Arquivo da tag: x-9

Em Santos, venda dos ingressos para desfile de Carnaval inicia dia 6

Prefeitura de Santos

A venda de ingressos para o Desfile Oficial das Escolas de Samba de Santos 2019 tem início nesta quarta-feira (6/fev), a partir das 9h, no Teatro Municipal Braz Cubas (Av. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias). O evento ocorre nos dias 22 e 23/fev, quando as 17 agremiações desfilam na Passarela Dráuzio da Cruz (Av. Afonso Schmidt, Areia Branca).

Este ano a novidade é a volta das arquibancadas. Os convites para esse setor custam R$ 10, mas quem doar 1kg de alimento não-perecível, exceto sal e açúcar, paga R$ 5. Os mantimentos serão encaminhados ao Fundo Social de Solidariedade. Também há venda de ingressos para as frisas, que custam R$ 40 – e R$ 20 para quem doar alimentos. Informações sobre venda de camarotes: (13) 3226-8027, em horário comercial.

Quem levar menores de 2 anos para o desfile, deve retirar o ingresso da criança, gratuito, no ato da compra do bilhete do responsável legal. Até esta sexta (8/fev), a bilheteria do Municipal funciona das 9h às 18h. A partir de 11/fev, a venda de ingresso ocorre das 9h às 12h e das 14h às 18h. É aceito apenas pagamento em dinheiro. O limite de convites é de quatro por pessoa.

Ordem dos desfiles

A primeira noite de desfile, dia 22/fev, será aberta com as escolas do Grupo 1 na seguinte ordem: Dragões do Castelo, Unidos da Baixada, Imperatriz Alvinegra, Bandeirantes do Saboó e Império da Vila. No mesmo dia vão desfilar as agremiações do Grupo de Acesso. Confira a sequência: Unidos da Zona Noroeste, Padre Paulo, Brasil e Mãos Entrelaçadas.

Na noite do dia 23, entra na avenida a elite do samba santista, com apresentação das oito escolas do Grupo Especial. Pela ordem do sorteio, apresentam-se Mocidade Dependente do Samba, Vila Mathias, Amazonense, União Imperial (atual campeã), X-9, Unidos dos Morros, Sangue Jovem e Real Mocidade Santista.

Historiador lança livro sobre a escola de samba X-9, em Santos

Por Marcus Vinicius Batista

O historiador Odair José Pereira lança na próxima quinta-feira, dia 15, o livro “Não somos bandidos – a história da escola de samba X-9”. O lançamento acontece a partir das 18 horas, na Casa da Frontaria Azulejada, na rua do Comércio, 92, no Centro de Santos. “Não somos bandidos” conta a história dos dez primeiros anos da escola de samba X-9, de 1944 a 1954, conhecida como A Pioneira. A obra, dividida em três capítulos, tem 204 páginas.

O nome do livro se refere a um samba feito por integrantes da escola, em 1954. Na época, a escola precisava de autorização da Delegacia de Diversões Públicas. O delegado, antes de autorizar, chegou a classificar os sambistas como marginais. O samba foi uma resposta da escola. O livro é fruto – sofreu alterações para o mercado editorial – do TCC do autor em História. A obra passa pelas origens do carnaval, em Santos, mostrando as batalhas de confete, os movimentos carnavalescos, a interferência da imprensa, até chegar na formação das primeiras escolas de samba.

A X-9 surgiu neste cenário. Logo no início da história, a X-9 teve como maior adversária a Brasil, outra escola tradicional da cidade. É importante salientar que o crescimento do carnaval tem relação direta com os movimentos dos trabalhadores, principalmente portuários. A X-9 nasceu no Macuco, bairro de origem portuária. Ainda na década de 40, a X-9 subiu a serra. Ganhou carnavais em São Paulo e fez muito sucesso na Capital no início da década de 50, a ponto de influenciar, inclusive, a criação de sambas-enredo.

O livro conta também a história das primeiras personalidades importantes do carnaval, como Tia Inês e Dráuzio da Cruz. Ele dá nome à passarela do samba, em Santos.
Em “Não somos bandidos”, Odair mostra que o samba tem origens, na cidade, no movimento dos quilombos. O livro volta até o quilombo do Pai Felipe, no século 19. Um mito derrubado: o carnaval de Santos sempre teve apoio do Poder Público. No início das escolas de samba, todos os recursos vinham da Prefeitura.

O livro, com tiragem de mil exemplares, foi contemplado pelo PROAC, da Secretaria do Estado da Cultura, e teve apoio institucional da Fundação Arquivo e Memória de Santos.
Odair é formado em História pela Universidade Católica de Santos (UNISANTOS). É professor de História, atualmente, na rede estadual de ensino. Em 2017, inicia um mestrado em História na Universidade Federal do ABC.

 

Fernando Negrão se apresenta neste sábado na Concha Acústica

No próximo sábado (dia 25), às 19 horas, ocorre o show gratuito do cantor e compositor Fernando Negrão na Concha Acústica. Um dos compositores com o maior número de sambas enredos na avenida, Fernando já fez samba pra inúmeras agremiações (União Imperial, X-9, Real, Vila Mathias, Padre Paulo, Amazonense, etc)

Fernando Negrão já participou de shows de grandes nomes do samba como Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal, Reinaldo, Jorge Aragão e Arlindo Cruz. Já escreveu músicas em parceria com compositores renomados nacionalmente como Aluísio Machado, Délcio Luiz, Carica, Pedrinho da Flor, entre outros.

Em 2014, Negrão foi o vencedor do concurso “Taça na Raça e você na Copa” promovido pelo Fantástico, da rede Globo, que elegeu a melhor versão da música da emissora. O clipe foi exibido nacionalmente. Negrão está atualmente trabalhando o seu CD com 12 faixas autorais. A atual música de trabalho que está tocando nas rádios se chama “Encanto de Mulher” que ele escreveu em parceria com Délcio Luiz.

*Fernando Negrão

 

Entrevista: O samba enredo da trajetória de Fernando Negrão

“E se ganhar / vou cantar, vou brindar / e o samba vai até o sol raiar, / o futebol tá na alma do nosso país / que faz este povo feliz”. Foram estes versos no Fantástico em junho do ano passado que tornaram o rosto e a melodia do santista Fernando Negrão famosos em todo o Brasil. O cantor e compositor foi um dos vencedores do concurso ‘Taça na Raça’.

No entanto, o santista já tem uma longa relação de amor com samba conhecida em nossa região. Desde os 12, já se apaixonava pelos ritmos e, cinco anos mais tarde, “estava abandonando a bola e cantando na noite”. O empenho renderia os primeiros prêmios no segmento ainda aos 19, no ano de 2000.

Nesta entrevista virtual, o cantor que nesta semana fará tem show agendado nesta sexta-feira, em evento fechado, na Arena Santos, detalha um pouco mais sobre esta paixão pela música. Desde a metodologia ao elaborar sambas-enredos, até a repercussão de seus trabalhos mais recentes. Confira abaixo:

Ainda na infância, você já era ligado à música? Pode descrever em qual momento, escolheu de vez seguir a carreira como cantor e compositor?

Na infância, lembro de escutar muitas fitas-cassetes de samba, deixava meus pais irritados, pois era o dia todo. Já teve vezes de ir no bar comprar cigarro para o meu pai, isso eu tinha uns 12 anos, e demorar pra voltar pra casa. Quando ele ia atrás de mim eu estava no balcão do boteco batucando e cantando com os mais velhos. As duas paixões da minha infância eram a música e o futebol (que também tentei ser profissional).

Quando olhei pra mim, já estava abandonando a bola e cantando na noite, com 17 anos de idade (Cachaça Brasil, Millenium, Feijoada da Tia Antonia, entre outros) e aos 19 anos ganhei o meu primeiro samba enredo, na escola onde comecei, a Real Mocidade Santista (2000).

Você é notório nas rodas de samba e nos carnavais. São dias ou ‘insights’, como é seu processo para criar as composições e melodias? Pode exemplificar citando alguma de suas obras?

02O samba enredo tem uma metodologia para compor, muito diferente de outros estilos musicais (inclusive, o “samba de meio de ano” como popularmente chamamos). O samba enredo precisa ser escrito em cima de um tema (enredo) estabelecido pela agremiação, e nele seguimos uma sinopse, montagem da escola, etc. E isso acaba engessando o compositor, que por muitas ocasiões precisa encontrar poesia em temas nada poéticos. Mas a experiência nos dá o feeling que precisamos, para harmonizar o que é pedido pela escola, com poesia e muita alegria principalmente.

Um dos sambas enredos mais populares que escrevi com meus parceiros foi o da X-9 de 2014 (Bem ou Mal mas falem de mim, sou X-9 até o fim). Esse enredo era sobre os ditos populares, que entraram naturalmente dentro da melodia. Esse samba foi eleito o melhor do ano (venceu o prêmio Estandarte Santista) e com certeza entrou na galeria dos mais cantados… “Tá na boca do povo, X-9 de novo / A melodia que traz alegria / Essência que não se perdeu / A voz do samba é a voz de Deus”.

01Esses últimos dois anos foi muito produtivo musicalmente para mim. Escrevi músicas em parceria com compositores já renomados no meio como Aluísio Machado, Pedrinho da Flor, Délcio Luiz e Carica (com este último escreveu a música de trabalho “Vida Maneira” que está na programação das principais rádios da baixada santista). Essa aproximação com essas feras do samba me dão a certza que estou no caminho certo e me deixa muito feliz.

Para cantar, claro, que também deve haver alguma preparação. Além disso, você também toca instrumentos musicais. Como é a sua rotina no dia a dia de ensaios e que recomendações dá a outros músicos?

Quando estou em casa volta e meia eu pego o cavaco, que é o instrumento que eu toco, e sempre procuro estar pensando em novas melodias para futuras músicas. Quanto a preparação de voz, confesso que não sigo rigorosamente as condutas mais indicadas, mas procuro não abusar no dia das apresentações, principalmente evitando bebidas geladas.

O grande objetivo de quem faz arte é emocionar o público. De todas as suas obras e apresentações, pode detalhar algum momento que mais repercutiu e te incentivou a continuar na carreira?

03Muito bom poder mexer com o sentimento das pessoas, e a música nos proporciona isso. Em vários lugares onde me apresento, muita gente vem falar comigo, dizendo que alguma música minha serviu de tema para algum momento da vida dela e isso não tem preço.

Na minha trajetória, também teve muitos momentos marcantes para mim, como a recepção da seleção da Costa Rica aqui em Santos, e fazendo a abertura de shows do Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal, Arlindo Cruz, entre outros.

Também na época que antecede o carnaval, faço um programa na Guarujá Fm (104,5) que já vai pro oitavo ano consecutivo, chamado “Comissão de Frente” Onde cada dia, uma escola de samba de Santos é minha convidada. Eu entrevisto, sorteio fantasias, camisas, CDs.

A escolha do seu samba no concurso do Fantástico durante a Copa de 2014 certamente deve ter colaborado para a sua carreira. Quais foram os desdobramentos dele? E, aproveitando, quais seus planos para o futuro?

04A vitória no concurso do Fantástico (Taça na Raça) da Rede Globo, no ano passado rendeu uma visibilidade em nível nacional, sem dúvida. Nas ruas e nas redes sociais é perceptivo as mudanças que ocorreram em minha carreira após esse episódio.

Com certeza, portas se abriram, e hoje faço muito mais apresentações, até em outras regiões (Já foi cantar quatro vezes no Rio de Janeiro após isso) e até hoje tem gente que me chama de “homem da Copa”, eu acho graça e levo de boa.

Para o futuro, quero continuar vivendo da minha arte, levando meu samba até outros centros. Quero continuar compondo bastante, com velhos e novos parceiros. Mas sempre retornando para as minhas raízes, essa minha cidade que eu amo.

*Lincoln Spada

 

Concha Acústica tem samba, pop e musical infantil

Neste fim de semana, a Concha Acústica Vicente de Carvalho, localizada na orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3, recebe programação com samba e pop, além de espetáculo musical infantil no Projeto Conchinha.

No sábado (17), a partir das 19h, o som é da Velha Guarda da X-9, que mostra canções de compositores que começaram suas carreiras em quadras de escolas de samba. O grupo traz 12 integrantes e seis bailarinos.

Já a noite de domingo (18) tem o som da banda Koala Joe, que mostra repertório dançante. Liderada por Duda Giangiulio e Rodolpho Rigueiral, o grupo divulga atualmente o ‘Registro Koala Ao Vivo em Estúdio’, em comemoração aos 13 anos de carreira.

Conchinha

No Projeto Conchinha, realizado a partir das 10h30 de domingo (18), a atração é o espetáculo musical ‘A Arca’, apresentado pelo grupo Zigzag, que mostra canções das coletâneas ‘A Arca de Noé’, de Vinícius de Moraes, como homenagem ao poeta. Indicado para crianças de zero a dez anos.

Toda a programação da Concha Acústica tem entrada franca. Em caso de chuva, os eventos são adiados. Mais informações pelo tel. 3226-8000 ou no site http://www.santos.sp.gov.br.

*Prefeitura de Santos

 

Fernando Negrão vai esquentar a Arena Santos dia 8

01O cantor e compositor santista Fernando Negrão será a grande atração desta quarta (dia 8), véspera de feriado, na Festa Inverno Santos 2015, a partir das 20 horas. No repertório do sambista, clássicos do gênero mesclado com composições próprias que já tocam nas rádios da Baixada Santista.

Negrão é um dos grandes nomes do carnaval da região, emplacando diversos sambas-enredo em muitas escolas de samba, entre elas X-9, União Imperial, Real Mocidade, Vila Mathias, entre outras.

Ano passado, Fernando Negrão foi o vencedor do concurso “Taça na Raça” promovido pelo Fantástico, da Rede Globo, que escolheu a melhor versão para a música da Copa. Fato que lhe rendeu boa popularidade do músico santista

*Fernando Negrão

 

Premiação do ‘Estandarte Santista’ ocorre nesta quinta

A partir das 19h desta quinta-feira (26), o Teatro Guarany (Praça dos Andradas/Santos) recebe a premiação do ‘Estandarte Santista’, que nesta segunda edição premia, além das escolas de samba, as bandas carnavalescas, que também receberam votos por meio do portal G1. O evento é gratuito.

A escola de samba Unidos dos Morros conquistou três das dez categorias: Melhor Alegoria, Intérprete e Samba-enredo. Já a banda Carnacachaça foi a preferida do público, com 24.823 votos. Além disso, as duas escolas pleiteantes e as outras cinco agremiações do Grupo de Acesso receberam votação a partir da pergunta: ‘Qual escola merece o Estandarte Santista do 1º dia de desfiles do Carnaval de Santos?’. A vencedora foi a estreante ‘Mãos Entrelaçadas’, com 10.927 votos.

Lista de vencedores do Grupo Especial:
Alegoria: Unidos dos Morros; Animação da Torcida: X-9; Baianas: Amazonense; Bateria: Brasil; Comissão de Frente: União Imperial; Desfile: X-9; Intérprete: Baby, da Unidos dos Morros; Mestre-sala e Porta-bandeira: Rafael Gonzaga e Janaína Fares, da Bandeirantes do Saboó; Rainha de bateria: Lezir Ferreira, da Amazonense; Samba-enredo: Unidos dos Morros

Resultado do Grupo de Acesso / Pleiteantes:
1. Mãos Entrelaçadas (10.927 votos / 69%); 2. Imperatriz Alvinegra (2.964 votos / 19%); 3. Unidos da Zona Noroeste (803 votos / 5%); 4. Império da Vila (541 votos / 3%); 5. Mocidade Dependente do Samba (258 votos / 2%); 6. Dragões do Castelo (249 votos / 2%); 7. Unidos da Baixada (47 votos / 0%)

Banda carnavalesca preferida:
Carmacachaça (24.823 votos)

*Prefeitura de Santos