Arquivo da tag: reforma

Revista Relevo entrevista ex-secretário de cultura de Cubatão, Welington Borges

Por Lincoln Spada

Recentemente, o ciclo do servidor municipal Welington Borges foi completado à frente da Secretaria de Cultura de Cubatão. Ele assumia a função desde 2010. Autor e coautor de livros históricos (desde Afonso Schmidt até a construção da Avenida 9 de Abril), Welington já trabalhou no Arquivo Municipal e em programas para crianças e adolescentes nos anos 80 e 90.

Nos anos 2000, foi o responsável pela Biblioteca e Arquivo Histórico, além de coordenador da criação do Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural, órgão em que presidiu até 2011. Historiador com pós-graduação em meio ambiente e turismo, já enquanto secretário de Cultura, ele também interinamente em 2012 assumiu a pasta de Turismo. Em entrevista pessoalmente à Revista Relevo, Welington avalia sobre a atuação da Secretaria da Cultura nestes últimos sete anos.

Durante a atual gestão, foi criado o Cubatão Danado de Bom, que teve a sua periodicidade mediada pela Lei Rouanet. Por que a busca por esse incentivo fiscal e qual o legado do festival para a cidade?

c5Bem, foram quatro edições do Cubatão Danado de Bom, e só a última teve apoio via Lei Rouanet, as demais foram com apoio direto das empresas locais. E, de certa forma, sempre há recursos da própria prefeitura. O evento tem como objetivo sempre valorizar a cultura nordestina, atento em como valorizar a população, o munícipe de origem nordestina, bem mais do que necessariamente atrair turistas.

Além de não ser um evento isolado no calendário, mas de ter o assunto também trabalhado nas escolas durante o ano. Em todas as edições, temos artistas locais, e homenageamos moradores que são nordestinos. Penso que o evento já se consolidou, é uma marca da prefeitura, e se houver interesse do próximo governo, já tem todas as condições de ser realizado com investimento direto ou leis de incentivo da indústria local.

Em 2011, houve a entrega do Novo Anilinas, e desde então, há uma série de ações do Poder Público ou da comunidade por lá, como concertos, cinema, teatros e afroempreendedorismo. Como avalia o parque como espaço de formação de público e neste trimestre ainda são estimadas outras intervenções públicas no espaço, como o cine-auditório no Centro Multimídia?

c1O Parque Anilinas é uma opção de lazer da cidade desde 1979, sempre tendo espaço para os esportes e artes. Quando o governo previu a sua reconstrução, concedeu um espaço privilegiado para a cultura como o centro multimídia. A cidade não tinha salas de cinema há 10 anos. Agora, são duas salas de cinema, salas para oficinas, o vão cultural, tudo concentrado num mesmo espaço.

Neste centro cultural, também há a previsão da sala de teatro, de 350 lugares. Inicialmente seria um auditório, mas entendemos este novo uso para o local, que contou com apoio da própria indústria local, Já contamos com toda a estrutura cenotécnica, o que falta é a parte da acústica, adequações nos camarins e a montagem, por exemplo, já temos as poltronas. Não é possível entregar nesta gestão, mas, esperamos que o próprio governo consiga adequar o teatro, para que seja usado para espetáculos.

c6Principalmente nestes três anos, muitos coletivos culturais surgiram na cidade e passaram a realizar saraus e festas no Pinhal do Miranda, Jardim Casqueiro e Centro. Como a Secult observa esses eventos e as demandas apresentadas pelos participantes? Existe diálogo com esses grupos?

Com certeza. A gente conhece os coletivos e sempre procura ouvi-los e dialogar com eles, como também, oferecer apoio à medida do possível. Às vezes com estrutura de palco, às vezes com apoio logístico.

Cubatão é a cidade que mantém o maior leque de corpos estáveis, como coral, orquestra, banda sinfônica e corpo coreográfico. Qual é a importância desses grupos artísticos para o município e até que ponto os cubatenses se relacionam ou participam dessas organizações?

c7Os corpos estáveis são fundamentais para a cultura na cidade, uma vez, por exemplo, que a Banda Sinfônica existe há mais de 40 anos. São grupos que representam o município: a Banda esteve na Europa, o Coral Zanzalá já esteve em Nova York, a Cia de Dança da Sinfônica foi convidada para ir aos Estados Unidos. Além do mais, a maioria de quem participa dos grupos artísticos, coralistas, instrumentistas e músicos são oriundos da própria comunidade, e também há um intercâmbio com artistas que participam de orquestras e companhias do Brasil e do exterior.

Há 30 anos, discutem sobre a ativação do Teatro Municipal, a centralizar a agenda múltipla de artes cênicas. Desde então, a região já ganhou sete teatros públicos e Cubatão tem um espaço privado. Na visão da Secult, ainda há demanda para um novo teatro na cidade e como será a futura gestão do equipamento?

c8Recentemente, a Prefeitura apresentou um projeto de lei na Câmara de Vereador para conceder a uma ONG, uma instituição, a possibilidade de concluir a obra e explorar o prédio. Tenho certeza de que se pensar no prédio somente como um teatro, é muito difícil conseguir recursos financeiros para a sua manutenção.

Ali, talvez o caminho seja uma parceria, do teatro enquanto junto de uma escola, ou uma faculdade para melhor aproveitar o prédio. Bem, essa foi uma das propostas colocadas à época sobre o uso do espaço. Mas pensar que o Poder Público consegue manter e concluir o edifício, é muito improvável.

Se por um lado a atual gestão descentralizou espaços de leitura e acentua o legado de Afonso Schmidt, a Biblioteca Central ainda necessita de reforma. Que projetos a secretaria desenvolve hoje para o incentivo à leitura e como está a situação das bibliotecas da cidade?

c9Na verdade, a reforma da Biblioteca Central já foi concluída, a partir das adequações apresentadas no projeto técnico do edifício. O problema atual da biblioteca é o Auto de Vistoria do Corpo dos Bombeiros. Tudo que foi apontado pelo Poder Público, foi atendido, mas não era possível atender as primeiras adequações apresentadas pelos bombeiros.

É porque é um prédio da década de 30, e, ali, qualquer ação precisa ser bem pensada, para não descaracterizá-la enquanto patrimônio histórico. Nesta próxima semana, os bombeiros irão verificar o edifício e, se tiver uma avaliação positiva, solicitaremos o AVCB para o reabrirmos, se possível, ainda em dezembro.

A Baixada Santista corresponde a 1% do território estadual, mas 6% dos espaços museológicos, de acordo com o Governo Estadual. O secretário já presidiu o Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Cubatão, o Condepac. Como a Secult hoje observa a relação com o conselho e houve avanços na preservação da memória da cidade?

c9aO Condepac está em época de mudança de mandato e logo precisará fazer as convocações. Já que a administração está no fim de mandato, talvez seja adequado esperar o novo governo, que pretenderá indicar os seus representantes no conselho, para reativar seus trabalhos.

O Condepac foi criado em 2003, à época presidi a comissão que o instituiu e, depois, presidi o conselho até 2010. Houve muitos avanços, e o Condepac cumpre bem o seu papel, no tombamento de patrimônios, enquanto consultado em intervenções em áreas próximas de tombamentos, em bastante diálogo e respeito pelos órgãos da Prefeitura, do Ministério Público e da sociedade.

Nesta década, a Secult foi uma das maiores defensoras das políticas culturais, articulando encontros e seminários à comunidade artística. Mas como está hoje o panorama do conselho de cultura, fundo de incentivo, e as leis do Sistema e do Plano Municipal de Cultura? Quais foram as maiores conquistas ou entraves da gestão nesta articulação?

Então, não temos o Plano Municipal de Cultura. Já o conselho está desativado. Há dois aos, nós fizemos uma proposta parar mudar a lei, a fim de corresponder com o formato indicado pelo Ministério da Cultura [como Conselho Municipal de Políticas Culturais], mas não foi muito bem entendido por alguns artistas. Por exemplo, a questão paritária, pois até então o conselho só tinha dois membros do Poder Público.

O que pode parecer a princípio como forma de cercear os artistas no debate, na verdade é porque surgiam várias discussões sobre recursos orçamentários, questões jurídicas, e as secretarias de planejamento, de assuntos jurídicos, não estavam representadas no conselho, como também outras essenciais, como educação e comunicação.

Bem, essa modernização foi aprovada agora, com algumas alterações de emendas na Câmara, mas o conselho vai passar a vigorar em janeiro de 2017 conforme a legislação. Até por isso, o fundo que foi criado em 2013, deve ser efetivado agora no novo governo, já que o conselho gestor conta com participação e acompanhamento dos conselheiros de cultura.

 

Reforma em Biblioteca de Itanhaém trará modernidade nas atividades

A Biblioteca Municipal Poeta Paulo Bomfim passa por reforma estrutural com o intuito de transformar o ambiente em um espaço moderno e inovador para a realização das atividades culturais ofertadas gratuitamente à população. Referência em biblioteca ativa, Itanhaém recebe grandes programas de incentivo à leitura como, por exemplo, ‘Viagem Literária’, saraus e lançamentos de livros. Durante este período de obras, os funcionários atendem o público no antigo anexo fiscal, atrás do prédio da Biblioteca.

Os investimentos incluem a instalação de aparelhos de ar-condicionado, reforma dos banheiros e rampa para acesso universal (acessibilidade), restauro das paredes, pintura geral e a substituição de fiação elétrica e forro. A Biblioteca conta com um acervo de aproximadamente 50 mil exemplares. O local recebe pessoas para consultas, empréstimos de livros e estudos. A previsão é que Biblioteca Municipal seja entregue à população no primeiro semestre de 2016.

MODERNO

O ambiente será modernizado com investimentos em novos livros, compra de estantes, expositores, armários, mesas, cadeiras, balcões, microcomputadores, notebooks, teclado braille, scanner, impressora colorida, mini impressora térmica de cupom, leitor de código de barras, HD externo portátil e microfones sem fio.

*Prefeitura de Itanhaém

 

Ministério da Cultura não será cortado na reforma, afirma jornal

A pasta do Ministério da Cultura (MinC) não se tornará em secretaria vinculada ao Ministério da Cultura na nova reforma política a ser anunciada nesta sexta-feira (dia 2). A notícia foi veiculada no blog do jornalístico UOL, do cientista político Fernando Rodrigues.

O jornal O Globo veiculou no dia 3 de setembro uma proposta do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, de retirar da Cultura o status de ministério. A notícia gerou cartas de protesto em várias entidades, redes e coletivos artísticos, como o Movimento Teatral da Baixada Santista.

“Pressões políticas impediram também de eliminar pastas como o Ministério da Cultura (que inicialmente seria agregado ao Ministério da Educação, como já foi no passado). A reação de artistas e intelectuais, um grupo sobre o qual o PT ainda têm certa ascendência, impediu a operação”, aponta Fernando Rodrigues.

Pouco orçamento

Embora a produção cultural gere 5% no oceano do PIB nacional, o Poder Público restringe os investimentos no setor artístico em todas as marés. No plano federal, o MinC tem R$ 2,6 bi – um valor alto à primeira vista, mas alcança 0,1% do orçamento total da União. No primeiro semestre, a crise econômica fez com que o Governo reduzisse em cerca de 30% do orçamento do MinC.

A Relevo volta

A Revista Relevo volta às suas atividades no próximo dia 5.

*Lincoln Spada

 

Em Santos, galerias de arte passam por reforma

A Galeria de Arte Braz Cubas e seu Espaço Vip, no 2º andar do Centro de Cultura Patrícia Galvão (Av. Sen. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias), recebem reforma para a recuperação do sistema elétrico e substituição da iluminação. As obras, que tiveram início na última segunda-feira (10), estão orçadas em R$ 25 mil, provenientes de emenda parlamentar do vereador Sandoval Soares.

“Nesta fase iremos modernizar o espaço, trocando o forro, refazendo a fiação e substituindo a iluminação antiga por lâmpadas de led. A ideia principal é deixar a casa em perfeito estado para voltarmos a realizar as famosas bienais de artes de Santos”, declara o coordenador de Museus e Galerias da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), Gustavo Klein.

Durante o período de obras, as exposições ocorrem na Galeria de Arte Patrícia Galvão, no 3º andar do Centro de Cultura. A galeria Braz Cubas tem previsão de reabertura no mês de outubro, com a exposição do arquiteto, cenógrafo, figurinista, carnavalesco e artista plástico Ademir Fontana.

*Prefeitura de Santos

 

Teatro Vitória receberá manutenção contra incêndio

O Teatro Vitória receberá a aplicação de um verniz contra incêndio, como parte das ações de melhorias realizadas no local pela Prefeitura de Limeira. O serviço, realizado na parte do teto, começou a ser executado nesta segunda, 13 de julho, e será concluído em 4 de agosto. Nesse período, não haverá espetáculos e apenas o departamento administrativo continuará funcionando, das 9h às 18h, de segunda a sexta-feira. Em agosto, o teatro receberá apresentações da Orquestra Sinfônica de Limeira, com o especial U2, e o Festival Nacional de Teatro.

O trabalho de manutenção no Teatro Vitória começou em janeiro, quando houve a renovação das instalações elétricas e a troca de luminárias em todos os espaços do teatro, incluindo camarins e banheiros. Também foram substituídas as caixas de força e instaladas luzes de sinalização na plateia.

A programação do Teatro Vitória pode ser acompanhada pelo site da prefeitura http://www.limeira.sp.gov.br/pml/secretarias/cultura. Informações pelo telefone 3451-6679.

*Prefeitura de Limeira

 

Dia 25 será reinaugurado Teatro Procópio Ferreira de Guarujá

O último capítulo para a reabertura do Teatro Procópio Ferreira em Guarujá será no dia 25 de abril. A data foi anunciada pelo secretário municipal da Cultura, Odair Dias Filho, à repórter Mayara Rached da Rádio CBN Santos, nesta quinta-feira (16/abr). “É um teatro novo e moderno e (…) com condições de receber espetáculos de circulação nacional”, garante. O anúncio dependia do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) e da agenda política do município.

>> Duas versões para a recusa do AVCB ao Teatro
>> Teatro estava previsto para reabrir em janeiro

Fechado há quatro anos, o teatro estava com a reforma praticamente concluída em janeiro com recursos municipais (R$ 1 mi) e estaduais (R$ 1,7 mi). Em fevereiro, o auto foi negado pelos bombeiros. De acordo com a Administração,  a recusa era por causa da altura do corrimão entre a sonoplastia e as poltronas da sala do espetáculo. Outra versão era sobre problemas relacionados à caixa d’água e equipamentos de som.

Revitalização

Agora, o teatro com 440 lugares terá no auditório: barras, rampas, além de reforma no foyer, aumento de dois para quatro camarins, alterações na Galeria de Arte Wega Nery, no telhado, forro, assoalho, sistema de acústica, ar-condicionado redes elétrica e hidráulica. Trata-se da primeira revitalização desde que o centro cultural foi inaugurado em 15 de dezembro de 1979. O teatro funciona na Av. Dom Pedro 1º, 350.

Duas versões para a recusa do AVCB ao Teatro Procópio Ferreira

O Corpo de Bombeiros negou o auto de vistoria ao reformado Teatro Procópio Ferreira, em Guarujá no último dia 10. Dois jornais da região destacaram duas versões para a recusa que, segundo nota da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, “A previsão para a emissão do AVCB depende da celeridade do solicitante no atendimento às correções a serem executadas”. Uma questão de até cinco dias após a próxima visita.

A recusa de acordo com o jornal A Tribuna se deve à altura do corrimão entre a sonoplastia e as poltronas da sala do espetáculo. De acordo com o vice-prefeito e secretário de Infraestrutura e Obras, Duíno Verri Fernandes, o fiscal “achou que não se trata de um corrimão, e sim de um obstáculo (de passagem)”. Ele foi instalado seguindo todas as instruções técnicas de engenharia: na altura de 92 centímetros. Mas o bombeiro teria interpretado como uma guarda interna, e, portanto, acima de 1,05 metro.

0Segundo o Diário do Litoral, a versão apurada extraoficialmente e negada pela Prefeitura e Bombeiros seriam problemas relacionados à caixa d’água e equipamentos de som, algo já indicado pela fiscalização na vistoria de janeiro. A prefeitura confirmou a este jornal que “já realizou as adequações solicitadas (…) e aguarda a vistoria para liberação do AVCB”.

Ao mesmo tempo, a reinauguração não tem data definida por causa da agenda do governador estadual Geraldo Alckmin, da atriz Bibi Ferreira e de outros convidados pela administração municipal. Inaugurado em 1979, o único teatro da Cidade está fechado desde 2011.

Reforma

Agora, o centro cultural com 440 lugares terá no auditório: barras, rampas, além de reforma no foyer, aumento de dois para quatro camarins, alterações na Galeria de Arte Wega Nery, no telhado, forro, assoalho, sistema de acústica, ar-condicionado redes elétrica e hidráulica.

*Lincoln Spada