Arquivo da tag: tep

TEP-Unisanta inicia festa de 50 anos com exposição até dia 28

Por Rodrigo Florentino

O Teatro Experimental de Pesquisas da Universidade Santa Cecília (TEP-Unisanta) iniciará as celebrações do seu 50º aniversário de criação com a abertura da exposição ‘TEP 50 ANOS’. Junto de uma sessão de curta-metragem, a mostra começou no último dia 11 e segue até 28/mar, na Galeria de Arte da Unisanta (R. Oswaldo Cruz, 277/Santos).

A exposição é composta por dois painéis de grandes dimensões criados pelo designer Rafael Branco, que mostram boa parte da trajetória do grupo, documentada por fotos de arquivo, material jornalístico e gráfico sobre suas principais montagens. Também há 50 fotografias de cenas de espetáculos realizados pelo grupo ao largo destes anos, clicadas por renomados fotógrafos. São eles: Antonio Abreu, Biga Appes, Delba Baraldi, Denise Braga, LF Mutti, Rafael Branco, Simone Soffredini e Tito Wagner.

Complementam a exposição 46 cartazes de espetáculos montados pelo grupo, criados em sua maioria pela designer Marcia Okida, e alguns figurinos e adereços, também de trabalhos da companhia, assinados por Lindalva Parorini e Gilson de Melo Barros. A exposição estará aberta ao público até o dia 28 de março, podendo ser visitada nos períodos da manhã e noite. Informações: Gilson de Melo Barros (99172-3122 e gilson61barros@hotmail.com).

O TEP-Unisanta

Criado no final dos anos 60 em plena ditadura militar, o grupo “sobreviveu” à história, passando por vários processos de criação em que se destacaram notáveis montagens teatrais, além de atividades audiovisuais que lhe valeram destaque em eventos cinematográficos. Viagens internacionais e prêmios em festivais locais, estaduais e nacionais também marcaram sua trajetória, tornando o grupo uma das referências do fazer teatral da nossa região.

Neste período, inúmeros artistas passaram pelo TEP . Entre eles, Toninho Dantas (agitador cultural), Domingos Fuschini (figurinista e maquiador) e Zéllus Machado (ator e animador cultural). Valiosas também, entre tantos outros que por seus quadros transitaram, as participações de Nanci Alonso (uma das fundadoras do grupo e criadora do GAPA/BS), Miguel Hernandez (ator de diretor teatral) e Marco Antonio Rodrigues (diretor teatral e ex- secretário de cultura de Santos).

 

TEP/Unisanta faz teste de elenco para nova peça ‘Oração aos Moços’

Por Gilson de Melo Barros

O Teatro Experimental de Pesquisas (TEP/Unisanta) realiza audição neste próximo domingo (10/fev), às 15h, para conformação de elenco para a sua próxima montagem, ‘Oração aos Moços’. O teste será na Rua Oswaldo Cruz, 266, sala D52. Não há necessidade de inscrição prévia.

‘Oração aos Moços’ é um discurso qualificado como um testamento político de Rui Barbosa. O político e diplomata reflete no discurso os seus 50 anos como jurista, como um pai que ensina aos filhos a partir de suas próprias experiências e reflexões. Neste caso, a prole seria a turma de Direito do Largo São Francisco que o convidara para ser paraninfo da formatura.

Impossibilitado por recomendação médica, em 1921, o texto foi lido por outro docente. Em suas palavras, aborda sobre a importância de não serem inertes, das diferentes classes, das desigualdades sociais, da necessidade da crítica, da relação entre trabalho e moralidade, da ética profissional, entre outros temas.

 

Ciclo de estudos do TEP conta com oficina de dança meditativa

Por TEP/Unisanta
.
No ciclo cítrico de teatro ‘O Corpo de Afrodite’, do Teatro Experimental de Pesquisas (TEP/Unisanta), acontece a oficina de prática corporal ‘Dança Meditativa’, de Samaa Hamraa. A atividade gratuita será neste sábado (21/out), das 10h às 12h, na universidade (Rua Oswaldo Cruz, 255, sala D52/Santos).
.
Samaa iniciou seus estudos na dança do ventre em 2005 e em 2008 começou a ministrar aulas. Em 2017 desenvolveu a dança meditativa, método de orientação no processo de autoconhecimento e autocura através dos movimentos da dança do ventre.
.
Um mergulho interior, resgatando, resignificando e liberando emoções e sentimentos e traumas, fazendo com que a dança meditativa tenha um resultado terapêutico. A consciência corporal obtida nos exercícios e passos de dança promovem o autoconhecimento, a atenção para o seu mundo interior, a aceitação de si mesma, o discernimento de separar o que vem da sua essência do que vem de fora e assim se libertar.
.
Ouvindo os próprios sentimentos, valorizando as próprias experiências e se assumindo como um ser único é possível entender em que parte do processo de liberação está para poder finalizá-lo de uma forma saudável. O grupo orienta que o aluno venha com roupa confortável para a prática corporal.

Arlaine Gomes ministra próxima oficina do projeto ‘O Corpo de Afrodite’

Por TEP/Unisanta
.
Celebrando seus 50 anos, o Teatro Experimental de Pesquisas (TEP/Unisanta) promove o ciclo cítrico de teatro ‘O Corpo de Afrodite – O feminino na arte’. Neste sábado, das 10 às 12h, será a vez do segundo módulo, com oficina gratuita de prática corporal na Universidade Santa Cecília (R. Oswaldo Cruz, 266, sala D52/Santos).
.
A atividade será ministrada por Alaine Gomes, que também abordará sobre discussões e práticas sobre o feminino na arte. A arte-educadora agrega valores na ação formativa, por seus conhecimentos de dança clássica às investigações desenvolvidas em sua permanência no Balet Stagium.
.
Ainda, em sua trajetória, teve contato Silvy Lagache e as teorias em voga que estudam o movimento como consequência da respiração, ligando-o à essência humana, como a Eutonia e o Ai Ki Do.

TEP/Unisanta estreia ‘Uma Condessa, Uma Cigana, e o Amolador de Facas’

“Depois de um longo tempo de pesquisa, de uma série de leituras dramáticas, chegamos não ao fim, mas sim a uma nova etapa de nosso processo”, diz o ator Tales Ordakji sobre a estreia do texto teatral ‘Uma Condessa, Uma Cigana, e o Amolador de Facas’, nesta quinta-feira (dia 30), às 20h30. O ingresso da montagem do TEP/Unisanta (Teatro Experimental de Pesquisas) será 1 Kg de alimento não-perecível, que será doado ao Gapa – Grupo de Apoio à Prevenção à Aids.

Em tom cômico, acentuado pela tônica melodramática adotada pela montagem, o espetáculo convida à uma reflexão sobre os limites entre a sanidade e a loucura, trazendo em si signos que possam nos remeter tais circunstâncias, além dos apontados pelo texto, como os denunciados pelos figurinos que alardeiam as paixões “insanas” e barrocas de Arthur Bispo do Rosário, as interpretações cubistas dos atores a se perder em labirintos urbanos, a maquiagem em tons de farsa criada pelo artista Fernando Pompeu, e a quase ausência de diálogos – concórdia – tão presentes nestes nossos tempos intolerantes.

A montagem traz entre suas premissas as idéias de rever a nossa história e a de homenagear os precursores do Rádio Santista, com acento especial à rádio novelista vicentina Ivani Ribeiro, cujo centenário de nascimento é celebrado neste ano. Ivani foi uma das primeiras mulheres no Brasil a escrever novelas para o rádio, uma verdadeira pioneira, tornando-se, através de sua reconhecida obra, referência para a nossa dramaturgia.

Para sua consequência, aborda uma série de vertentes do teatro contemporâneo, de forma a se estabelecer em uma narrativa não linear, onde os fatos se embaralham pelos labirintos das recordações, conformadas nos depoimentos dos atores em seus momentos de revelações.

FICHA TÉCNICA
Texto original e direção: Gilson de Melo Barros. Assistência de direção – Bárbara Brawn.
ELENCO: Silvio Roupa, Lindalva Parolini, Cícero Pinto, Gabriela Santana, Bárbara Brawn, Kleber Fernando, Daniel Sette, Tales Ordakji, Isabelle Aparecida.
CONSTRUTIVO: Fisiologia do movimento e Estônia – Arlaine Gomes Andrade Silva. Preparação vocal e Arranjos – Kleber Fernando. Maquiagem – Fernando Pompeu. Figurinos, Cenografia e Sonoplastia – O grupo / Laboratórios de Criação. Fotos – Denise Braga. Design gráfico – Márcia Okida. Secretaria – Tales Ordakji Divulgação – Valdirene Cler / ASSECOM Unisanta. Realização – Teatro Experimental de Pesquisas. Apoio Cultural e Logístico – Universidade Santa Cecília.

*Tales Ordakji

 

‘Negrinha’ entra em temporada na Vila do Teatro em junho

Nos dia 4 e 11 de junho, às 22h, na Vila do Teatro (Praça dos Andradas/Santos), a Cia do Imaginário estará em cartaz com o seu primeiro espetáculo, ‘Negrinha’. São somente 30 lugares por sessão e o interessado deve enviar uma mensagem na nossa página pra reservar a sua vaga: https://facebook.com/oficinadoimaginario/. A entrada é gratuita, e são aceitas as contribuições no chapéu. Em caso de chuva não terá espetáculo.

Adaptação do conto de Monteiro Lobato, a montagem, dirigida por Paula D’ Albuquerque, conta a história de Negrinha, uma criança nascida na senzala, que fica órfã aos sete anos. Sofrendo maus tratos e humilhações, ela se descobre ao ver pela primeira vez uma boneca, o que muda o rumo da história.

O enredo faz refletir sobre temas como escravidão, preconceito, direitos humanos, infância e dignidade. O espetáculo é encenado ao ar livre, com iluminação feita apenas pela luz das velas. Há uma interação sensorial dos atores e músicos com a plateia, trazendo o conto para uma reflexão atual, sempre através do campo lúdico.

Ficha:
Direção: Paula D’Albuquerque
Elenco: Nath Mendes Ribeiro, Hiran Araújo, Pri Calazans e Deia Oliveira
Música: Coral Lacteavia Consorte (Kelly Katayama, Eliane Fernandes, Gilson Francisco e Tatiana Selesco) e Sarah Antunes.
Figurinos: Gisele Bilotte
Artes Gráficas e comunicação visual : Betinho Neto
Apoio: Casarão Santa Cruz, TEP e Vila do Teatro

*Oficina do Imaginário

 

Confira a programação do FESTA 57 – Festival Santista de Teatro

Com o tema ‘Fomento’, o mais antigo festival de artes cênicas em atividade do Brasil, o FESTA 57 – Festival Santista de Teatro abre com o espetáculo gratuito da Caravana Tonteria com a atriz e cantora Letícia Sabatella ‘De Volta ao Centro’. A caravana é o grupo formado por Paulo Braga (piano), Fernando Alves Pinto (serrote, trompete, violão e voz) e Zéli Silva (contra-baixo). A apresentação será no dia 1º de setembro, às 20 horas, no teatro do Sesc, onde as entradas podem ser retiradas a partir das 12 horas do mesmo dia (Rua Conselheiro Ribas, 136).

Contando com músicos-atores, o show carrega um elemento dramático em suas interpretações, incluindo pequenas cenas entre as canções autorais e de Chico Buarque, Kurt Weill, Duke Ellington e Colle Porter. As melodias vão de jazz ao flamenco, do tango à rumba, reforçando um ambiente de cabaré itinerante que roda pelo país.

Ativista ambiental e pelas causas indígenas, Letícia Sabatella inicia a programação do FESTA 57, que este ano, convide o público a refletir sobre a importância de uma lei de iniciativa popular para um Programa de Fomento ao Teatro para a Cidade de Santos, seguindo o modelo da capital paulista.

A iniciativa inspiradora possibilita a criação e manutenção de grupos com trabalhos continuados de pesquisa e produção artística e, ao mesmo tempo, melhorando o acesso da população ao teatro. Além das mostras nacional, estadual e regional, o festival também mantém shows, apresentações musicais, audiovisual, intervenções cênicas e rodas de conversa. Confira a programação em: fb.com/festivalsantistadeteatro e movimentoteatraldabaixadasantista.blogspot.com.

Programação

Dia 1º (terça-feira)
20h – Sesc-Santos (R. Cons. Ribas, 136) – Espetáculo musical ‘De Volta ao Centro’, com Letícia Sabatella e Caravana Tonteria;

Dia 2 (quarta-feira)
19h – Teatro Guarany (Praça dos Andradas) – Leitura dramática ‘A Condessa, a Cigana e o Amolador de Facas’ e curta-metragem ‘Rosinha Sinhá’ da TEP/Unisanta (Santos);
20h – Praça dos Andradas – Teatro ‘Circo do Só Eu’, do Barracão Teatro (Campinas);
23h – Vila do Teatro (Praça dos Andradas) – Show ‘O Baile é Balançante’, de Digo Maransaldi e Banda;

Dia 3 (quinta-feira)
0118h – Vila do Teatro – Teatro ‘Ispinho e Fulô de Patativa’, da Cia Teatral Carcarah Voador (Santos);
20h – Teatro Guarany – Teatro ‘Maria que Virou Jonas ou a Força da Imaginação’, da Cia
Livre (São Paulo);
22h – Quadra da Escola de Samba União Imperial – Teatro ‘Nas Quebradas do Mundaréu’, da Oficina do Imaginário e Dino Filmes (Santos);
23h – Vila do Teatro – Show ‘Visões de Severino’ (Ferraz de Vasconcelos);

Dia 4 (sexta-feira)
0416h – Rua do Comércio – Teatro ‘Hygiene’, do Grupo XIX de Teatro (São Paulo);
20h – Teatro Guarany – Teatro ‘Nepenthes’, do Projeto Antrópicos (Santos);
23h – Vila do Teatro – Festa do Coletivo Futuráfrica (Santos)
0h – Praça dos Andradas – Teatro ‘Blitz’, da Trupe Olho da Rua (Santos);

Dia 5 (sábado)
0515h30 – Fonte do Sapo – Teatro ‘Meu Quintal é Maior que o Mundo’, do Teatro Wídia;
16h30 – Fonte do Sapo – Teatro ‘A Moça da Janela’, da Animalenda (Itanhaém);
18h – Fonte do Sapo – Teatro ‘Baile do Anastácio’, do Oigalê (Rio Grande do Sul);
21h – Casa da Frontaria Azulejada – Teatro ‘A História dos Ursos Pandas’, do Teatro da Vila Velha (Bahia);
22h – Vila do Teatro – Batalha Musical sobre Fomento à Cultura Local, do grupo Muito Prazer, Meu Nome é Hip Hop (Santos);

Dia 6 (domingo)
0218h – Parque Roberto Mário Santini – Teatro ‘Rua da Amargura’, do Coletivo de Artes de São Vicente;
19h – Parque Roberto Mário Santini – Teatro ‘A Exceção e a Regra’, da Cia Estável de Teatro (São Paulo);
21h – Casa da Frontaria Azulejada – Teatro ‘Projeto Bispo’, do O Coletivo (Santos);
23h – Vila do Teatro – Apresentação do Diego Alencikas e Banda;

Dia 7 (segunda-feira)
16h – Escadaria do Monte Serrat – Teatro ‘Os Desclassificados’, de Os Panthanas (Santos);
20h – Casa da Frontaria Azulejada – Teatro ‘Diário de uma Revolucionária’, da Cia do Feijão (São Paulo);
21h30 – Praça dos Andradas – Teatro ‘Azar do Valdemar’, da Cia dos Inventivos (São Paulo);
23h – Vila do Teatro – Apresentação de The Matuts e Aparícius Band;

Dia 8 (terça-feira)
16h – Praça do Posto 2 – Teatro ‘Essa Partida Não Será Televisionada’, da Cia do Elefante/Tescom (Santos);
19h – Vila do Teatro – Teatro ‘Barraco Número 9’, da Oficina do Imaginário (Santos);
20h – Casa da Frontaria Azulejada – Teatro ‘{Entre}’, do Coletivo Negro (São Paulo);
21h30 – Vila do Teatro – Roda de conversa “Da vida ao palco: racismo e blackface no Brasil da democracia racial”;
23h – Vila do Teatro – Festa do Riscado com o DJ Silvio Luiz e Sandro Bueno;

Dia 9 (quarta-feira)
0320h – Teatro Guarany – Teatro ‘Os Sapatos que Deixei pelo Caminho’, do Teatro do Kaos (Cubatão);
21h – Praça dos Andradas – Teatro ‘Júlia’, do Cirquinho do Revirado (Santa Catarina);
23h – Vila do Teatro – Apresentação de Piratas do Maxixe e intervenções de ‘Zona in Progress 2’, de O Coletivo (Santos).

Histórico do Festival

O FESTA 57 – Festival Santista de Teatro é o festival de artes cênicas mais antigo em atividade do Brasil, reconhecido pelo Governo Federal com a Ordem do Mérito da Cultura. Criado em 1958 por Patrícia Galvão, a Pagu, o evento já despontou nomes como os dramaturgos Plínio Marcos e Carlos Soffredini, além de reunir personalidades como Regina Duarte, Paulo Goulart, Nicette Bruno, Herson Capri, Bete Mendes, Leona Cavalli, Cleyde Yáconis, Ney Latorraca, Sérgio Mamberti, Nuno Leal Maia, Alexandre Borges, Jandira Martini e Rubens Ewald Filho.

FESTA 57

O festival é uma realização do Movimento Teatral da Baixada Santista e da Secretaria de Estado da Cultura por meio do ProAC – Programa de Ação Cultural. O evento com apoio da Prefeitura de Santos e do Sesc além de parceria com a Cooperativa Paulista de Teatro, Movimento de Teatro de Rua de São Paulo, Rede Brasileira de Teatro de Rua, Vila do Teatro, Diário do Litoral, Escola de Samba União Imperial, Movimento Mães de Maio, Fundação Arquivo e Memória de Santos e Curta Santos.

*Lincoln Spada e Rafaella Martinez