Arquivo da tag: nova cintra

Semana da Cultura Caiçara de Santos inicia dia 16; confira a programação

Por Secult Santos

A 6ª Semana da Cultura Caiçara de Santos será aberta na sexta-feira (15/mar), às 19h30, na Pinacoteca Benedito Calixto (Avenida Bartolomeu de Gusmão, 15, Boqueirão), com apresentação do Coletivo Percutindo Mundos, Coletivo Caiçara e os
músicos Danilo Nunes, Pablo Mendoza, William Silva.

De fundamental importância para a formação da identidade nacional, o caiçara representa a gênese e o desenvolvimento de uma cultura que nasce no litoral, nos primeiros anos da colonização, por meio da miscigenação entre o indígena, o europeu e o africano, e depois expande-se pelo território brasileiro através dos bandeirantes, tropeiros e pelos diversos ciclos econômicos pelos quais o País passou.

A programação do evento, que este ano também será promovida em Guarujá e São Vicente, prevê muitas atividades com música, dança, teatro, literatura, contação de histórias, artes visuais, cinema, debates, oficinas, esportes, ecologia e turismo de base comunitária.

Esta edição marca o último ano em que as comemorações serão em março. A partir de 2020, a semana será celebrada em maio, depois da Quaresma. Inserido no Calendário da Cidade pela Lei 2920/13, o evento também faz parte das comemorações oficiais de outras cidades: Guarujá, São Vicente, São Sebastião, Cananeia, Ubatuba e Paraty. A semana é realizada pelos coletivos Imaginário Coletivo, Percutindo Mundos e Coletivo Caiçara, com apoio da Secult.

> 15/mar | Pinacoteca | 19h30 | Abertura oficial, com artistas, pesquisadores e autoridades da Região. Apresentação do Coletivo Caiçara e Percutindo Mundos, com os músicos Danilo Nunes, Pablo Mendoza, William Silva;
> 16/mar | Ponte Edgard Perdigão (Av. Bartolomeu de Gusmão, s/nº, Ponta da Praia) | 10h | Passeio e oficina fotográfica com trilhas e comunidades caiçaras, com Anak Albuquerque;
> 16/mar | Estação da Cidadania (Av. Ana Costa, 340) | 18h – Feira Imaginária – Feira de livros de editoras independentes da Região e bate-papo com autores, como Madô Martins e Regina Alonso; 18h30, Apresentação de ‘Lendas Caiçaras’, com André Barros e Marina Machado; 19h, Sarau caiçara; 20h, Pindorama – Encontro de rap caiçara; 21h, Bailão do Santo – Músicas dançantes de autores da Região nos ritmos de samba rock, reggae, maracatu, soul, fandango, samba e pop.
> 17/mar | Centro de Visitantes do Parque Estadual Xixová-Japuí | 9h, Mar Caiçara – passeio pela trilha do parque até a Praia de Itaquitanduva, com Danilo Alves; 9h30, café comunitário; 11h, oficina sohre história e prática do surf; 12h, ação ambiental de coleta de resíduos sólidos e plantio de sementes nativas.
> 19/mar | Associação Cultural José Martí (R. Joaquim Távora, 217) | 19h, Cine Caiçara, com exibição de ‘História Oral da Gente de Santos’ e ‘Hans Staden’, seguido de bate-papo com o crítico Flávio Viegas Amoreira e o cineasta Dino Menezes;
> 20/mar | Lagoa da Saudade (Morro da Nova Cintra) | 14h, Batalha do Conhecimento, leitura e interpretação poética com Syro Damassaclan;
> 21/mar | Caruara | 10h, Batalha do Conhecimento; 14h, Leia Santos, com doação de livros e revistas;
> 22/mar | Universidade Católica de Santos (Av. Cons. Nébias, 300) | 19h30, Cátedra Gilberto Mendes com o bate-papo ‘O Brasil Caiçara’; 20h30, performance artística.

 

Morro Nova Cintra recebe intervenção artística Jambu, pelo 5º Facult

Por Secult Santos

Contemplada pelo 5º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes no Município de Santos, a intervenção artística Jambu realiza edição na Lagoa da Saudade, no Morro Nova Cintra, neste próximo dia 23 (domingo), das 15h às 19h.

O evento tem o som dos DJs Bakka, Cigano, Mascate e Nanne Bonny. A programação também traz apresentação dos alunos da oficina de circo da Vila do Teatro, além mostra de zines e instalações artísticas. Gratuito. Informações no site http://www.facebook.com/piratasdomaxixe.

Artistas de rua são tema de projeto de lei na Câmara de Santos

Por Lincoln Spada

Os conflitos dos artistas de rua e da Guarda Municipal foram pauta nesta última quinzena na Câmara de Santos. “Muitos artistas de rua se apresentam na cidade de forma precária e a maioria é tratada de forma preconceituosa”, justificou o vereador Adilson Júnior (PTB) ao citar o trabalho de malabares (artistas circenses), músicos e estátuas vivas. Em projeto de lei apresentado em sessão no ‘Castelinho’ no último dia 29, o parlamentar adaptou a legislação em vigor em Curitiba.

O projeto (163/16) previa sem necessidade de autorização todas as manifestações artísticas e comercialização de seus bens culturais em vias, praças, jardins e praças, desde que não ultrapassem às 22 horas, não houvessem equipamentos sonoros superiores a 50 Watts, nem montagem de palcos – neste caso, a estrutura precisa de permissão prévia da Prefeitura.

Embora atualmente o projeto esteja em análise na comissão parlamentar de Justiça, Redação e Legislação Participativa, a diretoria jurídica da Câmara já emitiu um parecer contrário à sua aprovação na última semana. Dois argumentos são citados, o primeiro é o inciso 9º, do artigo 5º Constituição (“é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”).

Assim, o autor do parecer assegura: “por imposição constitucional, qualquer manifestação artística em vias e logradouros públicos do município já está autorizada”, ressaltando que as ações devem respeitar normas relativas ao sossego público e respeito ao fluxo de pedestres e veículos. O relatório segue o raciocínio de que cabe somente à Prefeitura pode regulamentar o uso dos espaços públicos.

Decreto: eventos em logradouros públicos

O parecer cita o decreto municipal 6.889/14, em que o prefeito Paulo Alexandre Barbosa estabelece procedimentos para autorizar a realização de eventos e atividades provisórias em locais públicos (artístico, esportivo, promocional, publicitário, etc). Mas o decreto exige que o interessado apresente uma série de documentações 45 dias antes do evento à Secult, citando desde registros oficiais da pessoa, até estimativa de público ou Anotação de Responsabilidade Técnica para possíveis palcos.

Enquanto o projeto de lei não avança na Câmara, o prefeito durante a campanha à reeleição se comprometeu em assegurar os direitos aos artistas de rua. A seguir, a resposta na íntegra de Paulo Alexandre Barbosa sobre o tema, questionado pelo Movimento Teatral da Baixada Santista, ainda no mês de setembro.

Prefeito: promete diálogo sobre legislação

O apoio e o incentivo desta administração para manifestações culturais e artes de rua são irrestritos. Sabemos que existem fatos isolados ocorridos recentemente envolvendo a Guarda Municipal e alguns artistas. Prioritariamente, vamos criar uma lei municipal que regulamente o ofício do artista de rua, que garanta sua atividade (a exemplo do que foi feito com o grafite), adequando o Código de Posturas.

Um diálogo com os artistas, também é necessário para que sejam definidas, com clareza, as restrições ao uso de equipamentos de grande amplificação sonora, a obstrução de vias e passeios públicos e o uso de materiais que coloquem em risco outros munícipes. Vale ressaltar, que a maioria das abordagens da Guarda Municipal ocorre por reclamações que chegam por parte de outros cidadãos.

Com uma política de incentivo definida em conjunto com os artistas, podemos, inclusive, incentivar o uso de praças e ruas em regiões que já tem naturalmente uma vocação cultural e turística, como é o caso do Centro Histórico, da Lagoa da Saudade, no morro da Nova Cintra e do Jardim Botânico, na Zona Noroeste.

‘Cinema Itinerante’ é transferido para a Zona Noroeste

O projeto ‘Cinema Itinerante’, que chega a Santos nesta sexta-feira (6), foi transferido do Morro Nova Cintra para a Av. Afonso Schimidt, no Areia Branca, em frente ao Centro Cultural da Zona Noroeste. A carreta, que possui uma sala de projeção para 40 pessoas, fica estacionada no local e realiza sessões gratuitas até o domingo (8).

Nesta sexta-feira, às 14h, o público pode conferir a animação ‘Divertidamente’. Já às 16h30 e às 19h, ocorre a exibição do filme ‘Velozes e Furiosos 7’. No sábado (7) e no domingo (8), o local abriga mais duas projeções de ‘Divertidamente’, também às 10h e às 14h, e de ‘Velozes e Furiosos 7’, às 16h30, e ‘Mad Max’, às 19h.

*Prefeitura de Santos

 

Comédia Oficina dos Farrandantes animará as praças de Santos

Rodrigo Alves, Letícia Barbosa, Witany Alexandre, Andressa Amaral, Roberto Gomes e Val Nascimento (1)Atrasada pra festa, sozinha dentro de um carro quebrado e, ainda por cima, vítima de um assalto. O que pode ser muito bem um drama para muita gente se torna em uma verdadeira comédia no espetáculo de rua “Oficina dos Farrandantes”, culminando nos próprios ladrões a consertar o veículo da moça. Esta cena um tanto inusitada e outras mais acontecerão nesta segunda-feira, dia 18, às 16h, na Praça da Capela (Vila Gilda), terça-feira, às 16h, na Praça Guadalajara (Nova Cintra) e quarta-feira, às 16h, na Praça José Bonifácio (Centro Histórico).

O humor permeia toda a montagem, resultado da oficina gratuita de iniciação ao teatro popular realizada pelo Projeto Ciclocênico no Mercado Municipal faz uns três meses com os professores Daniel Valverde, Ernani Sequinel e Fabíola Moraes. Em plena praça pública, os sete alunos-atores se revezarão em cinco cenas, envolvendo a farsa, a comédia dell’arte e o melodrama. Portanto, espere um teatro de rua caricato, exagerado e também inteligente, ingredientes mais que suficientes para arrancar risos dos espectadores.

E nada de cenários ou figurinos. Apenas as máscaras dos teatros clássicos restarão como adereços do elenco de roupas neutras em sua semana de estreia ao ar livre. Portanto, a interpretação é o ponto alto das esquetes, que, aliás, foram criadas pelos próprios atores. “O elenco teve uma evolução muito grande com essa iniciação teatral”, anima-se Platão. “Se antes eram tímidos em encenar na rua, hoje eles apresentam com grande energia e vontade a população”.

Mas certamente o entrosamento deles após tantas semanas também se deve ao fato de que o teatro estimula o protagonismo das pessoas. “As discussões, trocas, o estímulo da sensibilidade e da capacidade crítica, além das buscas coletivas e solitárias que envolvem um processo de criação artística… Todos esses são meios de conquista da autonomia e de mudanças no campo individual e social”, já me disse Platão noutra oportunidade.

Entre os alunos-atores, há uma mesca de adolescentes e idosos de várias cidades da Baixada Santista, como Santos, São Vicente e Mongaguá. A proposta é de que eles permaneçam nas companhias teatrais do Ciclocênico. Em breve, novas turmas de teatro popular serão abertas pelo projeto na futura sede da entidade.

O projeto Ciclocênico é uma parceria dos dois grupos Teatro Wídia e Coisas de Teatro Cia. de Arte. A iniciativa criou o espetáculo “Farrandança”, sucesso de público e crítica na Região e que fará temporada em várias escolas dos municípios de São Paulo neste ano. Essa oficina é uma contrapartida da peça contemplada pelo Facult – Fundo de Apoio à Cultura de Santos.