Arquivo da tag: platão capurro filho

Curso promove laboratório de desenvolvimento de projetos para 8º Facult

Por Madeleine Alves

Muitos têm ideias para trabalhos culturais. Contudo, ao se deparar com um edital em suas letras frias, desanimam de tentar concorrer a um incentivo público. Foi para desmistificar essa sensação e trazer mais bons projetos à vida que surgiu o Curso ‘Facult: do Edital ao Envio’. Ministrado pela realizadora audiovisual e produtora cultural Madeleine Alves, com produção da Amanda Marx Produções, este laboratório visa ensinar ao participante como transformar uma ideia em um Projeto Cultural, com o intuito especifico de participar da seleção do 8º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes no Município de Santos que serão premiados pelo Fundo de Assistência à Cultura – FACULT.

Serão 4 (quatro) dias, cada um com 3 horas/aula por dia, em um total de 12 horas/aula, todas realizadas de forma prática e presencial. Nas aulas, os participantes vão estudar o regulamento do 8º FACULT, a fim de que entendam todas as etapas de desenvolvimento do projeto, desde a organização dos documentos necessários até a formatação, aprendendo a elaborar textos que demonstrem os objetivos do projeto, contrapartida, cronograma, planilha orçamentária, entre outros elementos que possam fornecer condições de realizar sua elaboração completa, finalizando com a inscrição.

Durante o curso, teremos também a palestra ‘Experiências na realização de projetos culturais’, com o diretor teatral Platão Capurro Filho, que irá relatar suas experiências na elaboração de projetos, realizados com as mais diversas formas de incentivos. O 8º FACULT é uma ótima oportunidade para profissionais de qualquer segmento artístico que tenham alguma ideia que gostariam de executar e estejam iniciando sua participação em projetos culturais, pois exige uma elaboração mais simples do que as existentes em outros projetos, tais como ProAC e Lei Rouanet.

Vale lembrar que a próxima edição do Facult selecionará 30 projetos e cada projeto selecionado receberá o valor de R$ 15 mil, conforme regulamento. O curso em si será ministrado de 18 a 21/mar, das 19h30 às 22h30, no Espaço Naradeva (R. Siqueira Campos, 618/Santos). O investimento até 22/fev será R$ 100 à vista ou R$ 60 em 2x no cheque ou em até 18x no cartão de crédito, sem incluir juros da operadora. A partir do dia 23/fev, o curso terá o valor de R$ 120 à vista, R$ 70 em 2x no cheque ou ema té 18x no cartão de crédito, sem incluir juros de operadora. Informações: (13) 98151-4979 ou projetofacult2019@gmail.com.

 

4º Fórum Vicentino de Cultura reúne propostas a serem levadas aos prefeituráveis

Garantir e avançar com as políticas culturais de São Vicente. Este foi o objetivo do 4º Fórum Vicentino de Cultura, espaço de palestras e debates com mais de 50 participantes no último domingo, na ETEC Drª Ruth Cardoso. O evento foi uma realização do Conselho Municipal de Políticas Culturais (CMPC-SV), patrocínio do Onfoccus, Ao Fiel Barateiro, e Degustti com apoio da Prefeitura via Secult e do Governo de SP via Centro Paula Souza.

“Toda essa participação e vontade dos presentes para se envolver com a política cultural e com o conselho mostra que o nosso trabalho foi realizado com sucesso”, avalia a presidente do CPMC-SV Ivy Freitas. Por sua vez, a conselheira e artista plástica Josilma Barroso considera o evento como uma vitória. “Foi ainda melhor do que esperávamos, uma manhã muito produtiva!”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ao todo, foram mais de 20 propostas apontadas pelos presentes para a Prefeitura nos próximos anos: garantia da Secult, do conselho, do programa Oficinas Culturais Professor Oswaldo Névola Filho e dos CECOFs; aumento efetivo no orçamento da Secult e no Fundo Pró-Cultura; contratação de professores de artes e técnicos de cultura; cessão de espaços ociosos públicos para cursos e produções artísticas; criação de Film Comission; realização de editais para segmentos artísticos, entre outros.

Todas as demandas serão apresentadas em uma futura carta do CMPC-SV para a atual Secult e os candidatos à Prefeitura, como um pacto em que o futuro mandato se comprometa na continuidade e melhorias nas políticas culturais de São Vicente. As datas para apresentação da carta e encontro geral com os prefeituráveis serão definidas na próximas reuniões do CMPC-SV.

Participantes

O fórum também contou com a presença dos convidados: do secretário municipal da Cultura, Amauri Alves, da chefe de difusão cultural da Secretaria de Cultura e Turismo de Praia Grande, Virna Gomes Meira, do representante da Secretaria de Turismo de Santos, Jamir Lopes, e do secretário do Conselho de Cultura de Santos, o produtor e diretor teatral Platão Capurro Filho. O evento ainda contou com a presença do vereador e pré-candidato à Prefeitura, Alfredo Martins (PT), e de outro pré-candidato, Kayo Amado (Rede).

*Lincoln Spada

 

Oficina Pagu abre 1 mil vagas gratuitas para cursos a partir do dia 19

A Oficina Cultural Pagu, a partir do dia 19 (terça feira) abrirá inscrições para os seus novos cursos, são mais de 1 mil vagas disponíveis para Santos e cidades da baixada santista, são eles: fotografia, teatro para adolescentes e adultos, escrita criativa, criação de flyer virtual, figurino, artes visuais, patrimônio e literatura. Os destaques ficam por conta da apresentação do espetáculo de dança Okinosmóv – Um Balet Nada Russo do Núcleo Luz do Projeto Fábricas de Cultura de São Paulo e da Palestra com o escritor Ignácio de Loyola Brandão.

Toda a programação é gratuita e está disponível no site: http://www.oficinasculturais.org.br. Os interessados poderão inscrever-se pelo próprio site ou pelo email: pagu@oficinasculturais.org.br, nos locais indicados nas cidades ou pessoalmente no endereço da sede: Rua Espírito Santo, 17/Santos; de terça à sexta-feira das 14 às 20 horas. Maiores informações pelos telefones: 3219-2036 / 3219-1741. Em breve, encaminhamos a programação completa.

ARTES CÊNICAS

OFICINA: TRAJE DE CENA | Coordenação: Bruna Pereira
24/5 a 28/6 – terça(s)-feira(s) | 18h45 às 21h45 | 25 vagas
Seleção: Solicitar ficha de inscrição pelo: pagu@oficinasculturais.org.br
Local: Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
O projeto visa ampliar o interesse sobre trajes de cena e o número de profissionais capacitados para criação de figurinos. Graduada em Gestão Empresarial de Moda e Design de Moda. Possui cursos complementares em Traje de Cena para figurino e teatro,pesquisa de Moda, Desenho digital de Moda,Mercado do Vestuário,Modelagem,Corte e Costura Industrial e Desenho de Moda.

OFICINA DE FIGURINO PARA TEATRO | Coordenação: Karen Cruz
30/4 a 25/6– sábado(s) | 15h às 17h | 30 vagas
Seleção: Por ordem de Inscrição
Local: Palácio da Artes – Av. Presidente Costa e Silva , 1.600 – Boqueirão – Praia Grande/SP
Estimular o interesse por novas áreas de atuação de pessoas que tenham afinidades com as artes cênicas, mais precisamente pelo profissional que atua através de pesquisa, elaboração, criação, estudos de cores e harmonia que possam contribuir, melhorar a apresentação ou a performance cênica desenvolvimento de figurinos para o teatro.

Estilista, professora, fotógrafa, figurinista e produtora de moda. Possui Graduação em Moda pela Faculdade Santa Marcelina (1998), Pós-graduação em Criação Visual e Multimídia pela Universidade São Judas Tadeu (2005), especialização em Criação Visual no Teatro pela ECA – Escola de Comunicação e Artes Universidade de São Paulo (2006), e A Moda no Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu.

2OFICINA: PROCESSO COLABORATIVO NO FAZER TEATRAL E A INTERAÇÃO COM O PÚBLICO NO ESPAÇO URBANO | Coordenação: Platão Capurro Filho
9/5 a 6/6– segundas-feira(s) | quinta(s)-feira(s) | 19h às 21h | 30 vagas
Local: Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
O programa da oficina pretende introduzir os participantes no processo colaborativo do fazer teatral com interação direta do público no espaço urbano. Ator, diretor, arte educador e pesquisador teatral. Diretor artístico do grupo Teatro Widia. http://www.widiacultural.wordpress.com

OFICINA DE INICIAÇÃO CÊNICA E CORPORAL PARA TEATRO | Coordenação: Ricardo Menezes
3/5 a 14/6 – terça(s) e quinta(s)-feira(s) | 14h30 às 17h30 | 25 vagas
Local: : Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Por meio de jogos e dinâmicas, apresentar algumas técnicas e princípios fundamentais da improvisação verbal e não verbal para o desenvolvimento das habilidades de disponibilidade, imaginação e prontidão cênica. Ator profissional, diretor, roteirista, fotógrafo, dramaturgo e produtor de eventos na áreas de artes cênicas, dança e audiovisual desde 1991.
https://www.facebook.com/ricmenezes2?fref=ts

OFICINA DE DRAMATURGIA: PRODUÇÃO DE TEXTO PARA TEATRO | Coordenação: Luiz De Assis Monteiro
4/5 a 1/6 – quarta(s)-feira(s) | 19h30 às 22h30 | 20 vagas
Teatro Procópio Ferreira – Avenida Dom Pedro I, 350 – Jardim Tejereba – Guarujá/SP
Conceitos,técnicas e ferramentas necessárias à construção de um texto teatral, análise da estrutura da obra teatral, leituras de obras, e ainda, a produção de um texto. Ator, diretor, dramaturgo e professor de teatro, é licenciado em Artes Cênicas, pela Universidade de São Paulo. É fundador e diretor artístico da Companhia Teatral Confraria da Paixão, de São Paulo. Em 2016, está completando 40 anos de teatro, tendo participado da montagem de 113 espetáculos: 43 como ator e 70 como diretor. Como dramaturgo já escreveu 51 obras, em sua maioria, já encenadas. Há 35 anos vem se dedicando à pesquisa e ao ensino do teatro, em inúmeras disciplinas.
http://www.confrariadapaixao.com.br/p/cordeis-publicados.html

OFICINA DE INICIAÇÃO TEATRAL | Coordenação: Fernando Rino
2/5 a 30/5– segundas-feira(s) | quinta(s)-feira(s) – 14h30 às 16h30 | 30 vagas
Associação dos Moradores do Humaitá End. Rua José Singer, 553, Humaitá – São Vicente
Introdução aos preceitos básicos da arte de atuar: sensibilização e preparação do corpo e da voz por meio de jogos cênicos. https://www.facebook.com/fernando.rino.3

WORKSHOP DE DANÇA: ÚLTIMO DIA | Coordenação: Henrique Lima
02/05 – segunda feira | 13h às 15h | 30 vagas
Centro Cultural Raul Cortez – Avenida São Paulo , 3465 – Vera Cruz – Mongaguá/SP
Henrique Lima, agrega toda sua experiência como bailarino, apresentando aos participantes, possibilidades técnicas através da soma de diferentes linguagens. Capoeira, danças populares brasileiras, o balé clássico e a dança contemporânea fazem parte desta oficina, onde os participantes vão experimentar também a improvisação como processo para a criação artística. Nesta etapa, Henrique Lima, utiliza do seu processo de criação para o espetáculo “O Último Dia”.

Henrique Lima é bailarino, coreógrafo e pesquisador. Natural de Recife (PE) , onde iniciou seus estudos de dança em 1991. Fez parte de importantes companhias do cenário nacional e internacional como Balé Popular do Recife, Compassos Cia de Dança, Vias da Dança, Cisne Negro Cia de Dança, Balé Da Cidade De São Paulo, Quasar Cia De Dança, J.Gar.Cia, Companhia Portuguesa De Bailado Contemporâneo (Lisboa), Grua–Corpos de Passagem, Omstrab, Pultz Teatro coreográfico entre outras.

Trabalhou com importantes coreógrafos da cena contemporânea Henrique Rodovalho, Rui Moreira, André Mesquita, Mario Nascimento, Jorge Garcia, Patrick Delcroix, ItzikGalili, Nina Botkay. Como Coreógrafo atuou na Companhia de bailado De Ourinhos (STAC e UNTAR), Balé da Cidade de São Paulo (No Toque) Vias da Dança-PE( Só Pó) J.Gar.Cia (Cantinho De Nóis), Cisne Negro( Vem Dançar). Além de trabalhos com artistas independentes apresentou nas principais capitais do Brasil e em países como Alemanha, França, Portugal, Paris, Espanha, África, Chile, Peru, Argentina, Chile, Bolívia entre outros. Saiba mais em https://goo.gl/zl1t2g

ESPETÁCULO DE DANÇA: ÚLTIMO DIA | Coordenação: Henrique Lima
02/05 – segunda-feira – 17h | 03/05 – terça-feira – 19h
Centro Cultural Raul Cortez – Avenida São Paulo , 3465 – Vera Cruz – Mongaguá/SP
Henrique Lima, agrega toda sua experiência como bailarino, apresentando aos participantes, possibilidades técnicas através da soma de diferentes linguagens. Capoeira, danças populares brasileiras, o balé clássico e a dança contemporânea fazem parte desta oficina, onde os participantes vão experimentar também a improvisação como processo para a criação artística. Nesta etapa, Henrique Lima, utiliza do seu processo de criação para o espetáculo “O Último Dia”.

Henrique Lima é bailarino, coreógrafo e pesquisador. Natural de Recife (PE) , onde iniciou seus estudos de dança em 1991. Fez parte de importantes companhias do cenário nacional e internacional como Balé Popular do Recife, Compassos Cia de Dança, Vias da Dança, Cisne Negro Cia de Dança, Balé Da Cidade De São Paulo, Quasar Cia De Dança, J.Gar.Cia, Companhia Portuguesa De Bailado Contemporâneo (Lisboa), Grua–Corpos de Passagem, Omstrab, Pultz Teatro coreográfico entre outras.

Trabalhou com importantes coreógrafos da cena contemporânea Henrique Rodovalho, Rui Moreira, André Mesquita, Mario Nascimento, Jorge Garcia, Patrick Delcroix ,ItzikGalili, Nina Botkay. Como Coreógrafo atuou na Companhia de bailado De Ourinhos (STAC e UNTAR), Balé da Cidade de São Paulo (No Toque) Vias da Dança-PE (Só Pó) J.Gar.Cia (Cantinho De Nóis), Cisne Negro (Vem Dançar). Além de trabalhos com artistas independentes apresentou nas principais capitais do Brasil e em países como Alemanha, França, Portugal, Paris, Espanha, África, Chile, Peru, Argentina, Chile, Bolívia entre outros. Saiba mais em https://goo.gl/zl1t2g

ESPETÁCULO “OKINOSMÓV” – UM BALET NADA RUSSO | Grupo: Núcleo Luz | Coordenação: Renata Montesanti
25/5 – quarta-feira – 20h às 21h
Teatro Municipal Brás Cubas – Avenida Senador Pinheiro Machado , 48 – Vila Matias – Santos/SP
Entre a necessidade e o desejo estão infinitas variáveis. O que nos movimenta e o que nos paralisa? O amor, a paixão, o medo… Essas e outras inquietações tão profundamente humanas estão contidas na construção da dramaturgia do espetáculo “Okinosmóv – Um ballet nada russo”, que orienta seu sentido no risco e na incerteza que acompanha aquilo que nos move, tendo como principal instrumento de comunicação a linguagem da dança contemporânea.

O Núcleo Luz é um projeto artístico criado em 2007, que integra o Programa Fábricas de Cultura – da Secretaria de Estado da Cultura – executado pela Poiesis (Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura). Com o objetivo de ampliar o universo cultural de jovens entre 14 e 26 anos através da vivência na linguagem da dança integrada a conteúdos educativos, o projeto oferece dois programas de formação gratuitos, disponibilizando aos aprendizes uma ajuda de custo mensal.

LITERATURA

8UM DEDO DE PROSA COM LOYOLA BRANDÃO | Coordenação: Loyola Brandão
4/6 – sábado – 15h30 | 30 vagas
Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Loyola Brandão ,um dos maiores nomes da literatura contemporânea , falará sobre sua trajetória como romancista,contista, cronista e jornalista em conversa instigante sobre o prazer de escrever. Jornalista, trabalhou no jornal Ultima Hora, depois nas revistas Claudia, Realidade, Setenta, Planeta, Ciência e Vida, Lui e terminou a carreira em Vogue. Publicou até o momento 37 livros. Em 2008 ganhou o prêmio Jabuti, como Menino que Vendia Palavras.

3WORKSHOP DE CRIAÇÃO POÉTICA: COMO SONHAR O REAL | Coordenação: Marcelo Ariel
10/5 – terça-feira – 19h às 21h30 | 30 vagas
Secretaria de Cultura – Avenida Nove de Abril , 2795 – Centro – Cubatão/SP
O uso da intuição e, dos símbolos e da imagética na construção do Poema, o processo de criação poética e a realidade com a referencia das obras escritas por Marcelo Ariel.

Marcelo Ariel é poeta e performer, autor dos livros Tratado dos Anjos Afogados (Caraguatatuba: Letra Selvagem, 2008), Me enterrem com a minha AR-15(São Paulo: Dulcineia Catadora, 2009), Retornaremos das cinzas para sonhar com o silêncio (São Paulo: Patuá, 2014), Diário Ontológico (São Paulo: Pharmakon, 2014), entre outros. Coordena cursos livres de criação literária e vive em Cubatão (SP).

6OFICINA “JOGOS DE ESCRITA: A REINVENÇÃO DA NARRATIVA” | Coordenação: Lu Menezes
3/5 a 19/5 – terça(s)-feira(s) e quinta(s)-feira(s) – 18h30 às 21h | 25 vagas
Pinacoteca Benedicto Calixto – Avenida Bartolomeu de Gusmão , 15 – Boqueirão – Santos/SP
Técnicas de escrita criativa, onde a prática de jogos e exercícios de escrita ajudam a destravar e amplificar o fluxo narrativo dos participantes. Auxiliando na estruturação de histórias assertivas e surpreendentes, capazes de sensibilizar o leitor. Publicitária e autora, Lu Menezes escreveu o livro de crônicas “Baião de Três”. Realizou oficinas de escrita criativa e de contação de histórias nos estados de Santa Catarina e São Paulo.

ARTES VISUAIS – FOTOGRAFIA

EXPOSIÇÃO: ENSAIO SOBRE MULHERES | Coordenação: Karen Ritchie
Terças as sextas feiras – 14h às 20h; sábados – 14h as 17h
Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Transmitir novas percepções sobre a mulher registrando o universo feminino, misturando emoção e as técnicas fotográficas. Karen é publicitária, formada em comunicação e fotografa com experiência de mais de 15 anos na área. Foi editora de imagens da TV Mar e em produtora de comerciais. Atua na área da fotografia social, com formação em estúdio e produção foto jornalística.

10WORKSHOP: TÉCNICAS E TRUQUES DA FOTOGRAFIA | Coordenação: Flavio Meyer
6/5 – sexta-feira – 18h45 às 21h45
7/5 – sábado – 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00
Seleção: Carta de interesse | 25 vagas
Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Explorar todas as questões vitais à construção imagética e desvenda os segredos da fotografia profissional. Pós-Graduado em Comunicação Visual pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo, atuando no mercado publicitário, iniciou sua carreira de fotógrafo em 2011 com a exposição “Gigantes em Miniatura”, em 2014 publicou o seu primeiro livro de imagens “Poesia Fotografada”, e em 2015 foi convocado para o Prêmio Paraty em Foco. http://www.flaviomeyer.com.br.

COMUNICAÇÃO E NOVAS MÍDIAS

OFICINA: CRIE SEU BANNER VIRTUAL | Coordenação: Carlos Cirne
2/6 a 23/6 – quinta(s)-feira(s) – 19h30 às 21h30 | 20 vagas
Seleção: Carta de interesse | Oficina Cultural Pagu – Rua Espírito Santo, 17 – Campo Grande – Santos/SP
Apresentar ferramentas e softwares de composição e preparação de imagens para promoção rápida em redes. Carlos é designer, assessor de imprensa, cobrindo as várias áreas do entretenimento: teatro, cinema e TV. Co-editor da newsletter online Colunas & Notas, periódico sobre artes e lazer; responsável pelo design dos volumes da Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Na área de cinema, atuou como jurado em duas edições do Curta Santos – Festival de curtas-metragens da cidade de Santos / SP, assim como orientador de debates, entre outros.

MÚSICA

CONCERTO DE CANTO CORAL: MULHERES – A VEZ E A VOZ | Coordenação: Coral Zanzalá
8/5 – domingo – 19h | 200 vagas
Concha Acústica – Canal 3 , Santos/SP
Este concerto traz um repertório que aborda o universo feminino, com canções que valorizam a mulher, seu papel fundamental na sociedade, suas lutas e ambições. O Coral Zanzalá foi criado pelo maestro Rodrigo Augusto Tavares em 1978, no antigo Conservatório Musical de Cubatão. Hoje é considerado um dos corais mais importantes do Estado de São Paulo. Em 2014 apresentou-se no Lincoln Center, em Nova York

5LUIZINHO E A ARTE DO VIOLÃO 7 CORDAS | Coordenação: Luizinho 7 Cordas
22/4– sexta-feira – 10h às 13h | 30 vagas
Clube do Choro – R. Quinze de Novembro, 68 – Centro – Santos/SP
A oficina musical irá decifrar a utilização da sétima corda do violão para apresentações do Choro, dando um panorama histórico do violão 7 Cordas, principais músicos, a linguagem, algumas ideias de Baixarias de Condução e das diversas tonalidades deste instrumento musical.

Um dos maiores violonistas de sete cordas do Brasil, Luiz Araújo Amorim, o Luizinho 7 cordas, nasceu em Marília SP.Violonista premiado, hoje com 70 anos é considerado um dos maiores violonistas do Brasil. Em 2011 a parceria entre o Clube do Choro de Santos e a Prefeitura criou a Escola de Choro Luizinho 7 Cordas O curso tem duração de três anos e é aberto a crianças e adolescentes de nove a 17 anos, preferencialmente moradores do entorno do Mercado e do Centro Histórico, áreas de grande vulnerabilidade social.

ARTES VISUAIS

WORKSHOP: EU E FRIDA – CRIAÇÕES ARTÍSTICAS A PARTIR DA OBRA DA PINTORA FRIDA KAHLO | Coordenação: Kadu Veríssimo
3/5 a 24/5 – terça(s)-feira(s) – 19h às 22h | 20 vagas
Casa da Cultura – Av. Tomé de Souza , 130 – Centro – Bertioga/SP
Sequência de criações artísticas estimuladas pela obra da pintora mexicana Frida Kahlo em busca de um objeto artístico genuíno e pessoal , partindo de suas vivências para a construção de expressões artísticas , como desenho, gravura, pintura, escultura, dança, performance, etc.

Ator,autor, diretor e artista plástico, licenciado em Artes Visuais pela Unisanta (Santos-SP). Como artista plástico foi o ilustrador responsável pelas obras do projeto visual do décimo segundo curta santos (festival de cinema de Santos) ,exposição ArteCidade no MISS (Museu da Imagem e do Som de Santos) e expôs seus trabalhos nos projetos Viva Pagu na Casa das Rosas (São Paulo-SP) e Entre Fronteiras em Lima, no Peru. Atualmente desenvolve seus trabalhos na companhia Casa3 na cidade de Guarujá-SP, e o Coletivo em Santos–SP.

PATRIMÔNIO

OFICINA “O PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARQUEOLÓGICO DE PERUÍBE” – OLHARES, PERCEPÇÕES E MEMÓRIA NA TERRA INDÍGENA PIAÇAGUERA | Coordenação: Fátima Pires
4/5 a 25/5 – quarta(s)-feira(s) – 13h30 às 15h30 | 20 vagas
Escola Indígena da Aldeia Piaçaguera – Estrada do Telégrafo, Peruíbe/SP
Apresentar o Patrimônio Histórico e Arqueológico de Peruíbe aos indígenas da Terra Indígena Piaçaguera, promovendo um amplo debate sobre os sítios arqueológicos existentes na Terra Indígena Piaçaguera e sobre o passado dos indígenas no local, fazendo-os refletir sobre suas origens e ligações com o local. Professora, historiadora e mestra em educação indígena pela Unisantos. Atualmente é a restauradora da instalações do arquivo histórico de Peruíbe.

*Mônica Tranjan

 

Movimento teatral busca lei de iniciativa popular em Santos

Uma lei de iniciativa popular com 16 mil assinaturas. O grandioso foco do Movimento Teatral da Baixada Santista, a partir de seminário recente na Praça dos Andradas, é para a criação de uma legislação que fomente o segmento para Santos. As discussões no Teatro Guarany e na Vila do Teatro foram inspiradas em modelo semelhante implantado em 2001 na capital paulista.

Por lá, R$ 18 milhões estão selecionados anualmente no orçamento municipal para serem destinados em editais semestrais para contemplar, cada um, 30 grupos espalhados pela Cidade. A verba de R$ 400 mil para cada projeto contemplado permite aluguel de espaços, material cenográfico e cachê do núcleo artístico e equipe técnica, o que permite que grupos possam desenvolver seus espetáculos e pesquisas durante até dois anos.

Assim, mesmo com impedimento de participar do edital do ano seguinte, os artistas conseguem manter o ritmo para suas produções, além de ampliar a rede teatral, seja dividindo espaços para ensaios e apresentações, seja na realização de mostras, temporadas e debates gratuitamente à população.

20150719_174326“O que me preocupa muito é como ter a garantia da verba para realização anual do edital em Santos”, comentou o diretor da Cia. Ciclocênico, Platão Capurro Filho na mesa de debate do seminário, realizado no domingo na Vila do Teatro. Da Trupe Olho da Rua, o ator Caio Martinez Pacheco complementou: “Precisamos sentar com a secretaria de Finanças para buscar no orçamento municipal quais as possibilidades destes recursos não virem apenas da Secult e do Fundo de Assistência à Cultura”.

A presidente do conselho de cultura da Cidade, Jam Pawlak ressaltou a necessidade da lei de fomento “pela questão da democratização e descentralização”, incluindo como desdobramento natural formação artística dos jovens. “Vocês não sabem o quanto os movimentos sociais se surpreendem e crescem quando estão articulados com as ações culturais”, foi outra consequência apontada por Débora Maria da Silva, coordenadora do Movimento Mães de Maio.

“Sem falar que esta lei permitiria o trabalho continuado dos artistas, ela é muito importante. É uma forma da gente continuar produzindo”, refletiu o ator Pablo Bailoni, do Núcleo Os Panthanas. Recém-formada pela EAC Wilson Geraldo, a atriz Letícia Tavares prosseguiu: “A partir dela, também é possível a maior aproximação dos grupos com o público, porque ela tem como foco perceber o que a sociedade está precisando enquanto artes”. Enfática, Kaylane Souza, da Cia do Elefante, concluiu: “Precisamos agora é promover esta mensagem para toda a população”.

*Lincoln Spada

 

Diálogo do MinC em Santos tem mais dúvidas que respostas; veja 23 propostas

Mais dúvidas do que respostas foram semeadas na Caravana da Cultura, promovida pelo MinC na última terça-feira em Santos. Ainda assim, a experiência para o ministro Juca Ferreira e os secretários de políticas culturais Guilherme Varella e de diversidade cultural Ivana Bentes foi avaliada como positiva. A razão do entusiasmo do trio é a mesma da falta de soluções práticas: a dificuldade que o Governo Federal tem de conhecer as demandas pontuais de cada região do Brasil.

Este ano, Santos foi o sexto município a receber a iniciativa que já percorreu Fortaleza e Região do Cariri (CE), São Luís (MA), Salvador (BA), Belo Horizonte (BH) e Recôncavo Baiano (BA). A escolha da cidade foi uma combinação do ministro com o seu amigo de longa data, José Virgílio, presidente do Instituto Arte no Dique: ele se comprometeu a destinar a verba federal de R$ 360 mil em conversa com o gestor. Aliás, Juca já visitara o município outra vez em 2008 – também para conhecer o instituto no Dique da Vila Gilda.

> Entrevista com o ministro Juca Ferreira
> Entrevista com secretário de Políticas Culturais, Guilherme Varella
> Entrevista com secretária de Cidadania e Diversidade Cultural, Ivana Bentes

“Venho aqui na maior boa vontade, não vim enrolar, cooptar ninguém (…). Isso aqui não é enrolação, não. Isso aqui é busca de diálogo, busca de cooperação”, enfatizou o ministro no Teatro Guarany. Da plateia, 23 pessoas pontuaram questões e demandas da Baixada Santista, todas anotadas pela trinca política. E cada um, ao lado do secretário municipal Fabião Nunes, pode tentar argumentá-las no final do encontro. Neste quebra-cabeça, as propostas e as respostas estão listadas a seguir:

021) Telma de Souza: Qual a visão de cultura do MinC para o Brasil?

Guilherme Varella: O ministério tem trabalhado até aqui a tridimensionalidade da cultura, ampliando o conceito com suas dimensões simbólica, econômica e cidadã. Ao contrário do que se veicula, nos tempos de crise é o momento de pensar da diversificação de disponibilidades, organizar os meios para intervir na cultura, nos marcos legais, de pensar em cultura como um ponto central de desenvolvimento no País. O que também nos guia é a camada de vê-la como um direito das pessoas.

2) Marcelo Ariel: Criação de um centro de apoio ao escritor, como faz a ONG Fórum da Cidadania de Santos; criação da integração das bibliotecas do País; criação de universidades livres de arte; solução para manutenção dos pontos de cultura do Brasil.

3) Brunão Mente Sagaz: As novas formas de desenvolvimento de políticas públicas federais.

05Ivana Bentes: Quando penso nos pontos de cultura, entendo que nós somos os médicos cubanos do MinC, espalhados em mil municípios. Em qualquer lugar que chegamos, ou tem, ou teve ou vai ter um ponto de cultura. Desde o início do programa, foram 4 mil pontos de cultura. (…) Os recursos públicos são muito significativos, o estado brasileiro deve mobilizar e incentivar. (…) Hoje o ponto de cultura é um projeto que é política de estado, dentro da Lei Cultura Viva, algo que nem o Bolsa Família é. Ou seja, independente do governo, ele continuará a acontecer no Estado. Tem o orçamento próprio. Mas os últimos quatro anos foram um momento de desinvestimento, então sabemos que há redes que se desfizeram nos municípios. (…) Vamos lançar três editais estratégicos em junho: um em apoio a ações de mídia livre junto ao audiovisual com o Ministério das Comunicações; outro é um edital de redes de pontos de cultura, porque quanto se está preocupado em articular em rede, você se torna um ser político; o terceiro edital é de cultura indígena.

4) Sylvia Helena Souza: Proposta de eixos para o MinC: universidade como espaço de produção e cultura; universidade como espaço de mediação, difusão de conhecimentos e obras artísticas; saber mais sobre o edital Mais Cultura nas Universidades.

Guilherme Varella: Esta é a hora de criarmos uma forma que atenda todos os pleitos da comunidade. É preciso uma reaproximação com as universidades, para possibilitar o processo criativo, que esta seja uma política pública a ser descrita, e a outra questão é de indicadores culturais. Faltam informações e estatísticas sistematizadas para todos consigam ter um diagnóstico e cenário comum de análise.

5) Aparecida Oliveira: Qual a dificuldade do trabalho em rede do MinC e do Ministério da Educação?

01Guilherme Varella: A cultura é muito mais que um ornamento do processo educacional, já estamos discutindo ações para complementar de forma vistosa os processos educacionais e queremos fazer com que as políticas públicas contemplem o audiovisual na escola, entre outros projetos. (…) O Juca e o Janine (ministro da Educação) têm uma ótima relação.

6) Talita Fernandes: Garantia em todos os editais nacionais de critérios de igualdade racial, gêneros e transgêneros. Criação de incubadoras culturais junto a municípios para formação de produtores e gestores. Ocupação artística de espaços ociosos, como os galpões e armazéns do Porto de Santos.

7) Junior Brassalotti: Mais fomento ao audiovisual como a lei dos curtas antes dos longas-metragens; ocupação de equipamentos públicos federais.

02Juca Ferreira: Sou favorável que abra equipamentos públicos geridos por movimentos culturais da Cidade (…) Em São Paulo, quando era secretário de Cultura, íamos experimentar a co-gestão de espaços com movimentos artísticos, e aí avaliarmos. (…) Eu topo viabilizar o espaço do cais do Valongo com a Prefeitura. Mas vamos ter que definir juntos o uso daquilo ali.

8) Karla Lacerda: quais as diretrizes do MinC para investimentos na formação inicial de artistas? Regularização do projeto Cultura Sem Fronteiras. Mais políticas para segmentos artísticos.

9) Reginaldo Pinto de Oliveira: Capacitação de produtores culturais.

Juca Ferreira: A formação no Brasil é um escândalo e até devemos fazer uma parceria com o Ministério da Educação. (…) Não podemos mais viver da precariedade, preciso ter mais formação para técnicos, gestores e artistas. (…) Tem artistas que não tem como sobreviver, em geral, e isso é muito difícil, temos que olhar mais para a política de fomento no Brasil.

10) Rogério Baraquet: Qual é a política básica do MinC para melhoria de equipamentos públicos?

Juca Ferreira: Existe um descaso das cidades em manter os equipamentos e as memórias. (…) Tem certas demandas que são de nível municipal e estadual, nem sempre podemos abraçar todas.

11) Eduardo Ricci: Legado dos megaeventos – Copa do Mundo e Olimpíadas – para o fomento do cinema brasileiro. Quais os resultados para o audiovisual diante da secretaria federal de economia criativa?

01Juca Ferreira: No campo audiovisual, passamos de 6 para 200 produções de filmes nacionais por ano, estamos conquistando públicos, linguagens, ainda são aos poucos, mas é uma experiência bem-sucedida. Nós aprovamos também a lei da TV a cabo (de aumento da produção e circulação de produções audiovisuais na programação das emissoras), que, diga-se de passagem, a maioria dos cineastas foi contra ou indiferente. Hoje o projeto dá quase R$ 1 bilhão por ano.

12) Caio Martinez Pacheco: Na região, os investimentos culturais geralmente são mais em obras do que na programação local para ocupar os espaços; mais investimento para fomento artístico; reestruturação dos editais da Funarte, já que é predominante os projetos contemplados nas capitais em vez do interior; uma nova lei de Prêmio do Teatro Brasileiro em que haja um orçamento próprio para o segmento; se as demandas das antigas caravanas até 2008 já foram realizadas pelo MinC.

13) Sandra Alves: Reabertura do Prêmio Klauss Vianna.

04Guilherme Varella: O diagnóstico só vamos ter quando colocarmos o bloco nas ruas, perceber onde é que estão as peculiaridades regionais. (…) Os gestores públicos precisam ter dados para revisar, para gerenciar, e os artistas também para pleitear, pautar o nosso trabalho. (…) Nós teremos no próximo dia 9 de junho, o processo de discussão da Política Nacional das Artes [para entender as demandas de cada segmento] junto da Funarte.

Juca Ferreira: O diálogo é uma prática democrática. (…) Na área de políticas de artes, a Funarte (localizada no Rio de Janeiro) não ajuda nem a dos cariocas. Vamos discutir mais a política, porque “farinha pouca, meu pirão primeiro” é muito famoso. Vamos refletir de novo, criar um fórum específico que incorpore a Funarte. É um esforço necessário, (…) de construir com vocês esta política.

0114) Platão Capurro Filho: Reconhecido pela Ordem do Mérito Cultural, qual a possibilidade de convênio permanente do Festa – Festival Santista de Teatro com o MinC?

Juca Ferreira: Sobre a questão do Festa, sugiro que batam primeiro na porta do Fabião. Depois em nível estadual. E depois converse com o ministério. Existem outros festivais antigos no Brasil.

15) Cleofaz Hernandes: Mais investimentos no artesanato paulista como ocorre no Norte e Nordeste. Cadastramento de todos os artesãos.

16) Artista plástica e designer Rosilma: Enfrentar a terceirização de trabalho para alta moda; projetos para empreendedorismo feminino; investimento no artesanato urbano.

Guilherme Varella: O artesanato é um elemento interessante, pois une a questão simbólica e econômica. É importante o MinC entender as cadeias, o marco regulatório, a possibilidade do cadastramento do artesanato. Estamos trabalhando ativamente para as economias de cada segmento.

Juca Ferreira: Vou começar uma negociação para que o artesanato entre no Ministério da Cultura, atualmente ele integra o de Desenvolvimento e Comércio, mas este não está com um olhar sensível para o segmento. Também estamos tentando trabalhar a gastronomia, o design e a moda no MinC, porque eles são partes importantes da cultura (…). Certamente nestes quatro anos, vamos ter um movimento seguro destes segmentos para que estejam no ministério.

17) Mestre Márcio: Recentemente patrimônio da humanidade, como a capoeira é contemplada pelo MinC?

01Juca Ferreira: Em 2003, conversando com o Gilberto Gil, passamos a abrir editais de capoeira viva, capoeira na escola, encaminhamos o dossiê para a ONU para reconhecer como patrimônio da humanidade. Mas nós estamos com um perigo atualmente, que é um projeto de lei que tenta desapropriar a capoeira. Segundo ele, só poderão dar aulas de capoeiras quem for os profissionais de educação física. Nós estamos a fim de sensibilizar o Congresso, pois isso é um crime, porque a capoeira é mais que uma luta marcial, dança, é uma série de dimensões feitas por pobres capoeiras envolvidos ideologicamente. (…) Foi algo genial que o Brasil inventou, coisa de preto, e estamos nos mobilizando para evitar a aprovação da lei.

18) Raquel Rollo: Muitos editais ainda não foram pagos. Aproveito e leio a carta da Rede de Teatro de Rua Brasileira: “Já há oito anos, divulgamos, rebatemos, sentamos, exigimos ações concretas e efetivas pela arte pública e cultura do nosso país, já que o governo vergonhosamente vem sumindo ano a ano, para um estado de legitimação de falsa participação, de um falso programa de cultura brasileira. Cansamos e não vemos sentido em dialogar com o ministro da Cultura se as conversas sempre reclamam de faltas de verbas. (…) Endossamos esse caldo com professores, movimentos de moradia, saúde, trabalhadores, quilombola, indígenas, povos da floresta, LGBT, feministas etc. Não há como construir mais pautas, nos últimos oito anos já fizemos reuniões e cartas, resta pôr em prática”. Entre as demandas: editais com dotação orçamentária; fim da Lei Rouanet.

Juca Ferreira: A minha vinda não é uma enrolação, uma substituição pela falta de verbas. (…) Eu não acredito em política pública construída dentro de gabinete, foi assim que avançamos em políticas culturais. (…) O MinC existe para receber a demanda da população. Não estou querendo cooptar ninguém. (…) Não é verdade que faltando verba, o MinC não vai fazer nada. (…) Mesmo nos melhores momentos, o dinheiro nunca foi suficiente para todas as demandas. Mas desde que entrei no ministério (2002 a 2010), o orçamento subiu de R$ 237 mi para R$ 2,3 bi.

Guilherme Varella: Teve uma demora neste semestre, porque há já o atraso natural a pagar os editais, mas acho que gradativamente eles estão sendo pagos, ainda mais agora, porque o orçamento do ministério foi liberado na última semana.

19 e 20) Hércules Góes e Bruno Fracchia: A mudança da Lei Rouanet.

21) Lincoln Spada: Qual o desafio para ainda não mudar a Lei Rouanet desde 2008?

Juca Ferreira: A Lei Rouanet é uma enganação, a pessoa sai alegre com o crédito na mão e não consegue financiamento das empresas. (…) Todo mundo sabe sou o maior arqui-inimigo da Lei Rouanet, porque quando pedimos pro Ibge (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), os números foram escandalosos. Não é uma lei que dá suporte a política pública de cultura.

01Para o artista pedir o reconhecimento de poder usar a lei (em que empresas aplicam seus impostos em projetos culturais), o Ministério utiliza mais de 300 funcionários para avaliar a proposta e a prestação de contas, e quando a gente aprova, as empresas só tem interesse por aqueles que dão retorno de imagem, atores famosos de novelas, da Broadway.

A Lei Rouanet representa 80% do dinheiro que temos de fomentar a cultura. Isso não é só neoliberal, isso é um escândalo. Um ministro da Inglaterra quando viu os dados, disse que até lá seria impossível dar dinheiro público para construir a imagem das empresas. Isso é perverso. Boa parte do Norte do Brasil tem retorno de 0%. No Nordeste, por causa de Pernambuco e Bahia, 4%. Em Minas, 10%. No Rio e São Paulo, 80%. E aqui dentro, das capitais, são sempre os mesmos, 60% dos investimentos. (…)

03Tem instituições que pegam R$ 90 milhões, R$ 60 milhões, e não tem como proibir, porque ela foi criada na época do governo Collor, que queria privatizar os recursos públicos. Nós vamos mudar a lei para o Pró-Cultura, onde o dinheiro público (dos impostos) vão para um fundo público (movido por editais aos projetos artísticos). (…) Esperamos mudar a lei este ano, muitos senadores foram a favor da mudança. (…) Mas há no Brasil uma onda reacionária, que quer retroceder a política e que precisamos nos mobilizar.

22) Tarcísio de Andrade: O MinC defende que a gratuidade do transporte público pode fomentar o acesso à cultura?

23) Rodrigo Marcondes: Como iniciar o Sistema e Plano Municipal de Cultura.

[As duas propostas não foram contempladas em nenhum argumento]

*Lincoln Spada

No BondeCafé, Marcelo Araújo abre rumo da Cadeia Velha

Em visita a Santos, o secretário estadual da Cultura Marcelo Araújo deixou aberto o futuro da Cadeia Velha, a ser reaberta no último trimestre de 2015. Ele “se colocou a disposição de dialogar com a classe artística. Que o museu é apenas uma ideia que poderá agregar a outras iniciativas na Cadeia”, de acordo com o diretor teatral Platão Capurro Filho.

O artista santista conversou com o político durante a manhã desta sexta-feira, entregando à assessoria um flyer ‘Não queremos mais um museu’ e uma publicação impressa deste blog, apontando razões para o edifício não se tornar o Museu da Baixada Santista. Trata-se de um projeto já ventilado nas reuniões estaduais de conselho.

“Na sua fala ao público ele citou a conversa com o representante dos movimentos culturais presente na solenidade e ratificou o compromisso de dialogar com todos e encontrar soluções em conjunto”, complementou Platão nas redes sociais. Ele comenta que o secretário estava acompanhado do prefeito Paulo Alexandre Barbosa que, por sua vez, “apoiou a construção de um diálogo com a sociedade sobre o futuro Cadeia Velha e a possibilidade de torna-la multiuso”.

02As falas de ambos ocorreram no lançamento do BondeCafé, veículo turístico que é o resultado de convênio técnico entre a Prefeitura, CET e Instituto de Preservação e Difusão da História do Café e da Imigração. Aliás, a entidade é justamente a que a reportagem de A Tribuna apontou que trata em gerir futuramente a Cadeia Velha enquanto Museu da Baixada Santista.

BondeCafé

O BondeCafé faz parte das comemorações dos 469 anos de Santos. Trata-se de um veículo elétrico italiano dos anos 50 (prefixo 3265) adaptado com 24 lugares, ar-condicionado, cafeteria, acesso para pessoas com deficiência, sistema multimídia e espaço para degustação de café e exposições itinerantes.

O transporte funcionará na temporada de verão de terça-feira a domingo, das 12 às 17 horas, com saídas a cada 30 minutos. O bilhete será mantido em R$ 6,00, e o valor dará direito a uma xícara de café.

A adaptação custou R$ 85,5 mil, todo custeado pelo instituto em parceria com Poder Público. O convênio prevê também o treinamento de jovens selecionados pela Secretaria de Assistência Social (Seas) no Programa Novo Rumo, para atuar como baristas.

Fonte do Sapo recebe teatros e show natalinos nesta semana

O projeto Natal Cultural 2014 apresenta espetáculos gratuitos nesta quinta-feira (11), sexta (12) e sábado (13), sempre às 20h, na Fonte do Sapo (orla da Aparecida), em Santos. O evento visa incentivar a produção artística local, destacando trabalhos com temática natalina.
Nesta quinta-feira (11), a Bella Cia. exibe Me conta vai, espetáculo de contação de histórias dirigido por Plínio Soares, que busca resgatar os valores e as formas como os adultos brincavam na infância.
Na sexta (12) será a vez do projeto Mensagens de Natal, realizado pelo músico e produtor cultural Fábio Luiz Salgado, que apresenta diversas composições natalinas em show instrumental.
Os atores e músicos André Nunes, Diego Alencikas e Rafael Palmieri exibem no sábado (13), a montagem Os Trigêmeos Magos, com direção de Platão Capurro Filho. Na peça, os artistas tocam instrumentos, cantam e contam, de forma bem humorada, a história do nascimento de Jesus.
*A Tribuna On-Line