Arquivo da tag: odair dias filho

Secretários de Cultura da região debatem no Sesc Santos nesta quinta

Por André Azenha

Com o objetivo de traçar uma reflexão sobre os últimos quatro anos na cultura da Baixada Santista e um prognóstico para o futuro, o 5º CulturalMente Santista – Fórum Cultural de Santos, evento que integra o calendário oficial do município, promove um debate com os Secretários de Cultura da Região, quinta-feira, 16h, na sala 1 do Sesc Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida). A entrada é franca.

Já estão confirmados os secretários Fabião Nunes (Santos), Amauri Alves (São Vicente) e Wellington Borges (Cubatão), Odair Dias Filho (Guarujá), além do diretor executivo da Agência Metropolitana de Santos, Hélio Hamilton. A mediação será da jornalista Nara Assunção.

 

Revista Relevo entrevista secretário de cultura de Guarujá, Odair Dias Filho

Por Lincoln Spada

Desde que a então secretária de cultura Mariângela Duarte aceitou a candidatura à Assembleia Legislativa de SP, a pasta foi assumida pelo seu adjunto, Odair Dias Filho, em abril de 2014. Aos 40 anos, ele também já presidiu o Film Comission na Cidade, e particia da diretoria do Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra.

Assistente social e ex-candidato ao Legislativo pelo PCB, Odair marcou sua gestão com a busca por políticas públicas culturais e a criação de equipamentos e programas descentralizados que ampliassem a viés cidadã da cultura. Em entrevista virtual à Revista Relevo, o atual secretário faz um balanço sobre o mandato durante a gestão da prefeita Maria Antonieta.

As artes urbanas e a cultura negra tiveram relevância na atual gestão da Secult, principalmente com a entrega da Usina de Hip Hop com estúdio municipal. Como se deu a criação deste equipamento e como a Secult observa o panorama deste segmento em Guarujá?

a3A atual gestão da Secretaria de Cultura de Guarujá sempre manteve diálogos constantes com todas as classes artísticas da Cidade, fomentando a Cultura em toda sua plenitude. Em reuniões com o movimento negro e o movimento hip hop, entregamos recentemente a Usina no Hip Hop, em uma área de alta vulnerabilidade social.

O surgimento do equipamento se deu por conta de uma reivindicação e ao mesmo tempo uma necessidade do movimento de expressar sua cultura e sua arte tão importantes nas relações sociais contemporâneas. Diante disso, as intervenções urbanas com ênfase nos quatro elementos do hip hop têm papel relevante na construção de uma sociedade mais justa e na autonomia popular, do jovem negro e da periferia.

O desafio exitoso foi planejar e transformar essas demandas em política pública. Hoje, o equipamento oferece oficinas de Grafite, Aerografia, Dança, Rima, DJ Break Dance, além de um estúdio de gravação próprio. Nos próximos dias, deverá ser publicado um decreto que institui a gestão compartilhada da Usina, com o movimento inclusive na curadoria do estúdio, que em breve será inaugurado.

Após hiato desde 2011, o Teatro Procópio Ferreira foi reaberto há pouco mais de um ano. Neste período, pode-se considerar que o equipamento já retomou as produções artísticas locais e conta com bom público em suas atividades?

a5O Teatro Municipal Procópio Ferreira tem cumprido seu papel no processo de democratização de seu espaço entre as companhias e grupos locais. Por meio de editais, os artistas de teatro, música e dança têm tido a oportunidade de mostrar seu trabalho de forma profissional e com a devida estrutura, que este equipamento completo oferece.

Nesta gestão, um destaque foi o Ateliê Artes do Palco, proporcionado via emenda parlamentar no Congresso. Como a comunidade respondeu ao projeto e até que ponto os deputados da região colaboram com a cultura no âmbito local?

a1O Ateliê Artes do Palco cumpre um importante papel na formação artística inicial e também no uso do seu espaço através de edital. Entendemos que a sua aceitação foi a melhor, pois a população procura sempre participar dos seus cursos.

A Secult ampliou nestes anos a rede de bibliotecas e gibitecas em várias escolas e espaços pela cidade, também realiza concurso literário e um festival municipal para o setor, sendo uma das cidades que mais valoriza este segmento. Que exemplos a secretaria pode demonstrar um possível resultado sobre estas ações de incentivo à leitura?

a1O estímulo à leitura e a produção literária devem ser ferramentas na política pública de cultura e foi explorada de forma constante por esta Administração. A Secult promoveu constantemente festivais literários, como o “Pérolas da Literatura”, feiras de troca de livros, contação de histórias; participação no Pro-ler e ainda as Geladeiras Bibliotecas distribuídas em algumas unidades de saúde do Município.

No atual mandato, a Prefeitura reassumiu a Fortaleza da Barra Grande, a comunidade abriu o Museu Joias da Natureza e ainda há patrimônios públicos a restaurar. Quais são as principais conquistas e entraves do Poder Público em relação aos patrimônios históricos da cidade?

a4A política de Patrimônio Histórico teve seu impulso inicial nessa gestão e caminha de forma ainda tímida, por ser tão especifica. Tivemos grandes conquistas na área, que hoje é coordenada pela secretaria-adjunta, a arquiteta Patrícia Lima, pós-graduada em restauro.

A Fortaleza da Barra virou museu e vem implementando atividades e oficinas constantes em várias áreas de Educação Patrimonial. Além disso, foram aprovados na Agência Metropolitana da Baixada Santista dois projetos de prospecção arqueológica (um da Fortaleza da Barra e um do Forte São Felipe). As licitações estão sendo preparadas.

Outra novidade é a cessão do Forte Itapema restaurado à Prefeitura, pela Receita Federal, sonho antigo da população de Vicente de Carvalho.

Uma discussão frequente na mídia e até em campanhas eleitorais é sobre os Planos Municipais de Cultura. Desenvolvido desde 2014, como está sendo o processo de construção do plano e há previsão dele já estar em vigor até o fim do ano?

a2O Sistema Municipal de Cultura de Guarujá já existe. Temos ainda o Fundo Municipal de Cultura e o Sistema Municipal de Financiamento à Cultura. O próximo passo é a aprovação pela Câmara Municipal, do Plano Municipal de Cultura, que está em fase final pelo Conselho Municipal de Políticas Culturais e a Secult.

No atual mandato, houve um movimento na cidade sobre a emancipação de Vicente de Carvalho e que haveria pouca participação da Prefeitura na região. No setor cultural, também deveria ter maior descentralização de atividades para a população do distrito?

A Secult tem dois equipamentos culturais em Vicente de Carvalho: a Usina Hip Hop e o Anfiteatro Ferreira Sampaio, que oferecem diversas oficinas e cursos, atendendo centenas de munícipes. Além de ações decentralizadas em praças e equipamentos de outras secretarias.

Cidade vizinha, Santos conta com uma verba periódica de cerca de R$ 350 mil para financiamento para dezenas de grupos artísticos locais desde 2010. Se lá é por bilheteria dos teatros municipais, em Guarujá os prefeituráveis desejam leis de incentivo.  Mas com o atual mandato, a Secult vê demanda e alternativas para edital de fomento à cultura na cidade? Qual seria o modelo mais apropriado?

Com o Sistema de Financiamento à Cultura instituído e o Fundo de Cultura também, a partir do próximo ano, Guarujá terá instrumentos legais para publicação de editais de arte e cultura, atingindo os artistas e grupos da Cidade.

 

Entrevista: Odair Dias e a futura Casa do Hip Hop dia 30 no Guarujá

As artes urbanas terão um lar em Guarujá no dia 30 de junho. Trata-se da Casa do Hip Hop, morada pública a ser entregue na Rua Duque de Caxias, 470, em Vicente de Caravalho. O espaço próximo à Favela do Caixão “será um local para cursos, um estúdio musical e a gente vai mobilizar discussões de políticas de juventude e de igualdade racial”, afirma o secretário municipal de cultura, Odair Dias Filho.

A inspiração veio com os espaços coletivos sugeridos pelo Prêmio Cultura Hip Hop da Funarte de 2014. Na época, a administração municipal planejou lançar a Usina do Hip Hop da Baixada Santista ainda em dezembro, mas a inauguração seguiu para este semestre.

Segundo Odair, a casa oferecerá cursos do segmento – grafite, DJ e rimas – e um estúdio para gravação de bases de CDs para artistas da cidade. A curadoria para a seleção dos artistas a produzirem as faixas deve ser feita pelos próprios músicos junto da secretaria da Cultura.

“A ideia é dar o suporte para a música negra, para o samba de raiz, o hip hop. O movimento tem muita força na Baixada Santista e a gente sabe que a desigualdade tem cor no Brasil”, continua o gestor. “É importante trazer essas discussões sociais para dentro da casa, como a violência urbana, igualdade racial, maternidade precoce e questões de gênero”.

Ao longo do ano, o político deseja que o equipamento cultural se consolide e que arrecade verbas para um edital de reprodução e lançamento de CDs de diversos estilos musicais.

*Lincoln Spada

 

Guarujá reinaugura Teatro Procópio Ferreira neste sábado

Após um amplo processo de reconstrução, o Teatro Municipal Procópio Ferreira abrirá suas portas novamente ao público. A Prefeitura de Guarujá realizará a reinauguração do teatro neste sábado (25), às 10 horas, com uma semana de programações totalmente gratuitas. Todos os dias, 200 ingressos estarão disponíveis gratuitamente para o público na bilheteria do Teatro (Avenida Dom Pedro I, 350 – Enseada), das 9 às 17 horas. Para as atividades do dia 1º de maio, os interessados devem retirar no dia anterior.

02No dia da abertura, haverá solenidade com apresentação da Banda Municipal de Guarujá, intervenções com a poetisa Márcia Guedes e abertura da Galeria de Artes Plásticas Wega Nery, com exposição de artistas locais. Já no período noturno, às 21 horas. O público ganhará de presente o espetáculo “Gandhi, um líder servidor”, monólogo com João Signorelli, com roteiro e direção de Miguel Filiage. Na sinopse, em nome da paz mundial, Ghandi anuncia o início de mais um jejum, para que as pessoas deixem de se alimentar com pensamentos desiquilibrados, preconceitos e sentimentos sombrios.

A programação segue no domingo (26), às 20 horas, com o espetáculo “Sabor da Bossa”, no qual o músico Paulo Costa, conhecido como o embaixador da Bossa Nova, traz, ao público, clássicos deste gênero musical. A partir de segunda-feira, os artistas locais e o teatro infantil das escolas ganham o palco do Procópio.

Na segunda-feira (27), às 9h30, a Cia de Teatro Troupe D’Arte preparou, dentro do “Projeto Escola”, o espetáculo infantil “A Pipa Sumiu”, de Lilian Zanzzinni. A atração é reapresentada às 15 horas. Já às 18 horas o Coletivo de Teatro de Guarujá apresenta Mostra de Cenas com atores independentes. A classificação etária é de 12 anos. No mesmo dia, às 21 horas, a performance Egos, da Cia Quem sabe faz a hora, com texto e direção de Fátima Góes, leva ao público o universo cênico.

No dia 28, às 9 horas, a peça infantil “O Mistério de Feiurinha no Vale Encantando”, do Projeto de Atividades Motoras e Ações Recreativas (Amar), realizado na rede municipal de ensino, é apresentada ao público misturando o universo da Disney à história de Pedro Bandeira. A direção fica a cargo de Cátia de Souza e Renata Coghe. A atração fica em cartaz até dia 1º, às 9h30 nos dias que seguem, sendo às 10 horas no último dia.

03Às 15 horas, a peça “Cinderela Brasileira”, do diretor Marcelo Wallez, da Casa 3, retrata a clássica história, em forma de farsa, e ambientada no sertão nordestino, tendo como protagonista a Gata Cangaceira. Já às 21 horas, o monólogo “Um bravo canto para desatar os perversos nós” está em cartaz, com texto e direção de Luiz de Assis Monteiro. A classificação é de 16 anos. A atração é reapresentada no dia 1º/5, às 16 horas.

No dia 29, as atrações prosseguem com “Chapeuzinho Vermelho e o caderno mágico”, às 15 horas, infantil assinado por Fátima Góes. Uma releitura do Clube da Esquina e de artistas do 14 Bis e Skank compõe o show “Cheiro de Minas”, com Débora Paiva e Medusa Trio, fechando o dia, às 21 horas. A fantasia do circo ganha o coração do público no dia 30, às 15 horas, quando o Grupo Os Panthanas – Núcleo de Pathifarias Circenses de Santos apresenta o espetáculo “Repescagem”, composto de esquetes de palhaços.

04E às 21 horas, com direção de Eduardo Silva e texto de Odair Dias Filho e Dina Alves, a cena teatral “Darluz” é conduzida por uma mulher homônima, que entrega os filhos a terceiros a fim de livrá-los da extensão de sua miséria. Eduardo Silva é premiado com seis “Mambembes” (dois como melhor ator); três vezes eleito melhor ator pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e Associação dos Produtores de Espetáculos do Estado de São Paulo (APETESP), além dos prêmios Shell e Moliére, como melhor ator.

Além de “O Mistério de feiurinha no Vale Encantado”, às 10 horas, e “Cinderela Brasileira”, 16 horas, no dia 1º de maio acontece o show “Voz e Suor”, com Bruno de La Rosa, às 21 horas, em homenagem ao Dia do Trabalhador. O show “Sambas de Outrora” é a pedida de 2 de maio, às 17 horas, com o músico guarujaense Renato Passarinho, trazendo choro e samba de raiz. Já às 21 horas, acontece o Sarau Bodega Brasil, com apresentação de 10 artistas de cultura popular nordestina na linguagem do cordel, repente, aboio e dança.

No dia 3 de maio, às 15 horas, o Ballet Municipal de Guarujá apresenta o espetáculo “Festa no Arraiá”, misturando música clássica com Música Popular Brasileira (MPB). Já às 20 horas, fechando a programação de reinauguração do Teatro Municipal, será realizado o show “Fados e Guitarradas”, com Marly Gonçalves (fadista), Ricardo Araújo (guitarra portuguesa), Renato Araújo (viola do fado) e Heitor Tenório (contra-baixo).

O secretário municipal de Cultura, Odair Dias Filho, aponta que Guarujá passou a ter um novo Teatro Municipal, não somente em sua estrutura física, mas também conceitual. “Depois deste tempo de reforma é importante inaugurar o principal equipamento cultural da Cidade, mas também seguir o novo modelo de gestão. A diretriz não é só o entretenimento. Nosso foco é a formação de público, o diálogo com a classe artística. Estamos de portas abertas para os artistas locais, da Região e espetáculos de expressão nacional. Queremos uma programação de alta qualidade. Temos tudo para que o Procópio se torne um importante corredor das mais diversas linguagens e expressões das artes cênicas, da música, dança, circo, fotografia e artes plásticas”, apontou o secretário.

*Prefeitura de Guarujá

 

Dia 25 será reinaugurado Teatro Procópio Ferreira de Guarujá

O último capítulo para a reabertura do Teatro Procópio Ferreira em Guarujá será no dia 25 de abril. A data foi anunciada pelo secretário municipal da Cultura, Odair Dias Filho, à repórter Mayara Rached da Rádio CBN Santos, nesta quinta-feira (16/abr). “É um teatro novo e moderno e (…) com condições de receber espetáculos de circulação nacional”, garante. O anúncio dependia do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) e da agenda política do município.

>> Duas versões para a recusa do AVCB ao Teatro
>> Teatro estava previsto para reabrir em janeiro

Fechado há quatro anos, o teatro estava com a reforma praticamente concluída em janeiro com recursos municipais (R$ 1 mi) e estaduais (R$ 1,7 mi). Em fevereiro, o auto foi negado pelos bombeiros. De acordo com a Administração,  a recusa era por causa da altura do corrimão entre a sonoplastia e as poltronas da sala do espetáculo. Outra versão era sobre problemas relacionados à caixa d’água e equipamentos de som.

Revitalização

Agora, o teatro com 440 lugares terá no auditório: barras, rampas, além de reforma no foyer, aumento de dois para quatro camarins, alterações na Galeria de Arte Wega Nery, no telhado, forro, assoalho, sistema de acústica, ar-condicionado redes elétrica e hidráulica. Trata-se da primeira revitalização desde que o centro cultural foi inaugurado em 15 de dezembro de 1979. O teatro funciona na Av. Dom Pedro 1º, 350.