Arquivo da tag: teclado

Último dia de inscrições virtuais para os cursos gratuitos da Fábrica Cultural

Por Secult Santos

Quem deseja fazer um dos 34 cursos de artes gratuitos disponibilizados pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult) deve correr. Nesta sexta-feira (15) termina o prazo de inscrições para novos alunos. Os interessados devem preencher os campos obrigatórios no https://egov.santos.sp.gov.br/fabricacultura, além de atender os pré- requisitos de cada modalidade. Informações: 3202-3568 e 3202-3570.

Em sua primeira etapa, a programação do Fábrica Cultural 2019 oferece cursos em artes visuais (desenho e pintura); balé clássico, moderno e contemporâneo; balé para adultos e 3a Idade; capoeira; coral canto livre; danças de salão, em cadeira de rodas, esportiva, latinas (axé retrô, ritmos brasileiros e zumba) e urbanas (dança de rua interativa infantil, K-pop e zumba); mangá; piano; teatro infanto-juvenil e para adultos; teclado; viola; violão; violino.

 

Fábrica Cultural abre matrículas virtuais para cursos artísticos gratuitos

Por Secult Santos

Desenvolvido pelo Departamento de Formação e Pesquisa Cultural (Deforpec), da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), o projeto Fábrica Cultural abre neste sábado (9) as inscrições para novos alunos em diversos cursos gratuitos, que oferecem mais de 2 mil vagas. As atividades ocorrem em vários pontos da Cidade, nas áreas de artes cênicas, artes visuais, artes integradas, música e dança. Os interessados devem preencher os campos obrigatórios no site https://egov.santos.sp.gov/fabricacultural, além de atender aos pré-requisitos de cada modalidade. A inscrição deve ser feita até o próximo dia 15.

Ao término do processo de inscrição digital, o site vai gerar um protocolo com o endereço do local onde o aluno deve se apresentar antes do início das aulas, que têm previsão de início a partir do próximo dia 18. Para confirmar a matrícula é obrigatório comparecer no local informado portando RG (original e cópia), comprovante de residência de Santos e uma foto 3×4.

A idade mínima e máxima para se inscrever pode variar de acordo com o curso. Para as inscrições de menores de 18 anos é necessário informar e apresentar os documentos (RG ou Certidão de Nascimento) do aluno e de seu responsável legal, que também deve comparecer à secretaria para efetivar a matrícula.

Candidatos às atividades de dança devem entregar, durante o processo de confirmação da matrícula, atestado médico que indique aptidão física para a modalidade. Não será permitido o início no curso sem a apresentação do documento. Outras informações podem ser obtidas pelos telefones 3202-3568 e 3202-3570.

Cursos

Em sua primeira etapa, a programação do Fábrica Cultural 2019 oferece cursos em artes visuais (desenho e pintura); balé clássico, moderno e contemporâneo; balé para adultos e 3ª Idade; capoeira; coral canto livre; danças de salão, em cadeira de rodas, esportiva, latinas (axé retrô, ritmos brasileiros e zumba) e urbanas (dança de rua interativa infantil, K-pop e zumba); mangá; piano; teatro infantojuvenil e para adultos; teclado; viola; violão; violino.

> Centro de Cultura Patrícia Galvão (Av. Sen. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias)
Capoeira (150 vagas), Dança de salão (320), Danças latinas (axé retrô, ritmos brasileiros e zumba, 350), Danças urbanas (dança de rua interativa infantil, K-pop e zumba, 200)
> Centro Cultural da Zona Noroeste (Av. Afonso Schmidt, s/n°, Areia Branca)
Balé clássico (80 vagas), Balé moderno e contemporâneo (75), Balé clássico para adultos e 3ª Idade (30), Dança do ventre (50), Danças urbanas (dança de rua interativa infantil, K-pop e zumba, 30), Mangá (20), Teatro (infantojuvenil e 3ª Idade, 80)
> Centro de Atividades Integradas (Cais) Milton Teixeira (Av. Rangel Pestana, 150, Vila Mathias)
Balé clássico para adultos e 3ª Idade (110 vagas), Coral canto livre (30), Dança de salão (100), Dança em cadeira de rodas (50), Dança esportiva (50), Desenho (26), Mangá (60), Piano (20), Pintura (10), Teatro (infantojuvenil, 75, e para adultos, 60), Teclado (30), Viola (10), Violão (210), Violino (35)
> Centro Turístico, Esportivo e Cultural do Morro São Bento (Av. São Luís, s/n°)
Balé clássico (40 vagas), Violão (40)
> Biblioteca Plínio Marcos (Praça das Palmeiras, s/n°, Caruara)
Escultura (45 vagas)

 

Entrevista: ‘Tem rock na praia’, garante Carol Germano da Music Box

Entre uma aula de canto lírico e planos para novas gravações, a jovem cantora Carol Germano, comentou em entrevista ao blog um pouco mais da sua carreira. Aos 21, a moça de Praia Grande embarca nos últimos quatro anos no sonho de ter uma própria banda autoral: a Music Box.

Com o violão ao lado, ela divide o palco com Percy Castanho (Voz e Guitarra), Luiz Ramos (Teclado e Voz), André Ricardo (Baixo) e Bruno Soares (bateria). Assim, a ruiva coleciona milhares de espectadores, seguidores e, mais recentemente, até um fã clube. Neste bate-papo, aproveita para falar de suas experiências pessoais com a música.

Isso vai desde os puxões de cabelos dos fãs até o apoio imprescindível da família: “Quem está de fora pode achar impressionante os pais permitirem uma filha abandonar a faculdade, mas eu sou muito focada e meus pais enxergaram que eu não estou solta no mundo e sim, ralando como em qualquer outra profissão”.

Carol, você já dava canjas por aí nas casas de Praia Grande antes de entrar no Music Box em 2011. Você se lembra do instante em que fez o primeiro show? Como você estreou no microfone, lembra-se do repertório?

04Desde que nasci frequento bares, baladas e videokês com meus pais. Ouvi shows quando estava na barriga da minha mãe (risos). Então, já tinha amizades com músicos, já conhecia as bandas da região. Nos primeiros shows, eu ficava bem ansiosa, corria atrás, meus pais também me ajudavam e meus amigos que tocavam violão comigo.

Era bem novinha, mas nunca fui muito tímida e desde muito pequena eu canto em videokê, então, o lance de estrear o microfone não foi tão difícil. Me lembro que o repertório era bem mais light cantava Ana Carolina, Cássia Eller, até tinha uns AC/DC, mas era baseado na MPB.

Embora faça vocal, o violão já te acompanha de longa data. Como surgiu esta aproximação e ainda tem rotina de ensaios individualmente?

03Na verdade, como eu disse, eu comecei cantando em videokê, foi lá que eu percebi que gostava daquilo. Só com uns 12 anos fui estudar violão, gostei muito e na escola também tinha aula de canto. Logo em seguida iniciei também esse curso. Bem, desde então corro sempre atrás de treinar, estudar, ensaiar.

Eu dou aulas de canto atualmente, mas não parei de estudar, tenho minha professora de canto popular, tenho minha rotina de estudos e assim segue a batalha. Hoje mesmo iniciei aulas de canto lírico, acho fantástico e nunca estudei essa área. A primeira aula foi hoje [dia 4] e gostei logo de cara.

Enfim, de repente, eis o convite em montar a Music Box. Como você conheceu a antiga banda dos outros músicos a ponto de criarem a atual Music Box? Pode descrever como surgiu o convite?

Eles tocavam muito num bar na rua da minha casa e como eu sempre ia lá com meus pais e amigos, acabei fazendo amizade com eles. De repente já estava lá no palco dando canjas com eles. Me lembro que cantava Bon Jovi, Guns N’ Roses e Janis Joplin. A amizade foi crescendo, eles enxergaram que eu poderia mandar ver e cá estamos. Parece bastante com a história do filme Rockstar, que por sinal eu adoro.

Seus pais já te incentivavam a cantar na adolescência, da mesma forma, que o pai do Percy também tem longas histórias ao tocar com artistas da Jovem Guarda. Qual é o papel da sua família na sua escolha da carreira e que conselho eles dão a você no dia a dia?

05Meus pais vieram de família muito humilde, muito simples, minha mãe de Santos mesmo e meu pai do Ceará. Eles cresceram na vida batalhando e suando a camisa e hoje temos uma vida feliz e confortável. Acompanhando a história delas, já dá pra tirar bastante lição de vida. Eles me incentivam, vão aos shows e ainda fazem a maior propaganda minha e da banda, isso foi e é tão bom, nada melhor do que fazer o que ama e ter total apoio disso.

Assim como meus pais, eu não fiz faculdade, tranquei duas. Acho extremamente importante cursar uma faculdade, mas eu batalhei tanto em conjunto com a banda para virar cantora, professora de canto e ter uma agenda cheia de shows que o tempo ficou curto pra uma faculdade no momento.

Quem está de fora pode achar impressionante os pais permitirem uma filha abandonar a faculdade, mas eu sou muito focada e meus pais enxergaram que eu não estou solta no mundo e sim, ralando como em qualquer outra profissão.

A banda tem influências do rock nacional e internacional, de Queen e Beatles até Janis Joplin e Rita Lee. Mas, cá entre nós, quais são os cinco músicos que não saem da sua playlist?

Escuto bastante esses rocks e outros que a gente toca, como System of a down, Foo Fighters e tal, mas na minha playlist não pode faltar Joss Stone, Donavon Frankenreiter, Ella Fitzgerald, Etta James, Aretha Franklin.

Nestes quatro anos, vocês já conseguiram percorrer o Rio Grande do Sul e São Paulo. Mas e aquele show de 2013 que vocês embalaram 70 mil pessoas abrindo O Rappa, Chimarruts e Aliados em Santo André? Ou até mesmo, recentemente, abrindo a Virada Cultural em Santos? Pode descrever estas duas experiências desde a preparação até estar diante do público?

02Tocar para essa galera toda é animal. É o que a gente mais quer, lotar shows e levar a galera pra cantar e curtir nosso som com a gente. Nesses shows nós tocamos as nossas músicas e separamos alguns covers de bandas que nos influenciam pra tocar também. Tem vezes que a gente pergunta nas redes sociais qual cover ou qual autoral a galera quer curtir num determinado show.

Em Santo André em 2013 foi uma baita experiência, tínhamos acabado de lançar nosso primeiro EP, foi um dos maiores palcos e públicos que tocamos e até hoje a galerinha que foi no show é bem fã nossa. Quando eu desci do palco, fui para a área técnica que separava o palco do público e as pessoas queriam comprar CDs, tirar fotos, tirar um pedaço do meu cabelo vermelho. Foi uma das primeiras amostras gigantescas de carinho com o público como banda autoral.

Na Virada Cultural foi um convite e tanto poder participar deste mega evento em nossa cidade natal. Ver a galera cantando nossas músicas em plenos pulmões é sempre impressionante, dá um gás pra que a gente continue tocando, produzindo. Sem pensar na mídia da região que fez o maior auê pra gente, fomos parar em TVs, revistas, jornais e aparecemos por aqui no blog também. Esse prestígio e valor da galera de casa é muito importante pra gente se sentir sempre acolhido.

No repertório, a Music Box já lançou EP e compôs músicas autorais, sendo a mais recente ‘Ainda estou de pé’. Estão planejando alguma nova turnê ou single para este semestre? Aproveitando, com estas canções, o que a banda quer propor ao público?

Já vamos entrar em estúdio novamente e produzir novas músicas, temos algumas coisas prontas, mas botar a máquina pra criar mais é muito bom e pode sair coisas melhores ainda. Recentemente ganhamos um fã clube de presente de uma galerinha muito legal, a Carla, a Mands e o Daniel.

06Chama-se ‘Nosso Tempo Começou’ e vamos tentar ficar mais próximos da galera que curte a gente através ele. Quem se cadastrar no site vai ganhar material exclusivo, vamos sortear um violão, uma bike do Ozzy, vai rolar ‘Meet and Greet’ etc. Estamos planejando o possível pra retribuir todo o carinho que nossos fãs têm com a gente através do fã clube.

Sobre as nossas músicas, a gente quer fazer o que a gente gosta. Desde o início a gente faz o que a gente gosta e sempre deu certo, a galera sente que a energia é boa, que é verdadeiro, que tem amor naquilo. Nas letras a gente fala da nossa praia, da nossa região, de amor, de situações da vida com algumas frases de incentivo.

A música no Brasil tá muito perdida, são feitas pra dançar e rebolar e não pra passar uma mensagem, sentimento, reflexão. É maior legal dançar também e tem espaço pra todo mundo, mas o rock brasileiro precisa ser alimentado. A gente vai levar nosso rock popular brasileiro pra todo mundo. Nós somos do rock, tem rock na praia, Brasil!

*Lincoln Spada

 

Inscrições para cursos da Casa da Música de Itanhaém começam dia 20

A Casa da Música de Itanhaém realizará a partir do dia 20 de julho, das 8 às 17 horas, as inscrições para as Oficinas Culturais que oferecerão vagas para oito opções de cursos: guitarra, violão, piano, contrabaixo elétrico, desenho e pintura, canto coral, bateria e teclado. Os interessados deverão comparecer à sede das aulas, na Rua Oscar Pereira da Silva, 202, no Belas Artes.

Os interessados deverão estar munidos de cópias do RG, do comprovante de residência, uma foto 3X4 e 1 kg de alimento não-perecível. Vale ressaltar que para cada dia haverá um curso diferente.

Na segunda-feira (20), serão realizadas as inscrições para canto coral, bateria (vagas para manhã) e teclado (vagas para a tarde). Já na terça-feira (21), as oportunidades serão para as aulas de piano e desenho e pintura. A quarta-feira (22) será destinada aos cursos de guitarra, violão e contrabaixo elétrico.

*Prefeitura de Itanhaém

 

Inscrições para Casa da Música começam dia 6

A partir do dia 6 de abril estarão abertas as inscrições para as Oficinas Culturais do 1º semestre da Casa da Música. Os interessados deverão comparecer das 8 às 17 horas, na Rua Oscar Pereira da Silva, s/nº, no Belas Artes. Para cada curso, há um dia diferente para inscrição.
As vagas são para aulas de: trompete, bateria, teclado, piano, canto coral adulto, juvenil e infantil; desenho e pintura; guitarra; violão; contrabaixo elétrico e percussão. Só será permitido fazer dois cursos, sendo um da Oficina Cultural (violão, contrabaixo elétrico, bateria, teclado, piano e guitarra), e um da Banda Marcial (trompete e percussão).

No ato da inscrição é necessário levar um quilo de alimento não-perecível (exceto sal e açúcar), cópias do RG e do comprovante de residência, além de 1 foto ¾. As aulas têm início no dia 13.

Confira a tabela com os dias de cada curso:
06/04 – Trompete, Bateria e Teclado;
07/04 – Piano, Canto Coral Adulto, Juvenil e Infantil e Desenho/Pintura;
08/04 – Guitarra, Violão, Contrabaixo elétrico e Percussão.

*Prefeitura de Itanhaém

 

Cultura abre novas vagas do ‘Educando para a Cidadania’

Após a realização da rematrícula dos cursos do projeto ‘Educando para a Cidadania’, a Prefeitura de Bertioga, por meio da Secretaria de Turismo, Esporte e Cultura, informa que está realizando a matrícula para novas vagas nos cursos de ballet, piano, teclado, coral, criatividade, artesanato, pintura, idiomas (Inglês e Espanhol) e dos instrumentos de cordas e sopro para os dois polos culturais, um que fica na Casa da Cultura e outro em Boracéia.

Os interessados devem se dirigir à Casa da Cultura (Avenida Thomé de Souza, 130 – Centro), das 9 às 17 horas; ou ao Espaço Cidadão-Boracéia (Rua José Costa, 138), das 14 às 17 horas, com duas fotos 3×4, comprovante de residência, cópia do documento de identificação (RG ou Certidão de Nascimento) e se o aluno for menor de idade, cópia documento de identificação do pai/mãe ou responsável legal.

*Prefeitura de Bertioga

 

Fábrica Cultural abre 3 mil vagas para cursos em Santos

Formar novos artistas de todas as idades e em todas as regiões de Santos. Esta é a meta do programa Fábrica Cultural, da prefeitura de Santos, que abre inscrições dia 23 de fevereiro para preencher 3 mil vagas em cursos de formação e oficinas livres em artes cênicas, visuais, dança e música. As aulas acontecem no Centro de Atividades Integradas de Santos (Cais) – Vila Mathias e nos outros três Portos de Cultura que funcionam nos Centro Cultural da Zona Noroeste, no Centro Cultural do Morro São Bento e no Caruara.

“No ano passado, cerca de 1 mil pessoas foram beneficiadas em nossos cursos. Em 2015, ampliamos a oferta para 25 cursos e um total de 2.735 novas vagas. Somados aos mais de 200 alunos que fizeram rematrícula, atenderemos mais de 3 mil pessoas. E de acordo com a procura, podemos abrir mais vagas já no segundo semestre”, argumenta o chefe do Departamento de Formação e Pesquisa Cultural, Murilo Netto.

02A maioria das opções oferecem formações em 3 anos. Entre os cursos mais procurados e que oferecem grande quantidade de vagas estão os de Violão (220), Violino (55), Artes Visuais (135), Teatro (210 vagas), Dança de Salão (550) e Mangá (90).

Entre os novos cursos oferecidos, está o de Teoria e Percepção Musical, que era uma matéria exclusiva para alunos matriculados nos cursos de música, e agora passa a ter vagas para a população em geral. “Era uma reivindicação antiga de artistas que desejam aprimorar os estudos na área”, complementa.

01Podem se inscrever crianças a partir de 7 anos e adultos, sem limite de idade. Com 7 e 8 anos, os alunos iniciam programa pelo curso de Artes Integradas, onde aprendem noções básicas de todas as áreas culturais. A partir dos 9 anos, é possível escolher um dos cursos ou oficinas específicas. Em outros casos, como pintura em tela e canto, a idade inicial é 14 anos.

As inscrições estarão abertas entre os dias 23 e 27 de fevereiro (segunda à sexta), das 9 às 19 horas, no Cais Vila Mathias (Avenida Rangel Pestana, 150) e nos portos de cultura (confira a tabela abaixo). Os documentos necessários são: RG ou certidão de nascimento (original e cópia), cópia do comprovante de residência e uma foto 3×4. Para os cursos de dança, é necessário apresentar também um exame de aptidão física. Mais informações pelo telefone 3202-3570.

Portos de Cultura

03Em breve, os três espaços descentralizados nos morros, na zona noroeste e na área continental, abrirão mais vagas e novos cursos. Em Caruara, nos próximos meses, a população ganhará um novo espaço, ao lado da biblioteca, que será adaptado para receber aulas de dança e música. Para os próximos anos, a tendência é multiplicar as vagas oferecidas nos Portos de Cultura, quando serão entregues à população três novos equipamentos que estão sendo erguidos na Vila Nova, Vila Progresso e Morro da Penha.

Confira as novas vagas do Programa Fábrica Cultural em Santos:

Cais – Vila Mathias (Av. Rangel Pestana, 150)
– Artes Integradas: Desenho, teatro, dança e música (46 vagas);
– Artes Cênicas: Teatro (210 vagas);
– Artes Visuais: Artes visuais (122 vagas), Mangá (57); Bordado da Ilha da Madeira (5); e Pintura em tela na Pinacoteca Benedicto Calixto (15).
– Dança: Dança de salão (500 vagas), Zumba e ritmos brasileiros (280), Capoeira (100), Cirandança (100), Dança de rua interativa infantil (80), Dança com Marcelo Cirino (80), Balé clássico da terceira idade (50), Laboratório do movimento (20), Dança em cadeira de rodas (10), Dança esportiva (30);
– Música: Violão (160 vagas), Violino (55), Teclado (47), Violoncelo (32), Coral canto livre (30), Canto (25), Coral infanto-juvenil (20), Piano (17) e Viola (6).

Centro Cultural da Zona Noroeste (Av. Afonso Schmidt, s/nº, Areia Branca)
– Artes Visuais: Artes Visuais (15 vagas), mangá (10 vagas);
– Dança: Dança moderna e contemporânea (60 vagas), Balé clássico de até 8 anos (60), Balé clássico de 8 a 13 anos (48), Dança de salão (50), Dança de rua interativa infantil (50), Zumba (50), Capoeira (50) e Dança do Ventre (30);
– Música: Violão (40 vagas), canto (25) e coral (25).

Centro Cultural do Morro São Bento (Rua São Luís, s/nº)
– Artes Visuais: Mangá (10 vagas), Bordado da Ilha da Madeira (5);
– Dança: Balé Clássico (80 vagas);
– Música: Violão (20 vagas).

Caruara – Biblioteca Plínio Marcos (Praça das Palmeiras, s/nº)
– Artes Visuais: Mangá (10)

*Murilo Netto