Arquivo da tag: oficina cultural

Espetáculo de Balé é atração nesta quinta em Itanhaém

Por Prefeitura de Itanhaém

Quem é fã da magia e do encanto do balé não pode perder o espetáculo “Divertissiment” nesta quinta-feira (26), a partir das 20 horas. Do adulto ao infantil, alunas da Oficina Cultural de Dança de Itanhaém se apresentarão no palco montado na Boca da Barra, em um espetáculo que irá misturar vários repertórios clássicos desta modalidade.

A Oficina Cultural de Dança de Itanhaém tem aulas ministradas no Complexo Educacional Harry Forssell. Os alunos precisam estar matriculados regularmente na rede municipal de ensino, e os ensaios são realizados semanalmente, sob a coordenação da professora Lenisa Rocha. Durante o curso são ensinadas técnicas do balé clássico e dança contemporânea. O Espetáculo de Balé é uma parceria entre o Departamento de Cultura e a Secretaria de Turismo.

 

Cadeia Velha: Saiba as ações pró-Oficinas Culturais nas demais cidades de SP

Por Lincoln Spada

O fechamento das unidades do litoral e interior paulista das oficinas da Secretaria da Cultura do Estado têm provocado campanhas e intervenções artísticas pela garantia da participação estadual na formação dos artistas. Em Santos, ainda há o foco do Centro Cultural Cadeia Velha como finalidade de artes integradas. O espaço foi reinaugurado em agosto e é um dos poucos edifícios estaduais usados pelo programa, hoje gerido pela OS Poiesis.

> Governo reúne prefeituras na terça
> Programação da Cadeia Velha em 2016

Duas rodas de conversa estão agendadas no local: uma na terça-feira (dia 6), às 19h, voltada à comunidade para articular propostas de ação; outra na quarta-feira (dia 7), também às 19h, voltada a dialogar tais ideias com gestores públicos de Santos e Região. Noutras regiões, a maioria das unidades ou estão em sedes provisórias ou em centros municipais. A proposta já anunciada pela equipe do secretário estadual José Roberto Sadek é de que as atividades no próximo ano sejam exclusivamente em prédios municipais.

De moção a sarau-protesto

O movimento cultural de Limeira é o mais ativo na defesa das oficinas culturais, hoje já instaladas em um palacete municipal. Uma campanha virtual #FicaOficina envolve a OC Carlos Gomes já percorre faculdades e lojas, resultando também em camisas e placas erguidas por centenas de artistas, ativistas e apoiadores. No último dia 29, um ato na Câmara rendeu em uma moção de autoria do parlamentar Farid Zaine (PR), buscando sensibilizar o governador Geraldo Alckmin (PSDB). Uma programação artística constante no largo e pela cidade busca o apoio da população.

Na cidade de São José do Rio Preto, um vídeo-protesto reuniu dezenas na segunda-feira (dia 28), para tentar reverter que a OC Fred Navarro seja desativada. Afinal, o programa já mantém parceria direta com o município, entendendo que a oficina está dentro do centro cultural municipal. Eles também mobilizaram um abaixo-assinado, a fim de agregar 5 mil apoiadores. Em Marília, a própria OC Tarsila do Amaral protagonizou um sarau-protesto contra o fechamento no dia 1º. Já a descontinuidade da OC Altino Bondesan em São José dos Campos ganha repercussão nas redes sociais.

Prefeituras em cautela

Dividindo espaço com a Diretoria Regional de Ensino, a OC Timochenco Wehbi é tema de mobilização de seus participantes nas redes sociais, em Presidente Prudente. A Administração Municipal foi cautelosa sobre o fato: “tudo depende do repasse do governo estadual ao município, que não tem condições de arcar com eventuais oficinas hoje mantidas pelo Estado”. A reação foi oposta na Prefeitura de Ribeirão Preto. Lá a secretária de cultura Dulce Neves comemorou em assumir as atividades, hoje realizadas pela OC Cândido Portinari num andar de um condomínio.

Em Sorocaba, a OC Grande Otelo está envolvida noutra questão: a antiga sede (Fórum Velho) está em reforma há dois anos, com verba estadual inicialmente de R$ 1,7 milhão. Agora, artistas mobilizam deputados locais. Um deles foi o parlamentar Raul Marcelo (PSOL). ”Por que foi rescindido o contrato administrativo com o Poiesis?”, foi um dos questionamentos que ele enviou à Secretaria da Cultura do Estado. O movimento cultural local ainda agenda um festival com o tema “desmonte da cultura” e estudam acionar o Ministério Público sobre o caso.

Orçamentos reduzidos

Por sua vez, em São Carlos, a OC Sérgio Buarque de Holanda passou este ano a atender de 13 para 50 municípios. Mas seu orçamento caiu pela metade no mesmo período (hoje R$ 50 mil anual). Dezenas protestaram no domingo (dia 27) com passeata e abraço simbólico. Assim, por unanimidade, a Câmara aprovou uma moção apelando ao Alckmin pela garantia da oficina. Já em Iguape, não há notícias sobre o fechamento ou resistência cultural pela OC Gerson de Abreu, apenas de que o casarão sob gestão estadual também teve uma reforma iniciada em 2014 em R$ 1,5 milhão.

As Oficinas Culturais é um programa da Secretaria de Estado da Cultura que durante mais de 20 anos promove cursos de iniciação e capacitação artística nas mais diferentes áreas, com atividades oferecidas para todas as faixas etárias. Atualmente, são cerca de 15 unidades em todo o Estado que atendem mais de 400 municípios, com mais de 71 mil vagas abertas por ano nas diferentes atividades oferecidas. Mas o contrato inicial do conjunto do programa que previa R$ 33 milhões à OS Poiesis será reduzido em lei orçamentária para R$ 12 milhões em 2017.

 

Cadeia Velha: Governo de SP reúne prefeituras na terça; Santos nega assumir prédio estadual

Por Lincoln Spada

O fechamento das oficinas culturais no interior e litoral paulista será tema de reunião reservada nesta terça-feira (dia 6), na capital. Os secretários municipais das dez cidades-polos das oficinas estaduais foram sondados no último dia 28 e, convidados oficialmente no decorrer da semana pela equipe da Secretaria da Cultura do Estado, José Roberto Sadek.

Provavelmente, o secretário de cultura de Santos, Fábio Nunes, estará presente, tendo em vista que o município perderá a Oficina Cultural Pagu – atual gestora da Cadeia Velha de Santos. Sem a programação artística, está incerto o futuro do patrimônio recém-aberto. Prefeituras de Marília, São Carlos e São José dos Campos já confirmaram representantes. Em Ribeirão Preto, a administração aceitou a proposta de assumir a sede local de oficinas culturais. Em nota, o Governo de SP diz que a parceria é de garantir as ações artísticas, mas somente em espaços municipais.

> Artistas convocaram reunião paralela
> Programação da Cadeia Velha em 2016

Recentemente, a Prefeitura de Santos afirma que não foi comunicada formalmente sobre o fechamento da Cadeia Velha e da OC Pagu. “No que diz respeito à absorção pela Secult das atividades realizadas na Cadeia Velha, no caso de um suposto cancelamento dos cursos lá oferecidos, não há previsão orçamentária em 2017 para tal demanda”. A questão é que o orçamento geral do município entre 2016 e 2017 oscilou de R$ 2,5 bi para R$ 2,6 bilhões, mas a Secult terá redução ano que vem (menos R$ 1,5 milhão), o mesmo caso de outras pastas, como o Turismo (menos R$ 500 mil).

Garantia de quatro meses

Fechada por quase cinco anos, a Cadeia Velha de Santos foi restaurada com verbas estaduais de R$ 10,6 milhões. Desde 2015, o Governo Estadual garantia que atenderia a demanda de audiências e campanhas públicas por um centro de artes integradas. Mas após reabrir o edifício em agosto, o governo anunciou o fechamento da oficina cultural e o rumo incerto do patrimônio nacional. Segundo estimativas, uma oficina cultural custa, em média, menos de R$ 1 milhão. Desde sua reabertura, o local recebeu cerca de 15 mil visitantes.

 

 

Cadeia Velha: Governo de SP anuncia municipalizar espaços das oficinas culturais

Por Lincoln Spada | Foto: Sander Newton

Bem verdade que a Prefeitura de Santos ainda não foi notificada oficialmente sobre uma possível parceria para gerir o Centro Cultural Cadeia Velha. Assim, enquanto a Prefeitura não se posiciona sobre o caso, o Governo Estadual já oficializou aos veículos de comunicação sobre o destino das oficinas culturais do interior e litoral paulista, entre elas, a Oficina Cultural Pagu. A proposta é que os prédios sejam municipalizados em troca de atividades estaduais eventuais e itinerantes.

>> Prefeitura não pretendia municipalizar o prédio
>> Prédio estadual fechará dia 16 de dezembro

Neste dia 28, a Secretaria de Cultura do Estado anunciou à TV Santa Cecília: “O programa passa apenas por uma mudança administrativa, que tem justamente o objetivo de gerar economia de recursos sem prejudicar o atendimento à população. Em vez de gerido por uma Organização Social [Poiesis], o programa passará a ser realizado em espaços municipais e em convênio com as prefeituras, que conhecem melhor do que ninguém cultura e necessidades locais”.

A mesma nota foi publicada em jornais de Limeira, São José do Rio Preto, São Carlos e Araraquara. Já em Ribeirão Preto, a própria secretária de Cultura, Dulce Neves, aceitou a decisão do convênio. “Fui informada que as oficinas no estado de SP não serão fechadas e sim, haverá negociação para uma parceria entre Estado e Município, como convênio para que a Secretaria de Cultura faça a gestão da oficina cultural, a fim de garantir sua permanência, abrangência e democratização do acesso”. Também serão desativadas as sedes de Presidente Prudente, Marília, Sorocaba, São José dos Campos e Iguape.

Garantia de quatro meses

Fechada por quase cinco anos, a Cadeia Velha de Santos foi restaurada com verbas estaduais de R$ 10,6 milhões. Desde 2015, o Governo Estadual garantia que atenderia a demanda de audiências e campanhas públicas por um centro de artes integradas. Mas após reabrir o edifício em agosto, o governo anunciou o fechamento da oficina cultural e o rumo incerto do patrimônio nacional. Segundo estimativas, uma oficina cultural custa, em média, menos de R$ 1 milhão. Desde sua reabertura, o local recebeu cerca de 15 mil visitantes.

Único programa metropolizado

Hoje na Baixada Santista, o Governo Estadual centraliza investimentos em Santos: Virada Cultural Paulista, Tocando Santos e o Museu do Café. Cada vez mais reduzido, o Programa de Ação Cultural – ProAC contemplou coletivos de Santos, São Vicente, Cubatão e Guarujá. A itinerância artística do Circuito Cultural Paulista acontece em Bertioga, Cubatão, Itanhaém e Praia Grande. Já a gestora do Centro Cultural Cadeia Velha, a Oficina Cultural Pagu é o único programa estadual que realiza trimestralmente atividades nas nove cidades da Baixada Santista, além de ser a única ação estadual que alcança Mongaguá e Peruíbe.

 

Marcello Gugu palestra sobre o hip hop na Cadeia Velha de Santos

Por OC Pagu

Nesta sexta-feira, Marcello Gugu realiza a palestra Infinity Class ‘Redefinindo a história sob a ótica do hip hop’. A atividade grautita acontece no dia 18, às 20h, na Cadeia Velha de Santos. Esta atividade da Oficina Cultural Pagu tem a parceria do projeto Muito Prazer! Meu nome é Hip Hop. A entrada é franca e aberta para 50 primeiros inscritos.

A palestra aborda a cultura oral, as raízes folclóricas nacionais e traz exercícios práticos de construções textuais, sejam elas, relatos , poesias ou música, explorando a capacidade de composição do participante. O nome, Infinity Class, é uma homenagem as aulas que eram ministradas dentro Zulu Nation para a comunidade negra americana.

Gugu conquistou destaque nas batalhas de ruas com sua rimas, vencendo em 2007 a principal delas que a Batalha do Santa Cruz em São Paulo. O músico que também é publicitário com o disco “Até quem enfim Gugu” lançado em 2013, foi eleito um dos melhores no cenário do rap nacional.

 

Clube Leia Mulheres debate ‘Os Contos de Beedle, o Bardo’ no dia 29 em Santos

Por Jam Pawlak

No próximo dia 29 de outubro (sábado), às 15h, acontecerá o encontro do Clube de Leitura ‘Leia Mulheres’ em Santos, com a mediação de Jam Pawlak e Julia Mikita na Oficina Cultural Pagu (Cadeia Velha, Praça dos Andradas). Em debate, estará o livro “Os Contos de Beedle, o Bardo” de J.K. Rowling. Os contos nos conduzem ao mundo dos bruxos, ao universo de Harry Potter.

Segundo J. K. Rowling, o que a levou a publicar essa coletânea de histórias, foi uma “nova tradução dos contos feita por Hermione Granger”, a amiga inteligente de Harry Potter. O livro conta co cinco “histórias populares para jovens bruxos e bruxas”, mas que, com as notas explicativas da autora, podem ser perfeitamente lidas pelos “trouxas”, como J. K. Rowling se refere às pessoas sem poderes mágicos, como nós.

Beedle nos leva ao mundo dos bruxos, nas asas dos nossos próprios contos de fada, do lado de cá do mundo dos “trouxas”, com algo em comum, entre os dois mundos, ambos agradaram imensamente às crianças, principalmente quando eram narrados pelos pais antes de dormir. Nas palavras da autora, J.K. Rowling, encontramos uma explicação para a semelhança entre “os contos de Beedle e os contos de fada” – ““a virtude é normalmente premiada e o vício castigado”.

Nos contos de Beedle, no entanto, a magia não é tão poderosa quanto se pensa: seus personagens, apesar de serem dotados de poderes mágicos, não conseguem resolver seus problemas somente com magia. As histórias mostram, desse modo, que ao contrário do que se pensa, a mágica pode tanto resolver quanto causar problemas ou pode simplesmente não ter efeito nenhum. As heroínas de Beedle são bem diferentes daquelas dos contos de fada que nos são familiares; elas não vivem esperando a chegada de um príncipe que as venham salvar, elas enfrentam o próprio destino.

 

OC Pagu abre nesta terça inscrições para cursos na Baixada Santista

A Oficina Cultural Pagu, a partir do dia 19/jul, abrirá inscrições para os seus novos cursos, são mais de 250 vagas disponíveis para Santos e cidades da Baixada Santista. São eles: dança, fotografia, fotografia com celular, literatura, música e teatro. Toda a programação é gratuita e está disponível no site: http://www.oficinasculturais.org.br.

Os interessados poderão se inscrever pessoalmente nos locais indicados nas cidades. Maiores informações na sede da Oficina Cultural Pagu: Rua Espírito Santo, 17, Santos, de terças às sextas-feiras das 14h às 20h ou pelos telefones: 3219-2036/3219-1741.

SANTOS

ENSAIO ABERTO DO ESPETÁCULO DE DANÇA “JÁ QUE SOU , O JEITO É SER” E CONVERSA SOBRE O PROCESSO DE MONTAGEM
Grupo: Cia 5 – Santos | 27/8– sábado – 20h às 21h40
Público: Retirada de senha até 30 minutos antes do espetáculo
Seleção: Aberto ao Público | 30 vagas
Local: Oficina Cultural Pagu

O experimento de dança-teatro “Já que sou, o jeito é ser”, costura de forma não linear as diversas personagens dos textos de Clarice, transformando seus medos, desejos, anseios e alegrias em um turbilhão de emoções. A Cia 5, é uma companhia híbrida de experimentação entre teatro, dança e cinema. Atualmente desenvolve o processo Já que sou, o jeito é ser, contemplado com o Programa de Qualificação em Dança da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo, além de produzir vídeos-danças e performances em espaços públicos.

OFICINA DE DANÇA “SITE SPECIFIC”
Coordenação: Robson Ferraz | 27/8 a 28/8– sábado e domingo – 14h às 18h
Público: Bailarinos, estudantes de dança e demais interessados com conhecimento na área
Inscrições: 19/7 a 22/8 | Seleção: Carta de interesse | 15 vagas
Local: Oficina Cultural Pagu

A ideia do encontro é discutir questões pertinentes as práticas de apropriação de espaços, site-specífic e instalação coreográfica. Sintonizar o corpo para uma escrita no espaço, trabalhando aspectos de presença, ação e sistemas de composição coreográficas híbridas em que a dramaturgia da audiência/público é parte constituinte da obra. Robson Ferraz é artista da dança formado pela Unicamp. Interessa-se por pensar a dança em termos estéticos e políticos, principalmente relacionado-a às questões de gênero. Em 2009 fundou a Desvio, sua atual plataforma de pesquisa e criação.

WORKSHOP: FOTOGRAFIA COM CELULAR E USO DE APLICATIVOS
Coordenação: Paula Machado | 6/8 – sábado – 13h às 17h
Inscrições: 19/7 a 4/8 | Seleção: primeiros inscritos | 25 vagas
Local: MISS – Museu da Imagem e do Som de Santos (Avenida Senador Pinheiro Machado, 48)

O workshop abordará luz, composição e outros elementos técnicos e conceituais necessários para a obtenção de fotos com qualidade, utilizando o smartphone. Também serão estudados os aplicativos de tratamento de imagem e formas de armazenar e compartilhar fotos nas redes sociais. Paula Machado, fotógrafa freelancer profissional, é graduada em Jornalismo pela Unesp. Fotografou para o jornal Bom Dia Bauru, cobriu a FLIP – Festa Literária Internacional de Paraty em 2010 e registrou performances de bandas musicais na Argentina.

WORKSHOP DE FOTOGRAFIA: LINHAS GEOMÉTRICAS
Coordenação: Marcus Cabaleiro | 26 e 27/8 – sexta-feira – 19h às 21h30 | sábado – 10h às 12h30 e 14h30 às 16h30
Inscrições: 19/7 a 19/8 | Seleção: carta de interesse | 20 vagas
Local: MISS – Museu da Imagem e do Som de Santos (Avenida Senador Pinheiro Machado, 48)

O workshop busca sensibilizar o olhar para as imagens que vemos no cotidiano, identificando nelas as formas geométricas e suas relações espaciais, de maneira a conseguir, nas fotografias, composições equilibradas e expressivas. As fotos clicadas neste workshop serão expostas na programação do 2º Santos Photo Day, evento que celebra, em 28 de agosto, o Dia da Fotografia.

Marcus Cabaleiro, fotógrafo, tem imagens publicadas em jornais, revistas e sites. Finalista do VIII Prêmio Lentes, do jornal A Tribuna (2013), e 3º lugar no concurso Foto do Ano, do Você Repórter (site Terra, 2012). Expôs em diversos espaços culturais da região; é um dos organizadores do 1º Santos Photo Day e um dos autores do livro “Melhor de Santos”. http://marcuscabaleiro.blogspot.com.br/

WORKSHOP: SONETOS DE AMOR EM PRETO E BRANCO
Coordenação: Manoel Herzog | 18 e 25/8 – quintas – feiras – 19h às 21h
Inscrições: 19/7 a 17/8 | 20 vagas
Local: Pinacoteca Benedicto Calixto: Avenida Bartolomeu de Gusmão, 15

Introdução à história e às características do soneto, forma de poesia surgida na Idade Média. O workshop mostrará o soneto na literatura universal, portuguesa e brasileira, desde Petrarca até Glauco Mattoso. A partir dessa apresentação serão propostos exercícios de criação poética. Esta atividade faz parte do projeto de publicação do livro “Sonetos de Amor em Branco e Preto”, contemplado pelo ProAC 2015.

Manoel Herzog é escritor e poeta. Autor dos livros “Brincadeira Surrealista”, “Os Bichos”, “O Evangelista”, “CBA – Cia. Brasileira de Alquimia” (romance semifinalista do Prêmio Portugal Telecom 2014) e “A Comédia de Alissia Bloom” (terceiro lugar no Prêmio Jabuti 2015). https://manoelherzog.wordpress.com/

“O QUÊ VOCÊ LÊ?”: WORKSHOP DE LEITURA
Coordenação: Marcelo Rayel | 11/8 – quinta-feira – 19h às 21h
Inscrições: 19/7 a 10/8 | 20 vagas
Local: Cais Vila Mathias/Biblioteca Candido Portinari: Av. Rangel Pestana, 150

O workshop procura auxiliar qualquer interessado por literatura a refletir melhor sobre o que se lê. Além de despertar maior atenção a esse gesto, o da leitura, a ação visa reunir pessoas para a troca de ideias em torno desse ato: por que lemos? Por que não lemos? Como se encontra o prazer da leitura?

Marcelo Rayel é escritor, tradutor, revisor editorial e professor universitário. Formado em Letras, com habilitação em Tradução, pela Universidade Católica de Santos. Foi membro do Conselho Municipal de Cultura de Santos, na cadeira de Livro e Literatura. Publica o blog Pela Proa, e também responde pelo blog Literaturial.
https://www.facebook.com/MarceloRayel?fref=ts

5º SANTOS JAZZ FESTIVAL: MASTERCLASS DE VIOLINO E JAZZ
Coordenação: Nicolas Krassik | 29/7 – sexta-feira – 14h às 17h
Inscrições: 19 a 27/7 | 30 vagas
Local: Clube do Choro (Rua XV de Novembro, 68)

O instrumentista francês Nicolas Krassik demonstra sua técnica no violino, que une, de modo virtuoso, a improvisação do jazz com a diversidade da Música Popular Brasileira. Nicolas Krassik estudou música erudita e jazz em seu país natal, a França. Gravou CDs com nomes importantes como Michel Petrucciani e Didier Lockwood. No Brasil, tocou com, entre outros, Beth Carvalho, Chico Buarque, Gilberto Gil, Marisa Monte e Yamandu Costa.

BERTIOGA

“O QUÊ VOCÊ LÊ?”: WORKSHOP DE LEITURA
Coordenação: Marcelo Rayel | 17/8 – quarta-feira – 19h às 21h
Inscrições: 19/7 a 16/8 | 20 vagas
Local: Casa da Cultura (Avenida Thomé de Souza, 130)

CUBATÃO

WORKSHOP: SONETOS DE AMOR EM PRETO E BRANCO
Coordenação: Manoel Herzog | 23/8 – terça-feira – 19h às 22h
Inscrições: 19/7 a 22/8 | 20 vagas
Local: Parque Anilinas (Avenida Nove de Abril, 2275)

GUARUJÁ

“O QUÊ VOCÊ LÊ?”: WORKSHOP DE LEITURA
Coordenação: Marcelo Rayel | 3/8 – quarta-feira – 14h às 16h
Inscrições: 19/7 a 2/8 | 20 vagas
Local: Teatro Procópio Ferreira (Avenida Dom Pedro I, 350)

ITANHAÉM

“O QUÊ VOCÊ LÊ?”: WORKSHOP DE LEITURA
Coordenação: Marcelo Rayel | 5/8 – sexta-feira – 15h às 17h
Inscrições: 19/7 a 4/8 | 20 vagas
Local: Biblioteca Municipal (Rua Cunha Moreira, 71)

MONGAGUÁ

“O QUÊ VOCÊ LÊ?”: WORKSHOP DE LEITURA
Coordenação: Marcelo Rayel | 25/8 – quinta-feira – 19h às 21h
Inscrições: 19/7 a 22/8 | 20 vagas
Local: Centro Cultural Raul Cortez (Avenida São Paulo, 3465)

PERUÍBE

CONVERSANDO SOBRE TEATRO
Coordenação: Robson Guimarães
24/8 – quarta-feira:
Turma 1: 9h às 12h (crianças de 8 a 12 anos);
Turma 2: 13h às 16h (jovens a partir de 13 anos)
Inscrições: 19/7 a 19/8
Seleção: primeiros inscritos
20 vagas por turma
Local: Biblioteca Municipal (Rua Ministro Genésio de Almeida Moura, 13)

“Conversando sobre Teatro” tem o objetivo de incentivar crianças e jovens à prática teatral. Robson Guimarães conversará sobre história do teatro, jogos cênicos, criação de personagens, interpretação e possibilidades profissionais na área, propondo também alguns exercícios básicos. Robson Guimarães é formado em teatro pela Escola Martins Pena e pelo Curso Sylvia Orthof, no Rio de Janeiro. Produtor cultural do Sesi Rio por mais de dez anos, atualmente é professor de teatro no Centro Cultural Raul Cortez, em Mongaguá. https://www.facebook.com/robson.guimaraes.90226?fref=ts

PRAIA GRANDE

WORKSHOP: SONETOS DE AMOR EM PRETO E BRANCO
Coordenação: Manoel Herzog | 20/8 – sábado – 14h30 às 17h30
Inscrições: 19/7 a 19/8 | 20 vagas
Local: Palácio das Artes (Av. Costa e Silva, 1600)

*Oficina Cultural Pagu