Arquivo da tag: zona noroeste

Coletivos de dança celebram o Natal na Zona Noroeste

Por Secult Santos

Dez grupos de dança da região participam do Espetáculo de Natal nesta sexta-feira (21), a partir das 19h30, na Av. Afonso Schmidt, no bairro Areia Branca, na Zona Noroeste de Santos. A performance, gratuita, ocorre em frente ao Centro Cultural da Zona Noroeste e reúne modalidades como dança de rua, zumba e axé.

A atividade, que tem apoio da Secretaria Municipal de Cultura (Secult) e da Administração Regional da Zona Noroeste, também marca a chegada do Papai Noel e realiza distribuição de presentes. A coordenação é do professor de dança da Secult, Ricardo Andrade.

 

Cine Letras exibe comédia sobre inclusão nesta quinta-feira

Por Secult Santos
.
Em parceria entre as secretarias de Cultura e de Relações Institucionais e Cidadania, o projeto Cine Letras, em sua 7ª edição itinerante, chega ao Cine ZN – Sala Toninho Dantas (Centro Cultural da Zona Noroeste – Av. Afonso Schmidt, s/nº, Areia Branca) para exibir o filme ‘Colegas’. A sessão ocorre na quinta-feira (19), a partir das 14h, com entrada franca.
.
O ‘Leia Santos’ estará presente com a ação Adote um Livro, que oferece publicações que serviram de roteiro para filmes, além de biografias de cineastas e atores. O Cine Letras oferece gratuitamente pipoca e refrigerante. Após a exibição ocorre bate-papo com o coordenador de Defesa de Políticas para Pessoas com Deficiência, Daniel Monteiro, e com a jornalista Roseane Arrocho e o filósofo Rodrigo Lucheta, ambos servidores da Secult.
 .
O filme
.
Comédia premiada, ‘Colegas’ trata de forma poética coisas simples da vida por meio dos olhos de três personagens com síndrome de Down. ‘Colegas’ é um filme que aborda de forma inocente a importância da simplicidade e da leveza da vida.
.
Seus três protagonistas (Stalone, Aninha e Márcio) se comunicam basicamente por frases célebres de cinema, resultado dos anos em que trabalharam na videoteca do Instituto Madre Tereza, local onde vivem.
.
Um dia, inspirados pelo filme ‘Thelma & Louise’, resolvem fugir no carro velho do jardineiro em busca de seus sonhos: Stalone quer ver o mar, Márcio deseja voar e Aninha busca um marido. Nessa viagem, enquanto experimentam o sabor da liberdade, envolvem-se em inúmeras confusões e aventuras.

Centro Cultural da Zona Noroeste recebe inscrições para cursos gratuitos

Por Secult Santos

O programa Fábrica Cultural, da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), está com inscrições abertas para cursos artísticos gratuitos oferecidos no Centro Cultural da Zona Noroeste (Av. Afonso Schmidt, s/nº, Areia Branca). Há disponibilidade de vagas, até o próximo dia 28, para oficinas balé, dança, teatro, mangá e artes visuais.

Para participar, os candidatos devem comparecer ao Bloco A do complexo cultural (piso térreo), de segunda a sexta-feira (exceto no feriado deste dia 21), das 14h às 18h, e apresentar original e cópia do RG e comprovante de residência, além de uma foto 3×4.

Menores de idade devem portar RG ou Certidão de Nascimento, uma foto 3×4, comprovante de residência e documentos do pai, mãe ou representante legal.

Vagas e especificações

>> Balé Clássico – 17 vagas (iniciantes e alunos novos)
>> 1º ano Balé Clássico – 23 vagas (iniciantes e alunos novos)
>> 2º ano Balé Clássico – 39 vagas (para candidatos que possuam um ano de experiência e 8 a 12 anos idade)
>> 3º ano Balé Clássico – 10 vagas (2 anos de experiência e 9 a 13 anos de idade)
>> Balé Moderno – 21 vagas
>> Balé para Adultos – 4 vagas
>> Dança de Rua Interativa Infantil – 32 vagas
>> Zumba – 21 vagas
>> Dança de Salão – 23 vagas
>> Dança do Ventre – 10 vagas
>> Teatro – 48 vagas
>> Capoeira – 41 vagas
>> Artes Visuais – 9 vagas
>> Mangá – 3 vagas

 

Cadeia Velha: Secretários se reúnem e Agem se compromete a dialogar com artistas

Por Lincoln Spada

A mobilização dos artistas sobre o futuro da Cadeia Velha ainda como centro de artes integradas rendeu numa reunião na última quarta-feira (dia 25), na sede da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem). O órgão recebeu a Câmara Temática de Cultura do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb), formada pelos representantes municipais do setor.

Participaram os secretários Fábio Lopes (São Vicente), Fábio Alexandre Nunes (Santos), Paulo Roberto Fiorotto (Guarujá), Raul Christiano (Cubatão) e o diretor de gestão cultural Renato Paes (Praia Grande), além do diretor da Agem, Hélio Hamilton Vieira Jr.

A Agem enfatizou as palavras de Hélio: “Nosso objetivo é ouvir as propostas. Estamos conversando, inclusive com representantes dos movimentos, para equacionar essa questão”. Segundo artistas, o diretor já se encontrou com o atual presidente do Conselho de Cultura de Santos, Jamir Lopes. Nesse sentido, os demais artistas da região esperam uma reunião ampliada sobre o tema.

Histórico da Cadeia Velha

Desde 2015, a Secretaria de Estado da Cultura se comprometeu em audiências e anúncios públicos que a reformada Cadeia Velha de Santos continuaria como centro de artes integradas, com espaços para formação, produção e apresentações de coletivos artísticos da Baixada Santista. Foi previsto um conselho gestor com representantes da sociedade civil (até então não efetivado), como também o retorno das Oficinas Culturais no local.

Em dezembro, a Secretaria de Estado da Cultura (SEC) anunciou remodelar o programa Oficinas Culturais, desativando as sedes regionais do interior e litoral paulista – entre elas, a Oficina Cultural Pagu, mantida até então em convênio com a OS Poiesis. Em 2016, durante quatro meses de uso, o instituto já preparou duas celas para artes cênicas – dança, teatro e circo. A SEC tentou repassar o prédio à Prefeitura de Santos, que não tem orçamento para assumí-lo: o custo estimado é em R$ 1,4 milhão.

Reviravolta em 2017

Neste ano, em coletiva de imprensa, o próprio secretário José Roberto Sadek recuou desse compromisso, em virtude da crise econômica que alcança o Estado de São Paulo. O anúncio é de que o prédio será gerido pela Agem (piso superior), com atividades do polo santista do Projeto Guri (piso térreo), então único programa estadual que abraçava a Zona Noroeste, sem haver conselho gestor com artistas, além de somente uso de expediente comercial.

O Conselho de Cultura de Santos repudiou publicamente as medidas anunciadas. Por sua vez, os secretários no último dia 25 definiram junto à Agem em que, pelo menos, as celas já adaptadas para artes cênicas fosse voltada aos coletivos. No piso superior, o salão Plínio Marcos também foi garantido para apresentações dos artistas.

Agenda para uso artístico

A questão levantada pelo movimento é de que a maior parte da programação ocorre fora do expediente comercial de segunda a sexta-feira, como às noites ou nos fins de semana, além de que outros segmentos querem participar do espaço, além das artes cênicas e circenses. Os secretários e a Agem já propõem de readequar o expediente aos artistas para quarta-feira a domingo.

No entanto, caberá à futura gestão do prédio – a Agem – fazer este agendamento dos espaços. “Para que o prédio permaneça aberto aos sábados e domingos, ou mesmo além do horário comercial, será preciso garantir infraestrutura (mais segurança, manutenção, organização de agenda etc.). Como ficará o custeio disso? Como serão divididas as responsabilidades nesta gestão compartilhada, inclusive as que caberão aos movimentos culturais? É por isso que nós estamos ouvindo os representantes do setor”, estuda Hélio, de acordo com site da Agem.

 

Arte clown de Darina Robles em apresentações e workshops em Santos

Por Secult Santos

A Concha Acústica Vicente de Carvalho, localizada na orla do Gonzaga, ao lado do Canal 3, tem atração internacional na manhã deste domingo (4), em mais uma edição do Projeto Conchinha, realizado pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult). O destaque é a mestra da palhaçaria feminina do México, Darina Robles, que apresenta em Santos o espetáculo infantil ‘La creación del mundo’, que aborda mitos indígenas e palhaçaria teatral. A sessão tem início às 10h30, com entrada franca. Em caso de chuva, a programação é cancelada.

A performance é uma ação do ‘Praiaças – Movimento de Palhaçaria Feminina da Baixada Santista’, idealizado pela Bella Cia., que completa 20 anos de trabalho e pesquisa no universo circense neste mês de dezembro. O projeto é coordenado por Juliana Bordallo (Palhaça Flóris), que começou a se dedicar ao ofício em 2001, como médica Clown pela Troupe Tralha Médica, atuando em hospitais da Baixada. Hoje integra a Bella Cia.

Workshop e sessão para adultos

Numa iniciativa da Bella Cia., além da performance na Concha Acústica, Darina Robles também apresenta seu espetáculo, na versão adulta, nesta sexta-feira (2), às 21h, no Casarão Santa Cruz (Rua Almeida de Moraes, 45, Vila Mathias). Os ingressos custam R$ 15,00.

Também no Casarão Santa Cruz, a artista ministra o workshop ‘Donde estás mi Payasa’ nos próximos dias 5 e 6, das 19h as 22h, além de participar da roda de conversa ‘Palhaçaria Feminina’, no dia 7, a partir das 19h. A programação custa R$ 30,00.

Atração musical na Concha

Além da performance internacional no projeto Conchinha, a programação na Concha Acústica traz neste sábado (3), a partir das 19h, o som de Gervak Lima Júnior, que apresenta versões em MPB para poemas de Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade. No palco, Gervak, que assume voz e violão, é acompanhado pelas Bailarinas da Zona Noroeste (Toninha, Sandra Alves e Maria Lisboa). Segundo o artista, a performance terá registro das Oficinas Querô. Em caso de chuva, a programação é cancelada. Entrada franca.

 

Itinerante, Leia Santos realiza seis edições em novembro

Por Prefeitura de Santos

O projeto Leia Santos – Um Incentivo à Leitura, que agora dispõe de Biblioteca Móvel, realiza seis edições neste mês de novembro. Além disso, passa a disponibilizar o Baú das Letrinhas, com a distribuição gratuita de títulos infantis. O público adulto também pode adquirir, gratuitamente, livros, revistas e HQs, que são doados à população por meio das ações Adote um Livro e Adote um Gibi.

A primeira edição de novembro do Leia Santos, realizado pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult) há dez anos, ocorre no próximo dia 6, das 19h às 13h, no Jardim Botânico Chico Mendes (Rua João Fracarolli, s/nº, Bom Retiro, na Zona Noroeste).

Já no dia 11, das 14h às 18h, marca presença na Praça Bruno Barbosa, no Castelo, também na Zona Noroeste. A orla do Gonzaga recebe projeto no dia 13, das 9h às 13h, em mais uma edição da Rua de Lazer. No dia 20, das 10h às 14h, comemorando o Dia da Consciência Negra, chega à Praça Palmares, no bairro Embaré.

No dia 26, o projeto tem edição dupla. Das 13h às 17h, estará no aniversário do bairro Pompeia, com estande posicionado na orla, próximo ao Posto 2. Já das 15h às 17h, marca presença no projeto ‘Leia Mulheres’, realizado na Praça dos Andradas, no Centro Histórico. Em caso de chuva, as edições são canceladas. Mais informações pelos telefones 3202-3572 ou 3202-3573.

O Projeto

Itinerante, o Leia Santos promove atividades de incentivo à leitura e à escrita. Entre as principais ações estão a distribuição gratuita de publicações por meio dos projetos Adote um Livro e Adote um Gibi. Também disponibiliza o Espaço Leitura, com cadeiras e mesas para a leitura de jornais, revistas e dos títulos adotados; e o Espaço Pintura, com atividades recreativas para as crianças. Outras ações são o Varal de Poesias e Exposições Literárias, que destacam poemas dos principais atores nacionais e regionais. Mais informações pelo telefone 3226-8000.

Doação de livros

O Leia Santos recebe doações de livros feita pela população (exceto didáticos ou enciclopédias). Elas podem ser realizadas de duas formas: quando volume de publicações for superior a 25 unidades, a retirada dos títulos ocorre na residência do munícipe, mediante agendamento feito pelos telefones 3202-3572 ou 3202-3573. Caso a doação seja menor que 25 livros, a pessoa pode entregar os títulos nos Pontos de Leitura ou nas bibliotecas municipais. Confira os endereços em http://www.santos.sp.gov.br/leiasantos.

 

Estúdio musical do Arte no Dique homenageia Moraes Moreira

Em 1991, Moraes Moreira cantava, em “Cidadão”, faixa que batizava seu disco lançado naquele ano, sobre a democracia, a força do povo, sobre gente como a gente. Passaram-se 25 anos da canção e, em 2016, o cantor e compositor voltou a excursionar com a lendária banda Os Novos Baianos, a qual integrou entre 1969 e 1975 e deu ao mundo, entre diversas pérolas e clássicos do cancioneiro nacional, “Acabou Chorare” (1972), um dos melhores discos da música brasileira – no caso, para a revista Rolling Stone, o melhor de todos, eleito em pesquisa.

1Parceiro e essencial na construção do Arte no Dique desde 2004, tendo se apresentado no instituto e apoiado diversas iniciativas da instituição, é com orgulho que o Arte no Dique batiza seu estúdio musical com o nome do artista. “Um nome que inspira. Que influencia. Que traz luz e contribuirá para um ambiente propício ao surgimento de novos talentos”, afirma o presidente da entidade, José Virgílio Leal de Figueiredo.

O Estúdio Moraes Moreira já está em pré-funcionamento na sede da organização e será lançado oficialmente em dezembro, no aniversário de 14 anos do Arte no Dique. Artistas, músicos, produtores, jornalistas e quem se interessar já podem reservar horários para ensaios, gravações, entre outros serviços. Os interessados podem ligar para os telefones 13 3291-8464, 98113-0880 e 98820-2634. O Instituto Arte no Dique fica na Rua Brigadeiro Faria Lima, 1349, Rádio Clube. O estúdio funciona em horário comercial.

*André Azenha