Universidade São Judas Tadeu (2005), especialização em Criação Visual no Teatro pela ECA – Escola de Comunicação e Artes Universidade de São Paulo (2006), e A Moda no Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu.

2OFICINA: PROCESSO COLABORATIVO NO FAZER TEATRAL E A INTERAÇÃO COM O PÚBLICO NO ESPAÇO URBANO | Coordenação: Platão Capurro Filho
9/5 a 6/6– segundas-feira(s) | quinta(s)-feira(s) | 19h às 21h | 30 vagas
Local: Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
O programa da oficina pretende introduzir os participantes no processo colaborativo do fazer teatral com interação direta do público no espaço urbano. Ator, diretor, arte educador e pesquisador teatral. Diretor artístico do grupo Teatro Widia. http://www.widiacultural.wordpress.com

OFICINA DE INICIAÇÃO CÊNICA E CORPORAL PARA TEATRO | Coordenação: Ricardo Menezes
3/5 a 14/6 – terça(s) e quinta(s)-feira(s) | 14h30 às 17h30 | 25 vagas
Local: : Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Por meio de jogos e dinâmicas, apresentar algumas técnicas e princípios fundamentais da improvisação verbal e não verbal para o desenvolvimento das habilidades de disponibilidade, imaginação e prontidão cênica. Ator profissional, diretor, roteirista, fotógrafo, dramaturgo e produtor de eventos na áreas de artes cênicas, dança e audiovisual desde 1991.
https://www.facebook.com/ricmenezes2?fref=ts

OFICINA DE DRAMATURGIA: PRODUÇÃO DE TEXTO PARA TEATRO | Coordenação: Luiz De Assis Monteiro
4/5 a 1/6 – quarta(s)-feira(s) | 19h30 às 22h30 | 20 vagas
Teatro Procópio Ferreira – Avenida Dom Pedro I, 350 – Jardim Tejereba – Guarujá/SP
Conceitos,técnicas e ferramentas necessárias à construção de um texto teatral, análise da estrutura da obra teatral, leituras de obras, e ainda, a produção de um texto. Ator, diretor, dramaturgo e professor de teatro, é licenciado em Artes Cênicas, pela Universidade de São Paulo. É fundador e diretor artístico da Companhia Teatral Confraria da Paixão, de São Paulo. Em 2016, está completando 40 anos de teatro, tendo participado da montagem de 113 espetáculos: 43 como ator e 70 como diretor. Como dramaturgo já escreveu 51 obras, em sua maioria, já encenadas. Há 35 anos vem se dedicando à pesquisa e ao ensino do teatro, em inúmeras disciplinas.
http://www.confrariadapaixao.com.br/p/cordeis-publicados.html

OFICINA DE INICIAÇÃO TEATRAL | Coordenação: Fernando Rino
2/5 a 30/5– segundas-feira(s) | quinta(s)-feira(s) – 14h30 às 16h30 | 30 vagas
Associação dos Moradores do Humaitá End. Rua José Singer, 553, Humaitá – São Vicente
Introdução aos preceitos básicos da arte de atuar: sensibilização e preparação do corpo e da voz por meio de jogos cênicos. https://www.facebook.com/fernando.rino.3

WORKSHOP DE DANÇA: ÚLTIMO DIA | Coordenação: Henrique Lima
02/05 – segunda feira | 13h às 15h | 30 vagas
Centro Cultural Raul Cortez – Avenida São Paulo , 3465 – Vera Cruz – Mongaguá/SP
Henrique Lima, agrega toda sua experiência como bailarino, apresentando aos participantes, possibilidades técnicas através da soma de diferentes linguagens. Capoeira, danças populares brasileiras, o balé clássico e a dança contemporânea fazem parte desta oficina, onde os participantes vão experimentar também a improvisação como processo para a criação artística. Nesta etapa, Henrique Lima, utiliza do seu processo de criação para o espetáculo “O Último Dia”.

Henrique Lima é bailarino, coreógrafo e pesquisador. Natural de Recife (PE) , onde iniciou seus estudos de dança em 1991. Fez parte de importantes companhias do cenário nacional e internacional como Balé Popular do Recife, Compassos Cia de Dança, Vias da Dança, Cisne Negro Cia de Dança, Balé Da Cidade De São Paulo, Quasar Cia De Dança, J.Gar.Cia, Companhia Portuguesa De Bailado Contemporâneo (Lisboa), Grua–Corpos de Passagem, Omstrab, Pultz Teatro coreográfico entre outras.

Trabalhou com importantes coreógrafos da cena contemporânea Henrique Rodovalho, Rui Moreira, André Mesquita, Mario Nascimento, Jorge Garcia, Patrick Delcroix, ItzikGalili, Nina Botkay. Como Coreógrafo atuou na Companhia de bailado De Ourinhos (STAC e UNTAR), Balé da Cidade de São Paulo (No Toque) Vias da Dança-PE( Só Pó) J.Gar.Cia (Cantinho De Nóis), Cisne Negro( Vem Dançar). Além de trabalhos com artistas independentes apresentou nas principais capitais do Brasil e em países como Alemanha, França, Portugal, Paris, Espanha, África, Chile, Peru, Argentina, Chile, Bolívia entre outros. Saiba mais em https://goo.gl/zl1t2g

ESPETÁCULO DE DANÇA: ÚLTIMO DIA | Coordenação: Henrique Lima
02/05 – segunda-feira – 17h | 03/05 – terça-feira – 19h
Centro Cultural Raul Cortez – Avenida São Paulo , 3465 – Vera Cruz – Mongaguá/SP
Henrique Lima, agrega toda sua experiência como bailarino, apresentando aos participantes, possibilidades técnicas através da soma de diferentes linguagens. Capoeira, danças populares brasileiras, o balé clássico e a dança contemporânea fazem parte desta oficina, onde os participantes vão experimentar também a improvisação como processo para a criação artística. Nesta etapa, Henrique Lima, utiliza do seu processo de criação para o espetáculo “O Último Dia”.

Henrique Lima é bailarino, coreógrafo e pesquisador. Natural de Recife (PE) , onde iniciou seus estudos de dança em 1991. Fez parte de importantes companhias do cenário nacional e internacional como Balé Popular do Recife, Compassos Cia de Dança, Vias da Dança, Cisne Negro Cia de Dança, Balé Da Cidade De São Paulo, Quasar Cia De Dança, J.Gar.Cia, Companhia Portuguesa De Bailado Contemporâneo (Lisboa), Grua–Corpos de Passagem, Omstrab, Pultz Teatro coreográfico entre outras.

Trabalhou com importantes coreógrafos da cena contemporânea Henrique Rodovalho, Rui Moreira, André Mesquita, Mario Nascimento, Jorge Garcia, Patrick Delcroix ,ItzikGalili, Nina Botkay. Como Coreógrafo atuou na Companhia de bailado De Ourinhos (STAC e UNTAR), Balé da Cidade de São Paulo (No Toque) Vias da Dança-PE (Só Pó) J.Gar.Cia (Cantinho De Nóis), Cisne Negro (Vem Dançar). Além de trabalhos com artistas independentes apresentou nas principais capitais do Brasil e em países como Alemanha, França, Portugal, Paris, Espanha, África, Chile, Peru, Argentina, Chile, Bolívia entre outros. Saiba mais em https://goo.gl/zl1t2g

ESPETÁCULO “OKINOSMÓV” – UM BALET NADA RUSSO | Grupo: Núcleo Luz | Coordenação: Renata Montesanti
25/5 – quarta-feira – 20h às 21h
Teatro Municipal Brás Cubas – Avenida Senador Pinheiro Machado , 48 – Vila Matias – Santos/SP
Entre a necessidade e o desejo estão infinitas variáveis. O que nos movimenta e o que nos paralisa? O amor, a paixão, o medo… Essas e outras inquietações tão profundamente humanas estão contidas na construção da dramaturgia do espetáculo “Okinosmóv – Um ballet nada russo”, que orienta seu sentido no risco e na incerteza que acompanha aquilo que nos move, tendo como principal instrumento de comunicação a linguagem da dança contemporânea.

O Núcleo Luz é um projeto artístico criado em 2007, que integra o Programa Fábricas de Cultura – da Secretaria de Estado da Cultura – executado pela Poiesis (Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura). Com o objetivo de ampliar o universo cultural de jovens entre 14 e 26 anos através da vivência na linguagem da dança integrada a conteúdos educativos, o projeto oferece dois programas de formação gratuitos, disponibilizando aos aprendizes uma ajuda de custo mensal.

LITERATURA

8UM DEDO DE PROSA COM LOYOLA BRANDÃO | Coordenação: Loyola Brandão
4/6 – sábado – 15h30 | 30 vagas
Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Loyola Brandão ,um dos maiores nomes da literatura contemporânea , falará sobre sua trajetória como romancista,contista, cronista e jornalista em conversa instigante sobre o prazer de escrever. Jornalista, trabalhou no jornal Ultima Hora, depois nas revistas Claudia, Realidade, Setenta, Planeta, Ciência e Vida, Lui e terminou a carreira em Vogue. Publicou até o momento 37 livros. Em 2008 ganhou o prêmio Jabuti, como Menino que Vendia Palavras.

3WORKSHOP DE CRIAÇÃO POÉTICA: COMO SONHAR O REAL | Coordenação: Marcelo Ariel
10/5 – terça-feira – 19h às 21h30 | 30 vagas
Secretaria de Cultura – Avenida Nove de Abril , 2795 – Centro – Cubatão/SP
O uso da intuição e, dos símbolos e da imagética na construção do Poema, o processo de criação poética e a realidade com a referencia das obras escritas por Marcelo Ariel.

Marcelo Ariel é poeta e performer, autor dos livros Tratado dos Anjos Afogados (Caraguatatuba: Letra Selvagem, 2008), Me enterrem com a minha AR-15(São Paulo: Dulcineia Catadora, 2009), Retornaremos das cinzas para sonhar com o silêncio (São Paulo: Patuá, 2014), Diário Ontológico (São Paulo: Pharmakon, 2014), entre outros. Coordena cursos livres de criação literária e vive em Cubatão (SP).

6OFICINA “JOGOS DE ESCRITA: A REINVENÇÃO DA NARRATIVA” | Coordenação: Lu Menezes
3/5 a 19/5 – terça(s)-feira(s) e quinta(s)-feira(s) – 18h30 às 21h | 25 vagas
Pinacoteca Benedicto Calixto – Avenida Bartolomeu de Gusmão , 15 – Boqueirão – Santos/SP
Técnicas de escrita criativa, onde a prática de jogos e exercícios de escrita ajudam a destravar e amplificar o fluxo narrativo dos participantes. Auxiliando na estruturação de histórias assertivas e surpreendentes, capazes de sensibilizar o leitor. Publicitária e autora, Lu Menezes escreveu o livro de crônicas “Baião de Três”. Realizou oficinas de escrita criativa e de contação de histórias nos estados de Santa Catarina e São Paulo.

ARTES VISUAIS – FOTOGRAFIA

EXPOSIÇÃO: ENSAIO SOBRE MULHERES | Coordenação: Karen Ritchie
Terças as sextas feiras – 14h às 20h; sábados – 14h as 17h
Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Transmitir novas percepções sobre a mulher registrando o universo feminino, misturando emoção e as técnicas fotográficas. Karen é publicitária, formada em comunicação e fotografa com experiência de mais de 15 anos na área. Foi editora de imagens da TV Mar e em produtora de comerciais. Atua na área da fotografia social, com formação em estúdio e produção foto jornalística.

10WORKSHOP: TÉCNICAS E TRUQUES DA FOTOGRAFIA | Coordenação: Flavio Meyer
6/5 – sexta-feira – 18h45 às 21h45
7/5 – sábado – 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00
Seleção: Carta de interesse | 25 vagas
Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Explorar todas as questões vitais à construção imagética e desvenda os segredos da fotografia profissional. Pós-Graduado em Comunicação Visual pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo, atuando no mercado publicitário, iniciou sua carreira de fotógrafo em 2011 com a exposição “Gigantes em Miniatura”, em 2014 publicou o seu primeiro livro de imagens “Poesia Fotografada”, e em 2015 foi convocado para o Prêmio Paraty em Foco. http://www.flaviomeyer.com.br.

COMUNICAÇÃO E NOVAS MÍDIAS

OFICINA: CRIE SEU BANNER VIRTUAL | Coordenação: Carlos Cirne
2/6 a 23/6 – quinta(s)-feira(s) – 19h30 às 21h30 | 20 vagas
Seleção: Carta de interesse | Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Apresentar ferramentas e softwares de composição e preparação de imagens para promoção rápida em redes. Carlos é designer, assessor de imprensa, cobrindo as várias áreas do entretenimento: teatro, cinema e TV. Co-editor da newsletter online Colunas & Notas, periódico sobre artes e lazer; responsável pelo design dos volumes da Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Na área de cinema, atuou como jurado em duas edições do Curta Santos – Festival de curtas-metragens da cidade de Santos / SP, assim como orientador de debates, entre outros.

MÚSICA

CONCERTO DE CANTO CORAL: MULHERES – A VEZ E A VOZ | Coordenação: Coral Zanzalá
8/5 – domingo – 19h | 200 vagas
Concha Acústica – Canal 3 , Santos/SP
Este concerto traz um repertório que aborda o universo feminino, com canções que valorizam a mulher, seu papel fundamental na sociedade, suas lutas e ambições. O Coral Zanzalá foi criado pelo maestro Rodrigo Augusto Tavares em 1978, no antigo Conservatório Musical de Cubatão. Hoje é considerado um dos corais mais importantes do Estado de São Paulo. Em 2014 apresentou-se no Lincoln Center, em Nova York

5LUIZINHO E A ARTE DO VIOLÃO 7 CORDAS | Coordenação: Luizinho 7 Cordas
22/4– sexta-feira – 10h às 13h | 30 vagas
Clube do Choro – R. Quinze de Novembro, 68 – Centro – Santos/SP
A oficina musical irá decifrar a utilização da sétima corda do violão para apresentações do Choro, dando um panorama histórico do violão 7 Cordas, principais músicos, a linguagem, algumas ideias de Baixarias de Condução e das diversas tonalidades deste instrumento musical.

Um dos maiores violonistas de sete cordas do Brasil, Luiz Araújo Amorim, o Luizinho 7 cordas, nasceu em Marília SP.Violonista premiado, hoje com 70 anos é considerado um dos maiores violonistas do Brasil. Em 2011 a parceria entre o Clube do Choro de Santos e a Prefeitura criou a Escola de Choro Luizinho 7 Cordas O curso tem duração de três anos e é aberto a crianças e adolescentes de nove a 17 anos, preferencialmente moradores do entorno do Mercado e do Centro Histórico, áreas de grande vulnerabilidade social.

ARTES VISUAIS

WORKSHOP: EU E FRIDA – CRIAÇÕES ARTÍSTICAS A PARTIR DA OBRA DA PINTORA FRIDA KAHLO | Coordenação: Kadu Veríssimo
3/5 a 24/5 – terça(s)-feira(s) – 19h às 22h | 20 vagas
Casa da Cultura – Av. Tomé de Souza , 130 – Centro – Bertioga/SP
Sequência de criações artísticas estimuladas pela obra da pintora mexicana Frida Kahlo em busca de um objeto artístico genuíno e pessoal , partindo de suas vivências para a construção de expressões artísticas , como desenho, gravura, pintura, escultura, dança, performance, etc.

Ator,autor, diretor e artista plástico, licenciado em Artes Visuais pela Unisanta (Santos-SP). Como artista plástico foi o ilustrador responsável pelas obras do projeto visual do décimo segundo curta santos (festival de cinema de Santos) ,exposição ArteCidade no MISS (Museu da Imagem e do Som de Santos) e expôs seus trabalhos nos projetos Viva Pagu na Casa das Rosas (São Paulo-SP) e Entre Fronteiras em Lima, no Peru. Atualmente desenvolve seus trabalhos na companhia Casa3 na cidade de Guarujá-SP, e o Coletivo em Santos–SP.

PATRIMÔNIO

OFICINA “O PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARQUEOLÓGICO DE PERUÍBE” – OLHARES, PERCEPÇÕES E MEMÓRIA NA TERRA INDÍGENA PIAÇAGUERA | Coordenação: Fátima Pires
4/5 a 25/5 – quarta(s)-feira(s) – 13h30 às 15h30 | 20 vagas
Escola Indígena da Aldeia Piaçaguera – Estrada do Telégrafo, Peruíbe/SP
Apresentar o Patrimônio Histórico e Arqueológico de Peruíbe aos indígenas da Terra Indígena Piaçaguera, promovendo um amplo debate sobre os sítios arqueológicos existentes na Terra Indígena Piaçaguera e sobre o passado dos indígenas no local, fazendo-os refletir sobre suas origens e ligações com o local. Professora, historiadora e mestra em educação indígena pela Unisantos. Atualmente é a restauradora da instalações do arquivo histórico de Peruíbe.

*Mônica Tranjan